Novidades – Reavivamento e Reforma

 

Reforma espiritual e a guarda do sábado

Posted: 10 Oct 2011 04:00 AM PDT

Participei de um culto, em uma Igreja Adventista do Sétimo Dia que está começando no Bairro Vila Liberdade, em Curitiba, e fiquei emocionado com o ânimo e a fé dos irmãos. Na classe da Escola Sabatina onde fui, por exemplo, 98% das pessoas tinham estudado a lição diariamente.
Mas o que me chamou mais a atenção foi o testemunho de Neiva Eurich. Ela se tornou evangélica aos 42 anos de idade. Sempre foi fiel a Deus, mas um dia se afastou desta igreja pela pressão familiar. Isso a incomodava de tal maneira que ela orava todos os dias de madrugada pedindo forças e orientação. Após orar durante um ano, retornou à igreja.
Certo dia Neiva participou de um culto de oração. Era costume pedir que alguém lesse um texto bíblico antes da pregação e, naquele dia, ela foi escolhida. “Orei a Deus para saber que texto eu deveria ler, pois me sentia despreparada, e uma voz me disse para ler Isaías 58”, comenta emocionada. Neiva leu todo o capítulo, pois a voz dizia: “Leia até o final”. Quando terminou, ouviu novamente a voz lhe dizer: “Leia de novo”. E ela leu.
Quando terminou o culto, fez uma visita missionária e foi impressionada a ler o capítulo outra vez. Então chamou sua filha (que ainda era criança) para irem para casa conversar. Quando chegaram, fechou as portas e janelas pra não ser interrompida e leu o capítulo 58 de Isaías para a filha. Então ouviu a voz que insistia: “Leia de novo”. E assim, ela leu cerca de 20 vezes até que seus olhos pararam nos versos 12 a 14. A essa altura, ela exclamou: “O sábado! Deus quer que eu guarde o sábado!”. E daquele momento em diante ela não ouviu mais a voz. Entendeu o que Deus queria lhe transmitir.
Procurou então uma igreja que guardasse o sábado. Conheceu a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Foi bem recebida, estudou a Bíblia e foi batizada. Hoje ela é secretária e recepcionista da igreja.
O sábado e o reavivamento – Mas será que o sábado é tão importante assim? Qual a sua relação com a obra de reavivamento e reforma? O reavivamento tem a ver com a busca de Deus, a renovação da vida espiritual e a ressurreição da morte espiritual. Mas todo verdadeiro reavivamento deve gerar uma reforma e mudança nas ideias, hábitos e práticas.
Qual seria, então, a relação entre a guarda do sábado e a reforma espiritual? Na Criação, Deus estabeleceu as bases para o reavivamento: comunhão, fidelidade nos Dízimos e Ofertas e fidelidade ao sábado (Gn. 1,2).
Na devoção pessoal e no culto familiar reconheço minha dependência de Deus. Devolvendo o dízimo reconheço que Deus é o meu Proprietário e Senhor. Entregando as ofertas reconheço que Cristo é o meu Salvador. Mas guardando o sábado reconheço que Ele é o meu Criador.
“Deve-se fazer um esforço especial no sentido de efetuar uma reforma com respeito à observância do sábado.” (Conselhos sobre Saúde, p. 422). Esta reforma sempre esteve presente em todos os grandes movimentos de reavivamento ao longo da história, como por exemplo, no contexto de Neemias 13:15-22; Isaías 58:12-14; Jeremias 17:19-27; Ezequiel 20:12-26; 22:8,26,30; 23:38; 46:1-8 e Apocalipse 14:7.
Ainda hoje, “o remanescente de Deus, em pé diante do mundo como reformadores, deve mostrar que a lei de Deus é o fundamento de toda reforma perdurável, e que o sábado do quarto mandamento deve permanecer como memorial da criação, uma lembrança constante do poder de Deus.” (Profetas e Reis, p. 678).
“Há maior santidade no sábado do que lhe atribuem muitos que professam observá-lo. O Senhor tem sido grandemente desonrado por parte dos que não têm observado o sábado conforme o mandamento, quer na letra, quer no espírito. Ele sugere uma reforma da observância do sábado.” (Testemunhos Seletos, p. 20).
Por isso, devemos buscar a Deus na primeira hora do dia (Mateus 6:33, Lucas 12:31) para que Ele nos ajude a guardar o sábado adequadamente. Como? Fazendo culto de pôr-do-sol na hora certa, chegando pontualmente na igreja, não transgredindo o sábado mentalmente, fazendo trabalho missionário, ensinando as crianças sobre a santidade deste dia etc..
“Há necessidade de uma reforma do sábado entre nós, que professamos o santo dia de repouso. Algumas pessoas comentam os seus assuntos comerciais e fazem planos no sábado, e Deus considera isso como se estivessem empenhadas no próprio ato da transação comercial.” (Evangelismo, p. 245).
Deus nos chama para uma obra de reavivamento e reforma e a guarda do sábado nos moldes que Deus estabeleceu é parte indivisível desse nobre e urgente intuito. “Em sua vida deve ocorrer uma reforma que os tornará membros da família real, filhos do celeste Rei. Ao ouvirem a mensagem da verdade, homens e mulheres são levados a aceitar o sábado e unir-se à igreja pelo batismo. Devem eles levar o sinal de Deus por observarem o sábado da criação. Devem saber por experiência própria que a obediência aos mandamentos de Deus significa vida eterna.” (Conselhos sobre Saúde, pp. 355 e 356).
Evandro Fávero é pastor

Postagens relacionados:

    1. Sábado: dia de contato com a razão da esperança verdadeira Na modernidade, o cristianismo estava ameaçado de extinção. Se o…
  1. Por que preparação espiritual? Em um suposto e improvável diálogo entre John Huss, reformador…
Dietas alimentares e carência afetiva: nova Dieta ou novo vestido resolvem?

Posted: 10 Oct 2011 04:00 AM PDT

Será que dietas e vestuário resolvem as causas do comer excessivo que resulta em obesidade e tanta frustração? O que falta? O que ajuda de verdade?
Pesquisa da revista Glamour envolvendo 33 mil mulheres norte-americanas, revelou que: 75% sentiam-se muito gordas; 96% afirmaram que seu peso afetava seus sentimentos sobre si mesmas; 50% disseram que emagrecer seria a opção que as faria mais felizes entre ser feliz num relacionamento, ter sucesso profissional e receber notícias de um velho amigo.
Nos EUA 20 milhões de mulheres têm distúrbios alimentares, 25% de todos os homens e 50% de todas as mulheres vivem em constantes regimes. A revista oficial da Associação Médica Americana (JAMA) publicou artigo revelando que a prevalência de obesidade nos Estados Unidos entre 2007 e 2008 foi de 32.2% entre homens adultos e de 35.5% entre mulheres adultas. (“Prevalence and Trends in Obesity Among US Adults, 1999-2008”, JAMA, Vol. 303 No. 3, January 20, 2010). Dados de 2007 e 2008 mostraram que 17% das crianças e adolescentes entre 2 e 19 anos de idade naquele país são obesas.
http://www.cdc.gov/obesity/childhood/index.html
O que é obesidade? –  Obesidade é quando você tem um IMC – Índice de Massa Corporal – acima de 30. Divida seu peso em quilogramas pela sua altura ao quadrado. Por exemplo: se você tem 70 quilos e mede um 1 metro e 70 centímetros de altura, divida 70 pela altura ao quadrado (1,70 x 1,70 = 2,89). Assim: 70 ÷ 2,89 = 24,22. O IMC normal é entre 20 e 24,9. De 25 até 29.9 indica sobrepeso e acima de 30 é obesidade.
Pessoas gordas crêem que se emagrecessem ficariam bem, mas emagreceram várias vezes e não ficaram bem, engordando de novo e começando novo regime. Regimes e dietas por si só podem não funcionar porque comer demais e excesso de peso, são sintomas, não o problema principal. Enfatizar só a questão do peso é uma maneira de deslocar ou distrair o foco de atenção e compreensão das causas reais pelas quais uma pessoa come sem estar com fome ou sem necessitar.
Norte-americanos gastam cerca de 33 bilhões de dólares por ano emagrecendo. As indústrias do emagrecimento não estão interessadas em sua saúde porque não querem perder os clientes. Por isso vendem serviços e produtos que “resolvem” só superficialmente e que não oferecem resultados profundos e duradouros.
Dietas podem ser como pais opressivos e autoritários que lhe diz o que fazer e quando, mantendo as pessoas fixas no exterior, em algo fora delas e fazem com que dependam de fontes exteriores a si mesmos – a própria dieta – para sua noção de bem estar e dignidade. As dietas restringem as escolhas da pessoa e perpetuam a dependência.
Crianças normais que sofreram abusos (físicos, emocionais, verbais, sexuais, etc.) na infância acreditam que a culpa foi delas. A pessoa que come exageradamente crê que não possui autocontrole. Em vez de a criança ficar brava com a pessoa que abusou dela, ela fica brava consigo mesma porque ela teme perder o amor do pai/mãe. Em vez de recusar-se a fazer uma nova dieta, o compulsivo alimentar se pune por comer demais e recomeça outra dieta.
Rejeite começar nova dieta sem buscar mudanças em seu interior. As mudanças têm um processo, não ocorrem da noite para o dia, e envolvem falar a verdade para si mesmo e então decidir como viver de acordo com essa verdade.
Profissionais inteligentes da moda mundial, dizem que vendem, na verdade, não vestidos, mas amor. Afirmam que se puderem convencer as clientes de que a mercadoria deles lhes trará amor, terão alcançado seu objetivo. Uma pessoa adulta que quando era criança sofreu muito com brigas, desavenças, separação dos pais, pode ter se apegado à comida como substituta do amor. Se ficar tentando resolver a dor do passado através de dietas e roupas, vai conseguir emagrecer naturalmente, de forma permanente, e obter equilíbrio emocional?
Cesar Vasconcellos de Souza é psiquiatra
Artigo originalmente publicado em http://www.portalnatural.com.br/dietas-e-receitas/nutricao/dietas-alimentares-e-carencia-afetiva-nova-dieta-ou-novo-vestido-resolvem
Cura pela esperança

Posted: 10 Oct 2011 04:00 AM PDT

A universitária Rose Mendes foi internada às pressas para uma bateria de exames. Dias depois recebeu a terrível notícia de que estava com câncer em estágio terminal e tinha poucos meses de vida. Os tratamentos quimioterápicos foram iniciados na esperança de retardar o avanço da doença. Dias depois, os médicos ficaram surpresos ao constatar que o câncer não só estava contido, mas retrocedia. O médico que acompanhava o caso conta que várias vezes, ao entrar no quarto de Rose, esperava ver uma pessoa arrasada e deprimida. Mas, ao contrário, via uma moça sorridente e esperançosa.
– Qual o segredo de tanta alegria? – perguntava.
– Muitas vezes despertei com medo, no meio da noite – dizia ela. – Mas logo tomava minha Bíblia, lia e conversava com Deus. Isso é o que tem me mantido firme.
O médico ficou impressionado com a determinação da paciente. Mas só quando ela se restabeleceu completamente é que ele se convenceu do poder da fé e da esperança no processo de cura.
Na verdade, esse é um fenômeno que tem chamado a atenção de muitos pesquisadores ao redor do mundo, pois está ficando evidente que a fé capacita a viver mais e melhor. Especialmente nos Estados Unidos diversas pesquisas têm constatado a relação entre fé e cura. Um estudo da Faculdade de Medicina de Dartmouth revelou que a probabilidade de pacientes cardíacos morrerem após a cirurgia era 14 vezes maior entre aqueles que não encontravam conforto na religião. Num prazo de seis meses após a cirurgia, 21 pacientes morreram – mas entre os 37 que se declararam “profundamente religiosos” não ocorreu nenhuma morte.
Evidências científicas – Outra pesquisa – da Universidade de Duke – provou que a religião de fato faz bem à saúde. Os pesquisadores acompanharam um grupo de idosos que vai à igreja uma vez por semana e ora ou lê a Bíblia pelo menos uma vez por dia. A surpresa foi que, entre os fiéis, a incidência de hipertensão é 40% menor do que entre grupos da mesma idade, mas sem a mesma fé.
Na verdade, segundo a Associação Americana para o Progresso da Ciência, atualmente há mais de duas centenas de estudos que apontam a fé como um bom remédio contra todo tipo de doença – desde a insônia até graves problemas cardíacos.
Diante desses dados, muitos pesquisadores, especialmente da área médica, têm repensado sua postura. Dale Matthews é um deles. Pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas para os Cuidados da Saúde, de Rockville, ele catalogou 325 estudos que examinam essa relação e os efeitos das crenças na cura das doenças. E o resultado foi surpreendente. Matthews, que costuma orar com seus pacientes no consultório, concluiu que 75% das pesquisas mostram uma conexão positiva. Ou seja, a fé tem mesmo papel importante na cura.
“Nos últimos cinco anos, as pesquisas sobre esse assunto andaram rápido. Entre outros resultados, constatou-se também que algum tipo de crença aumenta a sobrevida em 89%”, informou a uma revista de circulação nacional o cardiologista Herbert Benson, professor da Faculdade de Medicina de Harvard.
É verdade que aqueles que pautam a vida pelos ensinamentos da Bíblia mantêm um estilo de vida saudável. Em geral, não fumam, não bebem e evitam levar uma vida promíscua e boêmia. E, quando passam por algum problema de saúde, costumam encará-lo de forma mais positiva, “fazendo com que o tratamento ocorra com mais facilidade”, explica o oncologista pediátrico Vicente Odone Filho, do Instituto da Criança, em São Paulo.
Importância da fé – Isso não é tudo. A fé e a disposição positiva que dela advém ajudam a produzir substâncias importantes para o organismo. Embora ainda não se conheçam exatamente quais dessas substâncias são produzidas em maior quantidade a partir dos bons sentimentos, é consenso que a ação desses hormônios resultantes dos estímulos de fé ou posturas positivas ajuda no fortalecimento do organismo.
Muitos, como a melatonina e as catecolaminas, atuam diretamente sobre o sistema imunológico, responsável pelas defesas do corpo, contribuindo para a produção de suas células. “Sabemos que o sistema límbico (conjunto de núcleos cerebrais onde são avaliadas as emoções) também está conectado ao sistema nervoso, vinculado à coordenação de funções como a de controle da pressão sanguínea e de batimentos cardíacos”, afirma Andrew Newberg, pesquisador da Universidade da Pensilvânia.
Tranquilizante natural
Também já se percebeu que as pessoas religiosas – especialmente aquelas que crêem na vida após a morte – são muito menos ansiosas. É fácil compreender por que esse efeito da fé também é bom para o corpo. A ansiedade é um sentimento que, depois de processado pelo cérebro, provoca descargas de adrenalina no organismo. Esse hormônio acelera os batimentos cardíacos e eleva a pressão arterial. A exposição crônica a esse hormônio contribui para o surgimento ou agravamento de doenças cardiovasculares e gastrointestinais. Além disso, a ansiedade enfraquece as defesas do organismo.
O Dr. Herbert Benson promoveu uma nova compreensão da fisiologia envolvida nessa fé capaz de curar. Ele observou que de 60% a 90% das consultas médicas envolvem doenças relacionadas com o estresse – incluindo hipertensão, infertilidade, insônia e problemas cardiovasculares. O Dr. Benson, porém, demonstrou que o estado de relaxamento provocado pela oração e meditação reduz o impacto dos hormônios do estresse, tais como a noradrenalina e a adrenalina. Portanto, acreditar em algo mais do que a vida terrestre ajuda a ser feliz e, consequentemente, encarar problemas, inclusive doenças, com otimismo.
A verdadeira religião, que brota do coração e se submete à vontade de Deus, provê a serenidade e o equilíbrio necessários a uma vida de paz e alegria. Como bem disse Maíza Netz, cantora cristã: “Antes de conhecer a Cristo, eu levava uma vida triste com poucos momentos de alegria; hoje vivo uma vida feliz com poucos momentos de tristeza.”
A religião amplia os horizontes e dá a certeza de que não precisamos enfrentar sozinhos as lutas. Dom Cláudio Hummes, em sua coluna no jornal O Estado de S. Paulo do dia 1º de dezembro de 1999, disse que “a modernidade fracassou na medida em que excluiu a transcendência divina e quis endeusar o homem, a quem, na verdade, tirou todo horizonte para se superar e sair da prisão egocêntrica. A fé cristã, ao invés, aponta uma esperança real”. E a esperança nascida da fé continua e continuará sendo um santo remédio.
Benefícios da religião
Certeza de não viver sozinhos e poder contar com o poder infinito de Deus;
Senso de pertencer a uma família/comunidade;
Libertação do sentimento estressante de culpa, através da
confissão e do perdão;
Consciência da origem e destino humanos, bem como de nosso lugar no Universo;
Serenidade, equilíbrio moral e felicidade;
Reforço da auto-estima, por saber que fomos criados por Deus e à Sua imagem;
A adoração e o serviço pelos outros nos levam para além de nós mesmos e nos dão senso de utilidade.
Michelson Borges é jornalista
Artigo originalmente publicado em http://www.outraleitura.com.br/web/artigo.php?artigo=209:Cura_pela_esperanca

Postagens relacionados:

  1. Sábado: dia de contato com a razão da esperança verdadeira Na modernidade, o cristianismo estava ameaçado de extinção. Se o…
Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s