Novidades – Reavivamento e Reforma

 

Novidades – Reavivamento e Reforma


[Artigo] Reavivamento e reforma

Posted: 05 Sep 2011 11:36 AM PDT

O verdadeiro reavivamento produz uma vida renovada e alinhada com a vontade de Deus

Deus está levantando forte movimento de reavivamento e reforma, que está despertando nossa igreja em todo o mundo. É emocionante ver irmãos renovando seu compromisso com Deus, membros e igrejas encontrando cura para suas feridas, experimentando unidade e se levantando poderosamente para cumprir a missão. Sem dúvida, “um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e mais urgente de todas as nossas necessidades. Buscá-lo deve ser nossa primeira ocupação” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 121). É tempo das grandes ações do Espírito Santo, as primeiras gotas da chuva serôdia.
No território da Divisão Sul-Americana, queremos fortalecer essa visão e, ao mesmo tempo, alimentar e abastecer a igreja com iniciativas e materiais que possam ser usados na comunhão pessoal e na igreja local. Por isso, foi relançado o site www.reavivamentoereforma.com (em português), www.reavivamientoyreforma.com (em espanhol) e o site oficial www.revivalandreformation.org (em inglês). Além disso, é possível acompanhar pelo twitter as diferentes iniciativas em @reavivaereforma e @reavivayreforma. São apenas ferramentas para que, através da tecnologia, possamos apoiar, estar mais perto e alcançar o maior número possível de pessoas com essa visão.
Apesar dessas iniciativas, precisamos lembrar que o reavivamento não vai acontecer por meios virtuais, mas por atitudes reais, pessoais e espirituais. É chegado o tempo de buscar, de maneira mais decidida, o poder do Espírito Santo para que Ele nos purifique de nossos pecados, nos una como um só corpo e levante um exército para compartilhar a esperança da volta de Cristo a cada pessoa e cada casa de nosso continente.
Por outro lado, precisamos ter a visão correta. Não podemos permitir que, enquanto a igreja vai sendo despertada, o inimigo aproveite para semear desequilíbrio, agitação e, muitas vezes, divisão. Precisamos da sabedoria dos Céus para permanecer alinhados à visão divina de reavivamento e reforma.
1. É um movimento de busca a Deus na primeira hora de cada dia. Esse não é um movimento reservado a programas ou pregadores especiais. É um movimento de encontro pessoal com Deus e de busca pelo batismo diário do Espírito Santo, dedicando o melhor momento do dia para a comunhão por meio da oração, meditação, leitura da Bíblia, dos escritos inspirados de Ellen G. White e dos materiais devocionais. Esse é o primeiro passo e a base do reavivamento.
2. É um movimento com base sólida. A Bíblia precisa ser destacada em todo esse movimento, que não tem por base o que sentimos, mas como reagimos. A reação esperada por Deus não são apenas lágrimas, nem momentos agitados de “louvor”, muito menos a procura por pregadores carismáticos, mas uma busca séria e profunda pelas verdades da Palavra de Deus. Não existe despertamento místico, emocional ou ecumênico. O verdadeiro despertamento leva a igreja de volta à Bíblia, à mensagem original e às orientações de Deus.
3. Deve ser encarado com equilíbrio. É preciso ser prudente ao tratar do assunto, pregá-lo, ou mesmo julgar o envolvimento das outras pessoas. É muito fácil um movimento tão puro cair para o lado do fanatismo, radicalismo ou até criticismo. O resultado natural do reavivamento é profundo amor a Deus, à Sua Palavra e às outras pessoas.
4. O verdadeiro reavivamento leva à reforma. Vai além de um forte movimento de comunhão. O reavivamento produz reforma em nossa alimentação, músicas, aparência pessoal, amizades, vocabulário, temperamento, diversões, enfim, em toda a vida.
5. As consequências imediatas do reavivamento são a unidade e o cumprimento da missão. Membros reavivados amam seus irmãos, buscam sua felicidade e salvação, e não perdem nenhuma oportunidade para testemunhar de nossa esperança na breve volta de Jesus. Se esse resultado não tem sido manifestado, seguramente não está havendo reavivamento verdadeiro. É contrafação!
Quero fazer um chamado a você, sua família, seu pequeno grupo e sua igreja para que experimentem esse movimento levantado por Deus. A experiência da igreja também será diferente e renovada. O cumprimento da missão será destacado, com o derramamento da chuva serôdia. Já estamos vendo isso, nestes dias, ao apresentarmos o desafio de distribuição do livro missionário A Grande Esperança. Sem muito esforço humano, a igreja se levantou e se comprometeu a distribuir, em 2012, o total de 42 milhões de exemplares apenas no território da Divisão Sul-Americana. Isso é algo nunca visto! Mas, é apenas o começo dos milagres de Deus através da forte ação do Espírito Santo em uma igreja reavivada e com poder.
Erton Köhler é presidente da Divisão Sul-Americana.

Fonte: ASN Notícias

Postagens relacionados:

    1. Busca por reavivamento e reforma motiva grande campal no Pará Santarém, PA…[ASN] Cerca de 600 adventistas e amigos convidados participaram…
Fé concedida por Deus

Posted: 05 Sep 2011 05:43 AM PDT

A outro, no mesmo Espírito, fé; e a outro, no mesmo Espírito, dons de curar. I Cor. 12:9.

A fé, também, é dom de Deus. A fé é o aceitar do entendimento do homem às palavras de Deus, unindo o coração ao Seu serviço. E a quem pertence o entendimento do homem, senão a Deus? A quem pertence o coração, senão a Deus? Ter fé é render a Deus o intelecto, as energias, que dEle recebemos; por isso, os que exercem fé não têm, eles mesmos, mérito algum. Os que crêem tão firmemente num Pai celestial, que nEle confiem com confiança ilimitada; os que, pela fé, podem alcançar para além da sepultura, as realidades eternas do além, esses devem desabafar-se numa confissão ao seu Criador, dizendo: “Tudo vem de Ti, e das Tuas mãos To damos.” I Crôn. 29:14.

Ninguém tem o direito de dizer que pertence a si mesmo. E ninguém possui algo de bom que possa dizer que seja dele mesmo. Toda pessoa e todas as coisas são propriedade do Senhor. Todas as bênçãos que o homem recebe continua sendo do Senhor. Qualquer conhecimento que ele tenha, que de algum modo o ajude a ser um obreiro inteligente na causa de Deus, provém do Senhor e deve ser por ele transmitido a seus semelhantes, a fim de que também se tornem valiosos obreiros. Aquele a quem Deus confiou dons incomuns deve devolver ao tesouro do Senhor aquilo que recebeu, dando generosamente aos outros os benefícios de suas bênçãos. Assim Deus será honrado e glorificado. …

As capacidades que nos foram concedidas pelo Céu não devem ser utilizadas com finalidades egoístas. Toda energia, toda dotação é um talento que deve contribuir para a glória de Deus ao ser usado em Seu serviço. Seus dons devem ser entregues aos banqueiros, para que Ele receba com juros o que Lhe pertence. Os talentos que habilitam um homem para o serviço são-lhe confiados não somente para que ele mesmo possa ser um obreiro aceitável, mas para que também seja habilitado para ensinar a outros que são deficientes nalgum aspecto. Review and Herald, 1º de dezembro de 1904.

Ellen White é escritora norte-americana

Postagens relacionados:

  1. Cooperadores de Deus Porque de Deus somos cooperadores; lavoura de Deus, edifício de…
  2. Mantendo total Confiança em Deus Eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de…
A santificação e o cuidado com o corpo

Posted: 05 Sep 2011 06:56 AM PDT

Temos percebido que nos últimos anos, digo desde a década de 30 quando surgiram as redes de fast food, mesmo de forma discreta no seu início, houve uma mudança nas principais causas de morte. Na década de 30 a principal causa de morte era por doenças infectocontagiosas. Hoje as doenças que mais ceifam a vida da população são as doenças crônicas não transmissíveis, ou seja, as doenças adquiridas por um estilo de vida inadequado, longe das orientações deixadas por Deus em Sua Palavra, a Bíblia.
Encontramos na Bíblia, em Gênesis 29:1, a seguinte descrição: E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento.
Uma alimentação vegetariana, que depois recebeu um incremento das verduras, em Gênesis 3:18: Espinhos, e cardos também, te produzirá; e comerás a erva do campo. Antes do pecado o homem não ficava doente, após escolher desobedecer a Deus a doença começou a fazer parte da vida deste casal. A permissão para comer verdura veio como demonstração do amor de Deus para com Adão e Eva. Hoje, quando ficamos doentes, corremos para a farmácia, isso é um grande erro, deveríamos correr para a horta.
Quando as pessoas compreenderem a fisiologia em seu mais verdadeiro sentido, as receitas de drogas serão muito menores, até que finalmente as drogas sejam abandonadas. O médico que pratica a medicação por drogas, mostra que não compreende a delicada maquinaria do organismo humano. Está introduzindo no organismo uma semente que jamais perderá suas propriedades destruidoras, ao longo de toda a vida. Digo-vos isto porque não me atrevo a calar-me. Cristo pagou muitíssimo pela redenção do homem para que o corpo deste seja assim tão cruelmente tratado como tem sido pela medicação com drogas. (Medicina e Salvação, 229)
Nós nos desviamos da orientação divina e ainda perguntamos o motivo do nosso sofrimento. A resposta mais uma vez é encontrada na Bíblia, em Êxodo 15:26: E disse: Se ouvires atento a voz do SENHOR teu Deus, e fizeres o que é reto diante de seus olhos, e inclinares os teus ouvidos aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma das enfermidades porei sobre ti, que pus sobre o Egito; porque eu sou o SENHOR que te sara.
Deus está desejoso de curar seus filhos e filhas das suas enfermidades físicas, psíquicas e espirituais. Quando será que vamos nos render ao seu amor e permitir ser moldados pelo Espírito Santo, abrindo mão de fazer o que gostamos para fazer o que é do agrado divino?
Devemos compreender que quando falamos de cura estamos falando de reavivamento e reforma, só assim Deus poderá agir sobre nossa vida. Lembremo-nos que Deus fala aos nossos ouvidos mas para compreedermos é preciso ter uma mente clara. No livro Conselho Sobre o Regime Alimentar, 182, encontramos a seguinte citação de Ellen White: Muitos comem a toda hora, a despeito das leis da saúde. Depois, a mente fica obscurecida. Como podem os homens ser honrados com a iluminação divina, quando são tão descuidados em seus hábitos, tão desatenciosos para com a luz que Deus tem dado com relação a estas coisas? Irmãos, não é tempo de vos converterdes quanto a essas condescendências egoístas? Não abrimos mão de fazer o que gostamos e muitas vezes acreditamos mais na ciência do que nas orientações dadas por Deus.
Reavivamento e reforma é algo necessário para os que esperam fazer parte dos remanescentes, aqueles que estarão vivos na ocasião da volta de Cristo. Um dia que está mais perto do que podemos imaginar. Que Deus nos ajude a aprender a ouvir a sua voz pois ele já nos conhece e vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz. Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos.
Como podemos reconher e ter certeza que a voz que ouvimos é do nosso Salvador e Redentor? Somente quando tivermos a mente clara. No livro Caminho a Cristo, 110, lemos: Quando se abre a Palavra de Deus sem reverência nem oração; quando os pensamentos e as afeições não se concentram em Deus, ou não se acham em harmonia com Sua vontade, a mente fica obscurecida por dúvidas.
O cérebro é o centro da razão e é com ele que louvamos e bendizemos o nome do Senhor Jesus. Que nossas escolhas sejam para glorificar Seu Santo nome (1Co. 10:31) e que nosso culto seja racional como a Bíblia nos diz (Rm. 12:1).
Ricardo Vargas é nutricionista

Postagens relacionados:

  1. O jejum e a santificação “Então, romperá a tua luz como a alva, a tua…
Prece solidária

Posted: 05 Sep 2011 04:52 AM PDT

O carro verde estaciona no shopping. Dentro dele está um casal de meia-idade com a mulher ao volante. Assim que estacionam, o marido diz:
– Mary, você terá que girar a chave para que eu possa subir o vidro elétrico.
– Jim, você é um imbecil! Eu já lhe disse cem vezes para subir os vidros enquanto o motor ainda está funcionando. Será que você nunca vai aprender?
O homem abre a boca e um vendaval de palavras jorra para fora, uma mistura de sacro com profano de tal nível que a mulher não poderia deixar de entender que as suas palavras haviam tocado num ponto sensível. Ficando mais e mais irado, ele a acusa de estragar o que estava sendo um dia perfeito, por não conseguir ficar com a boca calada.
Próximo o suficiente para ouvir toda a conversa, Roger Morneau pensa: “Que homem perverso!” E imediatamente ora: “Jesus, por favor, perdoa-os. Pelo grandioso poder do Teu Santo Espírito, por favor, repreende as forças demoníacas que estão oprimindo a mente deles, e abençoa a vida deles com a doce paz do Teu amor.”
Naquele instante, a tempestade verbal cessa. Por uns 20 segundos ambos permanecem calados, e em seguida o homem quebra o silêncio:
– Mary, estou arrependido por ter ficado tão irado. Realmente me sinto mal agora por lhe ter falado daquela maneira. Não sei por que fico tão nervoso às vezes. Consigo até sentir a raiva crescer dentro de mim para com as pessoas que eu tanto amo. Por favor, perdoe-me, e eu prometo me esforçar realmente para não repetir essas explosões.
Morneau diz que foi lindo ouvir a mulher admitir que ela era pelo menos parcialmente culpada por não tomar cuidado com as palavras, e que às vezes até sentia prazer em atacá-lo verbalmente. Prometendo ser mais delicada no futuro, ela dá um beijinho no marido, sobe o vidro e os dois saem do carro para fazer compras.
Quando o esposo vai pagar pelo estacionamento, olha para suas moedas e, vendo que não tem o dinheiro suficiente, vira-se para a esposa e diz:
– Amorzinho, por gentileza, veja na sua bolsa se você tem mais umas moedas.
– Como eu poderia deixar de ajudá-lo quando você está me tratando como se trata uma dama? Jim, você já percebeu que não me chama de amorzinho desde que as crianças ainda eram pequenas?
Depois de fazer o pagamento, ela o toma pelo braço e, como recém-casados, entram na loja.
Passe de mágica? Conto de fadas? Para o canadense Roger Morneau, não. Na verdade, este é apenas um dentre muitos relatos reais descritos em seu livro Respostas Incríveis à Oração, da Casa Publicadora Brasileira. Depois de sua conversão do satanismo ao cristianismo, espetacularmente relatada em outro livro, Viagem ao Sobrenatural, também publicado pela Casa, Morneau manteve por seis décadas um impressionante ministério de oração intercessória.
No fim de Respostas Incríveis à Oração, ele diz: “Deus tem respondido a muitas de minhas orações pelos outros. Muitas outras Ele não pode. Orar pelos outros tem sido o chamado especial e o dom espiritual que Ele me concedeu em Seu serviço. Deus trabalha de maneira diferente na vida de cada pessoa. A maior parte do tempo, Ele responde às nossas orações de maneira bem menos espetacular do que as que eu relatei [no livro]. Mas Ele aguarda as orações de todos os Seus filhos. Ele almeja que cada um de nós ore pelos que estão ao nosso redor.”
Para Morneau, o segredo da oração eficaz se encontra em Filipenses 2:5: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus.” Mas o que significa isso? Significa pensar e sentir como Jesus pensa e Se sente a respeito da vida neste planeta caído, e começar a agir como Ele agiria se estivesse em nosso lugar. Em outras palavras, é ter o estilo de vida resultante de uma mente justa como a dEle, em decorrência de íntima comunhão com Deus.
Exemplos Bíblicos – Jesus deixou grandes exemplos de oração intercessória. Talvez o maior deles se encontre em João 17, quando orou por Seus discípulos e por todos os que viessem a crer em Sua mensagem. Daniel, no capítulo 9 de seu livro, também faz uma bela oração em favor de seu povo cativo em Babilônia.
No caso de Sodoma e Gomorra, Abraão conseguiu que Deus reduzisse para dez o número de justos necessários para que Ele salvasse essas cidades. Ló, o sobrinho do patriarca, escapou por pouco com as filhas. Este relato, que se encontra em Gênesis 18, mostra Deus expondo Seu plano para Abraão, como que o “provocando” para interceder pelas cidades ímpias.
Outro caso semelhante é o da intercessão de Moisés pelos hebreus. Enquanto o povo recém-liberto do Egito adorava o bezerro de ouro construído por Arão, Deus dialogava com Moisés, no alto do Monte Sinai (ver Êxo. 32:9-14). Deus propõe destruir o povo e fazer dos descendentes de Moisés uma grande nação. Moisés intercede pelos israelitas, e Deus Se arrepende ou muda de idéia.
Comentando este incidente, a escritora Ellen White diz que Moisés entendeu que as palavras de Deus para Moisés deixá-Lo destruir o povo não proibiam, mas, ao contrário, incentivavam a intercessão, implicando que somente as orações de Moisés poderiam salvar Israel.
É claro que o arrependimento divino não tem nada a ver com o humano. O verbo hebraico usado aqui é naham, diferente do verbo usado para descrever, por exemplo, o arrependimento do povo. Naham pode significar também “ter compaixão” ou “ter piedade”, o que faria melhor sentido neste contexto. Mas o que impressiona mesmo é o fato de que Deus respeita o livre-arbítrio humano e jamais age na vida de alguém sem que haja autorização.
E aí entram os intercessores. É como se, ao pedirmos a Deus por alguém, O estivéssemos autorizando a atuar. Talvez por isso os cristãos sejam orientados a interceder por todas as pessoas (I Tim. 2:1). Existe poder na oração intercessória, porque é desinteressada. Ela se concentra nos outros. Afirma o poder de Deus para intervir na vida alheia. “A oração de um justo é poderosa e eficaz”, diz Tiago (5:16, NVI).
Princípios da oração intercessora 
1. A oração intercessória é em prol da salvação e do crescimento espiritual. Ouvimos muito a respeito da oração pela salvação de uma pessoa querida. Mas não enfatizamos a oração contínua em prol do crescimento e do discipulado de alguém. Estamos mais preocupados em ter bebês do que em cuidar deles. Paulo orava pela salvação dos judeus (Rom. 10:1). E orava ainda mais especificamente pelo crescimento espiritual dos novos crentes (Efés. 1:16; 3:16; Col. 1:3 e 9).
2. Às vezes não devemos orar por algumas pessoas. Deus deu a Jeremias uma ordem que soa estranha aos nossos ouvidos: “Não Me peça mais para abençoar este povo; não ore mais em favor dele” (Jer. 14:11, A Bíblia Viva). Teria sido apropriado orar pelo arrependimento e pela salvação deles. Mas o povo de Jeremias de fato precisava da disciplina e das conseqüências resultantes de uma vida afastada de Deus. Se tenho uma pessoa amada que é um “pródigo”, devo concentrar minhas orações em sua vida espiritual mais do que em seu conforto e sucesso.
1. A oração intercessória é poderosa. Não podemos explicar racional e cientificamente por que nossas orações podem ajudar os outros. Tem-se dito que a oração não muda a Deus, muda a nós. Porém, a Bíblia diz que a oração tem muito poder (Tia. 5:16). Há muitas perguntas sobre o que está nos bastidores do grande conflito que ainda não foram respondidas. Mas Deus nos disse que orássemos, e prometeu que a oração teria efeito.
4. Devemos orar pela cura espiritual. Uma das descrições de Jesus é que Ele amou a justiça e odiou a iniqüidade (Heb. 1:9). Lutamos às vezes com o oposto. Às vezes amamos o pecado. Deus nos chama a partilhar nossas lutas com os amigos e a orarmos uns pelos outros. Prestar contas de nossa vida espiritual aos outros é fator importante. Não vamos muito longe sozinhos.
Michelson Borges é jornalista
Vivendo na plenitude do Espírito

Posted: 05 Sep 2011 01:30 AM PDT

Antes de Sua ascensão, Jesus concedeu aos discípulos Sua grande promessa que dentro de poucos dias eles seriam batizados pelo Espírito Santo. Tal promessa se cumpriu quando “eles ficaram cheios do Espírito Santo” (At 2:8). Mas o que inclui o “estar cheio do Espírito santo?” O batismo havia sido prometido pelo Mestre, porém, sua plenitude dependeria do recebedor. Viver na plenitude do Espírito é uma atitude diária, mas a busca pelo poder de hoje não é garantia de vitória amanhã. Portanto, quando não buscamos a plenitude do Espírito todos os dias para nossa vida, ficamos vulneráveis ao poder do maligno e poderemos perder essa plenitude.

Na Bíblia, em Efésios 4:30 Paulo nos aconselha a não entristecermos o Espírito Santo. Entristecemos o Espírito a cada oportunidade que temos para vencer o pecado e não o fazemos. Quando isso acontece à plenitude que havia no ser é perdida, não por que o Espírito nos tenha abandonado, mas por nossa recusa de libertação nos distanciamos da influência do Seu poder. Entretanto, uma vez perdida a conexão, a mesma pode ser recuperada se verdadeiramente o arrependimento brotar no coração.

Para confirmarmos que pessoas podem ser “cheias do Espírito”, ou seja, viver em Sua plenitude, a bíblia afirma em Atos 6:3 que eles deveriam escolher alguns homens para o diaconato, no entanto, eles teriam que ser de boa reputação, mas, também “cheios do Espírito”. No verso 5 do capítulo 6 nos é mencionado que Estevão e outros foram encontrados “cheios do Espírito”. No capítulo 11 e nos versos 23 e 24 encontramos Barnabé, homem bom e “cheio do Espírito”. Se havia necessidade de escolher varões “cheios do Espírito”, isso nos indica que existiam outros homens naquele tempo que não viviam na plenitude do Espírito.

O próprio Cristo vivia “cheio do Espírito”, Lucas 4:1 diz que “Jesus, pois, cheio do Espírito Santo”. Jesus mantinha sua alma sempre na plenitude do Espírito, e isso só era possível pela comunhão que Ele todos os dias mantinha com o Pai. Se nós também quisermos viver essa plenitude em nossa vida, se torna necessário sermos como Cristo em nossa comunhão. É mister um aumento da nossa fé, de maneira que nosso conhecimento a respeito desse assunto cresça, e assim tomemos posse de maiores partes da grandeza e do poder de Deus através do seu Espírito sobre nós.

André Fernandes da Silva, estudante do curso de Teologia 

Postagens relacionados:

  1. Quem é o Espírito Santo? Recentemente completei, em uma igreja local, um seminário sobre reavivamento…
Cinema: por que não ir?

Posted: 05 Sep 2011 01:07 AM PDT

Há alguns anos atrás o cinema era rotulado como um local onde os namorados gostavam de se encontrar para trocar carícias. O ambiente escuro e confortável era ideal para servir de “namoródromo”. Você já deve ter ouvido falar sobre os “lanterninhas” que ficavam à procura desses casais apaixonados.
Hoje o cinema é visto de uma forma mais abrangente, como mais uma opção de lazer da cidade moderna onde não somente namorados frequentam, mas famílias, crianças, etc.
Como jovem adventista sempre aprendi que ir ao cinema era desaconselhável. Os argumentos usados eram fundamentados em questões sócio-culturais e até tecnológicas, como pretendo mostrar adiante. Esse artigo tem por objetivo refletir em alguns pontos sobre a presença de um cristão no cinema e prover argumentação bíblica para a questão, ajudando aos líderes a explicar os motivos que levam a nossa igreja a desaconselhar a freqüência neste local.
Argumentos Comumente Usados Contra a Freqüência ao Cinema:
1- Argumentação acerca do local:
Este argumento afirma que o local é pecaminoso, conseqüentemente inadequado para um cristão. O espaço físico do cinema em si não é o problema, pois tal espaço é amplamente usado nos dias de hoje para finalidades sacras e educativas, como cultos, congressos, encontros, palestras, etc. É um ambiente agradável, confortável e limpo. É válido lembrar que muitas denominações estão comprando o espaço físico do cinema e transformando em igrejas, por causa de sua infra-estrutura.
Desta forma, falar que o ambiente físico do cinema é o problema não faz muito sentido, uma vez que ele pode ser usado para finalidades educativas e religiosas. O que determina se um local é pecaminoso não é seu nome, mas sua finalidade.
2- Argumentação acerca do ambiente e a tecnologia:
A afirmação de que o ambiente é escuro e a atenção é direcionada somente ao telão. Essa mesma técnica é usada na igreja para exibir um filme bíblico, uma projeção, etc. Com o desenvolvimento tecnológico, muitos lares já dispõem de projetores de vídeos, grandes telas de led, LCD ou plasma, sistemas de áudio profissionais (semelhante ao do cinema – Home Theatre Systems) tornando um cômodo da casa em um pequeno “cinema”. Dessa forma, não é o meio de comunicação áudio-visual, o tipo de aparelho de projeção ou a iluminação que torna o ambiente pecaminoso, mas o conteúdo que será exibido.
Por que exibir o filme de Moisés num projetor e com as luzes apagadas num local que esteja escrito IGREJA é lícito, mas o mesmo filme exibido da mesma forma em outro local escrito CINEMA é errado? Foi divulgado na Revista Veja (abril, 2004) que muitas igrejas alugaram cinemas para que seus membros assistissem ao filme “A Paixão de Cristo”, mostrando que até o público pode ser o mesmo nos dois locais: igreja e cinema.
É dito ainda que em casa você pode desligar o aparelho de televisão, se a cena ou o filme é impróprio. Mas uma pessoa está proibida de sair do cinema se não estiver satisfeita com o filme?
3- Argumentação acerca do filme em exibição:
Os filmes são inapropriados para um cristão. Sobre a qualidade do filme a ser exibido, é verdade que a maioria dos filmes não são indicados para cristãos.
Por outro lado, há filmes bons e inspiradores, religiosos ou não. Sendo assim, não é o filme em si mesmo o pecado, mas a sua mensagem, sua moralidade e seus objetivos. Lembrando mais uma vez que a maioria dos filmes são inapropriados, pois são imorais, infundados, irreais, espiritualistas, violentos e ateus. Sendo assim, esse argumento não consegue, da mesma forma, desaconselhar a freqüência ao cinema.
Diante dos comentários acima, como explicar para um cristão que o cinema é desaconselhável? Como argumentar com os jovens que são bombardeados e influenciados por uma sociedade liberal e possuem informações semelhantes às citadas acima para freqüentarem livremente o cinema?
Por que não ir ao cinema?
1. Temos orientação profética.
“O único caminho seguro é abster-nos de ir ao teatro [cinema], ao circo e a qualquer lugar de diversão duvidosa”. Livro Mensagens aos Jovens, 380, de autoria de Ellen White. Acréscimo nosso.
Cinema é um teatro filmado e editado, mas o princípio não muda. Deus revelou que esses são lugares de diversão duvidosa. Note que o circo é citado e eu poderia citar outros lugares de diversão duvidosa como: boates, danceterias, bares, shows, estádios, touradas, rodeios, rinhas, etc.
2. É norma da Igreja Adventista.
No voto batismal o cinema é citado como um lugar desaconselhável para o candidato ao batismo. A Bíblia é clara em nos orientar a seguir e obedecer as autoridades constituídas e creio que a igreja é uma das principais autoridades divinas aqui na terra. Prefiro seguir sua orientação do que me rebelar e correr o risco de está desobedecendo a Deus. Pastores líderes jovens também nos orientam assim e como são ungidos do Senhor devemos respeitá-los.
3. A maioria dos filmes são inapropriados.
Pense bem nos últimos filmes exibidos no cinema, que proveito eles têm?
Faça o teste bíblico e pergunte se este filme segue a seguinte recomendação de Deus:
“Tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.” Filipenses 4:8.
4. Não devo ser causa de tropeço para meu irmão.
“Não vos torneis causa de tropeço nem para os judeus, nem para os gentios, nem tampouco para a igreja de Deus, assim como também eu procuro, em tudo, ser agradável a todos, não buscando o meu próprio interesse, mas o de muitos, para que sejam salvos” (ICor. 10:32 e 33).
Por que vou usar minha liberdade para escandalizar meus irmão fazendo o que a igreja desaconselha?
“Vede, porém, que esta vossa liberdade não venha, de algum modo, a ser tropeço para os fracos” (ICor. 8:9).
Diante desses argumentos creio que devemos respeitar essa norma de nossa igreja tendo a certeza que estamos agradando a Deus. Hoje podemos assistir bons filmes em nossa casa, não temos a necessidade de ir ao cinema.
Cuidado para não ser viciado em filmes (quem não passa uma semana sem assistir um) e não use cópias piratas por que além de crime você está roubando.
Artigo originalmente publicado em http://www.nistocremos.net/2011/08/cinema-por-que-nao-ir.html
 Yuri Ravem, mestre em teologia
O jejum e a santificação

Posted: 05 Sep 2011 04:00 AM PDT

“Então, romperá a tua luz como a alva, a tua cura brotará sem detença, a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do Senhor será a tua retaguarda” (Isaías 58:8).
Em sua obra Coma Pouco e Viva Muito, Jean Rialland, fala dos benefícios físicos do jejum: “A finalidade do jejum, higienicamente é, portanto, contribuir para o repouso do organismo e permitir-lhe o trabalho de purificação. Com efeito deste, o organismo é deixado a si mesmo, sem influência alimentar ou medicamentosa, e começa imediatamente uma ordem e um expurgo que se denomina de desintoxicação’’.
Segundo Ellen G. White, o jejum realmente tem um poder terapêutico: “A intemperança no comer é muitas vezes a causa da doença, e o que a natureza precisa mais é ser aliviada da indevida carga que lhe foi imposta. Em muitos casos de doença, o melhor remédio é o paciente jejuar por uma ou duas refeições, a fim de que os sobrecarregados órgãos digestivos tenham oportunidade de descansar” (Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 189). Porém, além de revitalizar o organismo, o jejum pode gerar um positivo resultado espiritual: “Agora e daqui por diante até ao fim do tempo, deve o povo de Deus ser mais fervoroso, mais desperto, não confiando em sua sabedoria, mas na sabedoria de seu Líder. Devem pôr de parte dias de jejum e oração. Pode não ser requerida a completa abstinência de alimento, mas devem comer moderadamente, do alimento mais simples” (Conselhos Sobre Regime Alimentar, págs.188-189).
O jejum na Bíblia – No Antigo Testamento, o jejum só era prescrito na lei para o Dia da Expiação, mas em determinadas épocas se multiplicavam os dias de jejum por comemoração de aniversários de lutos. Temos exemplos de pessoas que jejuaram por vários motivos. Os israelitas jejuaram após a morte dos filhos de Benjamim (Juízes 20:26). Davi e seus companheiros jejuaram por causa da morte de Saul (2 Samuel 1:12). Davi também jejuou quando intercedia pelo seu filho com Bate-Seba (2 Samuel 12:21-23); e Ester jejuou antes de interceder pelos judeus perante o rei Assuero (Ester 4:16). Josafá quando estava para enfrentar os filhos de Moabe e os filhos de Amom, convocou todo o Judá para jejuar ( II Crônicas 20:5)
O Novo Testamento fala que Jesus jejuou quarentas dias. Os judeus piedosos jejuavam duas vezes por semana, na segunda e na quinta-feira. Esta prática, em si mesma, não foi aprovada ou reprovada por Jesus, mas Ele ensinou que o jejum fosse sincero e não tivesse a finalidade de aparentar maior santidade. Como motivo de orgulho espiritual, a prática foi reprovada: “Quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram o rosto com o fim de parecer aos homens que jejuam. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa’’ (Mateus 6:16).
O jejum e a santificação – Por outro lado, o jejum praticado por Jesus, tinha três objetivos fundamentais. Primeiro, estava ligado à oração e comunhão com o Pai. Segundo, como um meio para vencer os ataques de Satanás. Terceiro, um modelo espiritual para todos nós.
“Quando Cristo Se via mais tenazmente assaltado pela tentação, não comia nada. Confiava-Se a Deus, e mediante fervorosa oração e perfeita submissão à vontade de Seu Pai, saía vencedor. Os que professam a verdade para estes últimos dias, acima de todas as outras classes de professos cristãos, devem imitar o grande Modelo na oração” (Conselhos Sobre Regime Alimentar, pág. 186).
Para os nossos dias o jejum pode nos trazer vários benefícios espirituais. Dentre esses queremos destacar três: purificação do coração, cria uma situação favorável para a meditação na Palavra de Deus e para a oração. A orientação profética para nós é seguinte: “Para certas ocasiões, o jejum e oração são recomendáveis e apropriados. Na mão de Deus são o meio de purificar o coração e promover uma disposição de espírito receptiva. Obtemos resposta às nossas orações porque humilhamos nossa alma perante Deus” (Conselhos Sobre Regime Alimentar, págs. 187-188).
Em muitas ocasiões especiais o jejum foi praticado por Jesus e foi um recurso fundamental para que Ele se saísse vitorioso em todos os confrontos com as hostes satânicas. Agora pense: se Cristo que tinha uma visão espiritual tão profunda, necessitou do jejum, imagine nós. Como você tem enfrentado as suas lutas e provações? Tem usado esta ferramenta poderosa? Se não por que? Gostaria de lhe convidar para começar um programa de jejum semanal até o fim dessa jornada, aceita o desafio? Caso não tenha costume de jejuar sem ingerir nenhum alimento, comece um jejum com sucos naturais ou com uma refeição em 24 horas conforme aprendeu no SEE II. Certamente, como Jesus e os demais crentes, você deve ter lutas, tentações e provações no seu dia a dia, então em nome de Jesus passe a jejuar e sua vida espiritual vai ser outra. Vivendo essa experiência as pessoas por quem você está orando serão mais abençoadas e você será ainda mais do que elas. Aceita o desafio? Então em oração fale para a Trindade que a partir de agora você será mais um cristão a entrar nas fileiras daqueles que jejuam.
O verdadeiro jejum – Colocando em prática essa experiência sagrada a nossa mente será mais aberta para as necessidades do próximo, ou seja aquele que padece necessidade que está mais próximo a mim, em especial familiares, visinhos e amigos. Vivendo na presença do Pai da abundância será impossível ser indiferente ás necessidades dos que sofrem. Afinal quem são as mãos e pernas do Criador e Mantenedor dos necessitados? Não porventura as minhas? O jejum no seu sentido amplo está diretamente relacionado a esse assunto, ele tem um sentido também um sentido pró-ativo, escutemos o profeta Isaías a esse respeito: “Porventura, não é este o jejum que escolhi: que soltes as ligaduras da impiedade, desfaças as ataduras da servidão, deixes livres os oprimidos e despedaces todo jugo? Porventura, não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desabrigados, e, se vires o nu, o cubras, e não te escondas do teu semelhante?” (Isaías 58:6-7).
Alice Gray, em seu livro Histórias Para o Coração, pág. 46, narra um fato que nos leva a refletirmos sobre “o verdadeiro jejum” do qual fala o profeta Isaías.
Logo depois do término da Segunda Guerra Mundial, a Europa começou a juntar os cacos que restaram. Grande parte da Inglaterra fora destruída e encontrava-se em ruínas. Talvez o lado mais triste da guerra tenha sido assistir às crianças órfãs morrendo de fome nas ruas das cidades devastadas.
Certa manhã muito fria de Londres, um soldado americano estava retornando ao acampamento. Quando ele virou a esquina, dirigindo um jipe, avistou um menino com o nariz pressionado contra o vidro de uma confeitaria. Lá dentro, o confeiteiro sovava a massa para uma fornada de rosquinha. Faminto e com os olhos arregalados, o menino observava todos os movimentos do confeiteiro. O soldado parou o jipe junto ao meio-fio, desceu, e caminhou em silêncio até o local onde o menino se encontrava. Através do vidro embaçado pela fumaça, ele viu aquelas rosquinhas quentes e de dar água na boca retiradas do forno. O menino salivou e deu um leve gemido quando o confeiteiro as colocou no balcão de vidro com todo o cuidado.
Em pé, ao lado do menino, o soldado comoveu-se diante daquele órfão desconhecido.
– Filho… você gostaria de comer algumas rosquinhas?
O menino assustou-se.
– Ah, sim… eu gostaria!
O soldado entrou na confeitaria e comprou uma dúzia de rosquinhas; colocou-as dentro de um saco de papel e dirigiu-se ao local onde o menino se encontrava, sob a neblina gelada da manhã de Londres. Ele sorriu, entregou-lhe as rosquinhas, e disse simplesmente:
– Aqui estão.
Quando o soldado se virou para se afastar, sentiu um puxão em sua farda. Ele olhou para trás e ouviu o menino perguntar baixinho:
– Moço… você é Deus?
Lógico que aquele homem não era Deus, mas ele praticou um ato divino. O mundo não será transformado por pessoas que apenas fazem longos jejuns e orações, mas quando homens e mulheres estiverem dispostos a quebrarem o jejum do faminto e atenderem as orações do próximo.
O verdadeiro jejum, pode aproximar o homem das verdades contidas na palavra de Deus, mas não pode distanciar o homem do sofrimento humano.
Miguel Pinheiro Costa é teólogo
Instrumentos para a salvação de vidas

Posted: 05 Sep 2011 01:00 AM PDT

Eu plantei, Apolo regou; mas o crescimento veio de Deus. De modo que nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento. I Cor. 3:6 e 7.
Eis aqui as poderosas forças para mover o mundo. A cruz do Calvário coloca sob tributo toda faculdade dos que crêem em Cristo, a fim de que sejam instrumentos para a salvação de almas. O esforço humano tem de estar unido ao divino; sua eficácia deve provir do Céu. Devemos ser cooperadores de Deus. O Senhor é representado abrindo os corações de homens e mulheres para receberem a Palavra, e o Espírito Santo torna a Palavra eficaz.

Os que aceitam a verdade têm a fé que conduz a ação decidida, que atua pelo amor e purifica a alma. Assim a verdade é santificadora. Seu poder transformador é evidenciado no caráter. Quando foi acolhida no santuário interior da alma, ela não age superficialmente, deixando o coração no mesmo estado que antes; não aviva meramente as emoções, em detrimento do raciocínio e da vontade; mas vai até às profundezas da natureza, conduzindo todo o ser a ação harmoniosa.

Agora o serviço de quem está realmente convertido começa com determinação. Ele deve trabalhar como Cristo trabalhou. Não deve mais viver para si mesmo, mas inteiramente para o Senhor. O mundo o perdeu; pois sua vida está escondida com Cristo em Deus. Isso quer dizer que o próprio eu não exerce mais a supremacia. A luz que resplandece da cruz do Calvário envolve-o em seus brilhantes raios, e o Espírito toma as coisas de Cristo e as revela para ele de modo tão atraente que exerce um efeito transformador sobre seus hábitos e práticas, demonstrando que ele é uma nova criatura em Cristo Jesus. Ele reconhece o valor de cada dólar, não para satisfazer seu apetite ou paixão, não para escondê-lo na terra, mas para fazer algum bem com ele, para ajudar a conquistar almas para a verdade, para edificar o reino de Cristo. Seu prazer é o mesmo que o de Cristo – ver almas salvas. Por que estamos fazendo tão pouco pela salvação das pessoas, quando há tanto a ser feito? Por que estamos fazendo tão pouco para conduzir homens, mulheres e crianças a Cristo? Review and Herald, 6 de outubro de 1891.

Ellen White, escritora norte-americana.

Postagens relacionados:

  1. Pressa… inimiga da salvação! Lembro que poucos dias atrás, com “centenas” de coisas para…
Seguindo as ordens do Capitão

Posted: 05 Sep 2011 01:00 AM PDT

Participa dos meus sofrimentos como bom soldado de Cristo Jesus. Nenhum soldado em serviço se envolve em negócios desta vida, porque o seu objetivo é satisfazer àquele que o arregimentou. II Tim. 2:3 e 4.

Temos apenas um pouco de tempo para instar na luta; então Cristo virá, e terminará esta cena de rebelião. Então terão sido feitos nossos últimos esforços para trabalhar com Cristo e promover o Seu reino. Alguns que têm estado na frente de batalha, resistindo zelosamente à incursão do mal, caem no posto do dever; outros contemplam tristemente os heróis que tombaram, mas não têm tempo de cessar o trabalho. Têm de cerrar fileiras, apanhar o estandarte da mão paralisada pela morte, e com renovada energia defender a verdade e a honra de Cristo. Como nunca dantes, tem de ser feita resistência contra o pecado – contra os poderes das trevas. O tempo requer enérgica e resoluta atividade da parte dos que creem na verdade presente. Devem ensinar a verdade tanto pelo preceito como pelo exemplo.

Se parece longo o tempo de espera pela vinda de nosso Libertador; se, curvados pela aflição e gastos pela fadiga, nos sentimos impacientes para que termine nossa missão e recebamos honrosa baixa da luta, lembremo-nos – e que essa lembrança impeça qualquer queixume – de que Deus nos deixa enfrentar na Terra as tempestades e conflitos, a fim de aperfeiçoarmos o caráter cristão, de nos relacionarmos mais intimamente com Deus, nosso Pai, e com Cristo, nosso Irmão mais velho; e realizarmos algum trabalho para o Mestre, ganhando para Ele muitas almas, de modo que, com coração alegre, possamos ouvir as palavras: “Muito bem, servo bom e fiel; … entra no gozo do teu Senhor.” Mat. 25:21.

Seja paciente, soldado cristão. Ainda um pouco, e Aquele que há de vir virá. A noite de fatigante esperar, de vigia e tristeza, está quase passada. Em breve será dada a recompensa; o dia eterno há de raiar. Não há tempo agora para dormir – não há tempo para ser desperdiçado em inúteis lamentos. Aquele que se arrisca a cochilar agora, perderá preciosas oportunidades de fazer o bem. É-nos concedido o bendito privilégio de ajuntar molhos na grande colheita; e cada alma salva será mais uma estrela na coroa de Jesus, nosso adorável Redentor. Quem está ansioso por depor a armadura, quando, continuando um pouco mais a batalha, conquistará novas vitórias, e ganhará novos troféus para a eternidade? Review and Herald, 25 de outubro de 1881.

Ellen White é escritora norte-americana

Ajudando os membros mais novos da família de Deus

Posted: 05 Sep 2011 04:00 AM PDT

Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais dirás: Não tenho neles prazer. Ecl. 12:1.

Toda bênção que o Pai proveu para as pessoas de experiência mais amadurecida tem sido provida para as crianças e os jovens por meio de Jesus Cristo. Quando o Senhor vê os jovens estudando a vida e os ensinamentos de Cristo, Ele dá ordens a Seus anjos a respeito deles, para que os guardem em todos os seus caminhos, assim como ordenou que Seus anjos cuidassem de Jesus, Seu Filho amado. Os anjos assistiram a Jesus quando Ele viveu na Terra sob a orientação do Santo Espírito de Deus, fazendo a vontade de Seu Pai celestial, para que pudesse dar uma correta demonstração de caráter, que fosse um exemplo para as crianças e os jovens. Ele desejava que, em todos os atos de sua vida, eles fizessem o que pudesse ser aprovado por Deus. Sabia que toda boa obra, todo ato de bondade, todo ato de obediência ao pai e à mãe, seria registrado nos livros do Céu.

Os que honram a seus pais receberão uma recompensa no cumprimento da promessa de que viverão muito tempo na terra que o Senhor seu Deus lhes dá. As crianças devem prosseguir na prática do bem, orando para que, pelos méritos de Jesus, o Senhor lhes conceda Sua graça, Sua mente, e Sua beleza de caráter. Deus não tem retido nenhuma bênção que seja necessária para moldar o caráter de crianças e jovens de acordo com o modelo divino que lhes foi dado na juventude de Jesus. Eles devem pedir as virtudes de Seu caráter, com singela e confiante fé, e em nome de Jesus, assim como um filho pede um favor de seu pai terrestre.

Queridas crianças e jovens, tendes necessidade de um novo coração. Pedi isso a Deus. Ele diz: “Dar-vos-ei coração novo.” Ezeq. 36:26. Quando pedis de acordo com a Sua vontade, não duvideis de que o recebereis; pois Deus cumprirá tudo o que prometeu. Se vierdes com verdadeira contrição de alma, de modo algum deveis achar que estais sendo presunçosos por pedir o que Deus prometeu. Presunção é pedir coisas para satisfazer a inclinação egoísta; para gozo humano em coisas terrenas. Quando, porém, pedis as bênçãos espirituais de que tanto necessitais para poderdes aperfeiçoar um caráter semelhante ao de Cristo, o Senhor vos assegura que estais pedindo de acordo com uma promessa que se confirmará. Youth´s Instructor, 23 de agosto de 1894.

Ellen G. White, escritora norte-americana.

Postagens relacionados:

  1. Cooperadores de Deus Porque de Deus somos cooperadores; lavoura de Deus, edifício de…
  2. Mais do que apenas um livro Em sua segunda edição, a revista Biblioteca Entre Livros (Editora…

FONTE: http://reavivamentoereforma.com/

Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s