Lesson 7 – In the Shadow of His Wings – (2 Samuel 12, Psalms 32)

GoBible » Bible Studies » Garments of Grace

Lesson 7 – In the Shadow of His Wings – (2 Samuel 12, Psalms 32)

Print this lesson | Bookmark/Share:

Introduction: When I was growing up, I learned in my Christian school that sin was followed by calamity. That is often true. You deserve the punishment, you get the punishment, and you should know better than to ask God to shield you from what you deserve, right? Maybe not. Our lesson this week looks at one of the Bible’s greatest warriors for God, who engaged in great sin, and then suffered punishment. But, for some reason, he still seemed to be grateful for God’s protection. It seems a mystery. Let’s jump into our study of the Bible and see what we can learn!

           I.  Called to Account

A.  Read 2 Samuel 12:1-3. Whose idea was it to tell this story to King David? (God sent Nathan.)

1.  Can you identify with the poor man in the story because you have a pet that you love?

B.  Read 2 Samuel 12:4-6. Put yourself in King David’s place. Why would you think Nathan was telling you this story? (The king was also a judge. No doubt David thought Nathan was bringing some complex issue to him to resolve.)

1.  Do you agree with David’s conclusion?

2.  Isn’t it a bit extreme to require a man to die over an animal? (David isn’t requiring death, he is of the opinion that this is a extreme violation of human rights.)

C.  Read 2 Samuel 12:7-9. Why do you think that God wanted Nathan to approach King David in this way – with a story? (He wanted David to declare a verdict stripped of self-justification.)

1.  Have you ever heard someone say something, not accusing you, but which had the effect of convicting you of your sin? (This has happened to me. I thought the sin was not that bad (and maybe not even sin), until someone said something that put it in its true light.)

2.  If you were David, would you point out that you did not kill Uriah’s wife, thus the analogy is not accurate? (David is stuck, because the reply would be, “No, you killed the neighbor (Uriah) instead.”)

3.  Nathan’s story helps reveal the root of these terrible sins. What is it? (Selfishness. Wanting something we do not have – something owned by someone else.)

D.  Read 2 Samuel 12:10-12. How does God view David’s sin? (That David has “despised” God.)

1.  Why is this so personal with God? David does not seem to despise anyone – he just fell for a pretty woman and was thereafter trying to keep his sin a secret. (God does not view the Ten Commandments as some sort of recommended list. God views our actions as reflecting on His love for us. We do not love Him when we seriously harm our neighbors.)

2.  If you were David, how would you view the future?

E.  Read 2 Samuel 12:13. What do you think caused David’s confession, the story, the statement that he had despised God, or the prediction about the future?

1.  Is David’s statement factually correct? After all, David committed adultery and had the husband killed. Is it correct to say he “sinned against the Lord” as opposed to those more directly in David’s path?

2.  What does God say about David’s sin? (It is forgiven. It is “taken away.”)

         II.  Forgiven

A.  Read Psalms 32:1-2. David is commenting on the sin we just discussed. I thought that David’s problem was that he was covering up his sin – and God had to confront him with it? What does it mean that God “covers” our sins? (After they are forgiven, God considers them to be history.)

1.  Note the phrase, “in whose spirit is no deceit.” How important is it for us to get to this point? (Use this as a thermometer in life: if you have to mislead people, that is an indication that something is wrong with your behavior.)

B.  Read Psalms 32:3-4. How does sin affect our health? (David says that he felt lousy (groaning) and he felt physically diminished (bones wasting, strength sapped).)

1.  What does it mean for God’s “hand” to be “heavy on me” both day and night? (His conscience bothered him. He had trouble sleeping because of it.)

2.  Let’s back up a moment. If David was so guilt ridden that he could not sleep at night, why did Nathan have to sneak up on him with a story to convict him of his sin? (This Psalm is written later in time. When we are in the middle of sin, we have a hard time seeing things clearly. Later, we have a clearer vision of our sin.)

C.  Read Psalms 32:5. What is the first step to recovery from the pressure of guilt and remorse? (Confessing our sins to God. We must stop lying to ourselves about our sins.)

1.  Notice this interesting phrase “you forgave the guilt of my sin.” I thought God forgave sin. What else does this phrase suggest? (David noted God’s “heavy hand” on him. That was guilt. God not only forgives sin, but he releases us from guilt.)

2.  Isn’t it natural to feel guilty about some terrible thing we did – even after we are forgiven? (Read Revelation 12:10. Satan is the one who accuses us of forgiven sin. If we have made things right, to the extent possible, there is nothing more we can so. God forgives our sins and He releases us from guilt.)

      III.  Consequences

A.  Re-read 2 Samuel 12:10-12. What good is it to release David from guilt if he ends up with all of these terrible consequences?

1.  Has God really forgiven David if He saddles him with these consequences?

2.  Did God really inspire the public rape of David’s wives? (Read2 Samuel 16:22Leviticus 20:11 and James 1:13-15. God hates sin. It seems impossible to me that God inspired David’s son Absalom to sin. Instead, it seems more reasonable to read this as God’s prophecy about the future consequences of David’s sin.)

3.  We discussed Psalms 32:1 which says that forgiven sins are “covered.” Do these consequences seem like a “cover” to you? Notice that God uses the term “broad daylight” twice – just the opposite of “covered” or “secret!”(Sin will kill us. Guilt makes our body waste away. God removes both of those. Our sins, however, set in motion circumstances which God will use as a punishment.)

a.  What is the purpose of this punishment? (Read 2Samuel 12:14. One aspect of sin is God’s glory. If His favored King, the King He blessed, engages in such terrible behavior, that reflects badly on God. God will show His enemies that the rules of the universe are true: Disobedience to God brings adverse consequences – even to those God loves.)

B.  Read Psalms 32:6-7. Wait a minute! We just discussed how God forgives sin, but He allows the consequences of our sins to punish us. What is David talking about? (If David had followed God, he would not have been in all of this trouble. However, I think David is saying more – that even in the consequences God protected him.)

1.  Is such a thing possible? God allows the punishment and then shields you in the process? In the middle of punishment you feel like singing about it?(Read Luke 7:47. When you realize how much you have been forgiven, you love “much.” You come to terms with the practical consequences because you realize they are your fault and they are just. At the same time God loves you so much He died for your terrible sins. He forgave you. In gratitude you praise God! He did not kill you. He did not put you away. He loves you!)

C.  Read Psalms 32:8-9. I doubt many of those reading this have committed adultery and then murdered the innocent spouse. What is King David’s invitation to us? (Learn from reading his story. Learn of God’s love and forgiveness. Learn about consequences. You can either follow “counsel” like this, or you can be like a mule and let your sins yank you around in life. It is your choice.)

D.  Read Psalms 38:10-11. What is God’s promise to us? (His love will not fail! If we confess our sins, and trust God’s word about the best way to live, gladness, rejoicing, songs of praise will lift us out of the practical consequences of our sins.)

E.  Friend, how about you? Sin is attractive. Sin seems fun. But, sin has two terrible consequences. By sinning we show that we despise God’s love and sacrifice for us. By sinning, we open ourselves up to terrible consequences. Will you determine today to avoid the lesson of the mule, and instead learn from David’s story?

        IV.  Next week: Garments of Splendor.

Fonte: http://www.gobible.org/study/660.php

 

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Étude 07 – À l’ombre de ses ailes (2 Samuel 12, Psaumes 32)

Étude 07 – À l’ombre de ses ailes (2 Samuel 12, Psaumes 32)

THÈME: Les habits de la grâce

Copyright © 2011, Bruce N. Cameron, J.D. Toutes les références bibliques se réfèrent à la version Nouvelle Bible Second (NBS), 2002, sauf indication contraire. Des réponses suggérées sont placées entre parenthèses. Cette étude est publiée sur Internet à l’adresse http://www.etudesbibliques.net.

Introduction : En grandissant, j’ai appris dans mon école chrétienne que le péché était suivi par la calamité. C’est souvent vrai. Vous méritez la punition, vous avez la punition, et vous devriez faire plus que de demander à Dieu de vous protéger contre ce que vous méritez, n’est-ce pas ? Peut-être pas. Notre étude de cette semaine porte le regard sur l’un des plus grands guerriers de Dieu, qui s’est engagé dans un grand péché et qui a souffert de la punition. Mais, pour certaines raisons, il semble toujours être reconnaissant envers Dieu pour sa protection. Cela semble être un mystère. Débutons notre étude de la Bible et voyons ce que nous pouvons apprendre !

I.       Sommé de rendre compte

1.     Lisez 2 Samuel 12:1-3. De qui était l’idée de raconter cette histoire au roi David ? (C’est Dieu qui a envoyé Nathan.)

a.      Pouvez-vous vous identifier à l’homme pauvre de l’histoire parce que vous avez un animal domestique que vous aimez ?

2.     Lisez 2 Samuel 12:4-6. Mettez-vous à la place du roi David. Pourquoi penseriez-vous que Nathan vous raconte cette histoire ? (Le roi était également un juge. David pensait sans doute que Nathan lui apportait une situation complexe afin qu’il la résolve.)

a.      Êtes-vous d’accord avec la conclusion de David ?

b.      N’est-il pas un peu extrême d’exiger la mort d’un homme pour celle d’un animal ? (David n’exige pas la mort. Il est de l’opinion qu’il s’agit d’une violation extrême des droits humains.)

3.     Lisez 2 Samuel 12:7-9. Selon vous, pour quelle raison Dieu voulait-il que Nathan approche le roi David de cette façon – avec une histoire ? (Il voulait que David déclare un verdict exempt d’autojustification.)

a.      Avez-vous déjà entendu quelqu’un dire quelque chose, sans vous accuser, mais dont l’effet a été de vous convaincre de votre péché ? (Cela m’est arrivé. Je pensais que le péché n’était pas si mauvais (et peut-être même pas un péché), jusqu’à ce que quelqu’un me dise quelque chose qui l’a mis sous sa vraie lumière.)

b.      Si vous étiez David, feriez-vous remarquer que vous n’avez pas tué la femme d’Urie, et donc que l’analogie n’est pas correcte ? (David est pris au piège, parce que la réponse serait : “Non, tu as tué le voisin (Urie) à la place”.)

c.       L’histoire de Nathan aide à révéler la source de ces terribles péchés. Quelle est-elle ? (La jalousie. Vouloir quelque chose que nous n’avons pas – quelque chose que quelqu’un d’autre possède.)

4.     Lisez 2 Samuel 12:10-12. Comment Dieu voit-il le péché de David ? (David a “méprisé” Dieu.)

a.      Pourquoi est-ce si personnel avec Dieu ? David ne semble pas mépriser qui que ce soit – il est juste tombé pour une belle femme et a par la suite essayé de garder son péché secret. (Dieu ne voit pas les Dix Commandements comme une sorte de liste de recommandations. Dieu voit nos actes comme reflétant son amour pour nous. Nous ne l’aimons pas quand nous portons un sérieux préjudice à nos voisins.)

b.      Si vous étiez David, comment verriez-vous l’avenir ?

5.     Lisez 2 Samuel 12:13. Selon vous, qu’est-ce qui a amené David à se confesser : l’histoire, la déclaration selon laquelle il avait méprisé Dieu, ou la prédiction concernant l’avenir ?

a.      La déclaration de David est-elle correcte dans les faits ? Après tout, David a commis l’adultère et a fait tuer le mari. Est-il correct de dire qu’il a péché “contre le Seigneur”, par opposition à ceux qui se trouvent plus directement sur le chemin de David ?

b.      Que dit Dieu au sujet du péché de David ? (Il est pardonné. Dieu le “laisse passer”.)

II.     Pardonné

1.     Lisez Psaumes 32:1-2. David s’exprime au sujet du péché que nous venons de discuter. Je pensais que le problème de David était qu’il cachait son péché – et que Dieu devait le confronter à ce péché. Que signifie le fait que Dieu “couvre” nos péchés ? (Après qu’ils soient pardonnés, Dieu les considère comme faisant partie de l’histoire.)

a.      Notez la phrase “… dans l’esprit duquel il n’y a pas de tromperie”. Dans quelle mesure est-il important pour nous de comprendre ce point ? (Utilisez cela comme un thermomètre dans la vie : si vous avez trompé quelqu’un, il s’agit d’une indication que quelque chose ne va pas dans votre comportement.)

2.     Lisez Psaumes 32:3-4. Comment le péché affecte-t-il notre santé ? (David dit qu’il se sent mal (gémissant) et qu’il se sent physiquement diminué (les os se consument, la vigueur s’en va).)

a.      Que signifie pour la “main” de Dieu de “peser sur moi” jour et nuit ? (Sa conscience le travaillait. Il avait du mal à dormir à cause de cela.)

b.      Revenons en arrière un instant. Si David ressentait tant de culpabilité qu’il n’en dormait pas la nuit, pourquoi Nathan a-t-il dû se glisser auprès de lui avec une histoire pour le convaincre de son péché ? (Ce Psaume a été écrit plus tard. Quand nous sommes au cœur du péché, nous avons beaucoup de difficultés à voir les choses clairement. Plus tard, nous avons une vision plus claire de notre péché.)

3.     Lisez Psaumes 32:5. Quelle est la première étape pour se remettre de la pression de la culpabilité et du remord ? (Confesser nos péchés à Dieu. Nous devons arrêter de nous mentir à nous-mêmes au sujet de nos péchés.)

a.      Notez l’intéressante phrase “tu as effacé la peine de mon péché” (version NEG). Je pensais que Dieu pardonnait les péchés. Que cette phrase suggère-t-elle d’autre ? (David a relevé la “lourde main” qui pesait sur lui. Il s’agissait de culpabilité. Dieu non seulement pardonne les péchés, mais il nous libère de notre culpabilité.

b.      N’est-il pas naturel de ressentir de la culpabilité au sujet d’une chose terrible que nous avons faite – même après avoir été pardonnés ? (Lisez Apocalypse 12:10. Satan est celui qui accuse du péché pardonné. Si nous avons fait toutes choses de façon juste, dans la mesure du possible, il n’y a rien de plus que nous puissions faire. Dieu pardonne nos péchés et il nous libère de notre culpabilité.)

III.  Les conséquences

1.     Lisez à nouveau 2 Samuel 12:10-12. Quel bien y a-t-il à libérer David de sa culpabilité si en fin de compte il subit toutes ces conséquences ?

a.      Dieu a-t-il réellement pardonné David s’il l’accable avec toutes ces conséquences ?

b.      Dieu a-t-il réellement inspiré le viol public des femmes de David ? (Lisez 2 Samuel 16:22, Lévitique 20:11 et Jacques 1:13-15. Dieu hait le péché. Il me semble impossible que Dieu ait inspiré Absalom, le fils de David, à pécher. Au lieu de cela, il semble plus raisonnable de lire cela comme la prophétie de Dieu sur les conséquences futures du péché de David.)

c.       Nous avons discuté Psaumes 32:1 qui dit que les péchés pardonnés sont “couverts”. Ces conséquences vous semblent-elles être comme une couverture ? Notez que dans 2 Samuel 12 Dieu utilise deux fois un terme relatif à la lumière du jour (au verset 11 : “… sous les yeux de ce soleil” et au verset 12 : “… à la face du soleil”) – par opposition à ce qui est “couvert” ou “secret” ! (Le péché nous tuera. La culpabilité fait dépérir notre corps. Dieu enlève tant l’un que l’autre. Cependant, nos péchés ont des conséquences que Dieu considérera comme une punition.)

i.       Quel est le but de cette punition ? (Lisez 2 Samuel 12:14. Un aspect du péché est relatif à la gloire de Dieu. Si son roi favori, le roi qu’il a béni, s’engage dans un tel comportement terrible, cela se reflète négativement sur Dieu. Dieu montrera à ses ennemis que les règles de l’univers sont vraies : la désobéissance à Dieu amène des conséquences négatives – même à ceux que Dieu aime.)

2.     Lisez Psaumes 32:6-7. Attendez une minute ! Nous venons de discuter comment Dieu pardonne les péchés, tout en permettant les conséquences de nos péchés comme punition. De quoi parle David ? (Si David avait suivi Dieu il n’aurait pas du tout été impliqué dans tous ces problèmes. Cependant, je pense que David dit plus que cela – que même dans les conséquences Dieu le protège.)

a.      Une telle chose est-elle possible ? Dieu permet la punition et vous protège dans le processus ? Au cœur de la punition avez-vous le cœur à chanter à ce sujet ? (Lisez Luc 7:47. Quand vous réalisez à quel point vous avez été pardonné(e), vous aimez “beaucoup”. Vous arrivez à accepter les conséquences concrètes parce que vous réalisez qu’elles sont de votre faute et qu’elles sont justes. En même temps Dieu vous aime tellement qu’il est mort pour vos terribles péchés. Il vous a pardonné. Par reconnaissance vous louez Dieu ! Il ne vous a pas fait mourir. Il ne vous a pas rejeté. Il vous aime !)

3.     Lisez Psaumes 32:8-9. Je doute que beaucoup des lecteurs de cela aient commis l’adultère, puis tué le conjoint innocent. Quelle est l’invitation que nous fait le roi David ? (Apprenez en lisant cette histoire. Apprenez l’amour de Dieu et son pardon. Apprenez au sujet des conséquences. Vous pouvez soit suivre un tel “conseil”, soit agir comme une mule et laisser vos péchés vous tirer d’un côté ou de l’autre dans la vie. C’est votre choix.)

4.     Lisez Psaumes 38:10-11. Quelle est la promesse de Dieu pour nous ? (Son amour ne faillira pas ! Si nous confessons nos péchés et que nous faisons confiance à la Parole de Dieu sur la meilleure façon de vivre, la joie et les chants de louange nous permettront de sortir des conséquences pratiques de nos péchés.)

5.     Cher(ère) ami(e), le péché est attirant. Le péché semble amusant. Mais le péché a deux terribles conséquences. En péchant nous montrons du mépris envers l’amour de Dieu et son sacrifice pour nous. En péchant nous nous exposons à de terribles conséquences. Voulez-vous vous engager dès aujourd’hui à éviter l’enseignement de la mule et au lieu de cela vous laisser enseigner par l’histoire de David ?

IV.    La semaine prochaine : Des habits de splendeur.

Fonte: http://www.etudesbibliques.net/index.php?option=com_content&view=article&id=512:etude-07-a-lombre-de-ses-ailes-2-samuel-12-psaumes-32&catid=72:les-habits-de-la-grace&Itemid=18

 

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Lição 06 – O manto de Elias e Eliseu – Lição da Escola Sabatina – Casa Publicadora Brasileira

Lição 6
30 de abril a 7 de maio

 


O manto de Elias e Eliseu

 Casa Publicadora Brasileira – Lição 622011

 

Sábado à tarde

Ano Bíblico: 2Rs 24, 25

VERSO PARA MEMORIZAR: “Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento para a salvação, que a ninguém traz pesar; mas a tristeza do mundo produz morte” (2 Coríntios 7:10).

Leitura para o estudo desta semana: 1Rs 19:1-192Sm 10:3, 4Ez 16:15, 161Rs 21:21-292 Rs 2:1-18

Poucos personagens bíblicos tiveram uma existência mais agitada do que o profeta Elias. Que história incrível de fé, de provação e do irresistível poder de Deus neste mundo!

Hoje, pelo menos no judaísmo, ele ainda se destaca. De fato, na tradição judaica, ele tem sido mais exaltado do que, talvez, qualquer outra figura bíblica.

A cada Páscoa, por exemplo, um copo especial cheio de vinho é colocado sobre a mesa. Durante a Páscoa, a porta da casa é aberta, e todos se colocam em pé para permitir que o profeta Elias entre e beba. Nas circuncisões, uma cadeira, “a cadeira de Elias”, é reservada como parte da cerimônia. Além disso, no fim do sábado, os judeus cantam sobre Elias, esperando que ele venha “rapidamente, em nossos dias… juntamente com o Messias, filho de Davi, para nos redimir”.

No pensamento judaico, um exemplo da preeminência de Elias é encontrado no Evangelho de Mateus, quando Pedro disse que alguns pensavam que o próprio Jesus fosse Elias (Mt 16:14).

Nesta semana, vamos descobrir quais lições espirituais podemos tirar de Elias e do manto que ele usava.

 

Domingo

Ano Bíblico: 1Cr 1–3

“Uma voz tranquila e suave”

A vida de Elias, registrada em 1 Reis e 2 Reis, inclui exemplos em que ele enfrentou corajosamente as ameaças dos reis contra sua vida. Houve, contudo, uma notável exceção, o momento em que, assustado com as ameaças de uma sórdida rainha, ele fugiu para salvar a vida.

Em 1 Reis 18, ele pediu que descesse fogo do Céu sobre o Monte Carmelo, fez com que os profetas de Baal fossem mortos e advertiu Acabe sobre a chuva que se aproximava. O poder do Senhor veio sobre ele, e depois que ele prendeu seu manto no cinto, correu a distância de 32 quilômetros à frente de Acabe, até Jezreel.

No capítulo seguinte, todavia, esse mesmo homem de Deus aparece sob uma luz inteiramente nova.

1. Que lições podemos tirar de 1 Reis 19:1-4, sobre o efeito das dificuldades da vida nas emoções e ações dos servos de Deus?

O Senhor, porém, não havia rejeitado Elias, nem mesmo depois de sua oração bastante desesperada e triste. Ele ainda deu a Elias poderosa evidência de Seu amor por ele e de Seu interesse na vida do profeta.

2. Em 1 Reis 19:5-19, por que Elias envolveu seu rosto com o manto?

É fascinante que, embora Elias tenha visto o grande vento, o terremoto e o fogo, nenhuma dessas coisas fez com que ele envolvesse o rosto no manto. Somente a presença do Senhor em uma voz “tranquila e suave”, trouxe a ele essa resposta, uma resposta de temor, respeito e autoproteção.

Elias precisava aprender que, embora aquelas forças fossem poderosas e impressionantes, elas não retratavam em si mesmas a verdadeira imagem do Espírito de Deus. Elias ouviu a voz do Senhor de forma calma e delicada, lhe dizendo o que fazer, e foi a essa voz que ele obedeceu.

Como podemos aprender a reconhecer a voz do Senhor falando conosco? Mais importante, porém, é esta pergunta: Você obedece ao que ouve, ou você abafa essa “voz tranquila e suave” que fala ao seu coração? O que sua resposta diz sobre você?

 

Segunda

Ano Bíblico: 1Cr 4–6

A troca de vestimentas

Após a magnífica demonstração do poder de Deus no Monte Carmelo, Elias reclamou que ele era o único que permanecia amando o Senhor. Parece que Deus ignorou a lamentação de Elias, mas quando ele terminou sua fala, o Senhor lhe deu instruções: ele deveria ungir dois reis e Eliseu.

Seguindo a orientação do Senhor, de encontrar um sucessor, Elias partiu para a fazenda de Safate, pai de Eliseu, e encontrou Eliseu lavrando com bois. Talvez Elias tivesse acenado para Eliseu, para obter sua atenção, e Eliseu tenha parado seu trabalho e esperado para ouvir a mensagem de Elias.

3. Como o chamado de Eliseu foi revelado ali no campo, em 1 Reis 19:19?

Não são reveladas as palavras exatas de Elias, nem a resposta de Eliseu ao chamado de Elias, mas sabemos que ele respondeu positivamente. Naquele momento, Elias lançou seu manto, símbolo de suas responsabilidades como servo de Deus, sobre os ombros de Eliseu (leia Nm 20:28). O simbolismo é muito óbvio. Eliseu recebeu, então, um chamado sagrado.

Em outros incidentes da Bíblia, um manto (ou capa ou alguma vestimenta semelhante), nem sempre foi usado como indicação do chamado de Deus para servi-Lo.

4. Leia Jó 1:20Sl 109:29Jd 22, 232Sm 10:3, 4Ez 16:15, 16. Como a ideia de “manto” é usada nos versos acima?

O manto de Elias significava devoção, comprometimento e dedicação. “Quando Elias, divinamente dirigido na busca de um sucessor, passou pelo campo que Eliseu estava arando, lançou sobre os ombros do jovem o manto da consagração. Durante a fome, a família de Safate se havia relacionado com a obra e missão de Elias; e então, o Espírito de Deus impressionou o coração de Eliseu quanto ao significado do ato do profeta. Isso foi para ele o sinal de que Deus o havia chamado para ser o sucessor de Elias” (Ellen G. White,Profetas e Reis, p. 219, 220).

Pense como um único objeto pode ter boas e más conotações, dependendo de como é usado. O que você está fazendo com as coisas na sua vida? Que tipo de significados você está lhes dando, por suas ações? O que elas têm simbolizado para você, e por quê?

 

Terça

Ano Bíblico: 1Cr 7–9

O uso de pano de saco

Nas narrativas de Elias, o vestuário entra em cena também com outros personagens. Acabe, rei de Israel, queria comprar uma vinha que ficava ao lado do palácio. Ela pertencia a Nabote, o jezreelita. Quando Nabote se recusou a vendê-la, e Jezabel ouviu falar no assunto, ela se enfureceu e de forma astuta planejou uma conspiração para a morte de Nabote. Após esse crime, Acabe tomou posse da vinha. Mal sabia ele que Elias tinha sido instruído para encontrá-lo ali.

“Diga-lhe: Assim diz o Senhor: Você assassinou um homem e ainda se apossou de sua propriedade? E acrescentou: Assim diz o Senhor: No local onde os cães lamberam o sangue de Nabote, lamberão também o seu sangue; isso mesmo, o seu sangue!” (1Rs 21:19, NVI).

A missão de Elias, de enfrentar Acabe acerca de várias questões sérias deve ter produzido uma grande quantidade de estresse, mas, pelo menos nessa situação, ele parecia forte e disposto a seguir as instruções de seu Senhor, embora soubesse que sua vida poderia estar em perigo. Agora, ele deveria dizer a Acabe quais eram as denúncias que o Senhor havia pronunciado sobre ele, além daquela sobre os cães lambendo seu sangue.

5. Como devemos entender a resposta de Acabe em 1 Reis 21:21-29, especialmente tendo em conta o que esses versos dizem sobre o tipo de homem que ele era?

Quando Acabe ouviu essas palavras, ele se apresentou ao Senhor de uma forma extremamente humilde (1Rs 21:27), inclusive rasgando suas roupas, vestindo pano de saco, e até se recusando a comer. O restante do capítulo sugere que seu arrependimento e humildade devem ter sido verdadeiros. Rasgar o manto, um ato comum na época para representar horror e tristeza, revelou que ele realmente aceitou a verdade do que Elias lhe disse. O texto não diz qual foi a profundidade e a duração desse arrependimento; o que diz é que o ato de rasgar o manto revelou a sinceridade de seu coração naquele momento.

Qual é a mensagem de Paulo em 2 Coríntios 7:10 (leia também o contexto do verso). Como podemos aplicar essa advertência à nossa vida?

 

Quarta

Ano Bíblico: 1Cr 10–12

O arrebatamento de Elias

Podemos dizer muitas coisas sobre Elias, mas, de qualquer maneira, devemos reconhecer que sua experiência foi interessante e dramática (embora, sem dúvida, ele esteja mais alegre hoje, após o arrebatamento). Em 2 Reis, capítulo 1, é contada uma história fascinante que leva a outra ainda mais fascinante no capítulo seguinte. Se pudesse ser dito que alguém, para usar o clichê, “saiu de forma gloriosa”, esse foi Elias.

6. Leia 2 Reis 2:1-18 e responda às seguintes perguntas:

A. Que razões Eliseu pode ter tido para não querer se separar de Elias, apesar dos três pedidos do mestre para que ele fizesse exatamente isso?
B. Por que Eliseu rasgou suas vestes nessa ocasião? Foi uma expressão de lamentação, ou outra coisa?

Sem dúvida, a resposta de Eliseu foi de entusiasmo e gratidão extremos. Ele viu o carro e os cavalos. Sim, ele teria uma porção dobrada do poder de Elias. Embora geralmente rasgar as vestes significasse tristeza, naquele momento Eliseu pode ter sido tão dominado que rasgou as roupas em gratidão. Ele tinha nas mãos o manto de Elias. O ato de rasgar suas vestes também poderia ter sido um símbolo de se livrar de sua própria roupa e vestir a roupa de Elias.

Na primeira vez em que Elias lançou seu manto sobre o lavrador Eliseu, ambos sabiam que esse ato simbolizava um chamado a trabalhar para Deus (embora Eliseu provavelmente o tenha devolvido a Elias, em algum momento). Eliseu agora tinha essa veste especial em sua posse, significando que ele deveria exercer as responsabilidades de liderança como Elias havia feito.

Examine também o pedido de Eliseu ao seu mestre (o que esse pedido traz à sua lembrança?). As palavras de Eliseu revelam algo do seu caráter, mostrando que ele era um sucessor digno de usar o manto do grande profeta que estava para “ser levado” deste mundo.

Que quadro mais amplo da existência essa história nos apresenta? Isto é, quantas vezes temos a tendência de manter uma estreita visão materialista do mundo, esquecendo a realidade sempre presente do reino sobrenatural, que existe também neste mundo e que interage conosco?

 

Quinta

Ano Bíblico: 1Cr 13–16

O manto de Eliseu

Então, [Eliseu] levantou o manto que Elias lhe deixara cair e, voltando-se, pôs-se à borda do Jordão. Tomou o manto que Elias lhe deixara cair, feriu as águas e disse: Onde está o Senhor, Deus de Elias? Quando feriu ele as águas, elas se dividiram para um e outro lado, e Eliseu passou” (2Rs 2:13, 14).

7. Sobre qual história o texto acima nos faz pensar? Que importante simbolismo é visto ali?

8. Leia 2 Reis 2:15-18. Tente se colocar no lugar desses profetas de Jericó. Por que eles tentaram encontrar Elias, mesmo sabendo que ele havia sido levado?

A partir dos versos anteriores, é evidente que os profetas sabiam que Elias seria arrebatado. O texto não diz se eles próprios viram o evento. Em certo sentido, isso não importa muito, porque eles sabiam que o “Espírito do Senhor” o havia levado. Para onde, entretanto, era outra questão. Por alguma razão eles acreditaram que Elias ainda podia ser encontrado “em algum monte ou em algum vale” (v. 16, NVI). Talvez, despreparados para a ideia de alguém ser levado para o Céu dessa forma, eles imaginaram que o Senhor tivesse feito algo diferente com Elias. E apesar das palavras de Eliseu para que não se preocupassem tentando encontrá-lo, eles insistiram nisso, de todas as formas. Só então, possivelmente, depois que o procuraram e não encontraram, eles tenham percebido o que aconteceu. No entanto, mesmo assim, houve espaço para dúvidas. Será que o Senhor o colocou em algum monte ou vale que eles ainda não tinham verificado?

No fim, não importam as experiências nem os milagres que temos visto, ainda precisamos exercer fé, ou então, mais cedo ou mais tarde, a dúvida irá se insinuar e desafiar seriamente nossa experiência cristã.

Pense sobre alguma experiência poderosa que você teve com o Senhor. Sem dúvida, no momento e logo após, sua fé estava forte. Com o tempo, no entanto, o que aconteceu, especialmente à medida que a própria experiência começou a desaparecer no fluxo do tempo? Assim, por que é importante que você, diariamente, faça as coisas que podem ajudá-lo a a fortalecer sua fé?

 

Sexta

Ano Bíblico: 1Cr 17–20

Estudo adicional

Leia de Ellen G. White, Patriarcas e Profetas , p. 88, “Sete e Enoque”; Profetas e Reis, p. 155-189, “De Jezreel a Horebe”, “Que Fazes Aqui?” e “No Espírito e Virtude de Elias”.

Elias, que fora trasladado ao Céu sem ver a morte, representa os que estarão vivos na Terra por ocasião da segunda vinda de Cristo, e que serão “transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta”; quando “isto que é mortal se revestir da imortalidade” e “isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade” (1Co 15:51-54, RC). Jesus estava revestido da luz do Céu, como há de aparecer quando vier a “segunda vez, sem pecado,… para salvação”; pois virá “na glória de Seu Pai, com os santos anjos” (Hb 9:28Mc 8:38; Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 422).

Perguntas para reflexão:

1. Na prática, quais são as coisas que podemos fazer para ouvir a “voz tranquila e suave”? Entre as coisas que fazemos, quais tornam isso difícil, se não impossível? Como o pecado intencional, em grande medida, nos torna “surdos”, por assim dizer?
2. Quando você sente que o desespero e o desânimo são quase maiores do que sua capacidade de suportar, como você sabe que o Senhor está cuidando de você?
3. O manto de Elias simbolizava a sucessão de seu ministério por meio de Eliseu. Como podemos ter certeza de que “entregaram o manto” para as pessoas certas na igreja? Podemos saber?
4. Leia 2 Coríntios 7:10. O que é o verdadeiro arrependimento? Em contraste com isso, será que precisamos nos arrepender do nosso tipo de arrependimento?

Respostas sugestivas:

1: Elias derrotou os profetas de Baal, mas temeu Jezabel; os servos de Deus têm momentos de decepção.
2: Porque reconheceu na brisa suave a voz do Deus que lhe havia provido alimento, água e força, e que acalmou seu coração.
3: Elias passou por Eliseu e lançou seu manto sobre ele. O manto simbolizava o ministério ao qual Deus o chamava.
4: Sinal de lamentação; confusão e vergonha; contaminação e pecado; hostilidade: Hanum; idolatria e prostituição.
5: Acabe se humilhou, “rasgou as vestes, se cobriu de pano de saco, jejuou e andava cabisbaixo”.
6: Aquele era um momento crucial em seu preparo para a obra; tristeza pela separação e alegria pelo poder de Deus.
7: Travessia do Jordão e do Mar Vermelho. Na volta de Jesus, atravessaremos o “Jordão”.
8: Talvez por não terem visto a ascensão de Elias, e porque o milagre fosse grande demais; e até por falta de fé.

Fonte: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/licoes/adultos/2011/li622011.html

 

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Lição 06 – O manto de Elias e Eliseu – Auxiliar Para Lição da Escola Sabatina – Casa Publicadora Brasileira

A Lição em resumo

Texto-chave: 2 Reis 2:9-14

O aluno deverá…
Conhecer:
 Examinar as histórias de Elias, Eliseu e Acabe em busca de relações simbólicas entre o vestuário, a responsabilidade e o arrependimento.
Sentir: O chamado do Espírito e a responsabilidade de ser usado por Deus que veio com a aceitação do manto de Elias por Eliseu.
Fazer: Responder fiel e sinceramente ao apelo de Deus.

Esboço
I. Conhecer: Capas e mantos

A. Que simbolizava o fato de tanto Acabe como Eliseu terem rasgado as vestes?
B. Que simbolizava o fato de Elias haver deixado a Eliseu sua capa, quanto a seu trabalho, responsabilidade e o papel do Espírito Santo na vida de um profeta?

II. Sentir: O chamado
A. A responsabilidade de liderar não deve ser tomada com leviandade. Como Eliseu demonstrou que entendia o elevado chamado que simbolizava a transferência do manto de Elias?
B. Que emoções Acabe demonstrou ao rasgar seu manto? O que esses sentimentos revelam sobre seu caráter?

III. Fazer: Respondendo ao apelo
A. Em que aspectos Deus nos chamou para o serviço e liderança?
B. O que Ele nos chamou para fazer?
C. Como estamos respondendo ao Seu chamado?
D. Que devemos pedir, a fim de realizar Seu chamado?

Resumo: Nos tempos bíblicos, o ato de rasgar as vestes geralmente significava profunda tristeza e pesar. Mas, no caso de Eliseu, parece ter simbolizado não apenas profunda emoção mas também uma grande mudança de vida, ao assumir uma função de muita responsabilidade em resposta ao convite para trabalhar com Deus.

Ciclo do aprendizado

Motivação

Conceito-chave para o crescimento espiritual: O dom profético e chamado de Elias era simbolizado pelo manto que ele usava, mencionado várias vezes nos relatos bíblicos de sua vida. O manto pode ser visto como símbolo da convocação do povo de Deus para fazer Sua obra e a proteção e cobertura que Ele nos fornece nessa realização.
Só para o professor: Enfatize o exemplo que Elias deu como alguém que aceitou a vontade de Deus para a vida e se comprometeu a representar Deus ao mundo no melhor de sua capacidade.

Por que as pessoas vestem o que vestem? Como se vê na história de Adão e Eva, as pessoas caídas sentem a necessidade de se cobrir apenas para não ficarem nuas. As vestes usadas pelos nossos primeiros pais, seja o que for que se diga a seu respeito, tinham claramente uma utilidade. Mas, desde então, muita coisa mudou.

Em cada sociedade, os diferentes modos de vestir e se enfeitar evoluíram e passaram a indicar status social, sexo, idade, ocupação, conformidade com as normas da sociedade, rebelião contra essas mesmas normas, estilo de vida, a forma preferida de entretenimento ou lazer, e assim por diante. A única coisa que todos têm em comum é que são afirmações sobre si mesmos: afirmações de moda. Fazemos isso mesmo quando achamos que só estamos jogando alguma coisa sobre os ombros.

Uma antiga forma de vestuário era conhecida como o manto. Manto era basicamente um casaco ou uma capa, e a declaração que se fazia era que seu usuário era uma pessoa com autoridade temporal, como um personagem real ou um líder militar, ou alguém de importância religiosa, como um sacerdote ou profeta. Elias usava um manto para indicar que representava a autoridade máxima. A maioria de nós hoje não usa mantos, a menos que passemos muito tempo em feiras de objetos da Renascença ou encenações históricas, mas Deus ainda nos convida a tomar Seu manto espiritual e representá-Lo diante do mundo.

Comente com a classe: Poucos de nós (supomos) somos profetas, à semelhança de Elias e outros de seu tempo e lugar. Como podemos representar melhor a causa de Deus ao mundo? O que pode nos ajudar a estar mais atentos às possibilidades que Deus nos dá para servir sob Sua autoridade?

Compreensão

Só para o professor: Ao contrário de muitos outros profetas do Antigo Testamento, Elias não tem um livro dedicado inteiramente a seus escritos e ensinos. No entanto, ele é talvez uma das figuras mais importantes da era profética. Note isso e, talvez, comente com a classe por que Elias foi tão importante.

Comentário Bíblico

I. “O som do silêncio…”
(Recapitule com a classe 1Rs 19:5-19.)

A frase traduzida como “cicio tranquilo e suave” (v. 12), na maioria das Bíblias realmente é mais bem traduzida pela frase paradoxal “uma voz dum suave silêncio” (TB). É interessante notar que a conversa que Elias teve com a voz mansa e delicada é a mesma conversa, palavra por palavra, que ele teve com o Senhor na caverna, vários versículos antes. Deus lhe perguntou, retoricamente, o que estava fazendo lá, e Elias Lhe disse. Podemos supor que o relato de Elias seria igualmente retórico na intenção, porque ele certamente sabia que Deus estava mais consciente da situação do que ele próprio.

O que exatamente Elias estava tentando dizer em 1 Reis 19:10? A partir do contexto, é evidente que ele estava reprovando corajosamente a Deus. O subtexto é “Olha como Tu me pagas pelo meu serviço bom e fiel!” Elias, que acabava de fugir aterrorizado de Jezabel, que, apesar de tudo, era apenas um ser humano-monarca, reencontrou coragem quando chegou a hora de repreender a Deus. O Senhor poderia ter respondido na mesma moeda, ou poderia ter simplesmente vaporizado Elias. Em vez disso, Ele ignorou seu discurso retórico de autopiedade e lhe pediu que observasse Sua passagem.

Como se poderia esperar, em seguida, Elias testemunhou alguns impressionantes fenômenos naturais. Um vento forte, mas era apenas o vento. Um terremoto, um grande problema. E, do nada, uma enorme parede de fogo. Mas, em seguida, Elias encontrou aquele que comanda o vento, os terremotos e os incêndios. Ele tinha uma voz. E a voz era muito parecida… com o silêncio? Deus repete Sua pergunta, e Elias repete a mesma reclamação, mas é provável que tenha soado diferente, mais humilde. Sabemos que ele escondeu o rosto no seu manto. Elias sabia que estava falando com o poder que comanda tranquilamente a natureza e as nações.

Pense nisto: Alguma vez você já se zangou com Deus, ou se iludiu por Sua aparente indiferença? Como podemos saber que Deus continua a cuidar de nós – e cuida de nós – mesmo quando acreditamos que isso vai contra toda a evidência visível?

II. Usar isso, não aquilo

(Recapitule com a classe 2Rs 2:12.)

Como vimos, no Antigo Testamento, o ato de rasgar as roupas era sinal de luto. Podia ser tristeza por eventos como a morte de um ente querido, ou podia ser, como foi o caso de Acabe, em 1 Reis 21:27 tristeza e arrependimento pelas próprias ações que agora se lamentava e sabia serem erradas. Esse gesto, sem dúvida, teve mais importância do que quando as roupas eram todas laboriosamente feitas à mão, e ninguém, a não ser os reis e nobres tinha os guarda-roupas cheios de roupas.

Quando tomamos a decisão de servir a Deus ou, em certo sentido, assumir o manto de Deus, o resultado, provavelmente, será a presença de dor pelas coisas que fizemos antes, possivelmente na ignorância. Mesmo que não tenhamos um passado particularmente mau, ainda podemos desejar uma ruptura com os hábitos e padrões que marcaram nossa separação de Deus – ou ignorância dEle. Algumas dessas coisas podem parecer extremas para os que nos conhecem. Talvez façamos uma limpa em nossa coleção de CD’s ou no guarda-roupa, ou vamos encontrar novas formas de lazer e diversão. Ou podemos tomar decisões à medida que crescemos na vida espiritual, nos desfazendo de coisas que não são necessariamente más em si mesmas, mas que, de alguma forma, nos estorvavam como pessoas. Talvez reconheçamos que Deus tem planos específicos para nós. Planos que exigem que abandonemos o que estamos fazendo e comecemos uma nova vida. Isso nos leva ao encontro de Eliseu.

Eliseu certamente ficou aterrorizado e desanimado com a ideia de Elias ser arrebatado, assim como podemos ficar ao iniciar uma fase nova e radical de nossa vida. Mas, ao mesmo tempo, ele desejava o que Elias estava deixando com ele, e estava preparado para servir a Deus nesse novo caminho. É interessante que o texto diz que ele rasgou suas vestes velhas em duas partes, significando que não mais poderia vesti-las, mesmo que desejasse. Ele não tinha escolha senão a de tomar a nova peça de vestuário e a função que lhe era oferecida.

Pense nisto: Porque é necessário fazer tudo o que Deus nos pede para servi-Lo melhor e crescer espiritualmente?

Aplicação

Só para o professor: Elias foi uma das figuras mais coloridas e até mais estranhas do Antigo Testamento, mas pessoas de diversas origens e tradições continuam a se identificar com ele e seu discípulo Eliseu. Enfatize para a classe como as lutas e triunfos na vida que Elias dedicou a Deus se assemelham e dão um exemplo para nossa própria vida.

Perguntas para consideração
1. Qual é o significado de ser a voz de Deus suave, ou, literalmente, “a voz dum suave silêncio”? O que isso nos diz sobre Deus? Será que Deus sempre Se comunica com um cicio tranquilo e suave? Se não, porque Ele pode optar por fazer assim, de vez em quando?
2. Na lição da semana passada, aprendemos sobre os emblemas sacerdotais e a importância do fato de que ele levava coisas sobre si e sobre o peitoral, etc, para simbolizar seu encargo sagrado. O manto de Elias poderia ter simbolizado algo semelhante, sendo levado aos ombros? Afinal, ele era portador de uma mensagem que devia, por vezes, parecer um fardo, mas que ele carregava de bom grado e alegremente. Comente.

Perguntas de aplicação
1. Como todos nós, Elias tinha muitas facetas diferentes de caráter. Havia o Elias que venceu fácil e confiantemente os sacerdotes de Baal, e havia o Elias que fugiu em desprezível terror da polícia secreta de Jezabel. Comente alguma ocasião em que você se sentiu como Elias. Quando você se sentiu mais confiante na guia de Deus? O que pode ajudar você a lembrar esses momentos em que o caminho a Deus parecia menos claro?
2. Muitas vezes, como Eliseu, nossa caminhada com Deus está ligada à admiração e apego a outras pessoas que nos inspiram. Embora essa seja uma coisa boa e necessária dentro da razão, como podemos encontrar coragem para depender somente de Deus?

Criatividade

Só para o professor: Como um dos mais honrados e lembrados profetas do Antigo Testamento, Elias era alguém que ouvia e falava com Deus com uma intimidade quase igual à dos patriarcas. Finalmente, ele se tornou um dos dois únicos seres humanos que conhecemos pela Bíblia, que escaparam da morte e foram levados para o Céu antes da ressurreição na segunda vinda de Jesus. As seguintes atividades enfatizarão as lições que podemos aprender da vida e da carreira de Elias.

Elias ouviu a voz de Deus no silêncio e quietude. Pode-se suspeitar que foi uma surpresa tanto para ele quanto para qualquer pessoa. Quando foi a última vez que você ouviu o som do silêncio? Peça que sua classe faça um minuto ou mais de silêncio, ou pelo menos não fale. Você não diz nada, pois eles não dizem nada. É desconfortável? Você notou alguma coisa? Atenção: Não estamos sugerindo que vocês meditem ou ouçam vozes do além. A ideia é se livrar das distrações habituais por um breve tempo e de adotar uma abordagem de ouvir, em vez de falar. Na semana que vem, peça que os alunos adotem uma atitude de silêncio ou, pelo menos, de recolhimento por um minuto ou dois, antes de começar a falar com Deus em oração. Peça que os membros da classe compartilhem o efeito que o silêncio ou a quietude tiveram em sua vida de oração.

Ou ainda:

O manto de Elias, de toda maneira, era apenas um casaco. Peça que sua classe mencione outros exemplos de artigos de vestuário que transmitam alguma ideia, estilo de vida, atitude, e assim por diante, por causa da pessoa ou das pessoas que os usam, ou que identifiquem sua atividade ou posição social. Sinta-se livre para procurar no mundo da política, do entretenimento, etc.

Fonte: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/licoes/adultos/2011/aux622011.html

 

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Lição 6 – O MANTO DE ELIAS E ELISEU – Comentários Márcio Dias Guarda – Casa Publicadora Brasileira

Lição 6 – O MANTO DE ELIAS E ELISEU

Márcio Dias Guarda

Editor dos livros do Espírito de Profecia
na Casa Publicadora Brasileira

 INTRODUÇÃO

Cobrir-se com roupas é uma característica distintiva dos seres humanos. As três razões básicas que justificam o uso de roupas são: pudor, proteção e decoração.

Desde que o ser humano perdeu sua inocência e sua glória, e passou a usar um vestuário, esse acessório se transformou numa extensão da personalidade humana. Mais do que isso, as roupas causam a primeira impressão, uma vez que antes de entrarmos em contato com uma pessoa, tocarmos nela, ouvirmos sua voz ou lermos um texto por ela redigido, somos impactados pela sua aparência pessoal. Mesmo que inconscientemente analisamos suas roupas (cores, modelos, qualidade dos tecidos, acabamento, acessórios, adequação ao clima, etc.), porque são os elementos materiais disponíveis que nos dão preciosas informações objetivas, gratuitas e a distância (ou seja, sem nenhum comprometimento de nossa parte) acerca da pessoa que está se aproximando de nós.

Os pensamentos a seguir, de diferentes épocas e autores, expressam essa ideia: “Roupas fazem o homem. Pessoas nuas têm pouca ou nenhuma influência na sociedade” (Mark Twain). “Roupas nunca são uma frivolidade: elas sempre querem dizer algo” (James Laver). “Roupas humildes são indícios de mente cândida” (São Jerônimo). “Qual roupa usa, tais sentimentos tem” (François Rabelais).

O vestuário é um importante meio de comunicação. Umberto Eco diz que o vestuário de um indivíduo porta uma mensagem, uma carta aberta a todos os que se cruzam com ele. “Roupas podem sugerir, persuadir, conotar, insinuar, ou realmente mentir, e aplicam pressão sutil enquanto quem as usa estiver falando francamente e diretamente de outros assuntos” (Anne Hollander).

Outro aspecto que justifica o estudo do vestuário para entender uma pessoa ou grupo é a sua característica de instrumento de afirmação social. A roupa possibilita uma identificação, ou seja, a pessoa a utiliza para se diferenciar com relação a determinado grupo, nele se destacar ou a ele se associar. É, portanto, símbolo de identificação econômica, social, etária e cultural. O exagero desse comportamento resulta na escravização à moda, tão bem retratado, com fina ironia, no poema “Eu, etiqueta”, de Carlos Drummond de Andrade:

“Em minha calça está grudado um nome / que não é meu de batismo ou de cartório, / um nome estranho (…)
Estou, estou na moda. / É doce estar na moda, ainda que a moda / seja negar a minha identidade, / trocá-la por mil, açambarcando / todas as marcas registradas, / todos os logotipos do mercado. / Por me ostentar assim, tão orgulhoso / de ser não eu, mas artigo industrial, / peço que meu nome retifiquem. / Já não me convém o título de homem. / Meu nome novo é coisa./ Eu sou a coisa, coisamente” (Carlos Drummond de Andrade).

I. O manto de Elias e Eliseu

Apesar de ter sido um dos mais importantes profetas do Antigo Testamento, não temos na Bíblia um livro especificamente escrito por Elias, para que possamos analisá-lo e assim entender melhor o homem e sua mensagem. Por outro lado, percebemos que o manto de Elias é onipresente nas ações do profeta, e destaca e complementa muito bem a figura do homem de Deus, que merece ser observado cuidadosamente em cada gesto, em cada atitude. Nesse sentido, o que é feito com o manto, como é usado, acaba sendo parte da mensagem, o que justifica uma lição da Escola Sabatina sobre o manto de Elias, que depois foi herdado por Eliseu.

Nesse caso, além das três razões básicas (mencionadas no primeiro parágrafo da minha introdução) o manto representava um chamado ao serviço e ainda era um símbolo de santidade e relacionamento com Deus. A palavra manto, principalmente quando se refere ao de Elias, inclui os conceitos de glória, poder e nobreza.

Existe até uma história apócrifa mencionando que o manto de Elias foi guardado numa caixa ou gaveta debaixo do altar de ouro do santuário e, centenas de anos depois, foi dela retirado pelo sacerdote Zacarias para ser usado por seu filho João Batista. É pouco provável que João Batista tenha usado o mesmo manto de Elias, mas é fato que ele atuava no “espírito e poder de Elias” (Lc 1:17) e também era reconhecido por usar um manto diferente, cuja simplicidade, singularidade e dignidade combinavam com a força e eficácia da sua mensagem. Ele foi o precursor do Messias. E de alguma forma as características do manto espiritual de Elias reapareceram no ministério de João Batista. E, só para concluir esta linha de pensamento, nós somos o terceiro Elias, ou seja, nossa mensagem imediatamente antes da segunda vinda de Cristo deve ter ingredientes semelhantes aos da mensagem de Elias e da de João Batista.

Quais eram as características desse manto?
1. Era a roupa que se usava por cima de todas as outras (se e quando existiam outras) ou então era a única roupa que uma pessoa usava. Portanto, era algo que todos podiam ver e não havia como esconder.
2. Geralmente era feito de lã ou de pele de ovelhas. Ou seja, dependia da dádiva ou do sacrifício da ovelha.
3. Não tinha mangas, apenas aberturas para o pescoço e os braços. Portanto, oferecia proteção sem comprometer os movimentos da pessoa.
4. Curiosamente a mesma peça servia de abrigo contra a luz do sol, escudo em relação ao vento e capa de chuva, além de aquecer no inverno.
5. À noite ou quando a pessoa ia dormir, era usado também como um cobertor.
6. Não podia ser penhorado, nem tomado a troco de dívidas.
7. Em algumas ocasiões, o manto servia ainda para esconder itens que um judeu desejava levar numa jornada.
8. Como era hábito dos israelitas nessa época, e mais ainda pelo fato de ser o manto de um profeta, é provável que nenhuma tintura tivesse sido usada nesse manto.

II. Uma voz tranquila e suave

A primeira menção bíblica do manto de Elias, focalizada pela lição, na nota inicial de domingo, (1Rs 18:46), contém informações muito interessantes: Depois de um dia movimentadíssimo e extenuante no Carmelo, Elias ainda encontrou forças para correr diante da carruagem real de Acabe, à noite, o trajeto sinuoso, até Jezreel (onde Acabe tinha um palácio, numa elevação, um pouco acima do vale de Esdralom), num total de mais de 32 quilômetros. Mas, note o detalhe, antes ele teve que apertar o cinto que prendia seu manto! Não devia ficar solto, nem muito justo na cintura. O profeta estava para cumprir as funções de guia e precursor do rei. Uma pessoa correndo à frente dos fogosos cavalos servia para indicar-lhes o caminho e ao mesmo tempo mantê-los na marcha adequada, sem permitir que disparassem (outra referência bíblica a essa prática está em 1Rs 1:5). Qualquer outra pessoa poderia ter cumprido essa função, mas o envolvimento de Elias (o profeta-líder) revela sua extrema humildade, dedicação e apoio ao rei (então arrependido). Se o rei corresse na direção certa, o profeta de Deus estaria com ele, em quaisquer circunstâncias.

Depois de tantos milagres e demonstrações do poder de Deus, inclusive com a reconsagração de Acabe, o profeta esperava que Jezabel fosse tocada e passasse a cooperar com o rei e o profeta na recondução do povo aos caminhos do Senhor. Mas o texto de 1 Reis 19:1-4 mostra que não foi exatamente isso o que ocorreu naquela madrugada. A resposta da ímpia rainha foi devastadora para o exausto profeta: “Amanhã nós vamos acertar as contas. Vamos fazer com você o mesmo que você fez com nossos profetas de Baal!”
O texto bíblico não informa quantas vezes Elias teve que ajustar o cinto sobre seu sagrado manto, durante a desabalada fuga de mais de 150 quilômetros, desde Jezreel até a fronteira, escapando do reino de Israel e entrando no reino de Judá. Após entrar em Judá, para se garantir, Elias caminhou ainda mais um dia todo pelo deserto. Nesse ponto, a depressão do profeta chegou ao nível mais intenso, e ele só queria morrer. Socorrido, animado, alimentado e protegido por Deus, no entanto prosseguiu em sua fuga rumo ao sul. Ao completar 40 dias e mais de 320 quilômetros de caminhada, Elias chegou ao Horebe (Sinai), o monte de Deus. Provavelmente na mesma fenda da rocha de onde Moisés (Êx 33:22) tivera uma visão da misericórdia de Deus, o Senhor foi ao encontro de Elias para fortalecê-lo com uma teofania.

A tempestade de areia, o terremoto e o incêndio foram apenas prelúdio; a comunicação de Deus veio depois, com um murmúrio, uma voz tranquila e suave. Nesse ponto, mais uma vez o manto do profeta foi útil (1Rs 19:13). Elias instintivamente cobriu a face com o manto, diante da presença de Deus. É interessante notar como essa comunicação singela causou uma reação de reverência, de entrega, de reavivamento, como os tremendos eventos do Carmelo não tinham causado. O agressivo e impetuoso profeta se tornou manso e submisso. Depois desse colóquio, Elias aceitou fazer todo o trajeto de volta e retomar sua missão no reino do Norte.

III. A troca de vestimentas

Nessa parte da lição (segunda-feira) vimos outra situação curiosa na qual o profeta Elias utilizou seu manto: para lançar o desafio de um chamado profético. Elias havia recebido de Deus o nome e o endereço de três pessoas a quem devia procurar e ungir, para que cada uma delas executasse uma obra especial para Deus. O primeiro encontrado foi Eliseu, que devia ser um homem de muitas posses, pois utilizava doze juntas de bois para arar seus campos. Mais uma vez, convém lembrar que Deus nunca chama uma pessoa desocupada. Também é possível compreender que Eliseu era um homem de muitos amigos e que todos trabalhavam juntos nos campos comuns, se ajudando e se protegendo mutuamente.

Mas o ponto mais interessante é que Eliseu conhecia bem o significado dos símbolos proféticos, pois compreendeu imediatamente o gesto cifrado de Elias, ao lançar sobre ele o manto (Números 20:28 é um texto que apresenta uma quase similar “passagem do bastão”; nesse caso era para o ofício sacerdotal). O agricultor Eliseu sabia perfeitamente que o manto era o distintivo de um profeta. Elias lançou-lhe o repto bem humorado, e não fez a menor pressão. Continuou seu caminho como se nada tivesse acontecido. A reação de Eliseu foi imediata. Parou o trabalho, correu atrás de Elias para avisá-lo de que iria comunicar a seus pais a mudança de atividade e despedir-se da família, pois antevia um ministério profético agitado, com frequentes mudanças, instabilidade (naquele mesmo momento Elias estava voltando de uma longa viagem de fuga!), mas pleno de realizações para a glória de Deus.

O ato seguinte de Eliseu demonstra a segurança e decisão com que ele abraçou o ofício profético. Fez questão de tornar pública e irreversível sua nova vocação. Ao matar os bois, assar a carne e confraternizar-se com todo o povo, deixou claro que jamais voltaria ao trabalho secular. Não foi um sacrifício, pois não há menção de altar no texto, e também não foi uma festa comum de confraternização; foi de fato uma despedida alegre, ampla, e definitiva. Eliseu era muito querido na região em que morava. Outra lição desse ato de Eliseu é que religião não combina com negócios. O ministério profético (ou pastoral) exige dedicação integral, serviço não dividido. Felizmente, seus pais não tentaram ou não conseguiram demovê-lo da decisão de se entregar à obra profética.

Na pergunta 4, a lição introduz outros textos bíblicos nos quais algum tipo de incidente envolveu um manto:
Jó 1:20 – Jó rasgou seu manto. Gesto que indica extrema tristeza, em todo o Oriente. Levando-se em conta o preço alto das roupas e as dificuldades para obter manualmente os tecidos, pode se entender o profundo significado de se rasgar o manto.

Salmo 109:29 – Que a vergonha os cubra como um manto. É uma oração do salmista, confiante de que o Senhor reverteria as ações dos seus inimigos. O manto aí entra apenas como figura de linguagem.

Judas 22, 23 – Odiar a roupa contaminada pela carne. A ideia é de que tudo que entra em contato com o que está contaminado se torna poluído. Outro texto que não tem muito a contribuir para a lição.

2 Samuel 10:4  – Cortar as vestes até as nádegas. Nesse casso, houve uma situação real, histórica, na qual os embaixadores não foram feridos, mas psicologicamente humilhados e desmoralizados. Tiveram a metade da barba raspada e o manto cortado na altura das nádegas. Um insulto como nunca antes se houvera visto. Raspar a barba era sinal de efeminação no Oriente. Mas nesse caso, só uma parte foi raspada e, obrigar os representantes de Davi a voltar com o manto rasgado e encurtado, numa situação em que muitos não usavam outra roupa por baixo foi uma afronta abominável, uma verdadeira declaração de guerra.

Ezequiel 16:16 – Usar roupa para adornar altares idólatras. Cada um tentava contribuir para tornar mais ornamentados e atrativos os locais de culto idólatra, que também eram ambientes de práticas licenciosas.

IV. O uso de pano de saco

1 Reis 21:25-27 – Acabe se vestiu de pano de saco e jejuou. Passou a dormir sobre pano de saco. Tecido forte e grosseiro, feito com longos e escuros pelos de camelo ou de bode. Podia ser usado para o transporte de cereais e também servia para forrar o chão, quando os mercadores pretendiam oferecer seus produtos. Como era forte e barato, era usado pelos pobres, pelos pastores de ovelhas e profetas. De modo geral, era roupa considerada apropriada para períodos de crise, de emergência nacional, perigo ou luto. No caso de Acabe, seu uso indicava contrição, arrependimento e humildade. Antes orgulhoso e tirânico, nessa ocasião Acabe passou a usar roupa de luto e se portar como um penitente. Isso teve um valor pedagógico importante, pois tudo que o rei fazia era observado pelos súditos, noticiado e imitado por muitos. Lamentavelmente, foi um caso de arrependimento tardio. A condenação seria apenas suspensa por algum tempo.

V. O arrebatamento de Elias

2 Reis 2:8 – Elias tirou o manto, enrolou-o e bateu com ele nas águas. Elas se dividiram. Os dois atravessaram o rio em chão seco. Mais uma vez, Elias imitou um gesto de Moisés (Êx 14:21). O resultado foi mais próximo do que aconteceu com Josué, quando as águas do Jordão foram separadas para que o povo o atravessasse em seco (Js 3:13-17). Além de solucionar um problema, o milagre deve ter servido para lembrar às pessoas que Elias e Eliseu, a exemplo de Moisés e Josué mais antigamente, deveriam ser seguidos e obedecidos, pois eram profetas, portadores da vontade de Deus. Nessa ocasião especificamente, o poderoso e espetacular Elias estava para ser substituído por outro profeta, ainda desconhecido no ofício profético, e de personalidade mais contida. Portanto, havia razão para que feitos maravilhosos chamassem a atenção do povo e sublinhassem que o Senhor continuava disponível para socorrer Seu povo nos momentos de necessidade.

v. 10 – Se você me vir quando eu for separado de você, então terá o que pediu. Tivesse Eliseu pedido alguma coisa que Elias pudesse lhe dar, como o manto ou sua bênção, teria sido mais fácil. Mas Eliseu não estava reivindicando uma herança material, era algo que só Deus podia conceder, então Elias foi inspirado a indicar-lhe um sinal, pelo qual saberia que sua oração foi atendida por Deus. O teste seria saber se Eliseu teria a “habilidade para ver e entender o mundo espiritual [...] e a visão necessária para penetrar os céus” (Jones).
v. 12 – Quando viu [..] Eliseu gritou [...] e quando já não podia mais vê-lo, Eliseu pegou as próprias vestes e as rasgou. Portanto, a condição tinha sido cumprida e Eliseu explodiu de felicidade quando viu Elias ser levado ao Céu no redemoinho. O gesto de rasgar as próprias roupas, nesse caso não indica tristeza, mas exultação. Ele não precisava mais das suas velhas roupas de agricultor, nem mesmo de aprendiz de profeta. Agora estava de posse do manto de Elias.

VI. O manto de Eliseu

v. 13-15 – Pegou o manto de Elias que havia caído, voltou para a margem do Jordão, bateu nas águas do rio com o manto, elas se dividiram, os discípulos dos profetas viram isso e disseram: “O espírito profético de Elias repousa sobre Eliseu.”

O manto era a insígnia do ofício profético para Elias. Quando ele o lançou sobre Eliseu, no chamado para ser seu sucessor como profeta (1Rs 19:19), o jovem agricultor sentiu o peso, o cheiro, o calor, a responsabilidade, o privilégio. Desde então, ele aguardava o momento de herdar o manto em definitivo, assumir a liderança que fora tão bem exercida pelo velho profeta Elias. Obviamente não bastava a posse do manto, era preciso ter o Espírito do Senhor, mas isso estava implícito, como bem havia demonstrado o pedido de Eliseu.

Para os que foram ao seu encontro, o manto foi o sinal de autoridade. Eles reverenciaram o novo profeta e de imediato assistiram a uma demonstração de que o mesmo Espírito que havia controlado Elias, agora conduzia seu sucessor, Eliseu. O Jordão, mais uma vez representa as barreiras que se transformam em oportunidades. Tudo que é um problema para as pessoas, para o servo de Deus pode se constituir numa oportunidade para demonstrar o poder de Deus.

Conclusão

Elias usou o manto para se impor como profeta, para se proteger nas situações mais diversas, para adorar a Deus, para realizar milagres na obra de Deus, para conclamar as futuras gerações a participar da pregação e ainda deixou o manto para seu sucessor.

Jo 14:12 – Como que respondendo a um pedido semelhante ao de Eliseu, porém não expresso, Jesus também prometeu que vamos fazer maiores obras do que as dEle. De certa forma, Ele está nos transferindo Seu manto.

Um último pensamento relacionado com a lição desta semana: “A roupa não leva a lugar nenhum. É a vida que você vive nela que leva” (Diana Vreeland).

 

Fonte: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/licoes/adultos/2011/com622011.html

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Estudo nº 06 – O manto de Elias e Eliseu – Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Segundo Trimestre de 2011

Tema geral do trimestre: Vestes da Graça

Estudo nº 06 – O manto de Elias e Eliseu

Semana de 30 de abril a 07 de maio

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (Ijuí – RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristovoltara.com.br - marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

 Verso para memorizar:Porque a tristeza segundo DEUS produz arrependimento para a salvação, que a ninguém traz pesar; mas a tristeza do mundo produz morte” (2 Cor. 7:10).

Introdução de sábado à tarde

Elias é o meu profeta predileto. Gosto muito da história dele. Num tempo em que a idolatria tomou conta, esse homem permaneceu firme, chegando ao ponto de certo dia achar que estava só ao lado da verdadeira adoração. Tão fiel foi a DEUS que Este o levou para junto de Si. Ele nunca viu a morte. Enoque, Moisés e Elias, foram seres humanos pecadores, mas poderosos porque foram humildes e viviam entregues ao Senhor. Eles também falhavam, mas se levantavam em arrependimento, e DEUS os perdoou e em JESUS, foram salvos. Antes mesmo de JESUS ter morrido por eles!

“Entre as montanhas de Gileade, ao oriente do Jordão, habitava nos dias de Acabe um homem de fé e oração cujo destemido ministério estava destinado a deter a rápida disseminação da apostasiaem Israel. Distanciadode qualquer cidade de renome, e não ocupando nenhuma alta posição na vida, Elias, o tesbita, não obstante entregou-se à sua missão, confiante no propósito de Deus de preparar diante dele o caminho e dar-lhe abundante sucesso. A palavra de fé e poder estava em seus lábios, e toda a sua vida estava devotada à obra da reforma. Sua voz era a de quem clama no deserto para repreender o pecado e fazer refluir a maré do mal. E conquanto viesse ao povo como reprovador do pecado, sua mensagem oferecia o bálsamo de Gileade a toda alma enferma do pecado que desejasse ser curada.

“Ao Elias ver Israel aprofundar-se mais e mais na idolatria, sua alma ficou angustiada e despertou-se-lhe a indignação. Deus havia feito grandes coisas por Seu povo. Tinha-o libertado do cativeiro e lhe dado “as terras das nações, … para que guardassem os Seus preceitos, e observassem as Suas leis”. Sal. 105:44 e 45. Mas os beneficentes desígnios de Jeová haviam sido agora quase esquecidos. A incredulidade estava depressa separando a nação escolhida da Fonte de sua força. Contemplando esta apostasia, do seu retiro na montanha, Elias sentiu-se oprimido pela tristeza. Em angústia de alma ele suplicou a Deus que detivesse em seu ímpio curso, o povo outrora favorecido, visitando-o com juízos, se necessário fosse, a fim de que pudesse ser levado a ver em sua verdadeira luz seu afastamento do Céu. Ele ansiava por vê-los levados ao arrependimento, antes que fossem tão longe na prática do mal a ponto de provocar o Senhor para que os destruísse completamente.

“A oração de Elias foi respondida. Apelos constantemente repetidos, admoestações e advertências tinham falhadoem levar Israelao arrependimento. Havia chegado o tempoem que Deusdevia falar-lhes por meio de juízos” (Profetas e reis, 119 e 120).

Primeiro dia: “Uma voz tranquila e suave”

Vamos relatar, sucintamente, o desenrolar de fatos importantes na vida de Elias. Depois de três anos e meio com seca, Elias volta perante o rei Acabe para mostrar quem é DEUS de verdade. Haviam sofrido por 40 meses uma seca devido a adoração a deuses que eles diziam, podiam mandar a chuva, e dar-lhes boas safras. Em especial o deus Baal, que “é descrito como um deus semita e era adorado pelos Cananeus e Fenícios. Baal era principalmente um deus do sol, chuva, trovões, fertilidade e da agricultura e, em algum momento, ele ultrapassa o deus da água, Yam. Baal é o filho do deus Dagan ou Dagon, outro deus Cananeu semita” (Wikipédia).

Então, com todos esses atributos, onde ficou Baal? Por que não fez nada pelos seus adoradores? Porque ele era uma invenção de seres humanos, uma estátua morta, incapaz de tudo.

Reunidos, Elias, o rei Acabe, os 450 profetas de Baal, e muito povo, ali no alto do monte Carmelo se realizou uma prova para ver quem era DEUS de verdade e quem era falso. Os profetas de Baal fizeram longo, tedioso e exaustivo ritual para que Baal respondesse. Mas nada! E o rei e seus grandes observavam tudo, torcendo para que Baal agisse. Afinal, todos os seus sacerdotes estavam lá. Mas, astuta, Jezabel guardou-se e não foi para o monte. Estrategicamente evitou o confronto. Foi ela quem introduziu a adoração de Baal entre o povo de DEUS.

Enfim, chega a vez de Elias. Ele manda jogar muita água sobre a oferta, sobre a lenha, sobre o altar, e ainda havia cavocado uma valeta em redor do altar, enchendo-a de água. Que desafio! É por esse eposídio que tenho grande admiração por Elias. Ele era um reformador, e desafiou a falsidade com a coragem da fé. Que profeta poderoso!

Elias ajoelha-se perante DEUS, faz uma única oração com calma e serenidade, nada de barulho, nada de danças, nada de gritaria, nada de tambores, nada de ritual místico. Ao final da oração, assustando a todos menos Elias, desce fogo do alto, de algum lugar do Universo, e se posiociona sobre o altar. O fogo consome a oferta e, como se fosse álcool, lambe até a água. O fogo consumiu o holocausto, a lenha, e até as pedras se queimaram (I Reis 18:38).

Agora estava evidente quem era e quem não era DEUS. Havia uma só coisa a se fazer, e Elias deu a ordem para que se matasse todos os profetas de Baal. O povo prendeu esses profetas, e Elias os matou, um por um. Depois ele orou sete vezes, e choveu abubantemente. Elias, com uma força que lhe vinha de DEUS, correu à frente da carruagem de Acabe por37 km, conduzindo-a até o palácio, sob a intensa chuva. Isso significava que Acabe dependia dos profetas do DEUS vivo, não dos de Baal de sua esposa Jezabel. Acabe devia consultar-se com algum profeta do Senhor.

Acabe relatou a impressionante história a sua esposa Jezabel. Esta ficou tão furiosa que enviou um mensageiro a Elias dizendo que no dia seguinte seria a vez dele ser morto do mesmo modo como ele matou aqueles profetas. Foi aí que Elias desanimou.

Difícil ficar indiferente. Depois daquela demostração inequívoca de quem era e quem não era DEUS, Jezabel ainda não se arrependeu? E Acabe nem sequer se dispôs a defender Elias perante a sua esposa? Mas que governo era esse que não mudava em nada, mesmo com sinais miraculosos por parte de DEUS, e nenhuma manifestação por parte de Baal? Depois de tudo isso, nada mudou, Jezabel continuava matanto profetas de DEUS. Embora não se justifique, Elias desanimou tanto que decidiu fugir. Faltava ainda completar o trabalho que já durava 3,5 anos. Faltava a eliminação da causa primeira de toda aquela idolatria, faltava a morte de Jezabel. Elias desistiu bem diante do último ato do drama.

Hoje é assim também. Por mais evidente que sejam as mensagens na Bíblia e do Espírito de Profecia, por mais que muitos pregadores falem claro e direto sobre a necessidade de mudança, quantos em meio a nosso povo continuam seduzidos pelo mundanismo, como se ninguém os tivesse avisado. Dias atrás vi a um pastor bem desanimado. A frequencia em sua igreja, nas quartas-feiras à noite é em torno de 3% a 4% do número de membros. É de desanimar.

Elias fugiu dali. Mas DEUS estava com ele. Debaixo de um zimbro ele foi dormir. Um anjo veio até ele e lhe deu pão e água. Com a força daquele alimento ele caminhou 40 dias e noites, e então entrou numa caverna. Ele queria morrer ali mesmo. Não era um suicida, mas queria que DEUS o fizesse descansar. DEUS lhe fez ver um forte vento, um forte terremoto e o intenso fogo. Depois disso, uma briza suave, e então Elias viu que DEUS estava nessa brisa. Isso quer dizer que DEUS age sem precipitações. Ele não age como um vendaval, nem como um terremoto nem como o fogo. Essas coisas só em casos extremos. DEUS age como a brisa, com suavidade. Elias não havia entendido o modo de DEUS agir no embate com o governo de Acabe e Jezabel. E ele não havia confiado em DEUS para fazer a Sua vontade em vez de fugir.

Diante desse fracasso, DEUS determinou que Elias preparasse Eliseu para substituí-lo. Agora Elias não possuía mais condições morais para enfrentar as duras tarefas de um profeta. Outro devia tomar o seu lugar.

Mas Elias foi tão fiel a DEUS que Este o levou para junto de si.

Segunda: A troca de vestimentas

Elias estava um tanto cansado de suas labutas em favor do povo de DEUS, e Este percebeu isto, como pode perceber tudo. Elias já não era novo, a idade estava avançando. Ele fora fiel em tudo, mas agora outro precisava tomar o seu lugar. O episódio com Jezabel foi uma gota d’água no copo da paciência de Elias. Parece que agora ele já não conseguiria mais ter força moral para suportar as difíceis situações que os profetas precisam enfrentar. É dura a vida dos servos de DEUS em certas épocas e lugares. Então DEUS escolheu Eliseu.

Por ordem de DEUS, logo após a fuga de Elias diante de Jezabel, ele foi ungir alguns reis e também falar com Eliseu, um humilde jovem trabalhador do campo. Passando por onde Eliseu trabalhava, lançou a sua capa sobre o jovem, e isso continha um significado impressionante.

Eliseu era humilde. Estavam trabalhando com 12 juntas de bois, e ele era o décimo segundo. Vinha atrás de todos, mas perante DEUS, esse último foi o primeiro, o escolhido. Assim também fora com Davi, o último filho, mas o escolhido por DEUS.

Eliseu, fiel a DEUS, entendeu o significado do gesto de Elias. Ele seria o novo profeta. Naqueles dias era uma dura tarefa, de alto risco de vida em certos momentos, com missões ingratas, apelos não atendidos e frequentes desapontamentos. Eliseu poderia ter não aceito, mas ele aceitou de pronto.

Então passou-se algum tempo. Eliseu e Elias andaram juntos por esse tempo. Estavam próximos, e Eliseu foi aprendendo de Elias como os discípulos aprenderam de JESUS. Nesse meio tempo Elias teve mais alguns enfrentamentos com a corrupta e idólatra monarquia de Israel. Por exemplo, Elias enfrentou certa vez Acabe e Jezabel, e os repreendeu severamente por causa da violenta e corrupta tomada do campo de Nabote (1 Reis 21:17 a 29). Foi ainda no tempo de Elias que Acabe foi morto, numa batalha. Ele ainda enfrentou o rei Acazias, sucessor de Acabe. Profetizou a sua morte, o que se pode ver em 2 Reis 1:1 a 18. Mas Jezabel ainda viveu por vários anos, causando grandes danos ao povo de DEUS.

Finalmente chegou o dia de Eliseu suceder Elias. Ele estava pronto, aprendera como ser profeta. DEUS disse a Elias que ele seria levado ao Céu. Isto se tornou público, ao menos entre os professores e alunos das escolas dos profetas. Nestas escolas os professores eram pessoas fiéis a DEUS, e eram profetas. Ali se aprendiam ofícios e profissões seculares, mas também era intenso o estudo dos assuntos da fé. A formação era integral. Algo parecido com os nossos internatos de hoje, porém, com bem mais carga de estudos sobre a fé e a verdade de DEUS.

Naquele dia Elias passou por estas escolas, junto com Eliseu. Foi talvez para oficialmente apresentar o novo profeta. O assunto sempre incluiu a partida de Elias. Havia um penúltimo teste sobre Eliseu. Antes de partir para uma outra escola dessas, Elias dizia a Eliseu que ficasse, para seguir só, mas Eliseu sempre decidia ir junto. Dizia: “tão certo como vive o Senhor e vive a tua alma, não te deixarei” (ver em 2 Reis 2:1 a 8). Eliseu dizia: “não te deixarei”, e isso significa, assumi o cargo que me passas. Mas havia mais um teste sobre Eliseu, o último. Após passarem pelo rio Jordão, Elias falou a Eliseu que lhe fizesse um último pedido. Dependendo do que Eliseu pedisse, estaria preparado para lhe suceder, ou poderia ser o contrário. Eliseu pediu “porção dobrada do espírito de Elias” (2 Reis 2:9), isto é, queria o poder como Elias. Era o que devia ter pedido; ele demonstrava estar preparado. A resposta de Elias foi uma advertência, “dura coisa pediste”, e Elias lhe disse que receberia tal poder se o visse partindo para o Céu. Isto quer dizer, nesse caso DEUS teria aceito Eliseu como profeta.

Desde o momento do lançamento da capa sobre Eliseu, lá na lavoura, até esse último instante, Eliseu estava sendo preparado intensamente para ser profeta. Esse preparo era importante, pois a nação se achava corrompida e precisava ser advertida por profeta poderoso. E ele enfrentou situações dramáticas como profeta, mas ao contrário de Elias, sempre foi muito sereno e calmo. Homem humilde, simples, que não se aproveitava de seu poder, foi uma tremenda influência num país que insistia em se prostituir com os povos ao redor.

Terça: O uso de pano de saco

Acabe queria a terra de Nabote, que ficava ao lado da terra do palácio. Aquela era uma terra excelente, mas pertencia a Nabote, que não queria vender. Então, por meio de uma conspiração engendrada por Jezabel, Nabote foi morto, e a terra foi tomada dele.

Elias, recuperada a sua intrepidez, outra vez em nome de DEUS entrou em cena e enfrentou o rei Acabe. Ele o advertiu severamente, bem ao seu estilo de profeta. Levando as palavras de DEUS, o repreendeu com dureza e lhe informou sobre a decisão de DEUS, de que seria morto e os cães comeriam os seus restos mortais, bem como os de Jezabel.

A essa mensagem Acabe parou para pensar, e viu a gravidade de sua ação. Esse era um homem que não refletia muito sobre o que estava por fazer. Só quando Elias o enfrentou outra vez que ele se deu conta por inteiro de sua ação precipitada e cruel. Ele destruíra um lar e tomara por meios ilícitos o que não lhe pertencia. Diante da dureza da mensagem de Elias, que era homem de poucas palavras, o rei caiu em si e viu que agora ele mesmo iria ser atingido por DEUS, e de forma cruel. Ou seja, iria colher o que havia semeado. A vida é sempre assim. E ele viu que não poderia mais desfazer o mal contra Nabote.

Acabe arrependeu-se, humilhou-se diante de DEUS e diante dos homens. Um rei fazer isso é algo muito significativo, e impressionava as pessoas. Ele rasgou as suas roupas e vestiu pano de saco. Andava cabisbaixo, buscando o perdão. Jejuava e dormia sobre panos de saco.

O que significavam esses atos? Eles significavam demonstrações visíveis de arrependimento e humilhação, o que poderia ser visto não só por DEUS, mas também pelos homens.

“Pano de saco era um tecido rústico usado em várias aplicações, citado frequentemente na Bíblia como um tipo de vestimenta. Roupas de pano de saco serviam para comunicar certas emoções ou atitudes às outras pessoas. Em termos gerais, a roupa de pano de saco mostrava a angústia da pessoa. Mas, angústia e perturbação podem ser resultados de vários fatores e, por isso, observemos alguns motivos mais específicos para o uso desse rústico e grosseiro tecido.

“1. Sinal de tristeza e lamentação, especialmente devidas à morte ou às calamidades (Salmo 35:13-14; Isaías 15:1-3; 32:9-12; Ezequiel 27:29-32; Joel 1:8,13; Amós 8:10). Quando Jacó recebeu a notícia (falsa) da morte de José, seu filho predileto, ele “rasgou as suas vestes [outro sinal de angústia], e se cingiu de pano de saco, e lamentou o filho por muitos dias” (Gênesis 37:34). Quando Abner foi morto, Davi ordenou ao povo: “Rasgai as vossas vestes, cingi-vos de panos de saco e ide prateando diante de Abner” (2 Samuel 3:30-32). Quando saiu a ordem do rei da Pérsia autorizando a aniquilação dos judeus, Mordecai “se cobriu de pano de saco e … clamou com grande e amargo clamor”. Os outros judeus mostraram sua angústia com o mesmo sinal de luto (Ester 4:1-3). Este sinal, às vezes, acompanhava a mensagem triste de profetas (Apocalipse 11:3-6).

“2. Evidência de humildade, especialmente de um suplicante (Salmo 30:8,10-11). Ezequias e os outros líderes de Judá se vestiram de pano de saco quando este entrou na presença de Deus para pedir livramento da ameaça assíria (2 Reis 19:1-3,14-19). Ben-Hadade e seus soldados se vestiram de pano de saco e pediram a clemência do rei Acabe de Israel (1 Reis 20:31-32). Daniel disse: “Voltei o rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, pano de saco e cinza” (9:3).

“3. Demonstração de arrependimento (Mateus 11:21; Lucas 10:13). Os ninivitas ouviram as advertências do profeta de Deus e se converteram, cobrindo-se de pano de saco (Jonas 3:5-9). Depois do cativeiro babilônico, os filhos de Israel jejuaram, trouxeram terra sobre si e se vestiram de pano de saco quando chegaram a confessar seus pecados diante do Senhor (Neemias 9:1-4)” (http://www.estudosdabiblia.net/bd12_02.htm)

Na Bíblia não há determinação do uso do pano de saco para certos fins. Foi uma criação do ser humano. No entanto, é uma atitude de bom efeito e bom resultado. Facilita e firma uma mudança de atitude, de arrogante para humilde. Não é a única maneira de buscar humildade, ou de demonstrar arrependimento. O ser humano precisa fazer algo prático, real e visível para influenciar-se a si mesmo quando deseja mudar o seu modo de viver. Isso funciona bem. Por exemplo, minha esposa e eu, anos atrás, decidimos mudar para frequentar um grupo bem humilde e simples. O prédio do templo é de madeira, e é antigo, se bem que bem cuidado. Ali ao longo do tempo nos percebemos mais humildes, o que foi bom. Devemos fazer algo prático, visível e impactante em nossa vida para buscarmos as virtudes de cidadãos do reino de DEUS. Isso é positivo para nossa vida espiritual.

DEUS informou Elias sobre a atitude de Acabe. Deve ter-se surpreendido com isso, e Elias foi de imediato para junto de Acabe levar notícias mais suaves e agradáveis. Isso que lhe fora comunicado por DEUS aconteceria nos dias de seu filho. Ou seja, DEUS suavizou o castigo, e na verdade deu mais um tempo para Acabe se tornar radicalmente diferente, e Jezabel mudar por completo, o que não aconteceu. Veja só como DEUS falou com Elias: “não viste como Acabe se humilhou perante Mim? Portanto, visto que se humilha perante Mim, não trarei este dano nos seus dias, mas nos dias de seu filho o trarei sobre a sua casa” (1 Reis 21:29). Acabe abusou da paciência de DEUS. Agora sua família receberia o devido castigo. Estou certo de que esse castigo poderia ser evitado, se Jezabel também se arrependesse e se seu filho fizesse o mesmo. Porém, como esse filho se arrependeria se seus pais o ensinaram, por vida e exemplo, a ser rebelde contra DEUS? Eis que tudo o que fazemos repercute em nossos filhos, netos e até bisnetos. Devemos ter muito cuidado em não degenerar a nossa família pelo que fazemos. O arrependimento é pessoal. Podemos por meio dele até nos salvar, mas, por meio de nosso modo de viver, afetar negativamente os nossos descendentes, e assim levá-los à morte eterna. Isso precisa ser motivo de profundas reflexões e mudança de vida, e quem sabe, usar pano de saco, ou outra forma alternativa de cultivo da simplicidade e da humildade.

Quarta: O arrebatamento de Elias

Dois homens tiveram uma experiência única e de profundo impacto. As horas que precederam o arrebatamento, portanto, foram de intensa expectativa. Elias e Eliseu passaram por três escolas, visitando-as, por certo para alguma confirmação na fé e despedida. Elias devia ser um dos grandes mestres para aqueles alunos. Eliseu seria o próximo professor, em lugar de Elias. Eles sabiam que o profeta seria levado vivo ao Céu. Que privilégio! Nesse sentido ele é um tipo daqueles fiéis servos de DEUS que aguardarão vivos a segunda vinda de CRISTO, já sabendo o dia e a hora desse evento.

Após visitarem a última escola, os dois iam juntos, conversando, em direção ao Rio Jordão. Eliseu certamente aproveitava os últimos momentos com seu mestre para aprender mais e principalmente para observar o seu caráter. Eliseu admirava Elias, tanto que pediu porção dobrada do espírito dele, isto é, queria ser semelhante a Elias, ter um caráter a altura dele, e ser instrumento nas mãos de DEUS como Elias foi. E isso se confirmou na vida de Eliseu, como podemos ver no texto sagrado. Esse pedido demonstra o caráter de Eliseu. Assim devemos procurar ser também: servos leais a DEUS, cada vez mais desligados desse mundo. O foco de nossos interesses deve ser a Nova Terra.

Quando Elias foi convidar Eliseu para substituí-lo no ministério, ele lançou a sua capa sobre o então lavrador, que entendeu o significado, e aceitou na hora. Isso quer dizer que devemos estar preparados a cada momento, pois pode ser que DEUS nos chame no instante seguinte. Se não estivermos preparados, poderemos falhar e tomar a decisão errada, e direcionar o rumo de nossa vida para o fracasso espiritual. E esse tipo de fracasso significa a perda de tudo.

Agora essa capa seria utilizada para mais uma tarefa importante. Chegando às margens do Jordão, Elias a dobrou, e golpeou as águas do rio, que se fenderam como já acontecera no passado com o próprio Jordão e também com o Mar Vermelho, para a passagem do povo de Israel. Eliseu viu, agora, o poder de DEUS por meio de Elias, usando aquela capa. Ela se tornou símbolo do profeta. As pessoas reconheciam de longe o profeta por meio de sua capa, viam-na antes de sua fisionomia. Seria de agora em diante assim com Eliseu. A capa se tornou uma marca do profeta. Por ela, até o mau rei Acabe distinguiu Elias de longe. Seria como hoje, quem tem um automóvel diferente, vindo de longe, antes de se ver a pessoa, já se sabe quem vem se aproximando.

Mas voltemos aos últimos instantes, no momento da despedida. Que emoções sentiam os dois? Elias sabia que não passaria pela morte, e que logo veria a JESUS e a DEUS. Ele veria Aquele que viria morrer por ele e pelas pessoas do mundo todo. Ele veria e habitaria nas mansões da glória perfeita. Que privilégio! E para Eliseu seria também especial privilégio suceder esse grande profeta do Senhor. Em meio a esses sentimentos, em profunda admiração pelo caráter de Elias, Eliseu pediu porção dobrada de seu espírito para si, não para ser grande ou famoso, mas para ser humilde e fiel como foi seu mestre.

Atravessaram o Jordão, e caminhavam, quem sabe em silêncio ante a expectativa de a qualquer momento acontecer o arrebatamento. Eliseu ainda era afetado pela expectativa de ver ou não ver esse arrebatamento. Se visse, era o sinal de que seu o pedido fora atendido.

Então chega o momento. Os dois estavam juntos, e um carro de fogo, coisa impressionante, sem descrição em nossa fraca, insuficiente e imprecisa linguagem, estando um ao lado do outro, esse carro passa incrivelmente perto de Eliseu, e toma Elias, e alguém o coloca dentro do carro, e parte para as alturas, em meio a um redemoinho. Eliseu, de tão impressionado, de ter visto tudo aquilo, e de ter sido aprovado o seu pedido, rasga as suas vestes em uma atitude de extrema admiração e êxtase. Ele ficou tão impressionado, o impacto foi maravilhoso, que exclamou estupefato: “Meu Pai, meu Pai, carros de Israel e seus cavaleiros” (2 Reis 2:12). Aquilo não foi uma visão, tudo foi absolutamente real. Que privilégio!

Uma lição a aprender. Que mestre foi Elias! Que impressões esse homem deixou em Eliseu. Que ensinamentos para seu aluno, e que testemunho positivo. Muitas vezes, hoje, como pais, mães, como amigos, como professores, damos um testemunho que não deve ser seguido pelos outros! Nesse sentido Elias é um exemplo positivo. O seu aluno teve lições construtivas com ele, e o testemunho do mestre selou essas lições na sua vida prática.

Elias ficou contente ao perceber que Eliseu teve o pedido atendido. Então ele deixou cair a sua capa, que Eliseu tomou, e saiu dali, para assumir o ministério, que agora era de sua responsabilidade. Nesse sentido, a capa nos ensina algo importante. Em nossos dias, devemos como que vestir a capa de Elias e agir como Eliseu fez, ou também, como bem mais tarde fez João Batista. Devemos ser os reformadores modernos, especialmente dentro da igreja, para preparar um povo puro diante de DEUS, um povo fiel, pronto para receber o poder do ESPÍRITO SANTO, e concluir a missão, de ir a todo o mundo e pregar este evangelho a todas as pessoas em todos os cantos desse planeta.

Quinta: O manto de Eliseu

Quando Elizeu volta dessa experiência, cheio de fé e poder do alto, passa a experimentar o que recebeu: a porção dobrada do espírito de Elias que já estava com ele. Em seu poder estava a capa de Elias. Ele aproxima-se do Rio Jordão, e faz o mesmo como Elias fez: dobrando a capa, fere as águas do rio, e diz: “Onde está o DEUS de Elias?”. As águas se abrem, como há instantes antes, e ele passaem seco. Essa foi a 4ª vez que águas se abrem em que há relato. A primeira foi no Mar Vermelho, a segunda no Rio Jordão com o povo de Israel, a terceira fora a instantes antes com Elias e Elizeu, a quarta, só com Elizeu. Isso quer dizer, era sempre o mesmo DEUS que fazia esse milagre. Esse DEUS agora estava em intimidade com Elizeu, e este era o Seu profeta. Talvez, na última fuga do povo de DEUS, quando as pragas já estiverem caindo, mais algumas vezes DEUS abra passagem por meio das águas. Mas dessa vez será diferente de como foi com Elizeu. Ele retornou, nós iremos sempre em frente, até que sejamos visivelmente arrebatados pelo Senhor JESUS CRISTO.

Os professores das escolas dos profetas, eles mesmos também profetas, sabendo que Elias já fora arrebatado, pois Elizeu o havia relatado, e eles já sabiam que isso aconteceria, mesmo assim, foram conferir se Elias não estava em algum lugar. Por que razão fizeram isto? Não está relatado, mas talvez porque a sua ligação e intimidade com esse grande profeta do Senhor os levou a querer ter certeza de que ele estava bem. Poderia haver remota possibilidade de Elias estar perdido em algum lugar ermo. O amor por ele os levou a irem se certificar. Certamente nós, hoje, em alguma situação semelhante, faríamos o mesmo. Não foi pecado o que fizeram, foi zelo e alta consideração por Elias, foi uma demonstração de carinho. Eles não o viram subir, então quiseram, quem sabe, ter certeza de que tudo era assim mesmo, como Elizeu relatara. Nós, seres humanos, somos seres sociais, e queremos bem um ao outro. Não deixamos por menos quando alguém de nós desaparece, mesmo sabendo dos fatos. Foi um impulso desnecessário mas levado pela intensa amizade e amor entre eles e Elias, o seu mestre tão querido.

Aplicação do estudo Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:

Há uma sucessão profética impressionante aqui para se pensar: Elias, João batista e nós. Elias trabalhou duramente por reformas no antigo Israel, reino do norte, e ao final de sua carreira, foi direto para DEUS, ele viu DEUS. João Batista também trabalhou duramente por reformas no povo de Judá, povo de DEUS, para a primeira vinda de JESUS, e ele viu a JESUS. Nós estamos trabalhando intensamente, ao menos alguns, e logo veremos a DEUS, e seremos levados, como Elias, para onde ele já está. Nesses três casos há sempre duas coisas em comum: trabalho por reformas e o fato de ver DEUS.

Para tirarmos a lição completa do que isso tudo significa, devemos juntar a experiência de Elias com a de João Batista, pois, podemos asseverar que o somatório dos dois casos será a nossa experiência. Veja só, os dois trabalharam por reformas, mas um foi levado ao Céu e o outro viu JESUS aqui. Nós veremos JESUS, como João Batista viu, quando Ele voltar a essa Terra, e também seremos levados ao Céu, como Elias foi levado. E é isso mesmo. O povo de DEUS da última geração verá acumulado o poder do mal bem como o poder de DEUS. E esse é o povo que trabalhará com o máximo poder dado por DEUS em todos os tempos. Será também o povo que se elevará até a mais pura condição em que seres humanos já estiveram desde que há pecado, e isso contrastando em meio a maior podridão causada pelo pecado. Nós somos a geração que concluirá a obra da pregação do evangelho, e o faremos ao mundo todo. Para a nossa igreja, internamente, devemos ser reformadores como foram Elias e João Batista, voltando-nos aos princípios divinos, para o mundo devemos ser como Paulo e os demais apóstolos, indo a todos os lugares e anunciando o Reino de DEUS.

escrito entre  22 e 29/03/2011 – revisado em 30/03/2011

corrigido por Jair Bezerra

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

 Fonte: http://www.cristovoltara.com.br/

 

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário

Lesson 6 – Elijah’s and Elisha’s Mantle – (1 Kings 19, 2 Kings 2)

GoBible » Bible Studies » Garments of Grace

Lesson 6 – Elijah’s and Elisha’s Mantle – (1 Kings 19, 2 Kings 2)

Print this lesson | Bookmark/Share:

Introduction: Do you remember the video game Donkey Kong? Although it has been a very long time since I’ve played a video game, I still recall trying to maneuver Mario up the series of inclines. We would be making great progress, and then suddenly get run over by a series of barrels or other hazards and find ourselves back at the bottom. Is your spiritual life a lot like that? Great progress followed by a great fall? Small progress followed by a small fall? Our study this week is Elijah, a man who would grasp the principles of Donkey Kong. Let’s leap into our study of the Bible!

           I.  The Fall

A.  Read 1 Kings 19:1. What story did Ahab have to tell? (If you review 1 Kings 18 you will learn that Elijah challenged Ahab and the prophets of Baal to a duel in front of all of the people. The challenge was to see who could bring down fire on the mountain: the 850 false prophets and their gods or Elijah and his God? Elijah’s God won, and Elijah killed hundreds of the false prophets. It was quite the story.)

B.  Read 1 Kings 19:2. How wise is this response?

1.  Exactly which “gods” was Jezebel referencing? (This is an arrogant and audacious response. Elijah’s God won the duel and hundreds of the prophets of the defeated gods were killed. Jezebel should have been hiding under her bed in fear of the true God.)

C.  Read 1 Kings 19:3-5. If you were God, how would you react to Jezebel and Elijah?

1.  Since Jezebel invoked the fear of the gods, why not just zap her?

2.  Why does Elijah pray that he might die?

3.  If he wants to die, it would be logical to march on Jezebel’s palace! How should God react to foolish rebellion (Jezebel) and foolish fear (Elijah)?

4.  Have you an excuse for Elijah? (Killing all those prophets probably had an emotional impact on him. The stress of the duel had an impact on his emotions. He is just tired, stressed and depressed.)

5.  Is it true that he does not deserve the prophet’s mantel? That he is no better than his ancestors? (Up until the fear, he was one of the greatest warriors for God of all time. He is the human face of God’s forces.)

D.  Read 1 Kings 19:5-6. Elijah let God down. How does God react? (He doesn’t fire Elijah. He sends help. What a great God we have!)

E.  Read 1 Kings 19:7-8. Why is an angel helping Elijah to run away?

1.  Why not slap him, point him back towards Jezebel, and say “The battle is back there. Quit running the wrong way.”

F.  Read 1 Kings 19:9-10. Why do the angel and God seem to have different responses? (God loves us and cares for us, but He also challenges us when we are unfaithful.)

1.  What is Elijah’s excuse? Is he blaming God? (He believes that he is alone. God needs to get some more supporters.)

a.  Is this true? (It was not true when fire came down on the mountain.)

b.  Have these words come from your mouth when you thought you needed others to help carrying all of God’s work?

c.  Is it “okay” for a great prophet of God to think and speak like this?

         II.  God and the Fall

A.  Read 1 Kings 19:11-13. Elijah complains that he is alone and whipped. God says that Elijah should watch a parade in which God will be the Grand Marshal. What is God’s point in this? (God controls the forces of nature.)

1.  Is that a new lesson for Elijah? (No. The dispute which brought about the fire duel was that the people were worshiping Baal (a fertility god), and God brought a drought upon the land.)

a.  If the lesson is not new, why does God repeat it? (How many times do you need God to repeat His lessons to you?)

2.  What does it mean that God is not in these powerful forces of nature?

B.  Notice that God repeats his “What are you doing here” question to Elijah at the end of the parade. Why?

1.  Is God in the gentle whisper? (Yes. The point is that God controls the forces of nature, but He does not control His servants!)

2.  Why would Elijah cover his face with his mantle in the face of the whisper, but not when rocks were flying around? (He realized the true power of God.)

C.  Read 1 Kings 19:14. Should Elijah have repeated his same old answer? (It does not seem to be nearly as good an answer after this show of power.)

1.  What answer do you think God wanted? (“Sorry to let you down, I don’t know what I was thinking about, I’ll go back and confront Jezebel.”)

D.  Read 1 Kings 19:15-18. Put yourself in God’s place. What would you say to Elijah at this point? Would you fire him now?

1.  Did God fire Elijah?(He put him on a retirement plan. God tells Elijah that he will appoint Elijah’s successor.)

2.  Would you advise telling God that you want to quit?

E.  Read the first part of 1 Kings 19:19. Is this significant? (Yes. Elijah may be saying the wrong things, but he goes where God directs. He chooses God and not death.)

F.  Read 1 Kings 19:19-21 and Numbers 20:23-29. What is the significance of Elijah placing his mantle on Elisha? (It is a sign of the passing of authority.)

1.  Was it important that it Elijah just threw his mantle around Elisha, as opposed to giving him all of his clothes? (Unlike Aaron, God was not immediately replacing Elijah. Instead, Elisha served as Elijah’s assistant for some time.)

G.  Contemplate this sequence for just a minute. If you were God, would you have immediately replaced Elijah for his failure of faith?

1.  Did Elijah’s replacement have more to do with Elijah saying “I want to quit,” or his failure of faith?

2.  How do you compare this with Aaron, who did not seem to want to be replaced? (Aaron had been involved in serious sins several times. Elijah was very discouraged – but he decided to take the path of God. God gave Elijah an assistant to help lift his load. It would have been better for Elijah to have prayed for an assistant, not death.)

      III.  The Reward

A.  Read 2 Kings 2:1-3 and Genesis 5:23-24. What do you think the prophets thought was going to happen to Elijah?

1.  What do you think Elisha thought was going to happen? (He did not want to talk about it. Not since Enoch had anyone been translated, so I suppose he thought Elijah was going to die that day.)

2.  Jump ahead and read 2 Kings 2:16-17. This reveals that the prophets had no idea that Elijah was going to be taken to heaven. They must have thought he was going to die.)

B.  Read 2 Kings 2:7-10. Why is this a difficult thing? (Elisha is asking Elijah to control God.)

1.  What do you think about Elijah’s “let’s see answer?” (Elijah left it with God.)

2.  Have you ever asked God for something simple – like helping you find your keys – and felt guilty because others were asking Him to cure them from cancer?

a.  What does this “slap the water and it divides” suggest about the power of God? (God’s power is available for small things and large things. It is not as if God’s power used to help you find your keys deprives the person with cancer from His power.)

C.  Read 2 Kings 2:11-12. Think back to when Elijah was discouraged and wanted to quit and die. I think the prophets thought this would be the day of his death. What does this say about the love of our God? (He gives us life, not death! What amazing love!)

D.  Recall that God challenged Elijah on what he was doing. Is this the fellow you would reward by taking directly to heaven? (God knows we are weak humans. Elijah had a great partnership with God. After his “fall,” he got back on the right path and continued to serve God faithfully. What a generous God we have!)

1.  Notice again 2 Kings 2:12. Is Elisha so excited that he is speaking nonsense? Is he seeing soldiers? (What Elisha says is very important. A Spirit-filled person is more powerful than a first-class army.)

E.  Read 2 Kings 2:13-15. Elisha takes up the mantel and tore up his old clothes. What does this symbolize? (The prophets said it – God’s Spirit is now on Elisha.)

F.  Friend, do you feel as if you fail God at times? God not only loves you, but He offers you the greatest power to advance the Kingdom of God – the power of His Holy Spirit. Will you pray today to be given that power?

        IV.  Next week: In the Shadow of His Wings.

Fonte: http://www.gobible.org/study/659.php

 

Publicado em Não categorizado | Deixe um comentário