Comentário da Lição 13 – Adoração no livro do Apocalipse – ESCOLA NO AR

 

3º Trimestre de 2011 – Adoração

Comentário da Lição 13 – Adoração no livro do Apocalipse

Sábado, 17/9/2011 – › INTRODUÇÃO

Apocalipse apresenta o desfecho do grande conflito cósmico da disputa pela adoração. Lúcifer conseguiu seduzir um terço das hostes celestiais para que recusassem a adoração ao Deus Criador, transferindo-a para ele. Neste mundo, Satanás, engana milhões para que o adorem através dos falsos sistemas de culto.

No entanto, ao final do grande conflito, o justo caráter de Deus, vindicado perante o Universo, recebe a adoração que somente a Ele pertence. “Todas as nações virão à tua presença e te adorarão, pois os teus atos de justiça se tornaram manifestos”. Ap 15:4 – Nova Versão Internacional.

Esta é a grande razão porque a justiça de Deus é reconhecida e proclamada por todo o Universo, porque em Cristo Jesus os Seus atos de justiça se tornaram manifestos para a dádiva da vida e para a condenação à morte. Disse Jesus: ”Eu lhes asseguro: Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida”. – Jo 5:24 – Nova Versão Internacional.

A justiça de Deus é manifesta na condenação do pecado e pecadores impenitentes e rebeldes. A justiça de Deus é manifesta no amor perdoador e na justificação de pecadores que aceitam a justiça substituta de Cristo.

O caráter de Deus está plenamente vindicado perante o universo, como perfeito em justiça e santidade, perfeito em graça e amor, e nenhuma mais de Suas criaturas alimenta qualquer dúvida. Na execução de Sua justiça Ele transborda o seu amor.

Pense: “Cristo diz: ‘Todos os que me aborrecem amam a morte’. Deus lhes dá existência por algum tempo, afim de poderem desenvolver seu caráter e revelar seus princípios. Feito isso, receberão os resultados de sua própria escolha. Por uma vida de rebelião, Satanás e todos quantos a ele se unem colocam-se em tamanha desarmonia com Deus, que Sua própria presença lhes é um fogo consumidor. A glória daquele que é amor os destruirá” – Desejado de Todas as Nações. pág. 764.

Desafio: “Então veio do trono uma voz conclamando: ‘Louvem o nosso Deus, todos vocês, seus servos, vocês que o temem, tanto pequenos como grandes’”. – AP 19:5 – Nova Versão Internacional.


Domingo, 18/9/2011 – › “CAÍ A SEUS PÉS COMO MORTO”

Moisés em seu lindo Salmo declara: “Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, Tu és Deus… Pois mil anos, aos Teus olhos, são como o dia de ontem que se foi, e como a vigília da noite”. – Sl 90:2 e 4 – Almeida Revista e Atualizada.

Para Deus o tempo não conta; isto significa “que houve tempo em que tempo não houve”, como costumava afirmar o professor Orlando Ritter em suas brilhantes aulas sobre astronomia. Mas neste tempo em que tempo não houve, Deus pelo poder de Sua palavra chamou à existência o Universo cujos limites de tempo e espaço até hoje ainda não foram desvendados.

No Salmo, Moisés, exaltando e glorificando a Deus, traz um forte argumento proclamando duas verdades inquestionáveis: a eternidade de Deus e a criação do Universo na eternidade, que é um poderoso apelo para a adoração.

Em outro Salmo, outro escritor bíblico declara que em algum momento, na eternidade, o Criador chamou este Universo imenso à existência: “Os Céus por Sua palavra se fizeram, e, pelo sopro de Sua boca o exército deles… pois Ele falou, e tudo se fez; Ele ordenou, e tudo passou a existir”. – Sl 33:6 e 9 – Almeida Revista e Atualizada.

Quando João teve esta visão de Jesus, não somente como o Deus Todo-Poderoso, Criador e Mantenedor do Universo, mas também como o Poder do Amor, o Redentor do pecador perdido e escravizado pelo diabo, ele caiu a Seus pés para adorar. (Leia em Estudo Adicional).

Pense: “Tu perguntaste: ‘Quem é esse que obscurece o meu conselho sem conhecimento?’ Certo é que falei de coisas que eu não entendia, coisas tão maravilhosas que eu não poderia saber”. – Jó 42:2 – Nova Versão Internacional.

Desafio: “Por isso menosprezo a mim mesmo e me arrependo no pó e na cinza”. – Jó 42:6 – Nova Versão Internacional.


Segunda-Feira, 19/9/2011 – › SANTO, SANTO, SANTO…

No Apocalipse, João coloca em destaque dois atributos do caráter de Deus: Santidade e justiça. Deus é santo, único, separado, no sentido de que não existe ninguém igual a Ele. Deus é justiça, integridade, equidade, retidão. Seu caráter não admite nenhuma ação que revele desvio. Lúcifer tentou desafiar a santidade e a justiça de Deus: “Serei como o Altíssimo”. – Is 14:14. Permitiu que o orgulho corrompesse a santidade e a justiça a ele conferidas por Deus. (Ez 28:17).

Por outro lado, os seres celestes que reconhecem a santidade e a justiça de Deus, rendem-Lhe ininterrupta adoração.

Quando os santos já estão na presença de Deus, libertos do pecado, eles se unem ao Universo não contaminado pelo pecado nesta adoração perfeita e fazem a proclamação: “Quem não te temerá, ó Senhor? Quem não glorificará o teu nome? Pois tu somente és santo. Todas as nações virão à tua presença e te adorarão, pois os teus atos de justiça se tornaram manifestos”. – Ap 15:3 e 4 – Nova Versão Internacional.

Evidenciadas a santidade e a justiça do caráter de Deus, e a pecaminosidade do caráter de Satanás e dos anjos rebeldes, é feita a proclamação pelo Universo e para o Universo: “Depois disso ouvi nos céus algo semelhante à voz de uma grande multidão, que exclamava: Aleluia! A salvação, a glória e o poder pertencem ao nosso Deus, pois verdadeiro e justos são os seus juízos” – Ap 19:1 e 2 – Nova Versão Internacional.

Ao final do grande conflito pela adoração, o triunfo de Cristo é completo. Somente receberá adoração Aquele que é santo e justo.

Pense: “Dia e noite repetem sem cessar: ‘Santo, santo, santo é o Senhor, o Deus todo-poderoso, que era, que é e que há de vir’”. – Ap 4:8 – Nova Versão Internacional

Desafio: “Amém! Louvor e glória, sabedoria, ação de graças, honra, poder e força sejam ao nosso Deus para todo o sempre. Amém”. – Ap 7:12 – Nova Verão \internacional.


Terça-Feira, 20/9/2011 – › APOCALIPSE 13

Apocalipse 13 apresenta o falso poder que procura usurpar a adoração que unicamente pertence a Deus. Somente Ele é o Criador, somente Ele é o Redentor. A grande luta pela adoração iniciou-se com Lúcifer, no Céu. João declara que o dragão, “a antiga serpente chamada Diabo ou Satanás, que engana o mundo todo… deu à besta o seu poder, o seu trono e grande autoridade”. – Ap 12:9 e 13:2 – Nova Versão Internacional”.

Compreende-se por essa declaração que Satanás, mediante seu grande poder de enganar, criou em nosso mundo um falso sistema de adoração. Esse falso sistema abrange todo o paganismo que se identifica com o que sempre existiu desde os tempos mais remotos. No paganismo adoram-se astros, animais, árvores, seres humanos, ídolos e tudo o que se possa imaginar. No cristianismo corrompido, a adoração segue linhas mais sutis, mas sempre desviando o ato de Quem realmente o merece.

Outra questão que precisa ser considerada, é que no falso sistema de adoração são proferidas blasfêmias contra Deus, (Ap 13:6), o Único que tem direito à adoração. Blasfêmias são palavras insultuosas dirigidas contra Deus, declarando-O indigno de receber a nossa homenagem.

A grande maioria adora o dragão, representado pela besta e o falso profeta, no falso sistema de adoração. No entanto, assim mesmo, Deus tem aqueles que com determinação e fidelidade O adoram, bem como ao Cordeiro que foi morto, para, por meio de Sua morte conceder vida àqueles que o aceitam como o Redentor.

Pense: “Foi-lhe dado poder para guerrear contra os santos e vencê-los. Foi-lhe dada autoridade sobre toda tribo, povo, íngua e nação” – Ap 13:7 – Nova Versão Internacional.

Desafio: “Aqui está a perseverança e a fidelidade dos santos”. – Ap 13:10 – Nova Versão Internacional.


Quarta-Feira, 21/9/2011 – › APOCALIPSE 14

O chamado para temer e glorificar o Senhor, isto é, apresentar-se diante dele com profundo respeito e render-Lhe toda a glória em reverente adoração, fundamenta-se na Sua santidade e nos Seus atos de justiça. O apóstolo do amor, em todo o livro do Apocalipse, não evoca o amor nem a graça, mas a santidade e a justiça do caráter de Deus, como poderosos apelos para adorá-lO.

O reconhecimento da santidade e dos justos atos de Deus é fundamental para vindicar o Seu caráter perante o universo. A insultuosa acusação de Lúcifer precisa de uma demonstração cabal da santidade e da justiça de Deus.

“A santidade de Deus exige justiça e julgamento. Portanto, a santidade do Senhor é um dos motivos por que os homens devem temê-lO e adorá-lO. Cada indivíduo colherá aquilo que houver semeado (ver Gl 6:7,8) e ninguém pode escapar a essa regra divinamente determinada. Finalmente, ninguém achará falta em Deus, a despeito do que os homens venham a sofrer nos juízos divinos. Total retidão e justiça se fará, e todos saberão por que razão e como”. – Novo Testamento Interpretado, vol. 6, pág. 581.

A possibilidade de uma segunda rebelião no Universo de Deus é totalmente aniquilada pelo reconhecimento universal de Seu caráter justo e de Sua santidade. “Todas as nações virão à tua presença e te adorarão, pois os teus atos de justiça se tornaram manifestos’”. – Ap 15:3 e 4 – Nova Versão Internacional.

Por mais paradoxal que possa parecer, é na justiça que Deus revela o Seu amor e a Sua graça. A justiça condena e pede a execução da sentença. Deus executa primeiro a Sua justiça ao executar a sentença da justiça em Si mesmo, na pessoa de Cristo e oferece graça por amor. Sem executar a justiça, não teria como revelar amor e graça. Ele assim pode atuar porque Ele é. Ele é justiça, Ele é santo Ele é amor, Ele é graça.

Pense: ”Eu lhes asseguro: Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida”. – Jo 5:24 – Nova Versão Internacional.

Desafio: “E ouvi o altar responder: ‘Sim, Senhor Deus todo-poderoso, verdadeiros e justos são os teus juízos’”. – Ap 16:7 – Nova Versão Internacional.


Quinta-Feira, 22/9/2011 – › ADORE A DEUS

Estamos terminando as lições sobre adoração. As nossas convicções foram fortalecidas em relação à maneira correta de adorar? Compreendemos o que envolve a adoração?

A conclamação para o ato de adoração é revestida de solenidade, grandeza, esplendor, beleza, recolhimento, comunhão, perdão, reconciliação, alegria, louvor, exaltação.

Solenidade – “Adorai o Senhor na beleza da sua santidade; tremei diante dele todas as terras”. – Sl 96:9 – ARA.

“Tremei diante dele”. – “Todos os povos devem ter um profundo respeito por Ele” – Bíblia Viva

Grandeza e Esplendor – “Glória e majestade estão diante dele, força e formosura no seu santuário”. – Sl 96:6 – ARA.

Beleza e Santidade – “Adorai ao Senhor na beleza da sua santidade…”. – Sl 96:9

Recolhimento – “Vinde, adoremos e prostremo-nos; ajoelhemos diante do Senhor que nos criou”. – Sl 95:6.

Comunhão – “Ele é o nosso Deus, e nós povo do seu pasto, e ovelhas de sua mão. Oxalá ouvísseis hoje a sua voz!” – Sl 95:7.

Perdão e Reconciliação – “Se tu, Soberano Senhor, registrasses os pecados, quem escaparia? Mas contigo está o perdão para que sejas temido”. – Sl 130:3 e 4 – NVI.

Alegria e Louvor – “Vinde cantemos ao Senhor, com júbilo, celebremos o Rochedo da nossa salvação”. – Sl 95:1.

Exaltação – “Porque o Senhor é o Deus supremo, e o grande rei acima de todos os deuses”. – Sl 95:3.

Viemos para adorar! Transforme esta idéia na mais vibrante realidade em sua experiência espiritual. Que Deus o abençoe.

Pense: “O dever de adorar a Deus se baseia no fato de que Ele é o Criador, e que a Ele todos os outros seres devem a existência. E, onde quer que se apresente, na Bíblia, Seu direito de adoração, acima dos deuses pagãos, enumeram-se as provas de Seu poder criador”. – Conflito dos Séculos, pág. 472 – Nova Edição Revista.

Desafio: “Anunciai entre as nações a sua glória, entre os povos as suas maravilhas. Porque grande é o Senhor e mui digno de ser louvado, temível mais que todos os deuses… Tributai ao Senhor a glória devida ao seu nome”. – Sl 96:3, 4 e 8 – Almeida Revista e Atualizada.


Sexta-Feira, 23/9/2011 – › ESTUDO ADICIONAL

Qual a dimensão do Brasil? Oito milhões e quinhentos mil quilômetros quadrados; é um país gigantesco, imenso. Qual a dimensão de nosso planeta Terra? Quinhentos milhões e cem mil quilômetros quadrados. O Brasil, imenso como é, tem os seus limites; nosso planeta tem os seus limites. Qual a dimensão do Universo e onde se encontram os seus limites?

Você sabe onde começa o Universo e onde ele termina? Moisés declarou: “De eternidade a eternidade, Tu és Deus”. Podemos exclamar: De imensidade a imensidade, és o Universo do Deus de eternidade a eternidade.

Tomas Carlyle, em uma noite de ano novo esteve em um encontro com amigos para comemorar a passagem do acontecimento. No entanto, a conversa era tão banal que Carlyle afastou-se do local e dirigiu-se na escuridão da noite para a praia do mar. Aquele espetáculo impressionante, deslumbrou-o, fazendo-o legar para a posteridade uma idéia grandiosa sobre o Universo: “Encontro-me no centro de imensidades, na confluência de eternidades”.

Na década de 70, a astronomia festejou a memorável descoberta de que galáxias semelhantes à nossa povoam o Universo há distâncias que chegam a trezentos milhões de anos-luz. Mais recentemente foram descobertas estrelas distando há três bilhões de anos-luz. Em 1995, astrônomos detectaram um quasar (objeto estelar) distante da terra dez bilhões de anos-luz.

Passados mais três anos, outra notícia proclamava para o mundo que astrônomos norte-americanos descobriram uma galáxia localizada a cerca de 12,2 bilhões de anos-luz.

Considere-se este fato verdadeiramente grandioso: corpos celestes distando doze bilhões de anos-luz da Terra. No entanto, não é dada a informação de que além desta distância existe uma linha marcando os limites do Universo.

Pense: “Você sabe quem resolveu qual seria o tamanho do mundo e quem foi que fez as medições?… De onde vem a luz, e qual a origem da escuridão?… Você já esteve no lugar onde nasce o Sol ou no ponto onde começa a soprar o vento leste?… Será que você pode amarrar as estrelas das Sete-Cabrinhas ou soltar as correntes que prendem as Três-Marias?” – Jó 38:5, 19, 24 e 31 – Bíblia na Linguagem de Hoje.

Desafio: “Quem foi que deu sabedoria ao coração e entendimento à mente?” – Jó 38:36 – Nova Versão Internacional.


 

Conheça o autor

  Pr. Albino Marks
Especialista em aconselhamento familiar e profundo estudioso da Bíblia, o pastor Albino Marks já atuou como preceptor (IAP, IACS, IAE-SP); capelão (IACS e Hospital do Pênfigo); diretor geral do IAP; departamental em várias associações e na UCB.

 www.escolanoar.org.br

 

© Escola no Ar 2001-2008 • Todos os direitos reservados
Coordenação › Wanderley Gazeta • Projeto gráfico › Rodrigo Matias

FONTE: http://www.escolanoar.org.br/Novo/impressao.asp?nivel=adultos_pt&data=23/9/2011

 

Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Comentário da Lição 13 – Adoração no livro do Apocalipse – ESCOLA NO AR

  1. Pingback: Comentário da Lição 13 – Adoração no livro do Apocalipse … | iComentários

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s