MEDITAÇÕES DIÁRIAS – MÊS DE AGOSTO DE 2011 – CASA PUBLICADORA BRASILEIRA

1º de agostoSegunda

Raabe, Adotada Pela Esperança

Por um ato de fé, Raabe, a prostituta de Jericó, deu as boas-vindas aos espias, e escapou da destruição que veio sobre aqueles que se recusaram a confiar em Deus. Hebreus 11:31, The Message

Há pessoas que atraem para si um cognome ou epíteto que as acompanha até mesmo depois da morte: Ivan, o terrível; Ricardo, coração de leão; Átila, o flagelo de Deus; e outros.

Foi mais ou menos o que aconteceu com Raabe. Ela era cananita. Fora criada num ambiente pagão. Era uma namoradeira. Uma “dama da noite”. Por que o escritor de Hebreus foi tão rude não omitindo esse detalhe ao falar de Raabe, dizendo que fora prostituta? Se ela fosse apresentada hoje dessa maneira em qualquer igreja, a irmandade de “gosto mais refinado” não aprovaria a participação dela entre os membros.

No passado, é verdade, ela havia sido prostituta, mas passou a fazer parte do povo de Deus. De seus herdeiros vieram reis e também o próprio Jesus. Paulo diz que ela não era sacerdotisa, nem era de linhagem real. Como uma “dama da noite”, dificilmente esperaríamos que fosse usada por Deus. Ao apresentar Raabe dessa maneira, Deus estava querendo dizer: “Vejam, que surpresa! Olhem só como a graça é maravilhosa! Vejam como Deus olha as pessoas de maneira diferente de vocês. Que mudança a graça pode realizar na vida de uma pessoa!”

No caso de Raabe, Deus levou em conta a fé dela, não sua “profissão”. Deus foi ao encontro de uma jovem que disse: “Eu quero mudar.”

Dificilmente imaginaríamos que Deus pudesse incluir uma prostituta em Seus planos. Foi essa atuação de Deus que levou Paulo a afirmar: “Mas Deus escolheu o que para o mundo é loucura para envergonhar os sábios, e escolheu o que para o mundo é fraqueza para envergonhar o que é forte. Ele escolheu o que para o mundo é insignificante, desprezado e o que nada é, para reduzir a nada o que é, a fim de que ninguém se vanglorie diante dele. É, porém, por iniciativa dEle que vocês estão em Cristo Jesus” (1Co 1:27-30).

Deus é soberano. Ele escolhe quem quer. Raabe é uma dessas surpresas. Ela mesma disse aos espias: “Pois o Senhor, o seu Deus, é Deus em cima nos céus e embaixo na Terra” (Js 2:11).


2 de agostoTerça

Ter um Coração Sedento

Que as palavras da minha boca e a meditação do meu coração sejam agradáveis a Ti, Senhor, minha Rocha e meu Resgatador! Salmo 19:14

O autor Mortimer Adler diz que, quando lemos uma carta de amor, “lemos cada palavra três vezes; lemos nas entrelinhas, pesamos cada frase, percebemos a cor de cada palavra e procuramos um significado até mesmo na pontuação”. É por isso que depois de algum tempo os namorados já sabem a carta de memória. O importante não é a carta em si, mas quem a escreveu. É isso que dá significado à carta. É aquela carta que você abre primeiro, vai ler com interesse e a separa de todas as outras.

Que lugar a Bíblia ocupa em nossas afeições e em nosso tempo? Quando você lê a Bíblia, abre o coração para o que Deus está revelando? Como a vida devocional se enquadra em sua agenda? Encontrar tempo para um momento devocional com qualidade é, hoje, grande desafio para todos, e muitas vezes nos sentimos frustrados por não dedicar a quantidade ou a qualidade de tempo necessário para isso. Você precisa tornar esse momento uma “ilha” no meio de tudo o que está fazendo e pedir que Deus lhe fale ao coração. Esse momento requer mais do que apenas desligar o celular e fechar a porta do escritório ou do quarto.

Parar e se sentar é um grande desafio. Não é um momento de inatividade. É um momento para ampliar sua sensibilidade espiritual e restaurar a alma. Necessitamos procurar a Deus com interesse; aproximar-nos dEle com fome e sede. Peça-Lhe ouvidos para ouvir e percepção para sentir a maneira pela qual Ele está tentando Se comunicar com você.

A quietude é muito importante para perceber com mais nitidez a voz de Deus. Deus não escolheu Se revelar a Elias no vento forte, no terremoto nem no fogo. A agitação pela qual o profeta estava passando pedia apenas uma voz mansa e suave. Deus falou a Elias por meio do sussurro.

A voz de Deus se torna mais clara num ambiente calmo e numa atmosfera de silêncio. Para ouvir um sussurro ou uma voz mansa e suave você não pode estar de um lado da sala e a outra pessoa no lado oposto. Tem que haver proximidade.

“Quando as Tuas palavras foram encontradas, eu as comi; elas são a minha alegria e o meu júbilo, pois pertenço a Ti” (Jr 15:16).


3 de agostoQuarta

No Meio da Tempestade

Jesus estava na popa, dormindo com a cabeça sobre um travesseiro. Os discípulos O acordaram e clamaram: “Mestre, não Te importas que morramos?” Marcos 4:38

Há pessoas que têm grande facilidade para dormir. Dormem em qualquer lugar, sob qualquer barulho, em qualquer posição. Nas rodoviárias, nos aeroportos, e nos mais diferentes lugares, encontramos essas pessoas. Até mesmo na igreja encontramos pessoas que sofrem de insônia e vão aos cultos para dormir.

Jesus parecia ser o tipo de pessoa que podia dormir facilmente, até mesmo na popa de um barco sacudido pela tempestade.

Uma tripulação de quatro experimentados pescadores não deu conta de enfrentar a tempestade com segurança. O medo que tomou conta deles indica a severidade do incidente. Assustados, despertaram Jesus. Parecia que Ele não Se importava com a segurança deles. As palavras dos discípulos soaram mais como repreensão pela aparente indiferença do Mestre: “O Senhor não está cuidando de nós. Como é que Ele pode dormir diante de uma situação tão amedrontadora como esta?” Que lições podemos tirar desse incidente?

As tempestades acontecem com todos. Somos cuidadosos, planejamos tudo direitinho para que não haja surpresas desagradáveis conosco, mas quando menos esperamos, irrompe uma tempestade. Cada um, de diferentes maneiras, terá que enfrentar tempestades.

O barco em que Jesus está pode sacudir, mas não afundará. Jesus não prometeu viagem fácil. Teremos que conviver com muitos problemas: filhos que não obedecem, problemas no casamento, contas além do que podemos pagar. Porém, com a presença de Jesus, esses problemas podem ser mais facilmente superados.

A tempestade não dura muito tempo. Quantas vezes nas provas da vida nos irritamos e gritamos com Deus: “Senhor, não Te importas? Eu já pedi, já gritei, já chorei e Tu não fizeste nada!” Por quanto tempo você orou pedindo a ajuda de Deus: uma hora, um dia, uma semana? Não podemos querer, no estalar dos dedos, que uma solução apareça.

Crer que Jesus vai acalmar a tempestade. Resultados de exames de saúde que não são bons, problemas emocionais causados por notícias ruins, a necessidade de se libertar de algum pecado, e tantas outras situações. Confie. Deus lhe dará calma.

Servimos a um Deus que tem nas mãos o controle de todas as coisas. Nada é tão difícil que Ele não possa resolver, nem tão amedrontador que Ele não possa acalmar.


4 de agostoQuinta

Falando com Sinceridade

Quem é honesto trata todos com sinceridade, mas quem é mau vive enganando os outros. Provérbios 12:5, NTLH

“Professor, preciso falar com o senhor”, disse nervosamente a aluna. O professor começou a achar que ela tivesse cometido uma falta extremamente grave, ou estivesse precisando de algum conselho. Caminharam um pouco e ela disse: “Eu menti para o senhor hoje de manhã, quando disse…” E começou a explicar o quanto ela havia exagerado na quantidade de material pesquisado. “Mas por que você exagerou?”, perguntou o professor. “Para que o senhor me respeitasse mais”, respondeu ela.

Uma das áreas em que facilmente escorregamos é na sinceridade de nossas palavras. Albert Merahbian diz que entre os três componentes da comunicação – as palavras, o tom de voz e a linguagem não verbal – nós nos comunicamos 7% com palavras, 38% com o tom de voz e 55% com nossos gestos, maneirismos e linguagem não verbal. Assim, a verdade não está necessariamente em nossas palavras. O fato é que podemos enganar ou faltar com a sinceridade por meio de:

Exagero. Fazer generalizações exageradas de pessoas ou situações para conseguir o que se quer ou para obter maior efeito; exagerar realizações passadas por usar palavras como “sempre” ou “nunca”. Enfeitar detalhes de uma história para torná-la mais interessante.

Falso elogio. Elogiar de maneira não sincera, ou lisonjear outros apenas para realçar a reputação diante dos olhos deles, ou para evitar a eventual perda de um favor que planeja pedir a essa pessoa.

Engano. Deixar uma falsa impressão, mesmo que as palavras sejam verdadeiras; dar referências falsas para um empregador em potencial; permitir que as pessoas digam coisas que não são verdadeiras sobre outra pessoa e insinuar, pelo silêncio, que são verdadeiras.

Inconsistência. Mudar de opinião de um lado para outro, dependendo do público; falar o que os outros desejam ouvir, em lugar daquilo que realmente cremos.

E poderíamos continuar falando de malícia, fraude, hipocrisia, promessas não cumpridas, e assim por diante.

A sinceridade, a honestidade e sua rival, a desonestidade, nas mais variadas formas, não são assim tão nítidas como o branco e o preto. Por isso, deveríamos orar como o salmista: “Coloca, Senhor, uma guarda à minha boca, vigia a porta dos meus lábios” (Sl 141:3).


5 de agostoSexta

Nenhum Foi Curado, Somente Naamã

Também havia muitos leprosos em Israel no tempo de Eliseu, o profeta; todavia, nenhum deles foi purificado, somente Naamã, o sírio. Lucas 4:27

As palavras do texto bíblico de hoje foram pronunciadas por Jesus em Seu primeiro sermão, em Sua cidade natal. Naamã era comandante do exército da Síria. Nas paredes de sua casa havia placas, espadas especiais, medalhas e condecorações que ele recebera em sua carreira militar. A narrativa bíblica, no entanto, diz que num ambiente rodeado de toda essa demonstração de fama e poder, ele sofria de lepra. Trabalhava na casa dele uma garota israelita que fora capturada numa das incursões a Israel, quem sabe liderada pelo próprio Naamã. Essa garota se tornou agente de boas-novas e fez saber por meio da esposa de Naamã que ele poderia ser curado se fosse a Israel se encontrar com o profeta Eliseu.

Munido de uma carta de apresentação do rei da Síria, Naamã levou consigo vários presentes – 350 kg de prata e 72 kg de ouro – e se dirigiu ao rei de Israel. Se fosse hoje, chegaria escoltado por batedores numa caravana de Mercedes-Benz. O comportamento do rei foi de estranheza, pois nunca havia curado ninguém, e encaminhou o sírio até o profeta.

Naamã, como estava acostumado à pompa e circunstância, salas VIP e honrarias, exibição de poder, esperava uma cura ostentosa, uma ocasião de grande espetáculo. Mas ficou chocado pela recepção fria e pela atitude de indiferença do profeta. Eliseu não enviou senão uma receita para o tratamento: se quisesse sarar da lepra, Naamã teria que mergulhar sete vezes nas lamacentas águas do rio Jordão. O ego de Naamã despertou-lhe o patriotismo e ele argumentou que os rios de Damasco eram melhores. Mas, com a ajuda de seus assessores, o bom senso prevaleceu. Ele resolveu mergulhar sete vezes e o milagre aconteceu. Ele foi curado! Fisicamente, se tornou nova pessoa.

A narrativa está ali por alguma razão, mostrando que o perdão, a salvação e a vida nova vêm pela graça de Deus, independentemente de riqueza, posição, nacionalidade, e está ao seu alcance agora. Não são necessárias peregrinações nem caravanas; ela está ao seu alcance agora. Onde você está: na sala, no quarto, no escritório, no ambiente de trabalho. “Aspergirei água pura sobre vocês e ficarão puros; Eu os purificarei de todas as suas impurezas” (Ez 36:25).


6 de agostoSábado

Fonte de Graça

Naquele dia uma fonte jorrará para os descendentes de Davi e para os habitantes de Jerusalém, para purificá-los do pecado e da impureza. Zacarias 13:1

Ali, ao pé da cruz, surgiu uma fonte transbordando, mostrando abundância e perpetuidade. Era a imagem de alguma coisa que provê vida e suprimento constante. Assim foi a fonte que jorrou do próprio coração de Jesus quando um soldado romano, querendo comprovar se Ele estava realmente morto, “perfurou o lado de Jesus com uma lança, e logo saiu sangue e água” (Jo 19:34). Esse foi o último ato da crucifixão antes que Jesus fosse tirado da cruz para ser sepultado.

O apóstolo João, posicionado ao pé da cruz, pôde perceber que sangue e água saíram do lado do Mestre. Ele mesmo confirmou depois: “O que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos […] o sangue de Jesus, Seu Filho, nos purifica de todo pecado” (1Jo 1:1, 7).

Era mais do que um dado médico que Ele queria passar. A intenção de João, ao observar que água e sangue fluíram do lado de Jesus era mostrar o significado simbólico do que aconteceu. Enquanto a água purifica, o sangue realiza a expiação. O sangue traz a remissão; a água, regeneração.

“Se, porém, andarmos na luz, como Ele está na luz, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, Seu Filho, nos purifica de todo pecado” (1Jo 1:7).

O texto seguinte é atribuído a Cipriano, advogado e professor de retórica que aos 35 anos aceitou o cristianismo, tornando-se bispo de Cartago no terceiro século: “Aquele que é desnudado de Suas vestes terrenas nos dá as vestes da justiça e da imortalidade. Ele recebe fel e nos alimenta com o maná celestial. Aquele que recebe vinagre para beber é quem nos dá o cálice da salvação. Ele que é inocente é contado com os transgressores. Aquele que é a verdade é acusado por falsas testemunhas. O juiz de todos é julgado.”

A fonte da graça, aberta do lado de Jesus, está sempre fluindo; continua a fluir sem limites para todos a fim de que ninguém seja excluído por causa da grandeza do seu pecado.

“Eis que uma fonte aberta está: / O sangue de Jesus. / Quem nela se lavar, à cruz, / Sem manchas ficará” (Hinário Adventista, nº 202).


7 de agostoDomingo

Motivos Para Servir

O amor de Cristo nos constrange. 2 Coríntios 5:14

Quantas vezes escutei em congressos de jovens, na cerimônia de abertura, o mestre de cerimônias levar todos os assistentes a repetir esta frase: “O amor de Cristo me constrange.”

A princípio, soava estranho escutar a palavra “constrange”. Trazia o sentido de você não fazer de boa vontade; sentir-se pressionado. Se ligar com a palavra “constrangimento”, significa importunar, compelir ou levar alguém a fazer aquilo que de outro modo ele não faria.

Será que essa era a ideia que Paulo queria passar aos seus leitores? Depois de entender o que Cristo tinha feito em seu favor, e o motivo pelo qual Cristo deu a vida, ele não podia escapar. Estava diante da maior força propulsora do Universo, que é o amor.

O que nos motiva a fazer o que é de natureza religiosa? Que motivações são usadas para conseguir resposta e participação das pessoas? O escritor e pastor Leith Anderson diz que “a culpa é o motivador mais poderoso na igreja. É rápida e eficaz, mas carrega consigo um alto preço: ressentimento”. O medo é outro elemento usado. Alguns falam solenemente da punição, do castigo e de ficar fora do reino, se você não participar nas campanhas da igreja.

A maneira pela qual Paulo apresentou o assunto indica que ele estava dizendo: “Estou encurralado; não há outra saída. Seu amor por mim me empurra e me leva a amar os outros.”

A frase ficou melhor agora: “O amor de Cristo me motiva.” Soa mais espontâneo e mais afetivo, e a geração atual vai entender melhor; além disso, apresenta a verdadeira razão para servir. Madre Teresa de Calcutá dizia: “Não é o quanto você faz, mas quanto amor você coloca no que faz que conta.” Quer dizer, o amor de Cristo vai despertar um comportamento dentro de mim: o desejo de realizar, de vencer a inércia.

Paulo dizia que se o próprio Cristo esteve disposto a dar a vida em favor das pessoas, devemos fazer alguma coisa para ajudá-las.

Em vista disso, o que significa a expressão o amor de Cristo me motiva? “Nós amamos porque Ele nos amou primeiro” (1Jo 4:19).

Qual é minha motivação para servir a Deus? É a força de uma nova afeição: “O amor de Cristo. Seu amor tem a primeira e a última palavra em cada coisa que fazemos” (2Co 5:14, The Message).


8 de agostoSegunda

Boas Intenções – 1

Assim como vocês receberam a Cristo Jesus o Senhor, continuem igualmente vivendo nEle em fé singela. Colossenses 2:6, Philips

Como nos tornamos cristãos? Paulo está dizendo a você que sua vida cristã deve ser vivida assim como você a recebeu: abrindo o coração, confiando nEle para fazer aquilo que por suas próprias forças você não pode fazer.

Tem acontecido com muitos que aceitam se tornar cristãos e passam a confiar numa oferta fácil: “Tudo o que você tem que fazer é pedir a Jesus que entre em seu coração, perdoe seus pecados, e você estará salvo.” Uma proposta de adesão ao plano de salvação com um grande desconto, mas que depois de algum tempo, após a assinatura do “contrato”, exige-lhes o pagamento de parcelas ou mensalidades caríssimas, um alto preço para sua manutenção. Alguma coisa assim como barato quando é oferecido e caro para manter.

No entanto, quando começam a se esforçar para viver a vida cristã, descobrem que há “custos embutidos” sobre os quais não foram avisados. “Você precisa abandonar a bebida, ler a Bíblia, orar, entregar seu sábado a Ele, deixar de frequentar determinados lugares.” E, para alguns, as surpresas são constantes, pois quanto mais fazem, mais coisas descobrem que ainda deverão fazer para mostrar que são cristãos.

Quando aceitamos Jesus como Senhor, permitimos que Ele nos ajude a determinar nossos valores e prioridades.

Há alguns que tentam deixar um mau hábito, ser mais disciplinados; porém, se não aprenderem a depender de Cristo, estarão condenados a desanimar. Confiam em seus esforços, mas não alcançam o crescimento e desanimam.

A experiência de andar com Jesus depois que O recebemos é fortalecida quando abrimos a Bíblia e permitimos que Ele nos fale. Cada vez que oramos, cada vez que perdoamos e levamos alegria a alguém ou tornamos o fardo da outra pessoa mais leve, estamos crescendo nEle.

“O orgulhoso e arrogante torna-se manso e dócil. O vaidoso e altivo torna-se humilde e modesto. O alcoólatra deixa a bebida; o viciado torna-se puro” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 58).

“Como seu crescimento é silencioso e imperceptível, mas constante, assim é o desenvolvimento da vida cristã. Nossa vida pode ser perfeita em cada fase de desenvolvimento, contudo haverá progresso contínuo, se o propósito de Deus se cumprir em nós. A santificação é obra de toda uma vida” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 65).


9 de agostoTerça

Boas Intenções – 2

Já que vocês aceitaram Cristo Jesus como Senhor, vivam unidos com Ele. Colossenses 2:6, NTLH

Deus não fica surpreso com nossa imperfeição. Ele entende que o processo de se tornar semelhante a Cristo leva tempo. Porém, isso não serve como desculpa quando pecamos, mas nos concede outra chance. Alguns esperam perfeição e mudança imediata em tudo, logo depois que entregam a vida a Cristo. Às vezes, por uma questão de orgulho, querem poder dizer: “Vejam como eu mudei rapidamente. Vejam que pessoa eu sou agora!” Não é correr no afã de uma transformação radical. Não é dar aquela batidinha nas próprias costas, dizendo: “Menino bom, hein! Eu sabia que você ia conseguir!” Mas Deus diz: “Calma! A vida cristã é de crescimento. Você não vai conseguir isso por si mesmo. Eu é que o estarei ajudando, mas vai tomar tempo.” Podemos não conseguir tão rapidamente como gostaríamos. Mas nos levantamos e prosseguimos.

Temos que reconhecer que cada batalha que ganhamos é o resultado de “viver unidos com Ele”. Entramos na vida cristã colocando nossa fé em Cristo. Continuamos a vida cristã igualmente pela fé. Se você pensa que viver a vida cristã é apresentar a Deus aquilo que você faz na expectativa de que Deus o ame mais, está redondamente enganado. Minha preocupação deve ser no sentido de viver unido com Cristo e confiar nEle. “A santificação consiste na realização alegre de nossos deveres cotidianos em obediência perfeita à vontade de Deus” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 360).

Você está perdendo alguma batalha no seu dia a dia? Caiu justamente no erro que tinha determinado não fazer mais? “Há os que já experimentaram o poder perdoador de Cristo e que realmente desejam ser filhos de Deus, mas percebem que seu caráter é imperfeito, sua vida cheia de faltas, e chegam a duvidar se o seu coração já foi renovado pelo Espírito Santo. Gostaria de dizer para esses que não recuem em desespero. Muitas vezes, teremos que nos prostrar e chorar aos pés de Jesus por causa de nossas faltas e erros, mas não devemos desanimar. Mesmo se formos vencidos pelo inimigo, não seremos rejeitados nem abandonados por Deus” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 64).

Há somente uma forma de vencer: fazer aquilo que fizemos no início, quando recebemos a Cristo. Vamos continuar com Ele cada dia.


10 de agostoQuarta

Árvore Sem Frutos

Vendo uma figueira à beira do caminho, aproximou-Se dela, mas nada encontrou, a não ser folhas. Mateus 21:19

Quando alguma coisa não funciona, o que você faz? Conserta, vende, joga fora, xinga? Uma árvore que não dá fruto está cumprindo seu propósito? Está fazendo muita ou pouca sombra? Está apenas ocupando espaço? E qual é o destino da árvore que não dá fruto? Cortar, podar ou renovar?

Jesus estava voltando para a Vila de Betânia bem cedo e ainda não tinha tomado o desjejum. No meio do caminho, uma figueira Lhe chamou a atenção. A folhagem densa levantou expectativas. Jesus Se antecipou pensando num gostoso desjejum, com figos adocicados típicos do Oriente. Uma árvore com tantas folhas assim também devia estar cheia de frutos, mas… nada havia!

Tudo aquilo que viam eram apenas folhas vistosas. Havia a promessa de frutos, mas era um símbolo de contraste entre profissão e prática, entre pretensão e realidade, aparência e substância. Quando é que a experiência religiosa tem mais forma do que conteúdo e mais folhas do que frutos?

O pastor Malcolm Allen salientava a importância de dar aos jovens bom alimento espiritual. Chamava a atenção da liderança jovem para os eventos do departamento, atrativos e cheios de luzes, mas sem elementos espirituais. Dizia ele: “Convidamos os jovens e desbravadores para os nossos eventos, jogamos os flocos de milho nutritivos fora e oferecemos para eles apenas a caixa colorida.” Tornou-se um grande desafio fazer com que os eventos jovens se tornassem uma fonte de inspiração como são hoje.

Quando as pessoas olham para nossa experiência cristã, veem folhas ou frutos? Como você se avalia em relação ao fruto do Espírito? Há evidências em nossa vida de que somos cristãos nascidos de novo? Ao Jesus examinar nossa vida hoje, que frutos Ele vai encontrar?

O segredo para produzir frutos é estar ligados a Cristo. Não somos nós mesmos que os produzimos, mas nossa ligação com Ele vai tornar isso possível. “Permaneçam em Mim, e Eu permanecerei em vocês. Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em Mim. Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em Mim e Eu nele, esse dará muito fruto; pois sem Mim vocês não podem fazer coisa alguma” (Jo 15:4, 5).


11 de agostoQuinta

Graça no Falar

O Senhor Deus me deu uma língua treinada para que eu saiba como responder uma palavra no tempo certo, para aquele que está cansado. Isaías 50:4, NKJV

Saber falar a palavra certa (e da maneira certa) ao corrigir uma pessoa é um dos maiores dons que Deus concedeu aos homens. No livro de Provérbios, Salomão, contrastando aspectos positivos e negativos da nossa maneira de falar, refere-se à importância das palavras e de responder de maneira certa:

“Quem fala com equilíbrio promove a instrução” (Pv 16:21). “Dar resposta apropriada é motivo de alegria; e como é bom um conselho na hora certa!” (Pv 15:23). “A palavra proferida no tempo certo é como frutas de ouro incrustadas numa escultura de prata” (Pv 25:11). “Palavras matam, palavras dão vida; elas são fruto ou veneno – você escolhe!” (Pv 18:21, The Message). “O falar amável é árvore de vida” (Pv 15:4).

Lançando uma imagem prévia do Messias, o profeta Isaías diz que Ele receberia língua educada, sábia, na medida, para que soubesse como animar e encorajar no tempo certo ao que está cansado. Como aquilo que falamos e nossa maneira de falar influenciam aqueles que nos rodeiam, essa é uma qualidade importante no relacionamento com as pessoas.

O rabino Joseph Teluskin, autor de Palavras que Ferem, Palavras que Curam, pergunta muitas vezes aos que assistem a suas palestras se eles conseguem passar 24 horas sem falar uma palavra negativa sobre alguém ou sobre alguma coisa. Aqueles que respondem não, recebem seu recadinho. Ele diz: “Se você não pode ficar 24 horas sem bebida, isso demonstra que você é viciado em bebida. Se você não pode ficar 24 horas sem fumar, isso indica que você é viciado em nicotina. Se você não pode se controlar 24 horas sem falar de alguém ou criticar alguma coisa, você já perdeu o controle da sua língua.”

Devemos orar: “Senhor, se hoje em meu caminho eu encontrar alguém que precisa de ânimo, dá-me as palavras certas para encorajá-lo!”
A graça fluía dos lábios de Jesus. “Sabia ‘dizer a seu tempo uma boa palavra ao que está cansado’ (Is 50:4); pois nos lábios Lhe era derramada a graça, a fim de que transmitisse aos homens, pela mais atrativa maneira, os tesouros da verdade” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 254).


12 de agostoSexta

Não Há Outro Nome

Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do Céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos. Atos 4:12

Quais são os nomes mais comuns agora entre meninos e meninas? Ana, Mateus, Mariana, Julia, Rafael, Filipe e Gabriela? Como era difícil pronunciar um nome como o do filho do profeta Isaías: Meher-Shalal-Hash-Baz. Porém, é possível que, para simplificar, a mãe dele o chamasse: “Mehe, venha aqui.” Da mesma forma que reduzimos o nome de muitas pessoas, creio que o nome desse menino também merecia uma redução.

Há outros nomes que pintam facilmente um cenário diante de nós quando os pronunciamos: Madre Teresa de Calcutá, Saddam Hussein, Billy Graham, Buda, Napoleão, etc.

Quando você menciona nomes de destaque em várias áreas, é possível encontrar nomes diferentes na mesma área. Michael Jordan e Kobe Bryant, no basquetebol. Sócrates e Platão, na filosofia. Beethoven, Mozart, Bach, na música. Carlos Drummond de Andrade e Machado de Assis, na literatura. Em qualquer esfera da atividade humana sempre encontraremos um que seja tão bom ou melhor do que o outro. Mas, quando entramos na esfera da salvação, um nome é prontamente indicado. É o nome que está tanto no primeiro quanto no último verso do Novo Testamento: “Seu nome será Jesus porque Ele salvará o Seu povo dos seus pecados.”

Devemos chamar o nome de Jesus quando a tentação vem, quando a enfermidade está presente e quando a morte bate à porta (mas não apenas nessas situações, evidentemente). Quando pronunciamos o nome de Jesus, o medo desaparece e as feridas são curadas. Em Seu nome os demônios são expulsos. Curamos, oramos e batizamos em nome de Jesus.

O nome de Jesus tem poder para desfazer as obras do inimigo. Quando Pedro e João foram ao templo e se depararam com um paraplégico que mendigava, disseram-lhe: “Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho, isto lhe dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, ande” (At 3:6).

O que mais está disponível para nós no nome de Jesus?


13 de agostoSábado

Perdoar a Si Mesmo

Quando nosso coração nos faz sentir culpados, ainda assim podemos ter paz diante de Deus. Ele é maior do que nosso coração e sabe todas as coisas. 1 João 3:20, New Century Version

Compreendemos o perdão de Deus; chegamos até mesmo a perdoar os outros; mas, quando se trata de perdoar a nós mesmos, somos como aquele credor da parábola: rigorosos e austeros com nós mesmos. Tornamo-nos nosso próprio juiz e nos sentenciamos de maneira inflexível.

É como naquelas histórias em que aparecem monstros que estão hibernando e, quando menos se espera, despertam e saem destruindo tudo o que encontram pela frente. Eles se assemelham mais ou menos a esses sentimentos de culpa por alguma coisa que fizemos e da qual ainda não nos perdoamos. Quando menos esperamos, o “monstro” desperta e aparece para ameaçar nossa paz e tirar nossa alegria.

Pergunte a psicólogos, pastores, capelães de penitenciárias: Qual é o grande fardo que as pessoas levam? Isso mesmo: não conseguem se esquecer do mal que fizeram.

Será que temos coragem de olhar para o passado, chamar o pecado pelo nome, sem querer nos inocentar do que fizemos? Temos a dolorosa convicção de que Deus esperava outra coisa de nós? Ao ficar frente a frente com aquilo que fez, você está pronto para pedir perdão e perdoar a si mesmo?

Se insistirmos em não perdoar a nós mesmos, estaremos demonstrando acreditar que o poder dos nossos pecados é maior do que o poder de Deus. Que a morte de Jesus e Sua expiação não foram suficientes para nós. Que Ele não pode fazer tudo. Que necessita da minha ajuda.

De que pecado ou erro você ainda não foi capaz de se perdoar? Por que não se entregar à graça de Deus e permitir que Ele o libere desse peso, e dizer: “Senhor, ajuda-me a aceitar Tua graça”? Nossa convicção deve ser: “Deus me perdoou e pela Sua graça eu também me perdoo.”

Hoje você pode orar: “Senhor, me disseste que estou totalmente perdoado, e hoje eu admito que nunca me perdoei por __________________ (mencione o pecado que está sempre voltando à sua mente). Agora mesmo eu escolho não apenas crer no que disseste, mas também perdoar a mim mesmo. De uma vez por todas, quero me sentir livre deste fardo.”


14 de agostoDomingo

O Que Faz de um Pai um Grande Pai

Vamos fazer uma festa e alegrar-nos. Pois este meu filho estava morto e voltou à vida. Lucas 15:23, 24

Hoje é o Dia dos Pais, que inclui nossos avôs, tios e amigos. É o dia no qual mais se fazem ligações a cobrar no mundo!

Pela sua própria índole, o grau e a forma como os pais demonstram afetividade aos filhos são diferentes daqueles demonstrados pelas mães. É opinião corrente que o homem nunca perde tempo pedindo informações e suas chamadas telefônicas não passam de trinta segundos. Mesmo que os filhos não tenham tudo o que desejam, devem saber que os pais procuram dar o melhor de seu tempo, o melhor de sua atenção para eles.

Para mostrar o que faz de um pai um grande pai, a Bíblia narra a história de um pai generoso. E o filho, que era pródigo, que ideia tinha do pai? A Bíblia deixa claro que, quando voltou a si, o jovem se lembrava de casa. Crescer num lar em que os pais não gritam com os filhos; em que, depois de uma conversa, ninguém se levanta e bate a porta, sem dúvida, ajuda na formação do caráter.

O pródigo se lembrou também de que seu pai era justo ao tratar com os empregados. Dava aos trabalhadores aquilo que eles mereciam. Não passava por sua mente: “É preferível ficar por aqui pela maneira de meu pai humilhar seus empregados.” O pai era um exemplo de justiça e de lealdade que ele podia imitar em qualquer momento.

Rápido em mostrar perdão, o pai fez o que era incomum naquele tempo. Normalmente, o pai esperaria que o filho se dirigisse a ele com alguma demonstração de respeito. Mas o pai não esperou! Correu em direção ao filho e o abraçou! O filho começou a confissão, mas o pai nem deixou que ele continuasse. Mandou que os empregados trouxessem o melhor traje. Perdoou-o imediatamente e não deixou nada pendente.

A imagem que temos do homem é de que ele é vagaroso para perdoar e rápido para ficar com raiva. Passamos a ideia de que homem não chora, como se não tivesse sentimento ou não se incomodasse com coisa alguma.

Precisamos lidar com os filhos como Deus lida conosco. Vamos perdoá-los totalmente, sem que fiquem esperando. A porta sempre aberta recebeu o filho pródigo. Houve abraço, houve celebração.

Mesmo que tenha que fazer uma chamada a cobrar, não deixe de agradecer hoje ao seu pai pelo carinho e força que ele lhe deu.


15 de agostoSegunda

A Cura do Paralítico

Que é mais fácil dizer ao paralítico: Os seus pecados estão perdoados, ou: Levante-se, pegue a sua maca e ande? Marcos 2:9

Era uma cena potencialmente desanimadora: quatro homens levando um paralítico numa padiola. Eram amigos dele. Tinham muita pena, pois havia anos ele estava naquela situação. Ao saberem da fama que se espalhava sobre os milagres de Jesus, disseram: “Nosso amigo precisa ver Jesus. Ele precisa de um milagre. Temos que promover um encontro entre os dois.”

Mas toda aquela euforia e disposição deram de frente com um desafio quando chegaram à casa de Pedro (cf. O Desejado de Todas as Nações, p. 267, 268). Gente apinhada nas portas, crianças nas janelas, pessoas por todo lado. Não havia nenhuma indicação de fila especial para portadores de deficiência. Ao pedirem licença, as pessoas que não queriam perder nenhum lance e desejavam escutar cada palavra de Jesus se uniram mais ombro a ombro. Faziam-se de surdas. Porém, o amor sempre encontra um caminho. E esse não era um grupo que por qualquer razão procura desculpa a fim de escapar de um compromisso. Eram persistentes e insistentes, e tiveram uma ideia ousada: “Vamos colocar nosso amigo frente a frente com Jesus. Vamos descê-lo pelo teto!”

Pontos a favor: não havia ninguém no caminho para o teto; seria bem mais rápido; tinham cordas para amarrar a maca.

Pontos contra: “Ninguém fez isso antes; eles vão nos expulsar.”

E o paralítico, a princípio com um misto de medo e apreensão, encontra-se agora diante de Jesus. O Mestre, olhando mais para o interior do homem, disse: “Os seus pecados estão perdoados.”

Esse era seu maior fardo. Era o elemento paralisante que o prendia. Sabia que ele mesmo era culpado por estar naquela situação. Sua reação foi imediata: “É disso mesmo que estou precisando.” Foi à presença de Jesus para uma coisa e recebeu outra melhor. É sempre assim quando vamos a Jesus em dependência e necessidade.

Quando Jesus disse “Toma o teu leito e anda”, ele começou a sentir que seus músculos, até então entravados, começaram a reagir. Sentiu elasticidade nas veias. Podia se levantar. Podia voltar a ser o que sempre sonhara. Ele entrou carregado na maca que o acompanhava havia anos, mas saiu ele mesmo carregando a maca – e com os pecados perdoados.

Hoje, a graça de Cristo é suficiente para fazê-lo voltar a andar e para tirar o fardo pesado do pecado que eventualmente você esteja carregando.


16 de agostoTerça

O Dia do Aplauso e do Lamento

Quando Se aproximou e viu a cidade, Jesus chorou sobre ela. Lucas 19:41

Qualquer outro desfile é esquecido, mas este é lembrado ano após ano, século após século. É a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Durante Seu ministério, Ele sempre evitava chamar atenção. Dizia às pessoas que curava que não contassem o milagre para ninguém. E sempre andava a pé com Seus discípulos. Mas naquele momento todos se surpreenderam, quando Jesus pediu um burrinho para montar. Generais e reis usavam cavalo somente quando iam para a guerra. Mas, quando um rei ou general vinha trazendo paz, montava um burrinho. E Jesus escolheu um que ainda não tinha sido usado.

O cortejo começou em Betânia, e à medida que se aproximava de Jerusalém, a adesão era cada vez maior. O aplauso e o vozerio eram cada vez mais crescentes.

O livro O Desejado de Todas as Nações diz que esse cortejo era diferente daqueles feitos pelos conquistadores. Os troféus que Jesus exibia eram os endemoniados a quem Ele tinha libertado e os cegos, coxos, surdos e mudos a quem Ele havia curado. As crianças a quem Ele havia dado atenção estavam ali, agitando palmas. Estavam ali também naquela multidão as viúvas e órfãos a quem Jesus ajudara; os leprosos a quem o Mestre tinha curado e aqueles a quem Ele tinha ressuscitado – e Lázaro era quem conduzia o animal. Todos cantavam sua libertação, a pessoa diferente que eram agora e a oportunidade de novo começo.

Mas, por um momento, Jesus deteve a procissão; Ele estava chorando. Devia ser um motivo muito forte para mudança tão brusca no clima emocional.

Jesus chorava sobre Jerusalém como uma cidade de oportunidade perdida e por não ter aceitado quem Ele era. Viu no futuro a cidade em chamas, e ouviu os gritos e o clamor de mulheres e crianças que morreriam ali. Chorava por aqueles que O rejeitaram. Quantas vezes Ele tinha explicado Sua missão, mas eles não entenderam. Até mesmo os discípulos tinham cada um sua agenda.

Jerusalém, você teve tantas oportunidades! Bênçãos, convites, ensinamentos, milagres. Mas todos foram recebidos com indiferença. Ele disse para Jerusalém: “Quantas vezes Eu quis […], mas vocês não quiseram” (Mt 23:37).

Que pena! Não esqueça os convites que Deus faz!


17 de agostoQuarta

Quando a Morte se Choca com a Vida

Jesus disse: “Jovem, eu lhe digo, levante-se!” Lucas 7:14

Duas multidões. Dois grupos indo em direções opostas. Duas procissões contrastantes. De um lado, uma multidão vibrante que havia presenciado alguns milagres de Jesus e O acompanhavam. Era como se estivessem em plena primavera. Do outro, o cortejo fúnebre do jovem filho único de uma viúva. Não sabemos o nome dele, sua idade, nem o motivo da morte. Pela quantidade de pessoas que acompanhavam o cortejo, tanto o filho como a viúva deviam ser pessoas apreciadas em Naim.

O natural seria que a multidão que ia com Jesus se colocasse ao lado para que o cortejo fúnebre passasse. O que a multidão triste não sabia é que estava se aproximando do Doador da vida. Tenho certeza de que se eles soubessem que era Jesus que estava à frente do outro grupo, teriam enviado um recado para Ele. Mas não há nenhum registro de que nem mesmo dos lábios da mãe, que estava à frente do esquife, tenha saído algum pedido. O único apelo era o do coração de mãe. Assim, Jesus tomou a iniciativa de ir ao encontro dela e disse: “Não chore pelo seu filho. Vou trazê-lo de volta à vida.” Isso mostra que mesmo diante de dor incrível, Jesus tem a solução. Era o coração dEle mostrando simpatia e compaixão pela mãe que tinha perdido o filho único.

Jesus Se sente atraído por aqueles que estão tristes e com o coração quebrantado. Ele conhece nossa dor, nossas necessidades, nosso desamparo; e ninguém está mais disposto a nos ajudar quando estamos em problemas do que Jesus.

Jesus falou seis palavras que mudaram a situação: “Jovem, eu lhe digo, levante-se!” (Lc 7:14). Naquele momento, estava se cumprindo Sua palavra: “Aquele que crê em Mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em Mim, não morrerá eternamente” (Jo 11:25, 26).
Depois de Jesus o haver ressuscitado, sua feição estava corada, cheia de vida. Mãe e filho se uniram num abraço. Foi um momento de graça para ambos. “A procissão fúnebre volveu a Naim como um cortejo triunfal. […] Sua palavra [de Jesus], que chama os mortos à vida, não é de maneira nenhuma hoje menos eficaz do que ao dirigir-se ao jovem de Naim. […] Esse poder não diminui pelo espaço dos anos, nem se esgota pela incessante atividade de Sua excessiva graça. A todos quantos creem, continua a ser um Salvador vivo” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 319).


18 de agostoQuinta

A Última Bem-aventurança

Bem aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras no sangue do Cordeiro. Apocalipse 22:14 ARA

Há um pessoal que dificilmente você vai encontrar com roupa limpa durante seu período de trabalho: mecânicos, tratoristas, limpadores de chaminé e aqueles que trabalham em minas de carvão. Além de as roupas ficarem visivelmente sujas na hora de lavar, precisam de um solvente especial para tirar as manchas de graxa, de tisne ou de barro.

Era um encontro de fim de semana no interior de Santa Catarina com líderes de desbravadores do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Nas atividades do sábado à noite estavam a tirolesa, caminhada, um pequeno trecho de descida num riacho e passar entre dois tonéis com fogo.

Como tinha chovido na hora da descida no riacho, sabendo que o seu leito tinha um misto de barro e lama, quis ser o segundo da fila para não pegar tanto refluxo da subida de lama e folhas enquanto andava. Na minha frente estava um líder de desbravadores baixinho. Um Zaqueuzinho. Enquanto a água estava para ele quase nos ombros, para mim estava um pouco acima da cintura.

Depois das atividades, a camiseta tinha perdido sua cor original, e fiquei meia hora debaixo do chuveiro tomando banho com o jeans para tirar o barro que tinha se impregnado nela. Posso dizer que uma das melhores coisas que pode acontecer conosco é desfazer-nos de uma roupa barbaramente suja que trazemos em nosso corpo e tomar um bom banho.

A mudança de vestes na Bíblia é usada várias vezes como ilustração de mudança de vida e de uma nova experiência. Do sumo sacerdote Josué, o anjo disse: “Tirem as roupas impuras dele.” E depois disse para o próprio Josué: “Veja, eu […] coloquei vestes nobres sobre você” (Zc 3:4). A mesma coisa o pai fez com o pródigo que chegou com a roupa cheirando a guardador de porcos. O pai falou: “Tragam a melhor roupa e vistam nele” (Lc 15:22). E no livro de Apocalipse quando um dos anciãos pergunta: “Quem são estes que estão vestidos de branco?” A resposta foi: “Estes são os que […] lavaram as sua vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro” (Ap 7:13, 14).

Elas não nos fazem puros, mas são um emblema da pureza que nos vêm através de Jesus. Ao andarem de branco no Céu, significa uma permanente lembrança de que fomos justificados pela fé.

“Regozija-se a minha alma em meu Deus! Pois Ele me vestiu com as vestes da salvação e sobre mim pôs o manto de justiça” (Is 61:10).


19 de agostoSexta

Persistência na Oração

Jesus contou aos Seus discípulos uma parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Lucas 18:1

Quantas vezes você seria capaz de tocar a campainha até ser atendido? Você chama pelo telefone até a linha cair? Insiste se a linha estiver ocupada? Não gostamos de insistir. Queremos nos valer de posição social ou de relacionamentos para ter nossos pedidos atendidos prontamente. Queremos ser clientes preferenciais em todos os lugares, sem filas ou esperas, e que nossos pedidos sejam atendidos no tempo e da maneira como desejamos.

Por outro lado, não gostamos que insistam conosco. Você e eu certamente conhecemos pessoas que chegam a ser inoportunas quando querem alguma coisa de nós. Insistem além da conta, chamam pelo telefone a toda hora – e fora de hora. Quando menos você espera, recebe o aviso de que alguém o aguarda. “Ah! Não é possível! De novo? Por favor!” É aquele tipo de pessoas que você atende de pé e com a porta aberta.

A viúva dessa parábola era insistente. Ela não ficou preocupada, esfregando as mãos. Pensou: “Não tenho outra opção. Ele é a pessoa para solucionar meu problema. Já sei, vou insistir e persistir.” E foi o que ela fez. Incomodou até que finalmente conseguiu. Não pela bondade do coração do juiz, mas pela insistência.

A lição que Jesus queria ensinar era de contraste. Se alguém conseguiu resposta de um juiz insensível, com muito mais razão podemos perguntar: “Deus não vai me atender?”

Em seu livro Oração, Phillip Yancey menciona as palavras do escritor e pai Jerry Sittser: “Ao longo dos anos, meus filhos têm me pedido muitas coisas: CD players, bicicletas, barcos, carros, casas, férias exóticas […] tudo o que se possa imaginar. Não lhes dou atenção na maior parte das vezes. Meu coração endurece a cada pedido. Meus ouvidos, no entanto, ficam aguçados quando persistem, porque em geral a persistência indica seriedade no assunto” (Oração, p. 180).

A persistência deve então ser vista como sinal de um pedido genuíno.

É bom saber que não temos um Deus relutante, mesquinho para nos atender; que pede que nos arrastemos e fiquemos rastejando no pó, para ser convencido de nos dar algo. Temos um Pai desejoso de nos socorrer, ajudar, proteger. “Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai de vocês, que está nos Céus, dará coisas boas aos que Lhe pedirem!” (Mt 7:11).


20 de agostoSábado

Unidade e Diversidade

Vocês são o corpo de Cristo, e cada um de vocês, individualmente, é membro desse corpo. 1 Coríntios 12:27

Este anúncio estava exposto na frente de uma igreja: “Garantia de sermões de trinta minutos, ou você está liberado de assistir o próximo sermão. Você escolhe somente oito mandamentos. Bancos reclináveis com encosto para a cabeça. A oferta é retirada no fim, seguida de suco de abacaxi com hortelã.” A quem queriam alcançar e qual era o objetivo desse anúncio, também não sabemos.

Usando criatividade, se você tivesse que fazer o marketing da igreja por meio de uma frase cativante, que levasse qualquer pessoa que a lesse a dizer: “Tenho que conhecer essa igreja”, que aspecto salientaria? Volta de Jesus, ação comunitária, carinho e calor humano, compreensão das profecias, a mensagem especial sobre nossa saúde, ou o quê?

A Bíblia tem dezenas de imagens para explicar o que é uma igreja. Encontramos figuras como arca, farol, rede, exército, família, noiva, etc. Cada uma salienta diferentes aspectos das atividades da igreja.

Uma imagem rica é a que compara a igreja ao corpo. Um corpo forte e saudável se caracteriza, em primeiro lugar, pela unidade. A Bíblia menciona, de maneira enfática, a importância da unidade na igreja. Não devemos pensar que unidade é uniformidade ou homogeneidade: “creia como eu creio”; “pense como eu penso”; “faça como eu faço”. Mesmo que existam diferenças de pensamento entre as gerações, conflitos teológicos e o desafio de um rápido crescimento que ameace sua unidade, a igreja superará esses desafios e permanecerá forte e unida.

Assim, lá no extremo norte, na Noruega, bem como em Ushuaya, extremidade oposta, no sul da Argentina, temos os mesmos princípios e alimentamos a mesma esperança da volta de Jesus. “Unidade na diversidade é um princípio que permeia toda a criação” (Comentário Bíblico Adventista, v. 5, p. 1.164).

Em segundo lugar, vem a diversidade. Temos culturas, línguas e dietas diferentes. Toleramos e respeitamos a diversidade. Será que não podemos avançar um degrau acima e celebrar também nossas diferenças e nossa diversidade?

Finalmente, vem a vitalidade. O que precisamos para ter uma igreja mais viva, alegre e dinâmica? Culto mais participativo? Clima de aceitação e carinho? Multiplicidade de ministérios? Mais jovens participando?

O convite é para que, onde você estiver, em qualquer lugar, num grupo grande ou pequeno, mostre que está vivamente ligado ao corpo de Cristo e ao povo de Deus.


21 de agostoDomingo

A Alegria de Ser Encontrado

Todos nós, tal qual ovelhas, nos desviamos, cada um de nós se voltou para o seu próprio caminho. Isaías 53:6

A ovelha não tem o instinto do boi, do cachorro, do gato ou do pássaro, de voltar no fim do dia para casa. É um animal tímido, frágil, que se assusta facilmente. Ela não tem mecanismos e recursos de defesa como outros animais, que têm garras, dentes, espinhos, carapaça, nem correm bastante para fugir do predador. Elas não são espertas e ágeis como outros animais. Você já viu alguma apresentação circense com ovelhas? Elas têm a tendência de se desgarrar, perdem-se com facilidade, percebem que estão perdidas, mas não sabem como voltar ao rebanho.

Existe no pecado a tendência de nos afastar, de nos levar ao esconderijo, de aproveitar o anonimato e viver como fugitivos. De respondermos à insinuação curiosa dizendo: “Deixa ver como é”; “É só desta vez”; “Eu sei aonde estou indo”; “Eu não vou ficar lá”. E nesse afastamento muitos de nós vamos parar no fundo do poço ou à beira do abismo. Ou ficamos enroscados, presos, atolados na lama. E por nós mesmos nunca vamos sair de onde nos metemos.

A procura começa por iniciativa de Deus, e quando Ele busca, nos encontra. Foi assim com a ovelha, com a moeda, com a samaritana, com Saulo de Tarso e com Adão. É Ele quem Se movimenta em nossa direção.

Você se sente perdido agora? Aceite a ajuda do Pastor. Não interessa se está longe ou no mais profundo abismo, Ele pode tirá-lo de lá. Pare de correr, se esconder, se machucar e se martirizar, querendo se convencer, orgulhosamente, de que pode encontrar o caminho de volta sozinho. Deus quer ser nosso pastor e nos trazer de volta ao redil.

Quando o pastor encontra a ovelha, volta de maneira triunfante. Seus melhores sentimentos e suas melhores intenções foram recompensados. “Ele [viu] o fruto do penoso trabalho de Sua alma e [ficou] satisfeito” (Is 53:11, ARA).

“Eu já fui ovelha errante, do pastor eu me afastei, / Quis seguir os meus caminhos e do aprisco me ausentei […] / De repente, ouvi ao longe uma voz tão familiar, / Era o meu pastor chamando, quase rouco de gritar. / Me avistou lá no penhasco e correu pra me alcançar, / Estendeu o seu cajado, conseguiu me resgatar” (“Ovelha Errante”, Jader Santos).


22 de agostoSegunda

Entre na Corrida e Corra Para Vencer

Corram de tal maneira que ganhem o prêmio. 1 Coríntios 9:24, NTLH

O conselho de Paulo é “corra para vencer”. Deixe de lado essa ideia juvenil de que “o importante é participar e não competir”. Nenhum atleta por si mesmo vai às olimpíadas só pelo pensamento de participar. Eles vão para ganhar. Não é um jogo entre bancários. Não é um amistoso em dia de chuva. O que domina é a determinação e a vontade de vencer.

Além de falar nessa vontade, ele mostra como devemos nos preparar. Para vencer, não apenas no esporte, mas nos negócios, no trabalho e na escola, precisamos de atitudes corretas.

Pensei comigo: O que pode motivar um corredor de maratonas a treinar? O que ele espera ao chegar o dia da corrida? Naturalmente, que os preparativos o ajudem a correr todo o trajeto e vencer.

Há, por exemplo, um plano de vinte semanas de treinamento para aqueles que querem correr uma maratona. Na primeira semana, você corre sete quilômetros na terça-feira, dez na quarta, sete na quinta, dez na sexta, cinco no sábado e dezesseis no domingo. Apenas a segunda-feira é livre. O número de quilômetros vai aumentando a cada dia, até que na semana de número 17, ele estará correndo 42 quilômetros no domingo. Mas para isso é necessário determinação, ânimo e paciência.

Estamos vivendo a vida cristã com a mesma mentalidade de um atleta, com os olhos postos na fita de chegada?

O prêmio que o vencedor da corrida recebia era uma coroa de louros, que depois de poucos dias estava murcha. O nome do vencedor era cantado pelos poetas; ele tinha uma cadeira cativa no estádio; ficava isento de pagar impostos e do serviço militar; e, de volta à sua cidade, era recebido numa carruagem.

Paulo gostava de usar a imagem de um atleta. No fim da vida, ele faz eco a 1 Coríntios 9:24-27: “Eu completei a corrida. Completei com lealdade e guardei a promessa e o voto solene de atleta, de colocar todo o meu esforço” (cf. 2Tm 4:7). A imagem vai além, quando ele fala na entrada triunfal, ocasião em que todos os competidores serão honrados publicamente e receberão a coroa.

“Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. Agora me está reservada a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amam a Sua vinda” (2Tm 4:7, 8).


23 de agostoTerça

Fazendo o Revezamento

Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Deuteronômio 6:6, 7

Nos Jogos Olímpicos de Atenas, a equipe feminina norte-americana de revezamento tinha sido classificada para a competição com o melhor tempo. Entre as quatro atletas, estava Marian Jones, que tinha ganhado quatro medalhas na olimpíada anterior, em Sidney.

A corrida de revezamento tem sua estratégia. Nela, o primeiro e o último corredores são os mais importantes. Há um tempo certo e um espaço certo em que o bastão deve ser entregue para quem vai correr depois. Um bom treinador vai dizer que a corrida é ganha ou perdida naquele momento. Qualquer hesitação ou erro de cálculo naquela hora significa derrota.

Marian Jones seria a segunda a correr e passaria o bastão para Lauryn Williams, que ia correr o terceiro trajeto. Lauryn começou a correr enquanto Jones se aproximava, estendeu o braço para trás para receber o bastão, mas a entrega não se completava. Três vezes Marian Jones estendeu o bastão para frente. Finalmente, na quarta tentativa, ela completou a entrega, mas já haviam ultrapassado o trecho permitido para entregar o bastão e foram desclassificadas.

Pais, professores e líderes de jovens que estão na responsabilidade de transmitir valores às gerações futuras estão preocupados com essa transferência de valores. Quanto mais adequado for o relacionamento entre pais e filhos e quanto mais amigável for o relacionamento entre professores e alunos, melhor será para que os valores continuem sendo transmitidos. O conselho de Moisés é sábio: procure o lugar e a hora que sejam mais apropriados, em cada oportunidade e repetidamente. “Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar. Amarre-as como um sinal nos braços e prenda-os na testa” (Dt 6:7, 8).

Sabedor dos valores que o mundo adota, eu ficaria muito intranquilo e inseguro se permitisse que minhas filhas tomassem suas decisões por si mesmas. “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente” (Rm 12:2).

Depois de entregarmos o bastão, vamos torcer para que completem a corrida.


24 de agostoQuarta

O Segundo Milagre

Jesus respondeu: “Pode ir. O seu filho continuará vivo.” O homem confiou na palavra de Jesus e partiu. João 4:50

Nos corredores de prontos-socorros, ambulatórios e hospitais, naquele clima agitado de angústia e ansiedade, quantos gostariam de ouvir as palavras do médico: “Seu filho vai ficar bom. Ele vai ser curado. Ele não mais corre risco de morte!” No entanto, se o médico disser: “Não posso prometer nada. O quadro não é nada animador. Já fizemos tudo o que estava ao nosso alcance, mas não há reação alguma”, somos tomados de uma sensação de angústia e impotência.

O oficial romano só tinha um pedido, uma só coisa em mente. Era uma questão de vida ou morte. Desesperado, ele disse: “Senhor, preciso que meu filho fique bom.” E Jesus respondeu: “Pode ir. Seu filho continuará vivo.”

Qual foi a reação do homem? “Mas o Senhor não vai comigo? Ele está a 35 quilômetros daqui. Quero alguma coisa concreta, tangível. O Senhor não Se esqueceu de alguma oração, de um ritual?… Não me emprestaria pelo menos um amuleto Seu para eu colocar em cima dele? Ou pode mandar um discípulo comigo?” Nada disso. A Bíblia diz que ele simplesmente acreditou na palavra de Jesus e voltou para casa.

Quem sabe você esteja precisando de um milagre em sua família. A cura do filho ou da filha, ou da esposa ou de seu pai. Quantas vezes você já tomou a palavra de Jesus como verdadeira? Você vai acreditar em suas orações ou em Jesus?

Às vezes, nossa maneira de querer ou esperar a resposta é bem diferente da maneira de Deus responder. Por isso, devemos estar desejosos de aceitar o que quer que Ele responda. Ele tem mais de uma forma de responder nossas orações. “Tendo pedido Suas bênçãos, devemos crer que as recebemos, e dar-Lhe graças porque as temos recebido. Então, vamos ao cumprimento de nossos deveres, certos de que a bênção terá lugar quando mais dela necessitarmos” (O Desejado de Todas as Nações, p. 200).

Que privilegio é o nosso! Nós pedimos, Deus age e o milagre se realiza. Uma combinação poderosa. Ele nos habilita aqui a construir Seu reino.

Ao chegar de volta em casa, o centurião não somente confirmou sua fé em Jesus como Aquele que pode curar, mas também como Aquele que pode salvar. Por fim, ele e sua família aceitaram Jesus Cristo como Salvador pessoal.


25 de agostoQuinta

Devoção e Lealdade

Então aqueles três [chefes do batalhão dos trinta] atravessaram o acampamento filisteu, tiraram água da cisterna e a trouxeram a Davi. 2 Samuel 23:16

Toda vez que leio a narrativa bíblica para essa fase da história de Israel, fico fascinado com a garra e a coragem dos soldados de Davi. Eram guerreiros que vieram dos quatro cantos de Israel. Não eram aprendizes entusiastas, mas soldados experimentados. Dentre os 37 mencionados no capítulo 23 do segundo livro de Samuel, três se sobressaíam. Eram os mais corajosos dentre os corajosos e os mais fortes dentre os fortes. Eles portavam no uniforme medalhas e condecorações conquistadas no campo de batalha. Conheciam a dureza da batalha não por simulação, mas em campo aberto.

O primeiro mencionado é Jabesão, que enfrentou com sua lança 800 homens numa mesma batalha e os venceu. O segundo do trio era Eleazar, que ao lutar desde a manhã até a tarde, agarrou a espada com tanta firmeza que no fim do dia não conseguia abrir a mão. E o terceiro era Samá. Os filisteus queriam a plantação de lentilhas que abastecia o exército de Israel. Samá resistiu sozinho e Israel venceu a batalha.

Porém, no meio das façanhas desses guerreiros há um relato interessante. Os três foram se encontrar com Davi na caverna de Adulão. E num instante de saudade ou nostalgia, Davi pensou alto: “Ah, se eu pudesse beber daquela água do poço de Belém.” Quem já acampou em regiões de calor, depois de beber vários dias água praticamente morna, nos momentos de calor intenso, sente o desejo de se refrescar com água bem fria. E os três, que estavam por perto, disseram: “Você ouviu o que o chefe falou? Ele quer aquela água geladinha que tem próximo ao portão de Belém. Vamos lá!”

Havia dois lugares estratégicos em qualquer cidade: o portão e o poço. Apesar de o local estar cercado pelos filisteus, os guerreiros foram, encheram um “cantil” gigante e fizeram uma surpresa para seu líder. Eles entregaram para Davi o “cantil” como se igualassem o feito às grandes conquistas anteriores. Porém, a reação de Davi espantou os guerreiros.

Ao perceber que eles haviam demonstrado devoção arriscando a vida, Davi considerou aquela água sagrada demais para beber e satisfazer sua sede. Para ele, era como se bebesse o próprio sangue daqueles homens, por isso derramou-a como oferenda ao Senhor.

Há um imenso exército de homens e mulheres dedicados e leais que se sacrificam e querem ver o reino de Deus estabelecido. Você deseja ser um deles?


26 de agostoSexta

Sedento Pela Presença de Deus

Todo o meu ser anseia por Ti, numa terra seca, exausta e sem água. Salmo 63:1

Muitos cristãos exemplares interpretaram uma enfermidade ou um revés na vida como se fosse uma “intimação” da parte de Deus para uma consagração maior e uma lembrança de sua necessidade dEle.

O pregador inglês W. E. Sangster foi acometido de uma enfermidade que o levaria progressivamente a uma atrofia muscular, começando com a garganta, o que o faria perder a voz. Algumas semanas antes de sua morte, por ocasião da Páscoa, ele escreveu para a filha: “É terrível despertar na manhã da Páscoa e não ter voz para gritar: ‘Ele ressuscitou!’ Mas seria ainda mais terrível ter voz e não querer gritar.”

Sangster perdeu a voz e Davi enfrentou fome e sede no deserto. O Salmo 63 é para aqueles que estão passando pelo deserto. Preste atenção ao título: “Salmo de Davi, quando ele estava no deserto de Judá”. Ele confessa que estava sedento, cansado e vazio. Passava por uma experiência no deserto.

Passamos a maior parte do tempo transitando em bonitos campos e ambientes agradáveis, e enfrentamos poucos desertos. O deserto tem muitas formas e configurações. É um lugar de seca e destruição. É um lugar de ansiedade e do desconhecido.

Não é querer dar boas-vindas ao sofrimento, como alguns fazem, mas muitas vezes a frustração, a ansiedade e o sofrimento se tornam experiências que atuam como elementos que nos aproximam de Deus. Às vezes, são experiências passageiras. Outras duram mais tempo e temos que nos apegar a Deus com firmeza entregando o problema a Ele.

Todos nós, como seres humanos, temos anelos, sonhos, fome e sede de algo. Por que não mencionar essas coisas para Deus, sejam grandes ou pequenas, muito importantes ou só de alguma importância? Pior seria diante de tudo não sentir a necessidade de Deus, e então, depois de Deus atender, não surgir nenhum desejo de louvá-Lo e agradecer-Lhe.

Depois da experiência do deserto, Davi foi ao templo: “Aqui estou no lugar de adoração […] bebendo da Tua força e da Tua glória. Estou vivendo enfim em Teu fiel amor. Meus lábios transbordam de louvor. Cada vez que respiro eu Te louvo” (Sl 63:2, 3, The Message)
Aqui está uma forma bonita de orar: levar a Deus seus desejos e lembrá-Lo do quanto necessita dEle.


27 de agostoSábado

Graça e Aceitação

Durante uma refeição na casa de Levi, muitos publicanos e “pecadores” estavam comendo com Jesus. Marcos 2:15

As pessoas frequentam e gravitam em torno dos lugares onde são aceitas. Para um momento de ânimo e até mesmo para relaxar, gostamos de estar com os amigos e grupos onde somos aceitos, onde nos sentimos à vontade e onde não temos medo de ser nós mesmos.

Levi Mateus, ao aceitar o convite de Jesus para ser um de Seus discípulos, quis comemorar esse feito apresentando Jesus aos seus amigos. O melhor que ele sabia fazer era convidar a todos para uma refeição em comum, em sua casa, tendo a Jesus como hóspede de honra. Quem sabe naquele grupo que Marcos chamou de pecadores havia ladrões, adúlteros, moças que tinham cometido aborto, beberrões e usuários de drogas. Não sei que pregador iria se sentir à vontade no meio de um grupo assim. Mas Jesus não Se surpreendeu. Ele reconheceu com que grupo estava e disse: “Eu não vim para chamar justos, mas pecadores” (Mc 2:17).

Naquele que é chamado o sermão mais importante do século 20, o teólogo Paul Tillich definiu graça como “aceitação daquilo que é rejeitado”. Ele diz: “A graça nos atinge quando andamos no vale escuro de uma vida sem significado e vazia… Quando sentimos que a nossa separação é mais profunda do que a habitual… Algumas vezes naquele momento, uma onda de luz invade as trevas como se estivesse dizendo: Você está aceito. Você é aceito por aquilo que é maior do que você e que você não conhece… Não procure nada, não realize nada, não tente nada agora. Simplesmente aceite o fato de que você está aceito! Se isto acontece conosco, experimentamos graça. Depois de tal experiência, talvez não sejamos melhores do que antes… Mas tudo está transformado. Naquele momento a graça conquista o pecado e a reconciliação transpõe o abismo da separação.”

Assim , não temos de persuadir a Deus e nem vencer sua relutância para que nos aceite. Tudo aquilo que precisamos fazer é abraçar a graça de Deus e receber Sua aceitação.

Ele veio e anunciou paz a vocês que estavam longe e paz aos que estavam perto (Ef 2:17).

“Deus aceitará a cada um dos que se chegam a Ele, confiando inteiramente nos méritos de um Salvador crucificado. […] Pode não haver êxtase de sentimentos, mas haverá uma duradoura e pacífica confiança” (ME 1: 354).


28 de agostoDomingo

A Volta do Banido

Deus não tira a vida; ao contrário, cria meios para que o banido não permaneça afastado dEle. 2 Samuel 14:14

Há muitas histórias do Antigo Testamento que nos ajudam a entender melhor como é que atua a graça de Deus. O drama de Davi e Absalão daria excelente roteiro para um filme, e bateria qualquer recorde no número de estatuetas do Oscar. É a narrativa do pai e filho que haviam se afastado um do outro desde que Absalão assassinara seu irmão mais novo, Amnom. Joabe, comandante do exército, percebendo a disposição de Davi para fazer as pazes com seu filho, colocou na agenda do rei a entrevista de uma mulher para que, por meio de uma parábola, convencesse o rei a trazer Absalão de volta ao palácio. Joabe também a instruiu sobre como se vestir e o que devia falar. “Não se desvie do assunto; do contrário, não vamos conseguir convencer o rei.”

Conseguir um espaço na agenda de uma autoridade não é fácil. Eu me lembro no tempo de colportagem quando algumas vezes surgia a oportunidade de falar com uma autoridade. São pessoas que nunca estão sozinhas na sala e nunca atendem na hora. Estão sempre acompanhadas de assessores, da secretária e de um oficial militar.

Na hora da entrevista de Davi com a mulher, Joabe provavelmente tivesse ficado a uma distância em que pudesse escutar cada palavra dita para ver se seu plano estava dando certo. Foram cinco as intervenções da mulher e a pressa de Davi em despachá-la ficou clara, quando respondeu: “Já anotei… vou tomar as providências. Fique tranquila, pode deixar.” Davi se levantou e se dirigiu para a porta, mas a mulher se sentia frustrada por não ter conseguido o que planejara.

Finalmente, aconteceu a parte mais impressionante da conversa. Naquele momento, ela revelou um entendimento do evangelho que poucos em sua época tinham. Mostrou a atitude de Deus em relação ao pecador. Demonstrou que conhecia muito sobre a graça de Deus. Conhecia até onde Deus vai para trazer de volta pecadores culpados, e colocou em suas palavras uma moldura para a graça de Deus: “Deus não tira a vida, ao contrário, cria meios para que o banido não permaneça afastado dEle.”

Será que podemos criar meios, aplainar o caminho, restabelecer relacionamentos, facilitar a volta dos desterrados e daqueles que se afastaram? Sem pendências…

Houve um breve momento de silêncio. Percebendo que Joabe estava por trás de tudo, Davi o chamou e disse: “Muito bem, […] traga de volta o jovem Absalão” (v. 21).

Houve reconciliação. O estranhamento terminou. A graça triunfou!


29 de agostoSegunda

Muitas Escolhas

Eu lhes dou a oportunidade de escolherem entre a vida e a morte, entre a vida e a maldição. Escolham a vida. Deuteronômio 30:19, NTLH

Exercer a liberdade de opinião, de selecionar, de mostrar preferência, requer maturidade, calma e sabedoria, porque quando dizemos “sim” para uma coisa, estamos dizendo “não” para centenas de outras. A liberdade de escolha foi uma das grandes dádivas que Deus concedeu ao ser humano. Mesmo conhecendo as implicações disso, Ele preferiu correr o risco a ter um exército de robôs. Mesmo que alguns tenham feito escolhas desastrosas, Ele ainda continua nos dando essa liberdade de decisão.

Quando há muitos fatores e possibilidades conflitantes e as escolhas terão impacto sobre nosso amanhã, nosso futuro, gostaríamos de saber qual é o melhor caminho para chegar o mais perto possível da melhor escolha.

Muita gente é impetuosa e não quer passar por esse processo de pesar e medir as consequências.

Não existem passos nem regras que, se seguidos, nos levarão invariavelmente a acertar o alvo. Mas podemos nos valer de alguns elementos para diminuir a margem de erro:

1. Lembre-se da Bíblia como fonte de orientação. Pergunte-se: “Há algum texto bíblico que lança luz sobre a escolha que quero fazer? Alguma promessa específica de Deus?”

2. Converse com um amigo ou conselheiro cristão, alguém que esteja do lado de fora do processo, que com isenção de ânimo ou opinião possa lhe dizer com lealdade o que é melhor. Quem sabe ele já enfrentou a mesma situação e possa lhe ajudar.

3. Nesse processo, não minta para si mesmo. Pergunte-se: “O que estou querendo? Impressionar alguém com essa escolha (meus superiores, ou colegas de trabalho, parentes, professores)? Esse é o sonho da minha vida?”

4. Ore a Deus para que lhe dê sabedoria e discernimento para a melhor escolha.

5. Considere os prós e os contras de cada opção. Quais serão as consequências a curto e a longo prazo? Quem vai ser afetado pela sua decisão?

O dia de hoje poderá terminar com débito ou crédito em sua conta de investimentos futuros, dependendo de suas escolhas. Deus estará torcendo e desejando que você acerte em suas escolhas.

A promessa é: “Quer você se volte para a direita quer para a esquerda, uma voz atrás de você lhe dirá: ‘Este é o caminho; siga-o’” (Is 30:21).


30 de agostoTerça

Subindo o Monte com Moisés

Você verá a terra somente a distância, mas não entrará na terra que estou dando ao povo de Israel. Deuteronômio 32:52

Ali estava um grande líder, um gigante espiritual, o homem escolhido por Deus para libertar Seu povo do cativeiro. Havia recebido os dez mandamentos da lei de Deus e escrevera mais do que qualquer outro escritor bíblico que o sucedeu.

Naquele dia ele se levantou mais cedo do que de costume. Antes de o sol nascer. Era seu último dia na Terra com um povo que ele amava e com o qual tinha sofrido.

Mas ainda tinha providências a ser tomadas, coisas a ser colocadas em ordem e palavras finais a dizer para a nova geração.

Israel teria um novo começo naquela terra que manava leite e mel. E se alguém tinha direito a esse novo começo era Moisés. Viver na Terra Prometida tinha sido sua motivação por todo o caminho, desde que deixara o Egito. Ele deve ter implorado a Deus: “Senhor, por favor, deixe-me entrar. Eu sofri com esse povo e sonhei com este momento. Estou só a poucos dias da realização completa. Por quê?”

Despedidas são momentos difíceis tanto para quem sai como para quem fica. Os pastores que ficam de cinco a seis anos numa igreja sabem disso. A vida dos membros começa a fazer parte da sua vida, como a vida dos pastores também começa a fazer parte da vida dos membros da igreja, mas se separam esperando no futuro se reencontrarem pelo caminho. Para Moisés, tinham sido quarenta anos.

Sua vida passou como se fosse um filme diante dele: a educação que recebera da mãe, o dia em que matara o egípcio, seu chamado diante da sarça ardente… Relembrou todas as maravilhas que Deus havia realizado por seu intermédio: a libertação de Israel, a abertura do Mar Vermelho e a derrota do exército egípcio. Lembrou-se do maná, da água fluindo da rocha, da nuvem e da coluna de fogo. E agora, com o coração partido, subia o monte sozinho.

Lá de cima, viu Canaã, a terra com a qual sonhara por quarenta anos. Do outro lado, olhou e viu as tendas e barraquinhas do povo com quem ele estivera acampando por quatro décadas. Deve ter sido uma ocasião de muita emoção para Moisés.

Chegou então o momento. Nenhuma fanfarra tocava. Nenhum discurso. Ninguém lia seu obituário. Não havia trombetas tocando enquanto seu corpo baixava à sepultura. Deus foi quem marcou o lugar onde Seu querido líder descansou.

A história não terminou ali. Deus marcou o lugar da sepultura e, como grande amigo de Moisés, levou-o para junto de Si.


31 de agostoQuarta

Percebendo a Voz de Deus

Todas as manhãs, Ele faz com que eu tenha vontade de ouvir com atenção o que Ele vai dizer. Isaías 50:4, NTLH

Reunir-se em torno das fogueiras era um dos bons momentos nos acampamentos, fossem eles à beira-mar ou no campo. As fogueiras não faziam parte do cerimonial, mas, antes de acendê-las, quando tudo estava pronto, muitas vezes eu pedia que todos apagassem a lanterna e permanecessem em silêncio por um minuto, a fim de escutar os sons da natureza. Vozes silenciadas, era mais fácil ouvir o cricrilar dos grilos, o zumbido dos insetos, o coaxar do sapos, o pequeno riacho que corria, o quebrar das ondas na praia ou o canto solitário de alguma ave.

Na oração, o ouvido é órgão de primeira importância. Precisamos silenciar algumas vozes em nosso dia a dia a fim de escutar melhor a voz de Deus.

Ele é a primeira pessoa com quem devemos falar. É também a primeira a quem devemos escutar. Temos que educar o ouvido diariamente para que se torne sensível à voz de Deus. Ouvir com atenção, como aprendiz, com avidez, a fim de receber os suprimentos da graça divina.

De que maneira Deus nos fala? A maneira básica de Deus Se comunicar conosco é por meio da Sua Palavra, a Bíblia. Devo sentir que, quando a estou lendo, Deus está me ensinando alguma coisa.

Ele também fala conosco pelo Espírito Santo. Não há aqui referência alguma audível. Mas através de um hino, da conversa com um amigo, do primeiro texto que o pregador usa em seu sermão, da consciência, de uma forte impressão, Deus pode nos falar ao coração.

Agora vem a parte mais difícil nesse processo. Nosso contato com Ele tem que ser diário e, de preferência, no começo do dia. “De manhã ouves, Senhor, o meu clamor; de manhã Te apresento a minha oração e aguardo com esperança” (Sl 5:3).

Entendo que a complexidade da vida moderna coloca muitas vezes o colégio ou o trabalho bem distante de onde moramos. Temos que sair bem cedo de casa. Levamos a agenda com tudo o que deve ser cumprido até o fim do dia. Mostre essa agenda para Deus e peça que Ele lhe dê sabedoria para fazer o que é prioritário, essencial.

Agora um desafio: faça a experiência de acordar um pouco mais cedo e coloque seus momentos devocionais antes de tudo no seu dia. Você notará a diferença. Eu mesmo poderia ter aprendido mais, se tivesse experimentado isso mais cedo em minha experiência cristã.


FONTE: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/medmat/2011/frmd2011.html

 

Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s