Comentário da Lição 06 – Adoração, música e Louvor – Escola no Ar

3º Trimestre de 2011 – Adoração
Comentário da Lição 06 – Adoração, música e Louvor
imprimir 
Sábado, 30/7/2011 – › INTRODUÇÃO

“Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor todas as terras”. – Sl 96:1.

Dois aspectos são muito importantes no ensino e na prática da adoração. A palavra pregada, ensinando quem é Deus e quem somos nós. O ser humano necessita compreender que Deus é o grande Eu Sou. Ele é de eternidade a eternidade. Essa idéia não encontra o eco que precisa formar em nossa mente. Somente quando compreendemos a nossa fragilidade e a nossa transitoriedade, em comparação com o poderoso e eterno Criador e Mantenedor do Universo e de nossa existência, que vislumbres da grandeza de Deus iluminam o nosso modo de pensar.

A palavra cantada, em melodia e poesia constitui um poderoso elemento para sublimar a nossa razão e as nossas emoções. Os anjos no Céu aproximam-se do trono de Deus proclamando “uns aos outros: Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos, a terra toda está cheia de sua glória”. – Is 6:3 Nova Versão Internacional.

Em Israel todos os feitos de Deus e todos os favores concedidos eram motivo para louvor e exaltação ao grandioso e generoso benfeitor. Junto ao mar Vermelho, pela grande libertação, houve uma explosão em um cântico de louvor a adoração. Ana, ao receber a dádiva do menino Samuel, extravasou a sua alma em uma oração que é mais um cântico de gratidão e engrandecimento ao Deus eterno. “E ali adorou o Senhor”. – 1Sm 1:28.

Consumada a redenção, todos “os que tinham vencido a besta,… seguravam harpas em suas mãos,… e cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro”. – Ap 15:2 e 3 – Nova Versão Internacional.

Aprendamos a adorar a Deus agora, em nossa peregrinação, com cânticos de exaltação, para adorá-lO por toda a eternidade.

Pense: “Cantem ao Senhor- um novo cântico, pois ele fez coisas maravilhosas; a sua mão direita e o seu braço santo lhe deram a vitória!” – Sl 98:1 – Nova Versão Internacional.

Desafio: “Como é bom render graças ao Senhor e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo”. – Sl 92:1 – Nova Versão Internacional.


Domingo, 31/7/2011 – › ENTRE SAUL E DAVI

Enquanto Saul se submeteu à vontade de Deus e reconheceu a sua dependência, ele recebeu as bênçãos de Deus em todas as suas atividades. “Em seu entusiasmo propuseram alguns matar os que se tinham a princípio recusado a reconhecer a autoridade de Saul… Aqui deu Saul prova da mudança que se tinha operado em seu caráter. Em vez de tomar para si a honra, deu glória a Deus”. – Patriarcas e Profetas, pág. 657.

Mas, quando o espírito de grandeza e de suficiência própria se apoderou do seu coração, ele esqueceu a liderança divina e passou a conduzir as decisões de sua vida e as relativas ao reino de Israel, em harmonia com os seus conceitos e a sua vontade.

Davi, desde a sua juventude reconheceu a liderança de Deus em todos os seus atos e caminhos. Assim foi no apascentar os rebanhos de seu pai; na luta contra o gigante Golias; nas oportunidades que teve para matar Saul; ao consultar a Deus se devia ou não perseguir um bando de amalequitas.

Seguindo os próprios conceitos, Saul caiu no desagrado de Deus e foi rejeitado como rei. Desobedecendo as orientações divinas, Saul justificava os seus pecados alegando que as suas intenções eram boas.

Quando Davi caiu em pecado, ele reconheceu o seu pecado como coisa ofensiva a Deus, pediu perdão e poder para vencer o pecado. Davi, na sua humildade e contrição foi aceito por Deus que o envolveu em Sua graça. “Quem quer que, sob a reprovação de Deus, humilhe a alma com confissão e arrependimento, como fez Davi, pode estar certo de que há esperança para ele”. – Patriarcas e Profetas, pág. 780.

Pense: “Então reconheci diante de ti o meu pecado e não encobri as minhas culpas. Eu disse: Confessarei as minhas transgressões ao Senhor, e tu perdoaste a culpa do meu pecado”. – Sl 32:5 – Nova Versão Internacional.

Desafio: “Contra ti, só contra ti, pequei e fiz o que tu reprovas, de modo que justa é a tua sentença e tens razão em condenar-me”. – Sl 51:4 – Nova Versão Internacional.


Segunda-Feira, 1/8/2011 – › CORAÇÃO CONTRITO, ESPÍRITO QUEBRANTADO

Uma boa questão é levantada: Como entender a adoração com coração contrito e espírito quebrantado e adorar de maneira alegre? À primeira vista parece que as três coisas não podem estar juntas num mesmo ato. No entanto, avaliando a idéia à luz da palavra de Deus e do relacionamento com Ele, os três estados de espírito se fundem de maneira perfeita.

O pecado separa o homem de Deus e esta condição cria um vazio no íntimo do ser, que não permite desfrutar a verdadeira alegria. Davi orou a Deus: “Devolve-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito pronto para obedecer”. Sl 51:12 – Nova Versão Internacional.

A remoção do pecado pelo perdão requer contrição e quebrantamento. Reconhecer o pecado, porque ele nos separa de Deus. (Is 59:2). Submeter-se humildemente às determinações de Deus, porque a reconciliação restaura o espírito de obediência e devolve a verdadeira alegria da salvação.

A adoração genuína traz em si o importante estado de alegria: “Fiquei muito alegre quando me convidaram, dizendo: ‘vamos até à casa do Senhor!” – Sl 122:1 – Bíblia Viva.

A verdadeira adoração fundamenta-se no relacionamento de seres que se amam e que sabem que o adorado tem bênçãos para o adorador. Logo, o adorador apresenta-se com alegria. Alegria, porque sabe que o seu fardo de pecados será totalmente aliviado; e seu anseio pela comunhão com o maior e melhor Amigo será plenamente satisfeita. A adoração sem alegria evidencia que não houve perdão dos pecados e reconciliação.

Pense: “Depois Salomão mandou o povo para casa, feliz e com coração alegre por toda a bondade que o Senhor havia mostrado a seu servo Davi e a seu povo Israel. E eles abençoaram o rei”. – IRs 8:66 – Bíblia Viva.

Desafio: “Como é feliz aquele que tem suas transgressões perdoadas e seus pecados cobertos”. Sl 32:1 Nova Versão Internacional.


Terça-Feira, 2/8/2011 – › DAVI: UMA CANÇÃO DE LOUVOR E ADORAÇÃO

A visão que Davi possuía da provisão redentora em Cristo Jesus, compreendida por ele através dos símbolos nos sacrifícios, de maneira central, no Sacrifício Contínuo, levou-o a experimentar o eficaz poder de perdão, cura e alegria da salvação.

Quando a tenda do santuário foi trazida por ele para Jerusalém, Davi compôs um poema de louvor, exaltação e adoração a Deus. Asafe, que era o mestre liderando o canto coral e congregacional, foi comissionado pelo rei para dirigir a adoração pelo louvor.

Em sua exaltação a Deus, lembraram as grandes maravilhas operadas no passado. A maneira como cuidou de seus filhos quando eram poucos. Quando vagueavam de uma nação para outra, e Deus não permitindo que fossem maltratados.

A proclamação da grandeza de Deus devia alcançar todos os povos. Somente Ele é o Deus vivo e Criador, enquanto os deuses das nações eram ídolos fabricados por mãos humanas. Ele é Deus que revela esplendor e majestade e também força e alegria. (1Cr 16:27).

Nesse poema de exaltação e adoração ao Criador, Davi conclama toda a natureza para se unir ao louvor e ao engrandecimento do nome de Deus. O mar e o que nele existe, os campos e as florestas e o que neles há.

Uma nota tônica chama a atenção. Toda a adoração a Deus deve ser expressa com exultação e alegria, porque “Ele é bom; o Seu amor dura para sempre”. – 1Cr 16:24.

Pense: “Não maltratem meus ungidos; não façam mal aos meus profetas”. – 1Cr 16:22 – Nova Versão Internacional.

Desafio: “Para que demos graças ao teu santo nome e façamos do teu louvor a nossa glória”. – 1Cr 16:35 – Nova Versão Internacional.


Quarta-Feira, 3/8/2011 – › O CÂNTICO DE DAVI

Não é difícil formar-se em nossa mente a idéia de que a adoração normalmente nos coloca genuflexos diante de nosso Deus. Esta é provavelmente uma das maneiras mais significativas entre os atos de adoração. Porém, quando estamos na presença de Deus ouvindo o sermão, também estamos adorando.

No entanto, o israelita em muitas circunstâncias externava a sua adoração através do canto de louvor e exaltação a Deus.

Neste cântico, de 2 Samuel 22, Davi exalta a Deus porque Ele é o seu libertador e poderoso Salvador. (Vs. 2 e 3). Livrou-o de todos os seus inimigos e de todos os momentos mais difíceis, mesmo quando em angústia pensava ser tragado pela morte. Vs. 4-6).

Poderíamos citar outros detalhes do canto de Davi que constituem motivos de adoração através do louvor. Desejo, porém, deixar um incentivo para que neste mundo cheio de perigos e lutas contra nosso maior inimigo, vivêssemos em adoração mediante o louvor em todos os nossos caminhos.

É importante observar que João no Apocalipse vê todos os seres celestes adorar e exaltar a Deus porque Ele é o que vive para todo o sempre. (Ap 4:9). É Deus de eternidade a eternidade. Encontramos neste louvor e adoração o reconhecimento de todos os seres celestes a sua dependência de Deus para viver.

Exaltam também a Deus pelo Seu poder criador. Todas as coisas foram criadas por sua vontade e subsistem pelo poder de Sua palavra. (Ap 4:11). É o reconhecimento de que todas as criaturas vieram à existência pela vontade Deus.

Pense: “Das alturas estendeu a mão e me segurou; tirou-me de águas profundas, Livrou-me do meu inimigo poderoso, dos meus adversários, que eram fortes demais para mim”. – 2Sm 22:17 e 18 – Nova Versão Internacional.

Desafio: “Por isso te louvarei entre as nações, ó Senhor; Cantarei louvores ao teu nome”. – 2Sm 22:50 – Nova Versão Internacional.


Quinta-Feira, 4/8/2011 – › “CANTAI AO SENHOR UM CÂNTICO NOVO”

Os salmistas insistem com os adoradores para que cantem um cântico novo. Que cântico novo é este?

João, em suas visões na ilha de Patmos viu que seres celestes adoravam o Cordeiro e “cantavam um cântico novo”. – Ap 5:8 e 9. Qual é este cântico novo?

Através da eternidade os seres celestes adoravam, louvavam e exaltavam a Deus como o Eterno, “que vive para todo o sempre”; – Ap 4:9; como o Criador de todas as coisas e que a tudo sustenta pelo Seu poder. (Ap 4:11). Porém, com a morte de Jesus, o Cordeiro de Deus, é adicionado um cântico novo para o seu louvor e adoração. Louvam a Deus como Aquele que através do sangue do Cordeiro compra “gente de toda a tribo, língua, povo e nação”. – Ap 5:9 – Nova Versão Internacional. Estes comprados receberão como seu reino esta Terra feita nova. (Ap 5:10).

Os seres celestes exaltam e adoram a Deus porque a Ele e ao Cordeiro pertence a salvação pela vitória sobre o inimigo. (Ap 7:10) Saber que seres não caídos louvam e adoram a Deus porque Ele salva pecadores, demonstrando o seu grande interesse por mnossa redenção, não deveria constituir-se um poderoso motivo para louvarmos nosso Salvador e adorá-lO na beleza de sua santidade? Em verdade, a nossa adoração aqui, deve ser o antegozo da adoração com todo o Universo. Lá cantaremos o cântico novo de nossa salvação. (Ap 14:3).

Os mesmos motivos encontram-se nos Salmos como tema para o cântico novo: “Cantem ao Senhor um cântico novo;… cada dia proclamem a sua salvação… Cantem ao Senhor um novo cântico,… a sua mão direita e o seu braço santo lhe deram a vitória”. – Sl 96:1 e 98:1 – Nova Versão Internacional.

Pense: “Depois ouvi todas as criaturas existentes no céu, na terra, debaixo da terra e do mar, e tudo o que neles há, que diziam: ‘Àquele que está assentado no trono e ao Cordeiro sejam o louvor, a honra, a glória e o poder, para todo o sempre!’ Os quatro, seres viventes disseram: ‘Amem’, e os anciãos prostraram-se e o adoraram”. – Ap 5:13 e 14 – Nova Versão Internacional.

Desafio: “Digno é o Cordeiro que foi morto de receber poder, riqueza, sabedoria, força, honra, glória e louvor!” – Ap 5:12 – Nova Versão Internacional.


Sexta-Feira, 5/8/2011 – › ESTUDO ADICIONAL

“Graças aos teus preceitos tenho discernimento, por isto detesto todos os caminhos da mentira… Rejeitaste todos os que se desviaram longe dos teus decretos, pois suas manobras não passavam de mentira”. – Sl 119:104 e 118 – Tradução Ecumênica da Bíblia.

Para os salmistas, a graça e a conduta orientada pela lei são inseparáveis, pois é pela lei, pela Palavra que a graça comunica o discernimento para detestar, odiar e vencer o pecado. Afirmam que aquele que rejeita a conduta orientada pela lei moral ensina desvios mentirosos.

“Grande paz têm os que amam a tua lei; para eles não há tropeço”. – Sl 119:165 – Almeida Revista e Atualizada. Que compreensão maravilhosa do plano redentor e restaurador de Deus. Pela graça o relacionamento de amor é restaurado com Deus. O pecador que está em paz com Deus, ama-O, adora-O, obedecendo às orientações de Sua lei.

Davi passou pela experiência da maneira mais dramática e grandiosa. Das alturas da alegria da salvação e da adoração, desceu ao mais profundo lamaçal do poder opressor do pecado. Perdoado, justificado e restaurado por graça, recebeu de volta “a alegria de ser salvo”. – Sl 51:14 – Tradução Ecumênica da Bíblia.

“Espero, Senhor, na tua salvação, e cumpro os teus mandamentos… Suspiro, Senhor, por tua salvação; a tua lei é todo o meu prazer”. – Sl 119:166 e 174. – Almeida Revista e Atualizada.

Perdoado e justificado por graça; orientado, restaurado e santificado por graça, os salmistas anelam o grande momento pela libertação da presença do pecado, pela salvação final, como ato último do amor de Deus, conduzindo de volta ao lar o filho que está perdido.

A salvação é um dom da graça de Deus. Assim Davi e os salmistas entendiam esta magna questão: Espero, suspiro, Senhor, por tua salvação. Como é preciosa a tua graça que me devolveu a esperança e a certeza de estar para sempre em adoração na Tua presença!

Pense: “Mas a misericórdia do Senhor é de eternidade a eternidade, sobre os que o temem, e a sua justiça sobre os filhos dos filhos; para com os que guardam a sua aliança, e para com os que se lembram dos seus preceitos e os cumprem”. – Sl 103: 17 e 18. – Almeida Revista e Atualizada

Desafio: “Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens. Ela nos ensina a renunciar a impiedade e às paixões mundanas e a viver de maneira sensata, justa e piedosa nesta era presente”. – Tt 2:11 e 12 – Nova Versão Internacional.


Conheça o autor
Pr. Albino Marks
Especialista em aconselhamento familiar e profundo estudioso da Bíblia, o pastor Albino Marks já atuou como preceptor (IAP, IACS, IAE-SP); capelão (IACS e Hospital do Pênfigo); diretor geral do IAP; departamental em várias associações e na UCB.
© Escola no Ar 2001-2008 • Todos os direitos reservados
Coordenação › Wanderley Gazeta • Projeto gráfico › Rodrigo Matias

FONTE: http://www.escolanoar.org.br/Novo/impressao.asp?nivel=adultos_pt&data=5/8/2011

Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s