Meditações Novembro 2011

A Graça Tem seu Custo


Não deixem que fique sem proveito a graça de Deus, a qual vocês receberam. 2 Coríntios 6:1, NTLH
Quem ainda não comprou nelas, sabe ao menos onde estão. São as lojas de desconto, que fazem liquidação o ano todo. Locais aonde você vai para comprar por menos, barganhar e pechinchar. Talvez você conheça a Feira do Paraguai e a 25 de Março, em São Paulo. Cada cidade grande tem setores em que você pode encontrar produtos “importados”, imitações perfeitas a preços tentadores. São locais de muito movimento, onde se ouvem as vozes dos vendedores ambulantes disputando compradores. A intenção é atrair grande número de clientes, oferecendo, pelo menor preço, uma imitação do produto verdadeiro.
Perguntei o preço de um Rolex a um vendedor ambulante em Ciudad Del Leste: 40 dólares. O relógio era igualzinho ao original, com fundo azul ou prateado. Mas o verdadeiro naquele modelo custa quase três mil dólares, com desconto.
Há uma expressão colocada em uso pelo jovem teólogo alemão Dietrich Bonhoeffer: “Graça barata.” Ele diz: “Graça barata significa justificação do pecado, não do pecador. Graça barata é a pregação do perdão sem o arrependimento, é o batismo sem a disciplina de uma congregação, é a ceia do Senhor sem a confissão dos pecados. Graça barata é a graça sem discipulado, a graça sem a cruz, a graça sem Jesus Cristo vivo, encarnado.”
No texto de hoje, Paulo escreve para pessoas que aceitaram e receberam a graça de Deus. Alguns deles eram seus colaboradores: “Lembrem-se do que falei, escrevi e ensinei. É bem capaz que para alguns de vocês a quem falei a graça tenha se tornado sem nenhum propósito. Cuidado! Não permitam que Ela tenha sido em vão para vocês.” Será que não podemos cair no perigo de receber a graça de Deus e continuar os mesmos?
A graça concessiva (ou barata) fará com que tenhamos um pé nas trevas e outro na luz. Vai sussurrar que podemos fazer o que quisermos, ou pior, recusar fazer o que Deus deseja que façamos – e mesmo assim Ele nos salvará. Não podemos usar a graça como desculpa para a autoindulgência. Não passemos por alto o fato de que a graça que produz frutos é bíblica. Ela nos impulsionará a maior devoção e mudança no estilo de vida.
Aceitar a graça de Deus é aceitar Suas expectativas para nossa vida e crer em Seu poder transformador.

2 de novembro Quarta

Mudando-se Para o Novo


Se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas! 2 Coríntios 5:17
Li uma história interessante que ilustra o fato de “ser nova criatura”. É sobre um casal que não sabia ler e se tornou cristão. Eles assistiam às reuniões da igreja e perceberam que os homens formavam um grupo que usava uniforme. Quando saíam para realizar algum projeto, usavam colete vermelho. A mulher então confeccionou um colete para o esposo, mas percebeu pelo semblante dele, quando voltou da igreja, que ele não estava muito contente. É que em todos os coletes havia uma mensagem bordada, menos no dele.
Sem se deixar intimidar pelo fato de não saber ler, a mulher copiou o anúncio que estava na janela da loja em frente, na rua em que moravam, e bordou-o no colete. Depois da reunião seguinte na igreja, ele voltou para casa radiante. Contou que todos haviam gostado do que estava escrito, porque descrevia apropriadamente a mudança pela qual ele e a esposa tinham passado. O que a mulher havia bordado no colete? Isto: “Sob nova direção.”
Como é bom ter esperança! Esperança de um novo começo, de tentar de novo, de começar nova história. O verso bíblico de hoje é repetido pelos oradores em apelos no fim de semanas de oração, em batismos, ou em reuniões evangelísticas, para descrever a mudança que ocorre na vida das pessoas.
A expressão “em Cristo” é a favorita de Paulo para se referir à união do cristão com Cristo, e o texto de hoje é, sem dúvida, o que melhor descreve essa união.
O novo a que Paulo se refere nesse verso não é cosmético. Você pode mudar o penteado, a roupa, o visual. Pode fazer plástica e se maquiar; tratar a pele para reduzir rugas; perder ou ganhar uns quilinhos, mas a transformação da qual Paulo fala é de dentro para fora; mudança interior completa.
“Se alguém está em Cristo, é nova criação.” A velha ordem se foi, uma nova ordem começou. Não há coexistência da velha ordem com a nova. O novo domínio é de Cristo. Velhos valores desaparecem e novos valores surgem. Novas atitudes e novas ações. “As coisas que antes detestavam, agora amam; as coisas que antes amavam, agora aborrecem. O orgulhoso e arrogante torna-se manso e dócil. O vaidoso e altivo torna-se humilde e modesto. O alcoólatra deixa a bebida; o viciado torna-se puro” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 58).

3 de novembro Quinta

Cântico de Peregrinação


O meu socorro vem do Senhor. Salmo 121:2
Os Salmos 120 a 134 são conhecidos como Cânticos de Peregrinação. Eram cantados pelos judeus enquanto viajavam para a cidade de Jerusalém durante as festas. O Salmo 121, chamado também de “O Salmo do Viajor”, é uma reafirmação da proteção e da provisão de Deus.
“Elevo os meus olhos para o monte.” Há muitos cartões postais com esse verso mostrando montanhas imponentes ao fundo. As montanhas a que esse salmo se refere são aquelas que os israelitas encontravam em sua peregrinação para Jerusalém. No alto dessas montanhas, os cananitas construíam altares aos seus deuses e faziam sacrifícios humanos. Os israelitas, em sua peregrinação a Jerusalém, diziam: “Eu olho para as montanhas. A minha ajuda vem dali? Claro que não! Vem do Senhor!”
Para onde nos voltamos quando estamos em dificuldades, quando a vida nos fere? O que pode nos suster nas horas difíceis? Vemo-nos muitas vezes em situações em que precisamos de socorro e ajuda, para as quais olhamos e em que percebemos que a única ajuda possível para resolver o problema é Deus. Ele é capaz de nos acalmar.
“O meu socorro vem do Senhor, que fez os Céus e a Terra.” Deus, o Criador de todas as coisas, está pronto para me ajudar. “Ergam os olhos e olhem para as alturas. Quem criou tudo isso? Aquele que põe em marcha cada estrela do Seu exército celestial, e a todas chama pelo nome. Tão grande é o Seu poder e tão imensa a Sua força, que nenhuma delas deixa de comparecer!” (Is 40:26).
“Ele não permitirá que você tropece; o seu protetor se manterá alerta” (Sl 121:3). Que coisas o fazem ficar acordado durante a noite? São as escolhas que seus filhos estão fazendo? Será a preocupação pelo exame médico? Ou é o dinheiro que está curto e exigirá alguns ajustes que não estavam na agenda? Deus cuida dessas coisas para nós, mesmo quando estamos dormindo! Ele está velando por nós. Podemos dormir porque Deus não dorme. Nem mesmo cochila ou dormita. Ele vigia 24 horas por dia, sete dias por semana e cem anos num século.
Da próxima vez que você ler esse salmo, procure sublinhar todas as palavras ou frases que falam do cuidado e da proteção de Deus. Mencione essas palavras ou frases durante o dia, enquanto estiver dirigindo seu carro, no escritório, ou mesmo em casa. Fale também essas palavras quando você estiver enfrentando uma situação tensa e angustiante. Elas podem, de hoje em diante, fazer parte de seu kit de primeiros-socorros.

4 de novembro Sexta

Conhecer Sua Identidade


Quem vocês dizem que Eu sou? Lucas 9:20
Aqueles que estudam comunicação e enveredam pelo jornalismo sabem que existem sete perguntas habituais feitas para se conseguir informação: o que, quando, qual, onde, como, por que e quem. Algumas perguntas que fazemos não são tão importantes como outras: Papel ou plástico? Quente ou morno? Crédito ou débito? Já outras são mais importantes: Onde você vai estudar? Que curso escolheu? Vai voltar pra ela ou vai desistir? E existem aquelas perguntas inconvenientes: “Quanto você ganha?” “Que idade você tem?” “Quanto está pesando agora?”
Depois de uma série de acontecimentos em Seu ministério, acalmar a tempestade, curar um endemoninhado, ressuscitar a filha de Jairo e alimentar cinco mil pessoas, podemos dizer que o ministério de Jesus estava passando por um momento de bastante popularidade.
Jesus queria saber o que a opinião pública dizia a Seu respeito. Não havia institutos de pesquisa como o Datafolha ou o Ibope, nem método especial de coleta de dados ou registro de quantas pesquisadas foram feitas. Ele perguntou aos discípulos: “Quem as multidões dizem que Eu sou?” (v. 18).
Eles haviam escutado muitas conjecturas e passaram para Jesus a opinião do povo que perguntava “Quem é Ele?”, “De onde Ele veio?”, “O que Ele diz ser?”, “O que Ele realizou?” Informaram para Ele que alguns O tinham como João Batista, Elias ou algum dos profetas.
Jesus foi então para a pergunta seguinte: “E vocês, o que dizem? Quem vocês dizem que Eu sou?” (Lc 9:20). Nenhuma pergunta se sobressairá em importância como essa, feita há dois mil anos.
Hoje existem muitas versões sobre Jesus. Muitos O chamam de o Iluminado, grande Mestre ou apenas um bom exemplo. Para outros, a figura de Jesus é a daqueles vitrais já descoloridos das igrejas, ou o Jesus dos flanelógrafos. Para outros, ainda, é o Jesus das pessoas politicamente corretas, que não fumam nem usam drogas.
Quando Pedro afirmou: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”, a reação de entusiasmo de Jesus foi imediata: “Isso mesmo! Você não tirou essa ideia de livros, mas foi Meu Pai que a revelou a você.”
A pergunta é feita a cada um: Quem é Jesus para você?
“Oro também para que os olhos do coração de vocês sejam iluminados, a fim de que vocês conheçam a esperança para a qual Ele os chamou, […] e a incomparável grandeza do Seu poder para conosco” (Ef 1:18, 19).

5 de novembro Sábado

O Fariseu e o Publicano

Quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado. Lucas 18:14
No cenário, dois homens: um fariseu e o outro, cobrador de impostos. Um reconhecia sua pecaminosidade e necessidade de Deus. O outro se considerava uma grande aquisição para a igreja. O fariseu queria justiça. O publicano apelava apenas por misericórdia.
Mas deixe de lado o preconceito que havia contra os fariseus, porque, apesar de tudo, eles tinham suas virtudes. Eles observavam alto nível de moralidade, eram defensores da Bíblia, estritos observadores do sábado e contribuíam com a igreja. Sempre se apresentavam bem vestidos, chegavam cedo aos cultos e faziam questão de entregar o envelope de ofertas diretamente ao “pastor”. Os publicanos, por outro lado, eram vistos como pecadores inescrupulosos, e esse a que se refere a parábola, sem saber o que dizer, apelou por misericórdia.
Temos que reconhecer que na maioria de nós há um pouco de ambos – e às vezes um pouco mais de fariseu do que de publicano.
O que Jesus está tentando nos ensinar é que nenhuma coisa boa que fizermos vai ser suficiente para que passemos no “teste de entrada” no Céu. O fariseu mantinha uma lista de tudo o que fazia. A vida cristã sempre era um fardo, porque ele sempre se sentia aquém da quantidade de orações que devia fazer. “Tenho que entregar esta lista na entrada do Céu”, era o pensamento dele, como se a tal lista fosse um credenciamento seguro para poder entrar.
A realidade é que mesmo que vivamos orientados pela graça de Deus, nossa tendência para a justificação por meio das obras é tão grande que na primeira oportunidade largamos a graça e queremos demonstrar para Deus que somos bons fazendo alguma coisa.
Na versão bíblica The Message, lemos o texto assim: “Dois homens foram ao templo para orar, um era fariseu e o outro, cobrador de impostos. O fariseu fazia pose e orava assim: `Ó, Deus, eu Te agradeço que não sou como outras pessoas, ladrões, trapaceiros, adúlteros. Nem (que o Céu me perdoe) como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de todos os meus rendimentos. Enquanto o publicano andava curvado na escuridão, com o rosto entre as mãos, sem ousar olhar para cima, dizia: `Deus, tem misericórdia. Perdoa-me, um pecador” (Lc 18:10-13).
Onde estamos na parábola? Jesus disse: “Quem se exaltar será humilhado, e quem se humilhar será exaltado” (Lc 18:14).

6 de novembro Domingo

Domando o Estresse


Não andem ansiosos por coisa alguma. Filipenses 4:6
Num pequeno artigo sobre estresse, a revista Preaching traz uma série de sugestões para quem quer pertencer ao Clube dos Candidatos ao Estresse. Entre outras sugestões, estavam as seguintes:
1. Nunca diga não ao que os outros lhe pedem. Sempre diga sim.
2. Aceite todos os convites para assistir a comissões e reuniões especiais.
3. Vá ao escritório mesmo aos domingos e feriados.
4. Esportes e hobbies? Tempo perdido.
5. Não é recomendável tirar todas as férias a que você tem direito.
6. Nunca delegue responsabilidades. Procure fazer tudo sozinho.
7. Leve sua pasta para casa no fim do dia. Isso lhe dará oportunidade para revisar completamente o que não conseguiu terminar.
Você, por acaso, ficou “enganchado” em alguma dessas sugestões? A palavra “estresse” hoje soa ofensiva para algumas pessoas. O fato é que convivemos com ele todos os dias. Por mais que nos esforcemos, não nos podemos livrar de suas garras: acúmulo de trabalho, problemas financeiros, desentendimento nos relacionamentos, resultados negativos inesperados, etc. O fato é que, tenhamos nós criado a crise ou ela venha de fora, nos sentimos incompletos e menores diante de algumas situações.
Seria bom pensar e responder: Quais são os conflitos que ainda não resolvi? Que inseguranças me tornam mais competitivo? Que hostilidades me tornam mais impaciente comigo mesmo e com os outros?
Que receita Paulo recomendou contra o estresse? Sentado em sua cela na prisão, com uma sentença de morte pendente sobre ele, o apóstolo disse: “Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o coração e a mente de vocês em Cristo Jesus” (Fp 4:6, 7).
Ele fala de petições, pequenas orações detalhadas, que às vezes não duram nem um minuto, mas serão suficientes para ouvir a voz de Jesus falando ao nosso coração: “Calma, aquieta-te.”
Deus vai guardar nosso coração, colocar uma sentinela impedindo que o estresse estrague nosso dia, e, além disso, vai nos dar Sua paz.
Quem sabe você possa colocar sobre sua mesa ou no local de trabalho o lembrete de Paulo: “Não andem ansiosos por coisa alguma” (Fp 4:6).

7 de novembro Segunda

Conversa ao Pé da Fogueira – 1


Quando acenderam um fogo no meio do pátio e se sentaram ao redor dele, Pedro sentou-se com eles. Lucas 22:55
Mesmo com videogames e DVDs competindo para ocupar lugar nos acampamentos de fim de semana, a fogueira não perdeu seu lugar. Ela ainda tem sua atração natural. Sentir de perto o calor do fogo; ver as chamas crescerem, formando silhuetas bonitas para ser fotografadas; as faíscas subindo no ar; os insetos atraídos pela luz e que se aventuram a passar perto do fogo – são coisas interessantes de se notar. Sem falar no poder catalisador da fogueira reunindo as pessoas ao seu redor, especialmente quando faz frio.
Fogueira em noite fria não é novidade. João conta que, na noite do interrogatório de Jesus, aqueles que iam passar a madrugada ao ar livre fizeram no pátio do sumo sacerdote uma fogueira para se aquecer. “Fazia frio; os servos e os guardas estavam ao redor de uma fogueira que haviam feito para se aquecerem. Pedro também estava em pé com eles, aquecendo-se” (Jo 18:18).
Algumas horas antes, Pedro havia jurado lealdade a Jesus. Como pescador e pessoa de opinião forte, disse para si mesmo: “Eu sei como vou reagir. Sei exatamente o que vou fazer. Vou até a morte com Jesus!” Ele estava confiante de que nada o afastaria de sua fidelidade a Jesus. Como a autoconfiança nos deixa em campo aberto, no momento em que vacilamos, Pedro foi pego de surpresa e negou Jesus três vezes em circunstâncias imprevisíveis. Negou que era seguidor de Jesus, disse que nunca O tinha encontrado e que nem mesmo O conhecia. Que pena que isso aconteceu!
Depois da ressurreição, Pedro ainda se reuniu com os amigos de pesca. Mas, decepcionado consigo mesmo pelo fato de ter negado Jesus, disse: “Vou voltar para a Galileia, para o mar. Voltarei a pescar.”
Certa noite, ele acompanhava os amigos em uma pescaria. Pelo menos seis deles estavam ali: Tiago e João, Natanael e Tomé, além de dois outros cujos nomes não são mencionados. Antes do amanhecer, notaram que alguém estava na praia. João, que estava dirigindo a pescaria, gritou: “É Jesus!” Pedro, então, jogou-se no mar e nadou até a praia.
Perguntaram uma vez a um psicólogo: “Quanto tempo leva para uma pessoa sair do problema?” Resposta: “O mesmo tempo que levou para entrar.”
Jesus proveu uma porta de escape, restaurando Pedro com três perguntas, numa conversa ao pé da fogueira.

8 de novembro Terça

Conversa ao Pé da Fogueira – 2


Quando [os discípulos] desembarcaram, viram ali uma fogueira. João 21:9
Esta seção em minha Bíblia tem o título de “Jesus restaura a Pedro”, e é uma espécie de modelo daquilo que Jesus faz todos os dias na vida de milhares de pessoas, inclusive na sua e na minha. A história se passa também ao pé de uma fogueira. Mesmo que vários discípulos tivessem participado dessa pesca, nem todos permaneceram ali. Por uma providência que só Deus sabe como arranjar, levando as pessoas para longe quando um amigo tem que conversar com o outro para ajudá-lo, todos se retiram da cena, ficando apenas Jesus e Pedro.
Será que Pedro poderia voltar a ser o que era antes, recuperando sua credibilidade? Será que podemos voltar atrás do nosso erro? Será que Pedro estava se lembrando de outra fogueira algumas semanas antes? Nesta hora, ele nem levantava os olhos. De outras vezes tão intempestivo, afoito e pronto a falar, agora estava silencioso. Cutucava a fogueira e mexia nas brasas porque não sabia o que dizer.
Jesus tomou a iniciativa e quebrou o silêncio, num tom de voz próprio de um diálogo amistoso. Jesus não disse: “Pedro, eu contava com você. De todos os discípulos, você foi o único que disse que ia ficar comigo até o fim e foi embora, justamente no pior momento!”
O diálogo foi bem outro: “Pedro, você Me ama de verdade? Mais do que a seus amigos? Mais do que a esses barcos? Mais do que a sua família?” Mas Pedro não estava com muita disposição para falar, e nem mesmo levantava o olhar para conversar com Jesus. Mexia nas brasas para esconder os soluços, e Jesus respeitou esse momento.
Quando perguntou novamente, Pedro respondeu: “Senhor, eu sou Teu amigo.” Ah! Jesus havia rompido o selo de autoconfiança do discípulo. Agora Pedro podia olhar diretamente para Jesus. “Senhor, Tu sabes tudo. Sabes o que está em meu coração. Eu não quero errar de novo.”
É sempre assim. No escorregão, na queda, Jesus toma a iniciativa e Se aproxima de nós. A pergunta que Ele fez para Pedro é a que também faz para nós: “Você permite que Eu o ame?”
Como Ele está mais interessado na direção em que você está indo do que onde você esteve, então não temos por que ficar envelopados ou enredados em sentimentos de autocondenação. Devemos nos tornar acessíveis a Jesus. Ele vai dizer: “Deixe que Eu o ame. Conheço as suas esperanças. Não precisa tentar fazer nada para ganhar Meu amor. Tudo o que Eu quero é que Me permita amar você.”
É verdade! Nada como um encontro ao pé da fogueira!

9 de novembro Quarta

Uma Questão do Coração


Guardei no coração a Tua palavra para não pecar contra Ti. Salmo 119:11
O Salmo 119 é um poema com 22 estrofes, e cada uma dessas estrofes leva como título uma das 28 letras do alfabeto hebraico. O título da primeira estrofe é Aleph, a primeira letra do alfabeto, e assim todas as estrofes são nomeadas com o restante das letras.
No maior livro da Bíblia, o maior capítulo exalta e celebra a lei, a Palavra de Deus. A Bíblia é chamada pelo salmista como “Tua Palavra”. A Bíblia pode ser, na estante, o livro mais importante ou pode ser como qualquer outro livro. A diferença está na quantidade de tempo que lhe dedicamos e para que a usamos.
Uma das coisas fascinantes na Bíblia é que ela é um livro para gente jovem.Verso 9 – Como pode o jovem manter pura a sua conduta? Nesse verso está a pergunta mais difícil a ser respondida por um jovem: Como pode se manter puro diante de tanta imoralidade aberta e disponível a qualquer hora? Já que tem tanta energia e hormônios à flor da pele, como o jovem pode ser e se manter puro?
Como podemos salvar o coração, a mente e o corpo do jovem? Seria bom que essa pergunta fizesse parte de sua oração: “Como posso manter puro meu coração?” A resposta é clara. A Bíblia deve ser nosso guia e devemos cuidar para exercitar vigilância, para que nossa vida esteja de acordo com o que Deus pede.
Verso 11 – Guardei no coração a Tua palavra. Que lugar melhor existiria ou que solo seria mais fértil para a Bíblia do que um novo coração?
Vamos esconder, entesourar, guardar dentro do coração renovado a Palavra de Deus!
Spurgeon resumia o verso 11 da seguinte maneira: “A melhor coisa, no melhor lugar, para o melhor propósito.” Ou seja, a melhor coisa – a Palavra de Deus; no melhor lugar – o coração; para o melhor propósito – guardar-nos de pecar.
“A Tua palavra é lâmpada que ilumina os meus passos e luz que clareia o meu caminho” (Sl 119:105). A lei, ou a Palavra de Deus, não se apresenta como espelho, mas como lâmpada para nossos pés. E já que é uma lâmpada para os pés, somos capazes de andar confiantes onde antes tropeçávamos. “Uma luz, nova e preciosa, irradia de cada página. A verdade é revelada, palavras e frases se tornam claras e apropriadas para a ocasião” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 132).
A Bíblia é mesmo a Palavra de Deus!

10 de novembro Quinta

Transformados à Sua Imagem


Essa glória vai ficando cada vez mais brilhante e vai nos tornando cada vez mais parecidos com o Senhor. 2 Coríntios 3:18, NTLH
Deus transforma nossa vida desde o momento em que nascemos. Primeiro fisicamente: crescemos, adquirimos força física, brincamos e jogamos. Mentalmente, vamos à escola, melhoramos a memória, aprendemos a tocar algum instrumento, crescemos intelectualmente. Emocionalmente, nos relacionamos com outros, e espiritualmente temos a proximidade de Deus, ao ler Sua Palavra e perceber Sua direção em nossa vida.
O processo de transformação espiritual começa no dia em que nos entregamos a Jesus. Deus coloca à nossa disposição todos os recursos do Céu para que possamos crescer e nos tornar mais como Jesus. A salvação inclui graça e transformação. Se separarmos essas duas coisas, a salvação se torna uma impossibilidade.
A transformação começa quando surge um desejo permanente dentro de nós de mudar e nos tornar cada vez mais semelhantes a Jesus.
Assim que você entra nessa escola, você aprende que:
1. Deus o ama da maneira como você é.
2. Ele o ama tanto que não vai deixá-lo ficar do mesmo jeito. Ele quer mudar e moldar nosso caráter. Quer trabalhar nossos valores e prioridades. Quer nos dar sabedoria.
3. Você viverá como nova criatura (2Co 5:17). Como você se sentiria se, mais ou menos na mesma hora do dia, seu filho repetisse os mesmos pedidos, com as mesmas palavras, dia após dia?
O resultado é que pela contemplação do caráter de Jesus seremos transformados à Sua semelhança. Somente a graça de Cristo pode mudar o coração, e então você refletirá a imagem do Senhor Jesus.
A fim de sermos transformados, Deus cria em nossa agenda brechas oportunas, para sussurrar ao nosso ouvido algumas coisas. Começamos a nos analisar e ver se estamos satisfeitos com nossa vida espiritual, tentando descobrir o que está faltando. Na contemplação, somos transformados.
“E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito” (2Co 3:18).

11 de novembro Sexta

Ministrando aos Solteiros


Alegro-me grandemente no Senhor, porque finalmente vocês renovaram o seu interesse por mim. Filipenses 4:10
As cerimônias religiosas dos casamentos nas igrejas são bem organizadas para a alegria e contentamento de todos. No meio da assistência de qualquer casamento, encontra-se um grupo que está na idade de casar e ainda não se casou.
O que traz constrangimento é escutar, em tom de brincadeira, para uma ou mais garotas na casa dos trinta ou mais: “E quando vai ser o seu, hein?” Mesmo em tom de brincadeira, isso faz disparar na hora errada um sentimento de frustração na pessoa para quem se falou, o que estraga o clima no restante da festa.
De que maneira os casados podem ajudar os jovens solteiros? Evitando dizer frases com a intenção de animar, mas que não ajudam:
“Você escolhe demais” – As mulheres cristãs querem, em resumo, encontrar um homem que ame a Deus. Quando falamos assim, estamos presumindo que há um suprimento ilimitado de homens, o que não é verdade.
“Ah, mas o que você precisa é contentar-se” – É fácil aceitar, se a pessoa está na casa dos vinte anos, mas não para quem está no meio dos trinta ou mais.
“Para você conseguir alguém especial, você tem de ser especial” – Quer dizer, você precisa mudar, há algo errado com você.
“O casamento não resolve todos os problemas” – Isso é verdade, mas muitas pessoas solteiras escolheriam viver uma vida feliz ao lado de alguém, em vez de permanecer sozinhas.
“Você é uma pessoa tão especial, não entendo como não se casou ainda” – E se um solteiro fizesse a mesma pergunta para o casado: “Você é tão especial, por que se casou?”
Será que estamos usando lentes diferentes para solteiros e casados, usando ministérios adequados para atendê-los? Precisamos criar uma cultura que valorize também os solteiros. Com preconceito, nossa atitude demonstra que uma pessoa que já alcançou a meia-idade e não se casou, é porque tem algum problema.
Essa cultura de valorização dos solteiros pode ser praticada levando-se em conta alguns pontos: (1) pregar positivamente sobre os solteiros, (2) não segregá-los, e (3) permitir-lhes assumir posições de responsabilidade.

12 de novembro Sábado

Entregando-se a Deus


O meu futuro está nas Tuas mãos. Salmo 31:15
Os salmos são uma espécie de janela devocional. Algumas vezes, há palavras de encorajamento; outras vezes, de lamento; e em outras, desejo de justiça. Os salmos também são comparados a um espelho em que nos olhamos e vemos refletidos nossa vida e nosso interior, e ao mesmo tempo a ajuda e a solução. Em qualquer experiência, seja ela de frustração ou de alegria, vamos encontrar salmos que fazem eco a essas emoções. O Salmo 31, por exemplo, contém uma oração na qual Davi mostra seu profundo apego a Deus.
“Sê minha rocha de refúgio, uma fortaleza poderosa para me salvar” (v. 2). Às vezes, é uma notícia incompleta, pintando um quadro desolador sobre a situação. Ou uma preocupação que aterrissa em sua mente e dela não sai, por mais esforço ou exercício mental que se faça. Pode ser também uma difamação que ameaça sua reputação. Muitos dias, ao se aproximar a noite, pensamos: “Como vou dormir hoje?” Qualquer que fosse o motivo que aparecesse para lhe roubar a paz, Davi se expressava dizendo: “Sê minha rocha de refúgio.”
“Nas Tuas mãos entrego o Meu espírito” (v. 5). Essa foi uma das sete frases que Jesus pronunciou na cruz. Alguns eruditos bíblicos acreditam que essa era a primeira oração que as mães israelitas ensinavam a seus filhos. Outra tradução diz: “Nas Tuas mãos entrego a minha vida” (NTLH).
“O meu futuro está nas Tuas mãos. […] Salva-me por Teu amor leal” (v. 15, 16). Essa expressão está assim na versão A Bíblia Viva: “Todos os dias da minha vida são controlados por Ti”, ou seja, toda a nossa peregrinação está nas mãos de Deus. Que fases da sua vida você já viveu? Em qual delas você se encontra agora?
Você está na fase adulta, com as responsabilidades de trabalho, desafios da função, do sustento da família, da educação dos filhos, realização pessoal, empreendimentos? Ou ainda está na juventude, terminando os estudos, preparando-se para casar? Você pode dizer: “Todos os dias da minha vida estão em Tuas mãos.”
Ou, quem sabe, já está nos últimos dias da carreira, colhendo os frutos daquilo que você semeou. Seja qual for a fase da sua vida – seja nos estudos, nos trabalhos ou nas perspectivas futuras – afirme sua fé e agradeça a Deus por ter conduzido sua vida até aqui.
“Amem o Senhor […]. Sejam fortes e corajosos, todos vocês que esperam no Senhor!” (v. 23, 24).
Termine este momento de meditação colocando seu nome: “____________, ame o Senhor!”

13 de novembro Domingo

A Mais Doce de Todas as Palavras


Cremos que somos salvos pela graça do nosso Senhor Jesus. Atos 15:11
Tanto quanto eu saiba, não existe nenhum estudo ou pesquisa para identificar quais são as “Dez Palavras Mais” na língua portuguesa. No entanto, Wilfred Funk, publicitário e editor de dicionários, sugeriu as “Dez Palavras Mais” na língua inglesa: “`Sozinho’, a mais amarga; `mãe’, a mais respeitada; `morte’, a mais trágica; `fé’, a de maior conforto; `esquecido’, a mais triste; `amor’, a mais bonita; `vingança’, a mais cruel; `amizade’, a mais cordial; `não’, a mais fria; `tranquilidade’, a mais pacífica.”
Também não vi até agora nenhuma tentativa por parte de oradores ou escritores de identificar as “Dez Palavras Mais” da Bíblia. “Graça”, considerada a palavra mais doce na Bíblia, é usada mais de 150 vezes no Novo Testamento. E o interessante é que mesmo Jesus, sendo Ele próprio a definição e a expressão viva da graça, nunca usou essa palavra.
O conceito de graça não existe no mundo agitado dos negócios nem no mundo empresarial. Você tem que fazer seu caminho por si mesmo. Nesse setor, não existe semelhante coisa como receber sem merecer. Seria desperdício ou injustiça.
Mas imagine se deletássemos a palavra “graça” do vocabulário cristão. O que aconteceria? Qual é a nossa doutrina peculiar? Graça. Que fonte de inspiração teria a música sacra se não fosse a graça? Qual é a palavra que deve ser mais escutada na igreja? Graça. O que professores e alunos deveriam sentir e fazer predominar na atmosfera escolar, desde a sala da diretoria, nas classes e em todos os departamentos? Graça. Que palavra deve ser sentida no canto e recanto de cada lar e orientar o relacionamento entre todos os seus componentes? Graça.
Na esfera da salvação, existem muitas vozes e muitas placas de indicação. Existem aqueles que ensinam que salvação é fazer. Você tem que ajudar os pobres, participar das campanhas, ser parte de grupos de apoio, estar sempre fazendo alguma coisa. Outros ensinam que a salvação é não fazer. Você tem que se abster de mentir, roubar ou matar. Porém, Deus, quando define salvação, simplesmente diz: está feito.
Deus trouxe a graça por meio de Seu Filho, e tudo o que temos que fazer é recebê-la. Graça de Deus + fé do pecador = salvação.

14 de novembro Segunda

O que o Amor Faz


O amor é capaz de superar tudo. 1 Coríntios 13:7, Phillips
Paulo tinha uma apreciação especial pela igreja de Corinto. Parece ter sido uma igreja com muita gente talentosa, e ao mesmo tempo uma igreja dividida. Alguns membros se julgavam mais espirituais pelo fato de terem mais dons do que outros.
Tendo isso em vista, em 1 Coríntios 12, ele fala da igreja como corpo, sobre a distribuição dos dons, e no capítulo 14 fala do dom de profecia e do dom de línguas. Entre esses dois capítulos, ele coloca o capítulo do amor. Ele está dizendo que você pode ser um grande orador, um grande cantor e um grande intérprete, até ajudar a quem precisa, mas se não tiver amor, você é “zero”, “nada”.
Assim, em lugar de definir o que é amar, ele mostra o que o amor faz. Em quinze expressões, ele apresenta o espectro total do amor, sendo sete expressões positivas e oito negativas: o que o amor faz e o que o amor não faz.
J. B. Phillips apresenta a seguinte paráfrase dos versos 4 a 7: “Este amor de que estou falando demora a perder a paciência – ele busca uma maneira de ser construtivo. Não é possessivo, não está preocupado em impressionar, nem acalenta ideias exageradas sobre sua própria importância. O amor se comporta bem e não busca vantagem própria. Não é melindroso. Não guarda ressentimento nem se alegra com a infelicidade das outras pessoas. Pelo contrário, participa da alegria dos que vivem de acordo com a verdade. O amor não conhece limites para sua paciência, fim para sua confiança nem enfraquecimento de sua esperança; ele é capaz de superar tudo.”
Ao falar das qualidades positivas do amor, Paulo começa dizendo que o amor é paciente e bondoso. Quem colocaria a paciência como uma das primeiras características do amor? Mas é isso que Deus inspirou Paulo a escrever. A paciência nos ajuda a aguardar a resposta daquilo que está sendo buscado, a suportar as pessoas e tratá-las bem.
“O amor se alegra com a verdade” (v. 6). Isso abrange a ideia de ficar em silêncio em relação às faltas dos outros. Não estar desejoso de inspecionar a debilidade dos outros.
“O amor tudo crê” (v. 7), ou seja, o amor e a fé também caminham juntos. O amor vê o outro como uma pessoa em quem confiar. O amor crê que o outro vai se regenerar; que ele não é incorrigível. O pai crê na volta do filho pródigo; e a esposa do bêbado pode acreditar na recuperação do marido.
Senhor, que eu possa refletir em minha vida o Teu amor!

15 de novembroTerça

O que o Amor Não Faz


O amor nunca perece. 1 Coríntios 13:8
Assim como a célula humana, o amor continua rodeado de uma aura de mistério, mas é vital para nossa existência.
A descrição de Paulo do verdadeiro amor é mais do que paixão, sentimento ou emoção. Nos versos 4 a 7 do capítulo 13 de Coríntios, as credenciais do amor são apresentadas tanto do lado positivo, mostrando como o amor opera, quanto do lado negativo, em relação ao que o amor evita e não faz. Para Paulo, o amor é visto nas atitudes. Podemos fazer boas coisas sem, no entanto, apresentar boa atitude. Quais são essas atitudes da excelência no amor?
Ele começa dizendo que “o amor não é invejoso”. Você pode também pensar no ciúme, que é primo da inveja. Ao dizer que o amor não é invejoso, ele está dizendo que o amor se regozija com o sucesso de outras pessoas. O amor não vai torcer para que o outro tropece a fim de que você cresça. Não vai olhar com raiva para o colega de trabalho só porque ele fez melhor do que você faz.
O amor também “não se vangloria, nem se orgulha”. Usamos símbolos para nos vangloriar: roupas, carros, títulos, lugar em que trabalhamos; ou cultivamos amizade com pessoas com as quais desejamos ser vistos. O amor não se orgulha por isso.
O amor também “não guarda rancor”. Não pensa em vingança, nem faz compilação estatística dos erros.
E no bojo desses pensamentos sobre o que o amor não é, John Powell diz: “O amor realmente não é cego. É supervidente. A pessoa amorosa vê em outrem coisas que olhos sem amor jamais conseguem ver.” Pergunte às moças e rapazes que estão namorando e você comprovará que eles veem no namorado(a) qualidades que outros não veem.
Uma das ideias que mais se repetem sobre o amor de Deus na Bíblia é a de que o amor é incondicional. O amor condicional está em todos os lugares. Em termos humanos, o amor depende da aparência, de quão bem atuamos na função que ocupamos, do que temos, de como nos comportamos, e se dizemos o que o outro quer ouvir. Mas o amor de Deus não depende de aparência, atuação ou comportamento. Não há nenhuma condição estabelecida por Deus para que Ele nos ame.
Depois de falar tudo o que lhe veio à mente sobre o amor, Paulo acrescentou: “Sigam o caminho do amor” (1Co 14:1). Esse é um bom conselho!

16 de novembro Quarta

Recebendo a Graça


Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores. Romanos 5:8
Uma coisa que nos pode fazer entender melhor a graça é compará-la com duas outras palavras: misericórdia e justiça. Deus pode lidar conosco na base da misericórdia, isto é, não nos dando o que merecemos. Ele passa por alto nossa rebelião e nossa dureza de coração. Ele também pode lidar conosco na base da justiça, isto é, dar-nos o que merecemos. Recompensar-nos conforme o que fazemos. Nesse caso, não nos restaria outra coisa senão a punição e a condenação.
Mas Deus fez algo totalmente diferente: Ele escolheu lidar conosco na base da graça, isto é, dar-nos o que não merecemos. Nas palavras dEle, em nenhum momento esteve a ideia de sermos salvos porque merecemos. Por isso, uma das definições de graça diz: “Graça é aquilo de que todos precisam, ninguém merece e somente Deus pode dar.”
Quando você trabalha oito horas por dia e recebe pelo seu trabalho, isso é salário. Se você participa de uma competição e derrota o adversário, recebe uma medalha, um troféu. Quando você recebe alguma coisa em reconhecimento pelo bom trabalho, ou realização, isso é prêmio. Mas quando a pessoa não pode ganhar prêmio, e não merece troféu e recebe salário, prêmio ou troféu, isso é graça. É como a salvação: totalmente gratuita. Você a recebe como presente de Deus. Mas o que devo fazer para recebê-la?
A pergunta me leva à história de um homem que todos os dias precisava tomar uma balsa para levá-lo de um lado a outro do rio. Certo dia, ele estava atrasado e não queria perder a balsa. Ao perceber que a balsa estava a alguns metros do píer, desceu a ladeira desenfreadamente e, aproveitando o embalo ao chegar na ponta do píer, pulou com todas as forças, esticando cada músculo – igualzinho às cenas que vemos em câmera lenta nos filmes – e plaf! Esborrachou-se no chão da balsa. Arranhou o nariz, partiu os lábios, rasgou a camisa, mas conseguiu. Estava tão empolgado com o salto que prontamente ficou em pé e disse: “Beleza! Consegui.” O capitão da balsa olhou de maneira estranha para ele e disse: “Amigo, nós não estamos saindo. Estamos chegando!”
Deus nos trouxe a graça por meio de Seu Filho. Tudo o que temos que fazer é estender a mão e recebê-la.

17 de novembro Quinta

Reacendendo a Esperança


Quando começarem a acontecer estas coisas, levantem-se e ergam a cabeça, porque estará próxima a redenção de vocês. Lucas 21:28
O escritor e pregador Vance Havner diz que “os primeiros cristãos não aguardavam um acontecimento, mas aguardavam Alguém chegar. Aguardar o trem chegar é uma coisa, mas aguardar chegar alguém que amamos é bem diferente.” Como pessoas que aguardam a segunda vinda de Cristo, devemos centralizar nossa atenção mais sobre Jesus do que sobre os eventos que antecedem Sua vinda.
Jesus colocou diante de Seus discípulos o panorama político, os fenômenos naturais e a condição social e espiritual dos últimos dias. Os sinais que deixou como prenúncio de Sua vinda sempre estiveram presentes em todas as gerações, mas não podemos escapar à realidade de que houve um crescimento exponencial de todos os desastres naturais.
Também por estarmos interligados através da internet e da mídia, isso permite que tenhamos acesso imediato ao que acontece em todo o mundo, produzindo a impressão de que tudo está pior do que é de fato.
Jesus falou de fome e pestilência. No entanto, nunca se produziu tanto alimento no mundo como agora; mas a fome continua sendo parte persistente da história da humanidade. Tome também como exemplo os terremotos. Alguns ocasionam perda de vidas e grandes prejuízos materiais, como os que aconteceram no ano passado: um em janeiro, no Haiti, e outro em fevereiro, no Chile.
As notícias igualmente salientam o aumento de desastres naturais: elevação da temperatura dos oceanos, derretimento das geleiras, desaparecimento das florestas tropicais… O que vamos fazer com essa quantidade de informações? Elas devem nos levar a esperar a volta de Jesus de maneira saudável. Se elas trazem medo e incerteza, quem sabe não é porque estamos lendo os sinais de Sua vinda de maneira incorreta? Cada um dos sinais deve ser uma lembrança da promessa que Ele fez: “Virei outra vez.”
“A brevidade do tempo é salientada como incentivo para procurar a justiça e fazer de Cristo nosso amigo. Esse não é o grande motivo. […] Será que é necessário que os terrores do dia de Deus sejam postos diante de nós para nos levar através do medo para a ação correta? Não deve ser assim. Jesus Se propõe a ser nosso amigo e andar conosco através das dificuldades da vida” (Ellen G. White, The Advent Review and Sabbath Herald, 2 de agosto de 1881).

18 de novembro Sexta

Enfrentando Crises


Das profundezas clamo a Ti, Senhor; ouve, Senhor, a minha voz! Estejam atentos os Teus ouvidos às minhas súplicas! Salmo 130:1, 2
Clyde Gordon ficou paraplégico num acidente automobilístico e escreveu na revista O Triunfo o seguinte: “Cristo não é segurança contra as tempestades, mas Ele é perfeita segurança na tempestade. Ele não promete uma viagem fácil, mas garante uma aterrissagem segura.”
Já ouvimos muitas vezes – e é uma grande verdade – que as crises revelam o melhor ou o pior de nós. Elas revelam também o nível de nossa maturidade e a natureza da nossa fé. Saímos delas ou robustecidos ou debilitados.
Aconteçam as crises de maneira inesperada ou estejam sendo aguardadas temerosamente, elas põem em destaque nossa fragilidade humana.
Com quantos momentos de crise pessoal nos deparamos, como aquele do avô e patriarca da família que, de uma hora para outra, descobriu que tinha câncer no pulmão. Ou o colega de trabalho que pensava que sua dor de cabeça era enxaqueca, e muito tarde descobriu que era um tumor cerebral. O casamento que está se desfazendo e ele nunca quis admitir. Ter feito um investimento financeiro e perder quase tudo em questão de semanas. Ver o filho entrar no mundo das drogas. Todas essas são situações que precisam ser enfrentadas com calma.
O pior da crise é você se sentir só e desajudado. Ou se sentir, muitas vezes, como se estivesse diante do oceano gritando, pedindo ajuda, mas recebendo de volta apenas o silêncio ou o eco das próprias palavras. O Dr. Bill Bouknight, líder evangélico, comparando crises às tempestades, diz: “As melhores âncoras na Terra são amigos confiáveis, uma família amável, uma igreja acolhedora e um relacionamento com Alguém que é maior do que a tempestade.”
A Bíblia, quando descreve a história de José mostrando as dificuldades pelas quais ele passou, repete várias vezes a frase: “O Senhor estava com José.” Essa é a certeza que nós também podemos ter em meio à crise.
A oração é um dos recursos mais valiosos à nossa disposição. Quando a situação está além da nossa capacidade de lidar com ela, temos a opção de entregá-la a Deus.
A promessa que temos é de que Deus está no controle das circunstâncias. Paulo recomenda: “Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, […] apresentem seus pedidos a Deus” (Fp 4:6).

19 de novembro Sábado

Água Parada e Água Viva


Eles Me abandonaram, a Mim, a fonte de água viva; e cavaram as suas próprias cisternas. Jeremias 2:13
Ainda existem lugares distantes dos grandes centros em que podemos encontrar água cristalina que desce em pequenas cascatas que vêm das montanhas. Em contraste com a água corrente, temos as cisternas.
Inúmeras vezes, em caminhadas com desbravadores mato adentro, encontrávamos poços ou cisternas abandonados. Eram cisternas com água estagnada, turva, com uns poucos peixinhos tentando sobreviver. Ao redor, víamos musgo, rãs e tartaruguinhas. Nada atraente ou chamativo, mesmo sob o sol mais causticante possível.
Água da fonte ou de cisterna? Com qual das duas você prefere satisfazer sua sede? Embora o povo de Israel tivesse à sua disposição água da fonte, insistia em fazer suas próprias cisternas em rocha calcária que, devido à porosidade, não armazenava água. Não é de admirar que Deus esteja chamando a atenção de Seu povo pelas escolhas que está fazendo, dizendo: “Não aceite imitações ridículas do verdadeiro.”
Deus sabe quão sedentos estamos. É Ele que tem a água que nos pode satisfazer. Tudo aquilo que procuramos para satisfazer nossa necessidade fora de Deus é uma cisterna rachada; mesmo assim, alguns continuam correndo equivocadamente em direção a essas fontes.
Dentre os muitos convites que Jesus pronunciou enquanto esteve na Terra, um dos mais bonitos foi feito numa ocasião festiva, no último dia da Festa dos Tabernáculos.
As pessoas que vinham assistir a essa festa, além do magnetismo do encontro com os amigos, tinham também profundos anseios de uma vida melhor. Muitos acalentavam esperança de dias melhores. No fim da festa, sem ter recebido as bênçãos que tanto desejavam, para as pessoas as cerimônias se assemelhavam a cisternas rotas. Foi a elas que Cristo Se dirigiu, dizendo: “Se alguém tem sede, venha a Mim e beba” (Jo 7:37).
Jesus está dizendo hoje: “Quem beber da água que Eu lhe der nunca mais terá sede” (Jo 4:14). “O brado de Cristo ao coração sedento ecoa ainda, e apela para nós com poder ainda maior do que aos que O ouviram no templo, naquele último dia da festa. A fonte está aberta para todos. Aos cansados e exaustos, oferecem-se os refrigerantes goles da vida eterna” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 454).

20 de novembro Domingo

O Poder da Sua Ressurreição


Tudo o que eu quero é conhecer Cristo e sentir em mim o poder da Sua ressurreição. Filipenses 3:10, NTLH
Paul Esherman, responsável por distribuir milhões de cópias de filmes sobre a vida de Jesus, levou o filme para ser apresentado num campo de refugiados em Moçambique. Quando as cenas da crucifixão começaram a aparecer, a multidão começou a gritar, a chorar e correr para perto do telão, e ali todos se ajoelharam. O barulho e a poeira foram tantos que se tornou impossível continuar. Assim, por mais de trinta minutos, o projetor foi mantido desligado.
A equipe responsável pela exibição adiantou só um pouquinho o filme, e Esherman diz que, quando as pessoas viram a cena da ressurreição, houve uma explosão de alegria e todos começaram a dançar e se abraçar. No fim de semana, a igreja que recebia apenas quarenta pessoas teve mais de quinhentas pessoas presentes.
Como cristão, o grande desejo de Paulo era conhecer Jesus e experimentar em sua vida o poder que tirou do sepulcro o Salvador. Damos à palavra “conhecer” uma variedade de significados, desde a mera percepção até um relacionamento íntimo. Na Bíblia, conhecer a Deus não se refere meramente a um exercício intelectual, ou conhecer fatos sobre Deus. Não é discorrer sobre Seus atributos nem investigar Sua natureza. Conhecer a Deus significa constatar que Deus é aquilo que Ele diz ser. Paulo não estava interessado meramente em fatos, nos milagres que Jesus realizou, nem em Seus ensinamentos. Ele queria comprovar em sua vida o poder da ressurreição de Cristo, ou seja, assim como Cristo derrotou a morte, ele queria que Cristo derrotasse o poder do pecado em sua vida.
Alguns estão vivendo a vida cristã como se Jesus não tivesse ressuscitado, como se estivessem do lado perdedor. Muitos comentam que nunca na história do mundo foi tão difícil ser cristão como agora. Que somente uns poucos vão conseguir vencer. Dizem que o inimigo está mais ativo e irado do que nunca. No entanto, Jesus, ao Se levantar dentre os mortos, mostrou Seu poder absoluto sobre as hostes do mal. Existe poder mais extraordinário do que o poder manifestado na ressurreição de Jesus?
“O domínio do mal é despedaçado e, pela fé, a pessoa é guardada do pecado. Aquele que abre o coração ao Espírito de Cristo, torna-se participante daquele grande poder que lhe fará o corpo ressurgir do sepulcro” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 210).

21 de novembro Segunda

Sansão


Ó Deus, eu Te suplico, dá-me forças, mais uma vez! Juízes 16:28
Teria sido Sansão uma versão mais robusta de Sylvester Stallone ou de um Arnold Schwarzenegger, com farta cabeleira? Para manter a forma física, quantas flexões ele fazia por dia? Quantos abdominais? Quanto peso conseguia levantar com seus halteres?
Sansão foi dotado de grande força física como um presente de Deus para ele. Ele recebeu dons que poderiam ser usados para engrandecer Israel. E o plano de Deus era que ele liderasse Israel contra os filisteus.
Corajoso e forte como era contra os homens, não se amedrontando diante de nada, deixou-se enfeitiçar pelas mulheres filisteias. Inclusive uma de suas primeiras conversas com os pais foi: “Vi uma mulher filisteia em Timna; consigam essa mulher para ser minha esposa” (Jz 14:2). Resultado: foi seduzido posteriormente pela espiã Dalila e capturado pelos filisteus.
A captura de Sansão teve tal repercussão entre os filisteus que eles realizaram uma celebração de proporções nacionais. Que espetáculo!
Três mil pessoas no templo. Na “geral”, nas galerias e arquibancadas, até mesmo no teto o povo se reuniu com dança, vinho, gritaria e zombaria para comemorar a conquista. Ali estava diante deles o troféu que todos admiravam: “Olha só, que massa humana ele é! Ombros largos, bíceps volumosos, as pernas dele parecem dois pilares!”
Sansão, que apenas ouvia, mas nada via, pediu a um rapaz que o levasse para junto das colunas da entrada do templo de Dagom. Ali ficou ele durante algum tempo com a cabeça inclinada. Estava orando: “Senhor, dá-me força mais uma vez.” Esticou os braços e empurrou as colunas; as veias do pescoço ficaram salientes diante de tanta força, e todo o complexo do templo veio abaixo. Três mil mortos, inclusive ele.
No Novo Testamento não são mencionados os erros de Sansão nem as grandes proezas que ele fez com a força do Espírito Santo. Em Hebreus 11:32 e 33, ele é mencionado como um dos que, pela fé, venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas.
Ser bem-sucedido numa área da vida não é suficiente para compensar as derrotas em outras áreas. O líder tem que identificar suas fraquezas pessoais e proteger-se delas. Um simples passo em falso pode destruir tudo o que foi construído. Somente Deus pode usar pessoas de fé, a despeito das falhas delas.
Mesmo que tenhamos errado, podemos depositar nossa confiança em Deus e recomeçar no caminho certo.

22 de novembro Terça

Um Toque de Gentileza


Vocês devem se vestir de misericórdia, bondade, gentileza e paciência. Colossenses 3:12, New Century Version
O famoso jogador de golfe Tiger Woods há alguns anos fez um contrato com a Nike no valor de cem milhões de dólares. Foi um dos contratos mais caros da história do esporte. Na propaganda, ele aparecia da cabeça aos pés usando produtos Nike: boné, camiseta, luvas, tênis e até a própria bola de golfe trazia a marca Nike.
Paulo diz a todos os cristãos: “Abram seu guarda-roupa e da cabeça aos pés revistam-se de gentileza.” Mesmo na cultura atual, em que todo mundo está com pressa, a gentileza aparece impondo calma, trazendo um clima pacífico, deixando o caminho sem rugas. Ela mostra o poder da graça e da cortesia. Ajuda a manter a si mesmo (a “fera” interior) sob controle. É a atitude de dar aos idosos, senhoras e crianças a preferência onde seja devido.
Quando comecei a substituir na Revista Adventista o tio Luiz, como era carinhosamente chamado o pastor Luiz Waldvogel, numa rápida passada por Hortolândia, levei um pequeno poema para que ele o traduzisse. Disse que passaria no fim da tarde para ver como estava. E no jeitinho frágil, com sua voz delicada, ele se desculpou, mas disse que tinha alguma coisa pronta. Vejam que primor de tradução neste poema intitulado “O sermão vivo”:
“Prefiro ver um sermão, a ouvi-lo pregado um dia; / A que alguém mostre o caminho, prefiro-lhe a companhia; / O olhar melhor se comporta do que o ouvido tão somente, / O bom conselho confunde – o exemplo faz bem à gente. / O melhor dos pregadores é o que vive a pregação, / Pois o que todos desejam é ver o bem em ação. / Aprenderei bem depressa se o modo você mostrar, / Vejo moverem-se as mãos – a língua pode enganar; / Sermões que você profere podem ser bons e ser sábios; / Mas lições prefiro ver, a só ouvi-las dos lábios; / Pode o aviso ser complexo demais para eu compreender, / Mas seus atos, sua vida, ninguém deixa de entender” (Autor desconhecido).
A rudeza que alguns chamam de “franqueza” não vai atrair ninguém para o evangelho. A atitude de amabilidade trará melhores resultados. Madre Teresa de Calcutá, a personificação da bondade, disse: “Não deixe que ninguém venha até você e vá embora sem se sentir melhor e mais feliz. Seja a expressão viva da gentileza de Deus: gentil no semblante, gentil no olhar, gentil no sorriso.”
Todos ganhamos, se nos vestirmos de gentileza.

23 de novembro Quarta

Perdoar Faz Bem à Saúde


Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Colossenses 3:13
Estudos mostram a relação entre o rancor, o perdão e a saúde física. Numa terapia de grupo sobre o perdão, a Dra. Charlotte Witvliet pediu aos participantes que pensassem em alguém que os havia prejudicado no passado. Ao começarem a pensar no que tinha acontecido, os participantes perceberam que a pressão sanguínea subiu, as batidas do coração se tornaram mais frequentes, houve suor nas mãos e tensão muscular na testa. Além da influência do rancor sobre a saúde, há também manifestações de indigestão ou irritação no estômago; dor de cabeça ou enxaqueca, cansaço e insônia.
Procure em um dicionário a definição de perdão e verá que uma delas descreve um sentimento que não gostaríamos de admitir: “Deixar de lado o ressentimento contra alguém ou pretender vingança.” Quem já não lutou para deixar de lado o rancor, a raiva e a amargura? Quem não fica remoendo a maldade de outras pessoas?
Mas o que você faz quando alguém se aproveita maldosamente de você ao fazer um negócio? Ou o difama inventando histórias a seu respeito? Ou quando um colega de trabalho o faz perder a função? As primeiras reações são de indignação e revide. “Ele vai me pagar!” “Tomara que caia nas mãos da justiça!” “Que receba um castigo de Deus!” Caso queira comprovar qualquer alteração de sua pressão sanguínea, faça a medição nesse momento e verá.
A atitude de não perdoar, com todo o seu peso de rancor, pode depois de algum tempo comprometer o funcionamento saudável do corpo, enquanto a disposição e o ato de perdoar podem curar não apenas a mente, mas o corpo.
Como posso me livrar do rancor e do ressentimento? Como posso deixar de lado a dor que me causaram? Tenho que perdoar realmente ou simplesmente ignorar?
Quando Jesus orou: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lc 23:34, ARA), Ele não estava dizendo que aquelas pessoas eram inocentes. Não! Ele simplesmente estava dizendo que não tinha nenhum ressentimento contra elas, que não tinha nenhum sentimento de amargura. Não guardava nenhum sentimento de vingança.
Perdoar: muito simples falar, mas difícil fazer. Nossa oração pode ser: “Senhor, coloca a paz de Jesus em meu coração. Aumenta cada vez mais meu sentimento de perdão a quem me feriu.”

24 de novembro Quinta

Preparados ou Não


Se Ele vier de repente, que não os encontre dormindo! Marcos 13:36
Uma moça, com vista a um candidato ao namoro, marcou com ele o primeiro jantar. Chegou até a fazer reservas num restaurante em que havia música ao vivo. Querendo causar a melhor impressão possível, tirou a tarde livre para ir ao cabeleireiro e à manicure. Ao voltar para casa, arrumou-se, maquiou-se e pôs o melhor vestido. Enfim, estava pronta para a chegada do namorado em perspectiva. Suas apreensões iam e vinham. Mas continuou esperando pacientemente.
Finalmente, depois de esperar mais de uma hora, ela chegou à conclusão de que ele a tinha decepcionado. Assim, tirou o vestido, desmanchou o penteado, lavou o rosto, vestiu o pijama, foi preparar alguma coisa no micro-ondas para comer e sentou-se no sofá com o cachorrinho para ver televisão.
Pouco depois, alguém bateu à porta. Era o rapaz. Ela abriu a porta e ele, olhando surpreso para ela, disse: “Eu lhe dei duas horas extras e você ainda não está preparada?”
Dentre os itens relacionados com a volta de Jesus, há dois que são repetidos com mais frequência: um que será o evento que terá lugar de maneira súbita e inesperada, e o outro, um evento com grande manifestação de poder.
Se você pergunta: “Para quando vai ser?” Respondo: “Não sei.” Você não sabe. Os anjos não sabem. Jesus, sabendo que esse seria um tema de muita especulação, disse: “Quanto ao dia e à hora ninguém sabe, […] somente o Pai” (Mt 24:36).
Ninguém vai se levantar em algum momento e dizer: “É hoje que Ele vai voltar.” Jesus repetia: “Portanto vigiem, porque vocês não sabem em que dia virá o seu Senhor” (Mt 24:42). “Assim, vocês também precisam estar preparados, porque o Filho do homem virá numa hora em que vocês menos esperam” (Mt 24:44).
Outros textos mencionam: “Mas vocês, irmãos, não estão nas trevas, para que esse dia os surpreenda” (1Ts 5:4). “Feliz aquele que permanece vigilante” (Ap 16:15).
Vivemos em clima de antecipação. Esse conhecimento da volta de Jesus deve fazer alguma diferença na maneira pela qual vivemos. Estamos crescendo cada dia em nosso relacionamento com Cristo? Estou sendo fortalecido pela leitura da Bíblia?
“Portanto, vigiem, porque vocês não sabem quando o dono da casa voltará: se à tarde, à meia-noite, ao cantar do galo ou ao amanhecer” (Mc 13:35).

25 de novembro Sexta

Tesouro Escondido


O reino dos Céus é como um tesouro escondido num campo. Mateus 13:44
Há alguns anos, o geólogo Dr. Williamson fez uma expedição à Tanzânia. Certo dia, ele se encontrou em uma área deserta e enveredou por uma estrada arenosa. De repente, sua caminhonete, de tração nas quatro rodas, parou numa área pantanosa, com lama até a altura dos eixos. Sem muito entusiasmo, o geólogo começou a remover a lama ao redor dos pneus. Enquanto cavava, a pá tocou numa pedra. Sendo geólogo, ficou curioso para ver que tipo de pedra era. Tomou a pequena pedra e começou a limpá-la da lama. Quanto mais limpava, mais empolgado ficava, não acreditando no que estava vendo. Quando a pedra finalmente ficou limpa, o Dr. Williamson não pôde conter a alegria. Tinha nas mãos um diamante! Qualquer diamante seria uma surpresa nessa situação, mas o Dr. Williamson encontrou o que se tornou conhecido como o Diamante Rosado da Tanzânia. Hoje esse diamante está engastado no cetro da rainha da Inglaterra.
Como no tempo de Jesus não havia bancos nem caixas-fortes, as pessoas enterravam seus pertences valiosos, porque temiam que, numa guerra, os inimigos se apoderassem deles. Mas o ponto dessa parábola do tesouro escondido é este: o homem encontrou alguma coisa tão valiosa que decidiu vender e se desfazer de tudo o que tinha para comprar o terreno onde encontrara o tesouro. Ficou tão empolgado que se dispôs a fazer qualquer coisa, como quando alguém quer comprar algo especial: uma bicicleta, uma moto, um computador, e está disposto a chegar ao ponto de se sacrificar. Também pode ser um carro, uma casa ou um objeto especial, pelo qual o comprador está disposto a cortar muitos extras para conseguir o que quer.
Jesus compara o evangelho ao tesouro escondido porque há imensa riqueza que ainda não descobrimos. “Temos estado a trabalhar, por assim dizer, próximos da superfície enquanto ricos veios de ouro estão mais embaixo, para recompensar aquele que cavar em sua procura” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 113).
O tesouro não tem nenhum valor se você não o abre, nem o utiliza. Podemos perguntar: “Que proveito tem para mim? Que diferença vai fazer?” Ou uma pergunta melhor: “Que diferença deveria trazer o tesouro do evangelho à minha vida?”
“O Espírito Santo aprecia dirigir-Se à juventude, para desvendar-lhe os tesouros e belezas da Palavra de Deus” (ibid., p. 32).

26 de novembro Sábado

A Síndrome de Elias


Sou o único que sobrou, e agora também estão procurando matar-me. 1 Reis 19:14
Correr porque você está fazendo exercício é uma coisa. Correr quando você está com pressa é outra. Mas correr quando você está com medo é muito diferente. Com o restante da adrenalina que lhe tinha sobrado do Monte Carmelo, Elias pôs-se a correr para o mais longe possível, ao saber que a rainha Jezabel estava no seu encalço. Nessa maratona de fuga, correu tanto, até que se sentiu exausto, sem condições de dar um passo mais. No fim da corda. No fundo do poço.
Sentado ao pé de uma árvore, disse: “Senhor, chega. Não dá mais!” E continuou se lamentando: “Não sou melhor que os meus antepassados. Minha vida tem sido infrutífera. Se estou fazendo o melhor, por que as coisas não estão saindo como espero? Pensei que ia ter mais gente comigo. Na hora do `vamos ver’ só fiquei eu.”
Nessa situação, Deus foi ao encontro do profeta deprimido. Primeiro, Deus o atendeu fisicamente, fazendo-o dormir. Quando acordou, já tinha uma refeição pronta ao lado. Voltou a dormir. E depois veio a recomendação: “Alimente-se bem porque a caminhada vai ser longa.” E Deus disse: “Olha, não ficou só você, não! Há ainda outros 7 mil que foram fiéis como você.”
Quem ainda não passou por alguns dias de melancolia e depressão? Aqueles dias em que estamos sem pique, quando não nos importamos pelo que está anotado na agenda como urgente…
Podem ser fatos ocasionais ou uma sequência de coisas que levem a pessoa a se sentir deprimida. Ninguém deveria se sentir envergonhado por ser mencionado como alguém que está passando por depressão. Essas pessoas precisam ser escutadas e animadas. Às vezes, devem procurar um profissional, ou conversar com alguém em quem confiam, seja professor, pastor ou amigo.
Perguntaram a um grupo de jovens estudantes como eles enfrentam a depressão. Entre as fontes de ajuda, mencionaram: (a) estudo da Bíblia e oração; (b) conselho pastoral ou de um amigo; (c) orientação profissional.
Para aqueles que lutam contra a depressão, os três itens que esse mesmo grupo mencionou e que os ajudaram foram: (a) amigos; (b) escutar música; (c) receber conselho do pastor.
Se você está passando por um momento de desânimo, diga como o salmista: “Das profundezas clamo a Ti, Senhor; espero no Senhor com todo o meu ser, e na Sua palavra ponho a minha confiança” (Sl 130:1, 5).

27 de novembro Domingo

Um Bom Começo Não É Suficiente


Então Salomão acordou e percebeu que tinha sido um sonho. 1 Reis 3:15
Numa corrida, um bom começo e uma boa largada são importantes, mas não são suficientes para um bom resultado final. Há muitas pessoas que começam dieta, exercícios diários ou um projeto para melhorar a casa. Com o tempo, a dieta fica irregular, o exercício perde a frequência e a melhoria da casa nunca termina. Um bom começo é importante, mas o prêmio é para aquele que cruza a linha de chegada.
Salomão começou seu reinado bem jovem e com o pé direito. Num sonho, Deus apareceu para ele e o desafiou a pedir qualquer coisa que quisesse. Ele pediu o dom do discernimento, um coração atencioso e responsivo e sabedoria.
Algumas pessoas são espertas e astutas. Outras são bem formadas e têm bom preparo acadêmico; mas sabedoria é diferente. Por mais que estudemos, não há livro que dê resposta para toda situação difícil que enfrentamos. É nessas horas que a sabedoria se faz necessária. É o que aconteceu com Salomão, no caso das duas mães que disputavam a maternidade de uma criança, quando não havia teste de DNA para comprovar de quem era o filho. Sua decisão não foi a de um repente gênio, mas a de uma pessoa objetiva, a mais adequada e no melhor momento.
Salomão, além de ser sábio, se tornou também muito rico. Era um grande colecionador e patrono das artes. Escreveu três mil provérbios e mil e cinco cânticos, e os livros de Eclesiastes, Cantares e Provérbios, este último um verdadeiro tratado de sabedoria.
Qual foi o erro de Salomão? Deixou de andar nos caminhos do Senhor. Por conveniência política, casou-se com centenas de mulheres estrangeiras que não adoravam a Deus, e construiu altares para os deuses delas – e adorava com elas.
Salomão não foi o primeiro nem será o último a nos ensinar que, mesmo que tenhamos tido um bom começo, não nos está assegurado um final feliz e com êxito. Temos que continuar bem até cruzar a linha de chegada.
No fim da vida, Salomão “desceu ao túmulo como homem arrependido; mas seu arrependimento e lágrimas não conseguiram apagar […] os estigmas de seu infeliz afastamento de Deus” (E. G. White, Vidas que Falam [MM 1971], p. 200).
O conselho que Davi deu para Salomão também serve para nós: “Obedeça ao que o Senhor, o seu Deus, exige: ande nos Seus caminhos e obedeça aos Seus decretos, aos Seus mandamentos […]; assim você prosperará em tudo o que fizer e por onde quer que for” (1Rs 2:3).

28 de novembro Segunda

Ele Cumprirá Sua Promessa


Em breve, muito em breve “Aquele que vem virá, e não demorará”. Hebreus 10:37
No início da primeira semana de janeiro de 2006, os jornais dos Estados Unidos deram a notícia de que treze mineiros haviam sido soterrados em uma mina de carvão no estado da Virgínia Ocidental. No entanto, quando os norte-americanos acordaram na quinta-feira, dia 5 de janeiro, viram estampado nas manchetes dos principais jornais: “Eles vivem”; “Vivos – Mineiros vencem a adversidade”; “Doze mineiros achados vivos quarenta e duas horas depois da explosão.”
Os sinos da igreja próxima da mina, onde os familiares dos mineiros soterrados estavam reunidos, começaram a soar pouco antes da meia-noite, quando a CNN anunciou que doze homens tinham sido encontrados vivos. Familiares e amigos das vítimas em vigília na Igreja Batista local gritaram: “É um milagre! Eles estão vivos!”
Momentos depois, a direção da empresa proprietária da mina disse que havia ocorrido um problema de comunicação e a mensagem não tinha sido enviada corretamente. Houve caos e revolta entre os familiares. “Foi um milagre que nos roubaram”, diziam eles. Anne Meredith, cujo pai morreu no acidente, disse: “Senti que fomos enganados o tempo inteiro.” Durante mais de um dia, aquelas pessoas mantiveram e alimentaram a esperança, e se decepcionaram.
Uma das definições de esperança é: “Desejo acompanhado de uma expectativa; desejo cujo cumprimento é acariciado; confiança em se conseguir o que deseja.”
Quantas esperanças alimentamos como seres humanos: passar no vestibular; que nosso time vença; passar no concurso público; a descoberta para a cura de alguma doença; ganhar medalha de ouro; que amanhã as coisas irão melhorar.
A esperança aparece acenando e trazendo ideias à mente: a semente, o botão para desabrochar, crianças, o sol nascendo. É um chamariz do futuro.
Ela também é um dos componentes mais importantes da fé cristã, e é mencionada aproximadamente 180 vezes na Bíblia. E o povo de Deus desenvolveu, através do tempo, a esperança do advento, um desejo de se encontrar com seu Deus no futuro. Paulo se refere a ela como a “bendita esperança” (Tt 2:13).
“E a esperança não nos decepciona, porque Deus derramou Seu amor em nossos corações” (Rm 5:5). “Apeguemo-nos com firmeza à esperança que professamos, pois Aquele que promete é fiel” (Hb 10:23).

29 de novembro Terça

Troco Pelo Correio


Quem poderá morar no Teu santo monte? Aquele que é íntegro em sua conduta. Salmo 15:1, 2
Até hoje a tenho guardada. É uma moeda de um centavo de dólar. Uma ninharia. Naquela sexta-feira, pouco antes do meio-dia, passei na gráfica da Andrews University a fim de pegar um material para apresentação em classe. Somou 11,34 dólares. Como aluno sempre anda com moeda no bolso, felizmente eu tinha dinheiro miúdo. Paguei 11,35, e a senhora que me atendeu se desculpou pelo fato de não ter um centavo de troco naquele momento. Eu disse: “Imagina! Um centavo. Não precisa.” Como brasileiro acostumado a escutar: “Posso ficar lhe devendo cinco centavos?”, aquilo não era nada.
A surpresa para mim veio três dias depois quando recebi um envelope com a cópia do recibo e a moeda de um centavo colada no papel com fita adesiva. Eu nem me lembrava mais. Olhei no envelope para ver quanto tinha custado a remessa pelo correio: dezoito centavos. Pensei: “Mas que maneira de cuidar de um item tão pequeno e sem valor, que muita gente passa por alto.” Ela poderia ter pensado: “Ah! Coisa tão pequena. Se ele mesmo disse `deixa pra lá’ e nem se lembra mais, para que vou me dar ao trabalho de enviar um centavo?”
Por que guardo a moedinha até hoje? Pelo seu valor simbólico. Para me lembrar de uma senhora que quis ser honesta e leal primeiramente consigo mesma, e que podia se ver no espelho pela manhã e ficar feliz pelo que fez. Mesmo que não faça sentido na mente do outro, deve fazer sentido para você.
Devemos viver uma vida alinhada com nossos valores e com aquilo que cremos. As promessas e compromissos que assumimos com nós mesmos são tão importantes como os compromissos firmados com outras pessoas e que não deveríamos deixar apenas no nível das intenções, empurrando a consciência para o lado quando ela grita para fazer o que é certo.
“A maior necessidade do mundo é a de homens […] que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos” (Ellen G. White, Educação, p. 57).
Num salmo intitulado “O hóspede de Deus”, Davi diz: “Senhor, […] quem poderá morar no Teu santo monte? Aquele que é íntegro em sua conduta e pratica o que é justo, que de coração fala a verdade […] que mantém a sua palavra, mesmo quando sai prejudicado […].
Quem assim procede nunca será abalado!” (Sl 15:1, 2, 4, 5).

30 de novembro Quarta

Prêmio Extra


Chame os trabalhadores e pague-lhes o salário, começando com os últimos contratados. Mateus 20:8
Depois de assistir à entrevista com o jovem rico e sua rejeição ao convite de Jesus, Pedro disse: “Senhor, nós abandonamos tudo. O que vamos receber? Nós fomos os primeiros, que receberemos?” Jesus respondeu com esta parábola que foi a última que Ele proferiu antes de Sua entrada em Jerusalém. É uma história de lances contrastantes:
Por ocasião da colheita da uva, os proprietários das vinhas saíam de manhã cedo, na praça do mercado em busca de trabalhadores. Um deles, com o primeiro grupo, estabeleceu o contrato de um denário por dia. Para os demais, ele disse que daria o que era justo.
Como naquele ano a meteorologia estava prometendo clima favorável para o período da colheita, ele se animou e voltou a convidar mais trabalhadores. A história diz que ele voltou às nove da manhã, ao meio-dia, às três da tarde e às cinco da tarde. O último grupo era o que ninguém queria, dos esquecidos e dos que se sentiam desvalorizados.
Na hora do pagamento, esses últimos também receberam um denário. Os que haviam trabalhado o período de doze horas receberam também um denário. “É injusto”, protestaram os primeiros. “Eles não podem receber o mesmo que estamos recebendo. Queremos um bônus!”
O comentarista bíblico John MacArthur, explicando a reação desse grupo, diz: “A acusação de injustiça não estava baseada no amor pela justiça, mas na pretensão egoísta de que o pagamento extra que eles queriam era um pagamento que eles mereciam.” Era como se estivessem dizendo que Deus estava em débito com eles.
Na economia da salvação, os primeiros serão os últimos e os últimos serão os primeiros. Jesus disse: “Os publicanos e as prostitutas estão entrando antes de vocês no reino de Deus” (Mt 21:31). Aqueles para quem a salvação parecia difícil serão os primeiros a entrar no reino de Deus.
Não vai haver um teste de pré-seleção no Céu para perguntar quem serviu mais tempo ao Senhor, quem foi mais fiel, quem sabe mais ou quem fez mais. Não haverá um grupo em condomínio e outro em vielas.
Agradeçamos a Deus pela graça que coloca à disposição de todos nós. Aqui está o milagre e a maravilha da graça.
—————-
www.advir.com.br – Seu Site Adventista na Internet————————————————————

A Meditação Diária é uma publicação da CASA PUBLICADORA BRASILEIRA e pode ser adquirida através do endereço www.cpb.com.br

***************

Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s