Ano Bíblico do dia 18/07/2011.

– Ano Bíblico (Português).:

Livro de Eclesiastes

Capítulo 1

1 – Palavras do pregador, filho de Davi, rei em Jerusalém.
2 – Vaidade de vaidades, diz o pregador; vaidade de vaidades, tudo é vaidade.
3 – Que proveito tem o homem, de todo o seu trabalho, com que se afadiga debaixo do sol?
4 – Uma geração vai-se, e outra geração vem, mas a terra permanece para sempre.
5 – O sol nasce, e o sol se põe, e corre de volta ao seu lugar donde nasce.
6 – O vento vai para o sul, e faz o seu giro vai para o norte; volve-se e revolve-se na sua carreira, e retoma os seus circuitos.
7 – Todos os ribeiros vão para o mar, e contudo o mar não se enche; ao lugar para onde os rios correm, para ali continuam a correr.
8 – Todas as coisas estão cheias de cansaço; ninguém o pode exprimir: os olhos não se fartam de ver, nem os ouvidos se enchem de ouvir.
9 – O que tem sido, isso é o que há de ser; e o que se tem feito, isso se tornará a fazer; nada há que seja novo debaixo do sol.
10 – Há alguma coisa de que se possa dizer: Voê, isto é novo? ela já existiu nos séculos que foram antes de nós.
11 – Já não há lembrança das gerações passadas; nem das gerações futuras haverá lembrança entre os que virão depois delas.
12 – Eu, o pregador, fui rei sobre Israel em Jerusalém.
13 – E apliquei o meu coração a inquirir e a investigar com sabedoria a respeito de tudo quanto se faz debaixo do céu; essa enfadonha ocupação deu Deus aos filhos dos homens para nela se exercitarem.
14 – Atentei para todas as obras que se e fazem debaixo do sol; e eis que tudo era vaidade e desejo vão.
15 – O que é torto não se pode endireitar; o que falta não se pode enumerar.
16 – Falei comigo mesmo, dizendo: Eis que eu me engrandeci, e sobrepujei em sabedoria a todos os que houve antes de mim em Jerusalém; na verdade, tenho tido larga experiência da sabedoria e do conhecimento.
17 – E apliquei o coração a conhecer a sabedoria e a conhecer os desvarios e as loucuras; e vim a saber que também isso era desejo vão.
18 – Porque na muita sabedoria há muito enfado; e o que aumenta o conhecimento aumenta a tristeza.

Capítulo 2

1 – Disse eu a mim mesmo: Ora vem, eu te provarei com a alegria; portanto goza o prazer; mas eis que também isso era vaidade.
2 – Do riso disse: Está doido; e da alegria: De que serve estar.
3 – Busquei no meu coração como estimular com vinho a minha carne, sem deixar de me guiar pela sabedoria, e como me apoderar da estultícia, até ver o que era bom que os filhos dos homens fizessem debaixo do céu, durante o número dos dias de sua vida.
4 – Fiz para mim obras magníficas: edifiquei casas, plantei vinhas;
5 – fiz hortas e jardins, e plantei neles árvores frutíferas de todas as espécies.
6 – Fiz tanques de águas, para deles regar o bosque em que reverdeciam as árvores.
7 – Comprei servos e servas, e tive servos nascidos em casa; também tive grandes possessões de gados e de rebanhos, mais do que todos os que houve antes de mim em Jerusalém.
8 – Ajuntei também para mim prata e ouro, e tesouros dos reis e das províncias; provi-me de cantores e cantoras, e das delícias dos filhos dos homens, concubinas em grande número.
9 – Assim me engrandeci, e me tornei mais rico do que todos os que houve antes de mim em Jerusalém; perseverou também comigo a minha sabedoria.
10 – E tudo quanto desejaram os meus olhos não lho neguei, nem privei o meu coração de alegria alguma; pois o meu coração se alegrou por todo o meu trabalho, e isso foi o meu proveito de todo o meu trabalho.
11 – Então olhei eu para todas as obras que as minhas mãos haviam feito, como também para o trabalho que eu aplicara em fazê-las; e eis que tudo era vaidade e desejo vão, e proveito nenhum havia debaixo do sol.
12 – Virei-me para contemplar a sabedoria, e a loucura, e a estultícia; pois que fará o homem que seguir ao rei? O mesmo que já se fez!
13 – Então vi eu que a sabedoria é mais excelente do que a estultícia, quanto a luz é mais excelente do que as trevas.
14 – Os olhos do sábio estão na sua cabeça, mas o louco anda em trevas; contudo percebi que a mesma coisa lhes sucede a ambos.
15 – Pelo que eu disse no meu coração: Como acontece ao estulto, assim me sucederá a mim; por que então busquei eu mais a sabedoria; Então respondi a mim mesmo que também isso era vaidade.
16 – Pois do sábio, bem como do estulto, a memória não durará para sempre; porquanto de tudo, nos dias futuros, total esquecimento haverá. E como morre o sábio, assim morre o estulto!
17 – Pelo que aborreci a vida, porque a obra que se faz debaixo do sol me era penosa; sim, tudo é vaidade e desejo vão.
18 – Também eu aborreci todo o meu trabalho em que me afadigara debaixo do sol, visto que tenho de deixá-lo ao homem que virá depois de mim.
19 – E quem sabe se será sábio ou estulto? Contudo, ele se assenhoreará de todo o meu trabalho em que me afadiguei, e em que me houve sabiamente debaixo do sol; também isso é vaidade.
20 – Pelo que eu me volvi e entreguei o meu coração ao desespero no tocante a todo o trabalho em que me afadigara debaixo do sol.
21 – Porque há homem cujo trabalho é feito com sabedoria, e ciência, e destreza; contudo, deixará o fruto do seu labor para ser porção de quem não trabalhou nele; também isso é vaidade e um grande mal.
22 – Pois, que alcança o homem com todo o seu trabalho e com a fadiga em que ele anda trabalhando debaixo do sol?
23 – Porque todos os seus dias são dores, e o seu trabalho é vexação; nem de noite o seu coração descansa. Também isso é vaidade.
24 – Não há nada melhor para o homem do que comer e beber, e fazer que a sua alma goze do bem do seu trabalho. Vi que também isso vem da mão de Deus.
25 – Pois quem pode comer, ou quem pode gozar. melhor do que eu?
26 – Porque ao homem que lhe agrada, Deus dá sabedoria, e conhecimento, e alegria; mas ao pecador dá trabalho, para que ele ajunte e amontoe, a fim de dá-lo àquele que agrada a Deus: Também isso é vaidade e desejo vão.

Capítulo 3

1 – Tudo tem a sua ocasião própria, e há tempo para todo propósito debaixo do céu.
2 – Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou;
3 – tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derribar, e tempo de edificar;
4 – tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar;
5 – tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de abster-se de abraçar;
6 – tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de deitar fora;
7 – tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;
8 – tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz.
9 – Que proveito tem o trabalhador naquilo em que trabalha?
10 – Tenho visto o trabalho penoso que Deus deu aos filhos dos homens para nele se exercitarem.
11 – Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs na mente do homem a idéia da eternidade, se bem que este não possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até o fim.
12 – Sei que não há coisa melhor para eles do que se regozijarem e fazerem o bem enquanto viverem;
13 – e também que todo homem coma e beba, e goze do bem de todo o seu trabalho é dom de Deus.
14 – Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe pode acrescentar, e nada se lhe pode tirar; e isso Deus faz para que os homens temam diante dele:
15 – O que é, já existiu; e o que há de ser, também já existiu; e Deus procura de novo o que já se passou.
16 – Vi ainda debaixo do sol que no lugar da retidão estava a impiedade; e que no lugar da justiça estava a impiedade ainda.
17 – Eu disse no meu coração: Deus julgará o justo e o ímpio; porque há um tempo para todo propósito e para toda obra.
18 – Disse eu no meu coração: Isso é por causa dos filhos dos homens, para que Deus possa prová-los, e eles possam ver que são em si mesmos como os brutos.
19 – Pois o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos brutos; uma e a mesma coisa lhes sucede; como morre um, assim morre o outro; todos têm o mesmo fôlego; e o homem não tem vantagem sobre os brutos; porque tudo é vaidade.
20 – Todos vão para um lugar; todos são pó, e todos ao pó tornarão.
21 – Quem sabe se o espírito dos filhos dos homens vai para cima, e se o espírito dos brutos desce para a terra?
22 – Pelo que tenho visto que não há coisa melhor do que alegrar-se o homem nas suas obras; porque esse é o seu quinhão; pois quem o fará voltar para ver o que será depois dele?

Capítulo 4

1 – Depois volvi-me, e atentei para todas as opressões que se fazem debaixo do sol; e eis as lágrimas dos oprimidos, e eles não tinham consolador; do lado dos seus opressores havia poder; mas eles não tinham consolador.
2 – Pelo que julguei mais felizes os que já morreram, do que os que vivem ainda.
3 – E melhor do que uns e outros é aquele que ainda não é, e que não viu as más obras que se fazem debaixo do sol.
4 – Também vi eu que todo trabalho e toda destreza em obras provêm da inveja que o homem tem do seu próximo. Também isso é e vaidade e desejo vão.
5 – O tolo cruza as mãos, e come a sua; própria carne.
6 – Melhor é um punhado com tranqüilidade do que ambas as mãos cheias com trabalho e vão desejo.
7 – Outra vez me volvi, e vi vaidade debaixo do sol.
8 – Há um que é só, não tendo parente; não tem filho nem irmão e, contudo, de todo o seu trabalho não há fim, nem os seus olhos se fartam de riquezas. E ele não pergunta: Para quem estou trabalhando e privando do bem a minha alma? Também isso é vaidade a e enfadonha ocupação.
9 – Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho.
10 – Pois se caírem, um levantará o seu companheiro; mas ai do que estiver só, pois, caindo, não haverá outro que o levante.
11 – Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará?
12 – E, se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa.
13 – Melhor é o mancebo pobre e sábio do que o rei velho e insensato, que não se deixa mais admoestar,
14 – embora tenha saído do cárcere para reinar, ou tenha nascido pobre no seu próprio reino.
15 – Vi a todos os viventes que andavam debaixo do sol, e eles estavam com o mancebo, o sucessor, que havia de ficar no lugar do rei.
16 – Todo o povo, à testa do qual se achava, era inumerável; contudo os que lhe sucederam não se regozijarão a respeito dele. Na verdade também isso é vaidade e desejo vão.

– Pergunta sobre o Ano Bíblico.:

Onde está escrito que há tempo para tudo, inclusive para ajudar e espalhar pedras?
Resposta: Provérbios 3:5

– Curiosidades Bíblicas.:

Onde se lê que o coração alegre é bom remédio?
Resposta: Provérbios 17:22.

Fonte: http://www.ellenwhitebooks.com/biblia.asp?lista=1&livro=20&capitulo=17

– Versos Bíblicos.:

Jesus, fixando os olhos neles, respondeu: Para os homens é impossível, mas não para Deus; porque para Deus tudo é possível. Marcos 10:27

Fonte: http://www.ellenwhitebooks.com/biblia.asp?lista=1&livro=41&capitulo=10&verso=27

– Ano Bíblico (Espanhol).:

Libro de Eclesiastes

Capítulo 1

1 – Las palabras del Predicador, hijo de David, rey en Jerusalén:
2 – “Vanidad de vanidades”, dijo el Predicador; “vanidad de vanidades, todo es vanidad.”
3 – ¿Qué provecho tiene el hombre de todo su duro trabajo con que se afana debajo del sol?
4 – Generación va, y Generación viene; pero la tierra siempre permanece.
5 – El sol sale, y el sol se pone. Vuelve a su lugar y de Allí sale de nuevo.
6 – El viento sopla hacia el sur y gira hacia el norte; va girando de continuo, y de nuevo vuelve el viento a sus giros.
7 – Todos los Ríos van al mar, pero el mar no se llena. Al lugar adonde los Ríos corren, Allí vuelven a correr.
8 – Todas las cosas son fatigosas, y nadie es capaz de explicarlas. El ojo no se harta de ver, ni el Oído se sacia de Oír.
9 – Lo que fue, eso Será; y lo que ha sido hecho, eso se Hará. Nada hay nuevo debajo del sol.
10 – ¿Hay algo de lo que se pueda decir: “Mira, esto es nuevo”? Ya Sucedió en las edades que nos han precedido.
11 – No hay memoria de lo primero, ni tampoco de lo que Será postrero. No Habrá memoria de ello entre los que Serán después.
12 – Yo, el Predicador, fui rey de Israel en Jerusalén.
13 – Y dediqué mi Corazón a investigar y a explorar con Sabiduría todo lo que se hace debajo del cielo. Es una penosa tarea que Dios ha dado a los hijos del hombre, para que se ocupen en ella.
14 – He observado todas las obras que se hacen debajo del sol, y he Aquí que todo ello es vanidad y Aflicción de Espíritu.
15 – Lo torcido no se puede enderezar, y lo incompleto no se puede completar.
16 – Yo hablé con mi Corazón diciendo: “He Aquí que yo me he engrandecido y he aumentado mi Sabiduría Más que todos los que fueron antes de Mí en Jerusalén, y mi Corazón ha percibido mucha Sabiduría y conocimiento.”
17 – Dediqué mi Corazón a conocer la Sabiduría y el conocimiento, la locura y la necedad. Pero he entendido que aun esto es conflicto de Espíritu.
18 – Porque en la mucha Sabiduría hay mucha Frustración, y quien añade conocimiento añade dolor.

Capítulo 2

1 – Yo dije en mi Corazón: “¡Ven, pues; te probaré con el placer, y Verás lo bueno!” Pero he Aquí que esto también era vanidad.
2 – A la risa dije: “¡Eres locura!”; y al placer: “¿De qué sirve esto?”
3 – Propuse en mi Corazón agasajar mi cuerpo con vino y echar mano de la necedad–mientras mi Corazón siguiera conduciéndose en Sabiduría–, hasta ver en qué consiste el bien para los hijos del hombre, en el cual se han de ocupar debajo del sol, durante los contados Días de su vida.
4 – Engrandecí mis obras, me edifiqué casas, planté viñas,
5 – me hice huertos y jardines, y planté en ellos toda clase de árboles frutales.
6 – Me hice estanques de aguas para regar con ellas un bosque donde crecieran los árboles.
7 – Adquirí siervos y siervas, y tuve siervos nacidos en casa. También tuve mucho ganado, vacas y ovejas, Más que todos los que fueron antes de Mí en Jerusalén.
8 – Acumulé también plata y oro para Mí, y tesoros preciados de reyes y de provincias. Me Proveí de cantantes, tanto hombres como mujeres; de los placeres de los hijos del hombre, y de mujer tras mujer.
9 – Me Engrandecí y acumulé Más que todos los que fueron antes de Mí en Jerusalén, y en todo esto mi Sabiduría Permaneció conmigo.
10 – No negué a mis ojos ninguna cosa que desearan, ni rehusé a mi Corazón placer alguno; porque mi Corazón se alegraba de todo mi duro trabajo. Esta fue mi parte de todo mi duro trabajo.
11 – Luego yo consideré todas las cosas que mis manos Habían hecho y el duro trabajo con que me Había afanado en hacerlas, y he Aquí que todo era vanidad y Aflicción de Espíritu. No Había provecho alguno debajo del sol.
12 – Después yo Volví a considerar la Sabiduría, la locura y la necedad. Pues, ¿qué Añadirá el hombre que suceda al rey, a lo que éste ya hizo?
13 – Yo vi que la Sabiduría tiene ventaja sobre la necedad, como la ventaja que la luz tiene sobre las tinieblas.
14 – El sabio tiene sus ojos en su cabeza, pero el necio anda en tinieblas. También yo Entendí que lo mismo Acontecerá a todos ellos.
15 – Entonces dije en mi Corazón: “Lo mismo que le Acontecerá al necio me Acontecerá también a Mí. ¿Para qué, pues, me he hecho Más sabio?” Y dije en mi Corazón que también esto era vanidad.
16 – Porque ni del sabio ni del necio Habrá perpetua memoria, puesto que en los Días venideros ya Habrá sido olvidado todo. ¡Y Cómo muere el sabio junto con el necio!
17 – Entonces Aborrecí la vida, porque la obra que se hace debajo del sol me era fastidiosa; pues todo es vanidad y Aflicción de Espíritu.
18 – Asimismo, Aborrecí todo el duro trabajo con que me Había afanado debajo del sol, el cual tendré que dejar a otro que Vendrá después de Mí.
19 – ¿Y quién sabe si él Será sabio o necio? Sin embargo, se Enseñoreará de todo el duro trabajo con que me he afanado para hacerme sabio debajo del sol. También esto es vanidad.
20 – Por tanto, Volví a desesperarme con respecto a todo el duro trabajo con que me Había afanado debajo del sol.
21 – Porque se da el caso del hombre que habiéndose afanado con Sabiduría, con conocimiento y con talento, deja sus bienes a otro hombre que Jamás se Afanó en ello. También esto es vanidad y un mal grande.
22 – Porque, ¿qué logra el hombre de todo su duro trabajo y del conflicto de Corazón con que se afana debajo del sol?
23 – Porque todos sus Días no son sino dolores; y su tarea, Frustración. Ni aun de noche reposa su Corazón. Esto también es vanidad.
24 – No hay, pues, mejor cosa para el hombre que comer y beber, y hacer que su alma vea lo bueno de su trabajo. Yo he visto que esto también proviene de la mano de Dios.
25 – Pues, ¿quién Comerá y se Regocijará separado de él?
26 – Porque al hombre que le agrada, Dios le da Sabiduría, conocimiento y Alegría; pero al pecador le da la tarea de acumular y amontonar, para que lo deje al que agrada a Dios. También esto es vanidad y Aflicción de Espíritu.

Capítulo 3

1 – Todo tiene su tiempo, y todo lo que se quiere debajo del cielo tiene su hora:
2 – Tiempo de nacer y tiempo de morir; tiempo de plantar y tiempo de arrancar lo plantado;
3 – tiempo de matar y tiempo de sanar; tiempo de destruir y tiempo de construir;
4 – tiempo de llorar y tiempo de Reír; tiempo de estar de duelo y tiempo de bailar;
5 – tiempo de esparcir piedras y tiempo de juntar piedras; tiempo de abrazar y tiempo de dejar de abrazar;
6 – tiempo de buscar y tiempo de perder; tiempo de guardar y tiempo de arrojar;
7 – tiempo de romper y tiempo de coser; tiempo de callar y tiempo de hablar;
8 – tiempo de amar y tiempo de aborrecer; tiempo de guerra y tiempo de paz.
9 – ¿Qué provecho saca el que hace algo, de aquello en que se afana?
10 – He considerado la tarea que Dios ha dado a los hijos del hombre, para que se ocupen en ella.
11 – Todo lo hizo hermoso en su tiempo; también ha puesto eternidad en el Corazón de ellos, de modo que el hombre no alcanza a comprender la obra que Dios ha hecho desde el principio hasta el fin.
12 – Yo sé que no hay cosa mejor para el hombre que alegrarse y pasarlo bien en su vida.
13 – Y también, que es un don de Dios que todo hombre coma y beba y goce del fruto de todo su duro trabajo.
14 – Sé que todo lo que Dios hace Permanecerá para siempre. Sobre ello no hay que añadir, ni de ello hay que disminuir. Así lo ha hecho Dios, para que los hombres teman delante de él.
15 – Aquello que fue ya es, y lo que ha de ser ya fue. Dios recupera lo que ya Pasó.
16 – Además, he visto debajo del sol que en el lugar del derecho Allí Está la impiedad, y que en el lugar de la justicia Allí Está la impiedad.
17 – Y yo dije en mi Corazón: “Tanto al justo como al Impío los Juzgará Dios, porque hay un tiempo para todo lo que se quiere y para todo lo que se hace.”
18 – Yo dije en mi Corazón, con respecto a los hijos del hombre, que Dios los ha probado para que vean que ellos de por Sí son animales.
19 – Porque lo que ocurre con los hijos del hombre y lo que ocurre con los animales es lo mismo: Como es la muerte de éstos, Así es la muerte de aquéllos. Todos tienen un mismo aliento; el hombre no tiene ventaja sobre los animales, porque todo es vanidad.
20 – Todo va al mismo lugar; todo es hecho del polvo, y todo Volverá al mismo polvo.
21 – ¿Quién sabe si el Espíritu del hombre sube arriba, y si el Espíritu del animal desciende abajo a la tierra?
22 – Así que he visto que no hay cosa mejor para el hombre que alegrarse en sus obras, porque ésa es su Porción. Pues, ¿quién lo Llevará para que vea lo que ha de ser después de él?

Capítulo 4

1 – Yo me Volví y vi todos los actos de Opresión que se cometen debajo del sol: He Allí las Lágrimas de los oprimidos, que no tienen quien los consuele. El poder Está de parte de sus opresores, y no tienen quien los consuele.
2 – Entonces yo elogié a los difuntos, los que ya Habían muerto, Más que a los vivos, los que hasta ahora viven.
3 – Pero consideré que mejor que ambos es el que Aún no ha nacido, que no ha visto las malas obras que se hacen debajo del sol.
4 – Asimismo, yo he visto que todo trabajo y toda obra excelente son resultado de la rivalidad del hombre contra su Prójimo. También esto es vanidad y Aflicción de Espíritu.
5 – El necio se cruza de brazos y come su misma carne.
6 – Mejor es una mano llena de sosiego que ambos puños llenos de duro trabajo y de Aflicción de Espíritu.
7 – Otra vez me Volví y vi esta vanidad debajo del sol:
8 – Se da el caso de un hombre solo y sin sucesor, que no tiene ni hijo ni hermano; pero no cesa de todo su duro trabajo, ni sus ojos se sacian de riquezas, ni se pregunta: “¿Para quién me afano yo, privando a mi alma del bienestar?” También esto es vanidad y penosa tarea.
9 – Mejor dos que uno solo, pues tienen mejor recompensa por su trabajo.
10 – Porque si caen, el uno Levantará a su compañero. Pero, ¡ay del que cae cuando no hay otro que lo levante!
11 – También si dos duermen juntos, se Abrigarán mutuamente. Pero, ¿Cómo se Abrigará uno solo?
12 – Y si uno es atacado por alguien, si son dos, Prevalecerán contra él. Y un cordel triple no se rompe tan pronto.
13 – Mejor es un muchacho pobre y sabio que un rey viejo e insensato que ya no sabe ser precavido;
14 – aunque aquél para reinar haya salido de la Cárcel, o aunque en su reino haya nacido pobre.
15 – Vi a todos los vivientes debajo del sol caminando con el muchacho sucesor que Estará en lugar del otro.
16 – Era sin fin todo el pueblo que estaba delante de él. Sin embargo, los que vengan después tampoco Estarán contentos con él. También esto es vanidad y conflicto de Espíritu.

– Ano Bíblico (Inglês).:

Book of Eclesiastes

Chapter 1

1 – The words of the Preacher, the son of David, king in Jerusalem.
2 – All is to no purpose, said the Preacher, all the ways of man are to no purpose.
3 – What is a man profited by all his work which he does under the sun?
4 – One generation goes and another comes; but the earth is for ever.
5 – The sun comes up and the sun goes down, and goes quickly back to the place where he came up.
6 – The wind goes to the south, turning back again to the north; circling round for ever.
7 – All the rivers go down to the sea, but the sea is not full; to the place where the rivers go, there they go again.
8 – All things are full of weariness; man may not give their story: the eye has never enough of its seeing, or the ear of its hearing.
9 – That which has been, is that which is to be, and that which has been done, is that which will be done, and there is no new thing under the sun.
10 – Is there anything of which men say, See, this is new? It has been in the old time which was before us.
11 – There is no memory of those who have gone before, and of those who come after there will be no memory for those who are still to come after them.
12 – I, the Preacher, was king over Israel in Jerusalem.
13 – And I gave my heart to searching out in wisdom all things which are done under heaven: it is a hard thing which God has put on the sons of men to do.
14 – I have seen all the works which are done under the sun; all is to no purpose, and desire for wind.
15 – That which is bent may not be made straight, and that which is not there may not be numbered.
16 – I said to my heart, See, I have become great and am increased in wisdom more than any who were before me in Jerusalem–yes, my heart has seen much wisdom and knowledge.
17 – And I gave my heart to getting knowledge of wisdom, and of the ways of the foolish. And I saw that this again was desire for wind.
18 – Because in much wisdom is much grief, and increase of knowledge is increase of sorrow.

Chapter 2

1 – I said in my heart, I will give you joy for a test; so take your pleasure–but it was to no purpose.
2 – Of laughing I said, It is foolish; and of joy–What use is it?
3 – I made a search with my heart to give pleasure to my flesh with wine, still guiding my heart with wisdom, and to go after foolish things, so that I might see what was good for the sons of men to do under the heavens all the days of their life.
4 – I undertook great works, building myself houses and planting vine-gardens.
5 – I made myself gardens and fruit gardens, planting in them fruit-trees of all sorts.
6 – I made pools to give water for the woods with their young trees.
7 – I got men-servants and women-servants, and they gave birth to sons and daughters in my house. I had great wealth of herds and flocks, more than all who were in Jerusalem before me.
8 – I got together silver and gold and the wealth of kings and of countries. I got makers of song, male and female; and the delights of the sons of men–girls of all sorts to be my brides.
9 – And I became great; increasing more than all who had been before me in Jerusalem, and my wisdom was still with me.
10 – And nothing which was desired by my eyes did I keep from them; I did not keep any joy from my heart, because my heart took pleasure in all my work, and this was my reward.
11 – Then I saw all the works which my hands had made, and everything I had been working to do; and I saw that all was to no purpose and desire for wind, and there was no profit under the sun.
12 – And I went again in search of wisdom and of foolish ways. What may the man do who comes after the king? The thing which he has done before.
13 – Then I saw that wisdom is better than foolish ways–as the light is better than the dark.
14 – The wise man´s eyes are in his head, but the foolish man goes walking in the dark; but still I saw that the same event comes to them all.
15 – Then said I in my heart: As it comes to the foolish man, so will it come to me; so why have I been wise overmuch? Then I said in my heart: This again is to no purpose.
16 – Of the wise man, as of the foolish man, there is no memory for ever, seeing that those who now are will have gone from memory in the days to come. See how death comes to the wise as to the foolish!
17 – So I was hating life, because everything under the sun was evil to me: all is to no purpose and desire for wind.
18 – Hate had I for all my work which I had done, because the man who comes after me will have its fruits.
19 – And who is to say if that man will be wise or foolish? But he will have power over all my work which I have done and in which I have been wise under the sun. This again is to no purpose.
20 – So my mind was turned to grief for all the trouble I had taken and all my wisdom under the sun.
21 – Because there is a man whose work has been done with wisdom, with knowledge, and with an expert hand; but one who has done nothing for it will have it for his heritage. This again is to no purpose and a great evil.
22 – What does a man get for all his work, and for the weight of care with which he has done his work under the sun?
23 – All his days are sorrow, and his work is full of grief. Even in the night his heart has no rest. This again is to no purpose.
24 – There is nothing better for a man than taking meat and drink, and having delight in his work. This again I saw was from the hand of God.
25 – Who may take food or have pleasure without him?
26 – To the man with whom he is pleased, God gives wisdom and knowledge and joy; but to the sinner he gives the work of getting goods together and storing up wealth, to give to him in whom God has pleasure. This again is to no purpose and desire for wind.

Chapter 3

1 – For everything there is a fixed time, and a time for every business under the sun.
2 – A time for birth and a time for death; a time for planting and a time for uprooting;
3 – A time to put to death and a time to make well; a time for pulling down and a time for building up;
4 – A time for weeping and a time for laughing; a time for sorrow and a time for dancing;
5 – A time to take stones away and a time to get stones together; a time for kissing and a time to keep from kissing;
6 – A time for search and a time for loss; a time to keep and a time to give away;
7 – A time for undoing and a time for stitching; a time for keeping quiet and a time for talk;
8 – A time for love and a time for hate; a time for war and a time for peace.
9 – What profit has the worker in the work which he does?
10 – I saw the work which God has put on the sons of man.
11 – He has made everything right in its time; but he has made their hearts without knowledge, so that man is unable to see the works of God, from the first to the last.
12 – I am certain that there is nothing better for a man than to be glad, and to do good while life is in him.
13 – And for every man to take food and drink, and have joy in all his work, is a reward from God.
14 – I am certain that whatever God does will be for ever. No addition may be made to it, nothing may be taken from it; and God has done it so that man may be in fear before him.
15 – Whatever is has been before, and what is to be is now; because God makes search for the things which are past.
16 – And again, I saw under the sun, in the place of the judges, that evil was there; and in the place of righteousness, that evil was there.
17 – I said in my heart, God will be judge of the good and of the bad; because a time for every purpose and for every work has been fixed by him.
18 – I said in my heart, It is because of the sons of men, so that God may put them to the test and that they may see themselves as beasts.
19 – Because the fate of the sons of men and the fate of the beasts is the same. As is the death of one so is the death of the other, and all have one spirit. Man is not higher than the beasts; because all is to no purpose.
20 – All go to one place, all are of the dust, and all will be turned to dust again.
21 – Who is certain that the spirit of the sons of men goes up to heaven, or that the spirit of the beasts goes down to the earth?
22 – So I saw that there is nothing better than for a man to have joy in his work–because that is his reward. Who will make him see what will come after him?

Chapter 4

1 – And again I saw all the cruel things which are done under the sun; there was the weeping of those who have evil done to them, and they had no comforter: and from the hands of the evil-doers there went out power, but they had no comforter.
2 – So my praise was for the dead who have gone to their death, more than for the living who still have life.
3 – Yes, happier than the dead or the living seemed he who has not ever been, who has not seen the evil which is done under the sun.
4 – And I saw that the cause of all the work and of everything which is done well was man´s envy of his neighbour. This again is to no purpose and a desire for wind.
5 – The foolish man, folding his hands, takes the flesh of his body for food.
6 – One hand full of rest is better than two hands full of trouble and desire for wind.
7 – Then I came back, and I saw an example of what is to no purpose under the sun.
8 – It is one who is by himself, without a second, and without son or brother; but there is no end to all his work, and he has never enough of wealth. For whom, then, am I working and keeping myself from pleasure? This again is to no purpose, and a bitter work.
9 – Two are better than one, because they have a good reward for their work.
10 – And if one has a fall, the other will give him a hand; but unhappy is the man who is by himself, because he has no helper.
11 – So again, if two are sleeping together they are warm, but how may one be warm by himself?
12 – And two attacked by one would be safe, and three cords twisted together are not quickly broken.
13 – A young man who is poor and wise is better than a king who is old and foolish and will not be guided by the wisdom of others.
14 – Because out of a prison the young man comes to be king, though by birth he was only a poor man in the kingdom.
15 – I saw all the living under the sun round the young man who was to be ruler in place of the king.
16 – There was no end of all the people, of all those whose head he was, but they who come later will have no delight in him. This again is to no purpose and desire for wind.

Na graça de nosso Senhor Jesus,

Daniel Gavin
Diretor Geral – Ellen White Books
http://www.ellenwhite.com.br/
http://www.ellenwhitebooks.com/
http://www.ellenwhite.es/
http://www.ellenwhitebooks.es/

Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s