Estudo nº 12 – Geazi: errando o alvo – Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks

Lições da Escola Sabatina Mundial – Estudos do Quarto Trimestre de 2010

Tema geral do trimestre: Figuras dos Bastidores

Estudo nº 12 –  Geazi: errando o alvo

Semana de   11 a 18/12/2010

Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks, professor titular no curso de Administração de Empresas da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (RS)

Este comentário é meramente complementar ao estudo da lição original

www.cristovoltara.com.br - marks@unijui.edu.br – Fone/fax: (55) 3332.4868

Ijuí – Rio Grande do Sul, Brasil

Verso para memorizar:Sigam somente o Senhor, o seu DEUS, e temam a Ele somente. Cumpram os Seus mandamentos e obedeçam-Lhe; sirvam-No e apeguem-se a Ele” (Deut. 13:4).

Introdução de sábado à tarde

Elias talvez fosse um dos mais poderosos e desafiados profetas de DEUS. Ele foi um reformador, num tempo em que parecia estar sozinho ao lado de DEUS. Enfrentou um rei que se tornou idólatra e levou a nação toda à idolatria. E JESUS o escolheu como símbolo da reforma global que a Igreja Adventista promoverá no final dos tempos, um tempo que se chama Alto Clamor, que em sua intensidade máxima vai do decreto dominical até o fechamento da porta da graça. Essa pregação, na verdade já está começando, embora ainda em intensidade bem pequena.

E Eliseu teve o privilégio de ter sido o assistente de Elias. Eliseu aprendeu do profeta a quem servia os princípios de vida, de fidelidade e obediência a DEUS. Tanto é que assistiu o arrebatamento de Elias. Havia pedido que DEUS lhe desse o poder de Elias, e recebeu a capa dele. Retornando, assim como Elias abriu o rio Jordão, Eliseu também fez o mesmo. Eliseu aproveitou a convivência com Elias, e se tornou outro profeta, chamado por DEUS.

Eliseu, outro dos maiores profetas da Bíblia teve por assistente Geazi. Portanto, esse também seria um candidato a profeta. Mas Geazi foi diferente. Era ambicioso, egoísta e vaidoso. Em uma palavra, não era humilde. A pessoa que cultiva a humildade, que ora por ela e toma providências para torná-la real em sua vida (tal como ser simples, não querer atrair a atenção a si, não querer aparecer, focar nos outros não em si, viver para servir e não para ser servido, ser manso), essa facilmente é transformada pelo ESPÍRITO SANTO. Aliás, só os humildes serão transformados, pois os arrogantes não permitem que algo mude em sua vida. Fazem-se independentes de DEUS. Foi o que aconteceu com Geazi. E por isso, como Judas que viveu três anos e meio com JESUS, esse assistente de profeta não se tornou profeta, e sim, viveu seus últimos dias com lepra, e assim terminou a sua história.

Primeiro dia: Servidão

O título da lição de hoje, “servidão”, ficou estranho. Servidão é uma forma de quase escravidão, e não é isso que DEUS deseja de Seus filhos. A diferença entre a servidão e a escravidão é que os escravos são de propriedade do dono, e podem ser vendidos, mas os servos não. Vamos, então, aqui, utilizar o termo “servo” como JESUS o utilizava – uma pessoa livre para servir a seu Senhor, sem ser quase escravo.

Nos tempos antigos não havia leis para regulamentar a relação empregado e patrão. Em Israel havia algumas, as dadas a Moisés, mas eram poucas. Elas não definiam, por exemplo, férias e aposentadoria. Davam alguma proteção melhor que os servos em outras nações. Era o início da humanização dos servos. Se Israel tivesse seguido essas leis, mesmo poucas, DEUS teria revelado outras, e eles teriam avançado nesse sentido.

Os servos antigos faziam muitas coisas. Havia servos que tomavam conta de toda a casa, fazenda e tudo o que houvesse. Eram administradores dos bens do patrão. Tinham poder sobre todos os aspectos, desde finanças até questões materiais. Portanto, eram de elevado prestígio. Eram, em geral, pessoas livres, mas nem sempre, como foi o caso de José do Egito. Esse era escravo. E devemos admirá-lo, pois tinha tudo em suas mãos, e não se aproveitou da situação a seu favor, pedindo, por exemplo, a liberdade, pois fora vendido como escravo, e se tornou o administrador de tudo. Outros servos eram menos prestigiados, faziam serviços menores, como enviar recados, ou executar ordens de alguém superior. Os servos, naqueles tempos, se ligavam ao patrão quando ele era bom, e com sua família viviam junto dele, até que morressem. Muito frequente era os filhos do servo continuarem naquela família, prestando seus serviços. Muitos servos atingiam elevado status, outros, no entanto, não passavam de escravos disfarçados.

No Reino de DEUS todos são servos, livres para obedecerem ou não. Inclusive DEUS é servo. Nesse reino todos estão sempre prontos para ajudar os outros, e ninguém se imagina impondo a sua vontade sobre alguém outro. Nem DEUS faz isso. Esse é o reino do amor, onde todos querem fazer o bem, mas nem em pensamento tem alguma pretensão em dominar. Quando o desejo de mandar nos outros entrou no Céu, por meio de Lúcifer, aconteceu o que conhecemos: o império do pecado, a luta pelo poder de domínio. Esse tipo de pretensão em hipótese alguma deveria vigorar em nossa igreja. JESUS ensinou: devemos ser servos uns dos outros, assim como Ele mesmo, que não veio para ser servido, mas para servir.

DEUS é o maior servo de todos. Ele serve o Universo, que Ele mesmo criou. Ou seja, Ele sustenta tudo. Para ser servo livre, como no Céu, precisa muito mais preparo e qualificação que para mandar. Por exemplo, se quisermos servir a uma pessoa, devemos ter qualificação para ajudá-la em seu dia a dia. Se ela tiver uma profissão diferente da nossa, deveremos aprender o que ela faz, para poder servir, e não atrapalhar. DEUS, que é servo de todos, tem capacidade tal que pode ajudar a todos, em todo o Universo. O poder e o conhecimento dEle são infinitos, e Lhe capacitam a servir o Universo. É muito mais difícil ser servo que ser dominador, que no caso, só precisa de algum tipo de poder para se fazer obedecer. No caso do Reino de DEUS, para que as criaturas O obedeçam deve haver, não uma relação de autoridade e submissão, e sim, uma relação de amor. Os anjos de DEUS O obedecem, mas não por medo ou por qualquer tipo de imposição, e sim, porque O amam tanto que desejam trabalhar para Ele, e isso lhes causa incrível satisfação, prazer e felicidade. No Céu todos são livres, e obedecem a DEUS, como servos, livremente. Assim deve ser nas famílias cristãs, e então haverá felicidade, e nunca se separarão. Essa é a condição para vivermos em paz uns com os outros, nos amarmos e sermos felizes. É assim que se cumpre a lei de DEUS.

Geazi era um servo, e de profeta, Eliseu, um dos mais importantes e poderosos profetas. Os servos aprendiam muitas coisas de seus senhores. Com o tempo, muitos deles chegavam a ter conhecimento tanto quanto o senhor. Esse foi o caso do próprio Eliseu, que substituiu Elias, por escolha divina, como profeta. Profeta é sempre DEUS que escolhe. Se Geazi tivesse sido humilde e simples como foi Eliseu, talvez fosse escolhido para ser o próximo profeta. Mas do modo como Geazi construiu a sua vida, nem de longe DEUS poderia escolhê-lo. Geazi era ambicioso, sedento por prestígio e por posses. Em nossos dias, Geazi certamente seria alguém sempre atualizado nas modas, cliente de grifes famosas, pronto a levar vantagem sobre as pessoas a fim de ter mais. Portanto, totalmente desqualificado para qualquer cargo na igreja, e candidato a ser sacudido fora quando se iniciar a grande aflição final, vindo o decreto dominical.

Segunda: Aprendizado de primeira mão

Hoje temos a oportunidade de estudar e refletir sobre a história de uma mulher sunamita e seu filho. Na Bíblia há duas histórias de mulheres sunamitas. Essa é uma delas, a outra foi de Abisague, a bela moça que servia para aquecer o rei Davi idoso. Eram da cidade de Suném, que ficava localizada perto do monte Gilboa, no vale de Jezreel, em Israel.

A mulher da história de hoje, um dia desses, ofereceu alimento a Eliseu. Então, sempre que ele passava por aquele lugar, parava naquela casa, e fizeram amizade. A mulher percebeu que Eliseu era um profeta, santo homem de DEUS. Como é bom isso: ser reconhecido como uma pessoa íntegra, santa, que dá bom testemunho! Ela decidiu com seu marido construir sobre o terraço da casa um quarto para Eliseu, e ali ele se hospedaria sempre que desejasse.

Eliseu reconheceu tanta bondade e chamou Geazi, e lhe perguntou sobre a mulher, para dar a ela alguma retribuição. Geazi lhe disse que ela não tinha filhos. Eliseu imaginou que ela quisesse ter filhos, pois assim era o normal. Então chamou a mulher sunamita e lhe disse que dentro de um ano ela teria em seus braços um filho. Ela levou um susto, a ponto de repreender o profeta que não mentisse, pois sabia que não poderia tê-lo, e parece que já se havia conformado com a situação. Mas um ano depois ela estava com um filho.

Aqui vemos Eliseu envolvendo Geazi. E ele portou-se a altura do esperado. Também o que Eliseu lhe pediu era pouca coisa, e não dá para avaliar o nível de sensibilidade desse servo. Mas na sucessão da história, aí sim, veremos um Geazi um tanto rústico, sem capacidade de empatia. Ele não sabia sentir o que se passava com outras pessoas. Ele se via como sendo o centro.

Tempos depois o menino morreu. Então a mulher, com um servo dela, foi-se atrás do profeta, e o encontrou em ação, no monte Carmelo. Ela se achegou e atirou-se aos pés do profeta, em desespero. Afinal, morrera seu filho. O profeta não sabia do que se tratava, e Geazi muito menos. Agora vemos um Geazi bem rústico, pois embora fosse perceptível a angústia da mulher, ele tentava afastá-la. Não era visto como algo ético uma mulher se abraçar aos pés de um homem, muito menos de um homem de DEUS. E Geazi atentou somente para o lado burocrático: o das normas ou dos costumes, e nem percebeu que o íntimo da mulher estava em completo desespero. Pessoas desesperadas quase sempre reagem de um modo natural dominado por fortes emoções, nem sempre conforme a etiqueta ou bons costumes. Por exemplo, quando alguém vê em meio da rua um familiar acidentado e morto, se põe a chorar, gritar, pular, etc. Não é um bom costume, mas é natural, e vem da reação íntima. Isso devemos compreender, nunca repreender, que seria falta de sensibilidade para com os sentimentos da pessoa. Geazi foi repreender a mulher, e em sua insensibilidade tentou organizar o cenário conforme ele achava correto. Podemos aqui entender que esse Geazi não possuía competência para algum dia ser profeta, pois estes devem ser sensíveis a DEUS e às pessoas a quem, para DEUS, servem. Aliás, todos os servos de DEUS devem ser capazes de entender as pessoas. Assim Geazi jamais seguiria o seu senhor. Devemos lembrar que nesse episódio Geazi ainda não havia contraído a lepra de Naamã.

Eliseu ainda dava oportunidades a Geazi. Ele tentava educá-lo para DEUS. Parece que não surtia efeito. Sempre que nós nos fechamos para os ensinamentos, não só não aprendemos como também nada muda em nossa vida. A educação só se efetiva quando há uma fonte de conhecimento, quando nós temos sede desse conhecimento e o desejamos praticar.

A mulher revelou a morte do seu filho. Então Eliseu deu seu bordão a Geazi e o mandou até à casa da mulher para tocá-lo com o bordão no rosto. Assim ele ressuscitaria. Essa foi, sem dúvida, a maior tarefa dada por Eliseu a Geazi, e uma prova de que tinha a intenção de prepará-lo para também ser profeta ou atuar em alguma das escolas dos profetas. Sempre devemos lembrar, profetas são escolhidos por DEUS entre pessoas que se posicionam favoráveis a isso. Mas Geazi foi naquele espírito autônomo dele, e não houve ressurreição, senão quando Eliseu foi, e orou pelo menino. Então sim, a criança ressuscitou. Pela ordem de Eliseu a Geazi, se este fosse realmente fiel, a criança teria ressuscitado antes. Mas como DEUS iria operar por meio de Geazi, se ele estava repreendendo uma mulher em profunda tristeza, se ele não conseguia ter percepção do estado emocional dela? DEUS faz milagres por meio de pessoas que não querem entender outras pessoas?

Podemos por vezes estar junto a CRISTO, em meio a pessoas santas que se preparam para a vida eterna, mas nossos interesses podem estar longe desse grupo. E em meio a essas pessoas, que estão sendo santificadas pelo ESPÍRITO SANTO, nós podemos estar servindo ao inimigo. Se naqueles tempos antigos acontecia tal coisa, imagine em nossos dias, os últimos.

Terça: Uma questão de fé

Na história de hoje as pessoas envolvidas são o rei de Israel, o profeta Eliseu, seu servo Geazi e o capitão do rei da Síria, leproso, e uma menina israelita escrava desse capitão. Uma serva desse capitão, filha de israelitas, levada cativa, tinha fé. A menina também era exemplo de boa serva de DEUS, pois mesmo em cativeiro, quando as pessoas geralmente odeiam seus donos e procuram vingança, ela teve atitude benevolente com ele, e lhe falou sobre o profeta Eliseu, que o podia curar.

O rei da Síria mandou o capitão ao rei de Israel para que o curasse, isto é, que providenciasse a sua cura junto ao profeta. Mas o rei de Israel entendeu tudo errado, e imaginou que o rei da Síria estivesse pedindo algo impossível a fim de criar um motivo de guerra. Veja só, o rei de Israel nem lembrou que um de seus súditos era o profeta Eliseu, e era só chamá-lo, ou indicar o caminho até ele, e estava tudo resolvido. Em que alta conta o rei tinha o seu profeta, que nem se lembrava dele em ocasiões de dificuldade? Isso é sinal de que não era muito interessado nas coisas de DEUS. Assim será com os adventistas superficiais quando vierem os apertos que precedem o decreto dominical, cujas leis já estão tramitando no congresso brasileiro, e de outros países. Hoje os dias não são para vivermos de modo indiferente, em superficialidade, quanto à fé.

Eliseu ficou sabendo da atitude do rei, e pediu que lhe enviasse o capitão. E quem Eliseu mandou receber o capitão? Seu servo Geazi. Acontece que ali havia uma cilada para Eliseu. Não era uma cilada intencional, mas vinda da atitude de pessoas do mundo, que no seu natural modo de agir, se tornam perigosas. Por exemplo, no mundo, hoje, é natural fazer homenagens e elogios, exaltar os amigos ou pessoas importantes. E essa é uma atitude que tem derrubado muito bom cristão, que por essa via, caíram e se tornaram fracassados espirituais. O capitão fora para honrar o profeta, para fazer alguma homenagem a ele, com elevadas recomendações do rei da Síria. Ele pensava, assim, adquirir o favor do profeta, e por isso este o curaria. Portanto, por meio de elogios, o capitão imaginava Eliseu se tornar favorável. São essas coisas que hoje temos bastante: elogios, prestígios, homenagens, pompas, engrandecimentos, exaltações, e assim por diante. O capitão levava na bagagem um grande presente, em ouro, prata e vestes caríssimas. Mas Eliseu, precavendo-se, nem apareceu diante do profeta. Ele era um homem humilde e simples, que sabia dos perigos. Ele se esquivou de ser honrado por homem, e mandou, por Geazi, que Naamã se banhasse sete vezes no rio Jordão.

O capitão ficou furioso, pois esperava algum ritual do tipo de sacerdote pagão, cheio de elegâncias, atos, frases e movimentos. Esperava ser prestigiado como um dos capitães de um grande rei. Esperava ser respeitado, e que houvesse ali troca de homenagens. Mas nada disso aconteceu. De dentro da casa Eliseu dá essa ordem que a Naamã pareceu absurda, pois em sua terra, na cidade de Damasco havia rios, segundo ele, mais bonitos e limpos. Foi embora indignado, irritado pelo tratamento tão simplório do profeta, que nem lhe viu a face.

Já voltando a sua terra, teve o conselho de seus servos, que argumentaram o seguinte: se o profeta lhe pedisse algo bem difícil, um ritual complicado, ele faria. Então, por que ao menos não experimentar banhar-se naquele rio? O que perderia com isso? Já estava lá mesmo! Alguém ali teve ideias sábias. Essas ideias nem sempre vêm dos mais graduados, mas muitas vezes de pessoas mais humildes. Por isso essas pessoas não devem ser desprezadas.

Naamã fez isso. No sexto banho, estava tudo igual, mas ao sair da água do sétimo mergulho, a sua pele estava perfeita, como a de um recém nascido, ou seja, não houve somente a cura, a pele se tornou melhor ainda, em estado de nova.

Agora sim, Naamã ficou surpreso, e volta ao profeta, para lhe agradecer. Ofereceu-lhe os presentes, mas o profeta não aceitou. Pessoas de DEUS não necessitam de homenagens e recursos da Terra. Elas precisam da ligação com DEUS, que é a sua força. Mas quando não temos essa força, então sim, faltando a fé, precisa-se de dinheiro, e sempre mais, e nunca é o suficiente.

Naamã prometeu ao profeta daquele dia em diante adorar o DEUS de Israel, que viu ser superior, mas, como os pagãos geralmente fazem, disse que também adoraria ao seu deus Rimom. O homem foi curado, conheceu o DEUS verdadeiro, que tudo pode, mas seu coração ainda ficou dependente da tradição religiosa anterior.

Quarta: A queda de Geazi

Poderíamos acrescentar ao título de hoje: “A queda definitiva de Geazi”, pois ele já vinha caindo há uns tempos. Eliseu não aceitou os presentes de Naamã. Não os aceitou em virtude da motivação em dar esses presentes. Eram recompensas por serviços prestados e honras humanas. Eliseu, homem de DEUS, não se poderia deixar corromper por tal motivação. Devemos, hoje, ter muito cuidado, por exemplo, com os elogios e homenagens. Tem-se frequentemente visto pessoas não medindo palavras em elogiar outras pessoas, exaltando-as. Uns gostam de elogiar, outros gostam de receber elogios. E muitas vezes há as homenagens em forma de cerimônia. Devemos ter mito cuidado com isso. É importante dizer às pessoas o quanto apreciamos o seu trabalho, ou, dizer a elas onde devem melhorar, mas que seja individualmente e sem a intenção de exaltar, e sim, dando graças a DEUS. Nesses casos é aceitável.

Geazi ficou perplexo de Eliseu não ter aceito o presente. Era muito ouro, prata e vestes finíssimas. Aos preços de hoje, daria em torno de R$3,4 milhões. Indo os homens embora, Geazi não se conteve, e foi atrás. No caminho inventou uma mentira. Disse a Naamã que tinham vindo dois moços da região montanhosa de Efraim. Portanto, Eliseu teria pedido a Naamã uma veste para cada um deles e um talento de prata a cada um. A mentira foi bem detalhada, para que parecesse verdadeira.

O que se passou na mente de Naamã não sabemos, mas uma coisa é certa, ele era um capitão, portanto, bastante inteligente. Pode ter ficado um tanto curioso que Eliseu rejeitasse tudo, e agora pedisse algo para esses dois visitantes. Por que não aceitou logo ao menos alguma coisa para dar aos outros que viessem a ele? Ainda quando junto a Eliseu, Naamã, inteligente, deve ter entendido as razões da decisão de Eliseu. Agora esse Eliseu muda, de uma hora para outra, de critério? Fato é que, com a atitude de Geazi, o próprio Eliseu ficou sob suspeita. Assim também a igreja fica sob suspeita e mau juízo das pessoas de fora pelo mau testemunho de muitos. Naamã deu dois talentos de prata para esses ditos moços e duas vestes festivais. O peso da prata era grande, o que fez Naamã determinar que dois de seus servos ajudassem a levar. Dois talentos de prata são hoje 64 kilos. E o que aconteceu na volta de Geazi? Vejamos o relato de Ellen G. White:

“Ao aproximar-se Geazi da casa de Eliseu, despediu os servos, e escondeu a prata e os vestidos. Isto feito, “entrou, e pôs-se diante de seu senhor”; e, para abrigar-se de censura, proferiu segunda mentira. Em resposta à indagação do profeta: “Donde vens, Geazi?” ele respondeu: “Teu servo não foi nem a uma nem a outra parte”.

Então veio a severa denúncia, mostrando que Eliseu sabia de tudo. “Porventura não foi contigo o meu coração”, disse ele, “quando aquele homem voltou de sobre o seu carro, a encontrar-te? Era isto ocasião para tomares prata, e para tomares vestidos, e olivais, e vinhas, e ovelhas, e bois e servos e servas? Portanto a lepra de Naamã se pegará a ti e à tua semente para sempre. Então saiu de diante dele leproso, branco como neve”. II Reis 5:20-27.

Solenes são as lições ensinadas por esta experiência de uma pessoa a quem tinham sido dados altos e santos privilégios. A conduta de Geazi fora de molde a colocar uma pedra de tropeço no caminho de Naamã, sobre cuja mente havia incidido maravilhosa luz, e que estava favoravelmente disposto para a adoração do Deus vivo. Para o engano praticado por Geazi não podia haver qualquer desculpa. Até o dia de sua morte ele permaneceu leproso, amaldiçoado por Deus e evitado por seus semelhantes” (Profetas e Reis, 251 e 252).

Quinta: Vivendo do passado

Passou-se a história de Naamã. Mais tarde veio grande seca sobre Israel, ou seja, mais uma. Dessa vez foram sete anos, o dobro daquela outra vez, nos tempos de Elias. E Eliseu falou para a mulher sunamita que, com seu filho, fosse morar em outro lugar por esse tempo. Não há mais referência ao marido, pode ser que tenha morrido, pois quando teve o filho ele já era velho. Depois da seca ela volta e encontra a sua propriedade tomada por outras pessoas. E agora? O que fazer. Foi ao rei pedir socorro. Afinal, quem iria se importar com uma viúva? Naqueles tempos havia, como hoje, muita crueldade com as mulheres. Pessoas inescrupulosas tomavam delas o que restava. Eram os aproveitadores, pessoas sem sentimento nem piedade. Será que esse rei mau (os de Israel foram todos reis egoístas, que geralmente faziam alianças com pessoas de má índole), faria ela voltar à sua terra? Bem, não sabemos se quem estava em cima da propriedade dela o fez com o consentimento do rei ou não, ou se era amigo do rei ou não. Mas uma coisa sabemos, Geazi entrou nessa história.

O rei estava se locupletando em ouvir os feitos de Eliseu. Gostava de histórias de quem tem poder, ou de grandes feitos. Mas não é assim que devemos ler a Bíblia ou ouvir de JESUS, ou de algum personagem do passado. Devemos deles aprender a humildade, e não ver essas histórias como atos de heróis, como hoje inventam muitas, e atraem muitas pessoas, e alguns ganham muito dinheiro. E Geazi era quem contava essas histórias.

Esse Geazi, pelo visto, não estava mais com Eliseu. Andava lá no palácio real. Não se sabe por que razão, nem o estado de sua doença. É bem curioso que estivesse no palácio. Pode ser que fosse pelo seu passado junto ao profeta, nisso ele adquiriu fama e importância, ao menos do ponto de vista dos homens. Ou, pode ser que vivesse de dar palestras sobre Eliseu, e assim ganhasse seu sustento. Mas uma coisa é certa, ele não fazia algum tipo de trabalho missionário para converter pessoas. Ele se gabava perante o rei, e este gostava de ouvir. Tornaram Eliseu num super-homem mas não viam a DEUS com esse profeta, de onde vinha o seu poder.

Geazi poderia ser o próximo profeta, ou como diz a lição, algum mestre espiritual, como havia vários, nas escolas dos profetas. Essas não eram escolas para formar profetas, pois estes sempre foram escolhidos por DEUS, mas eram escolas supervisionadas pelos profetas. Nelas se aprendia ofícios para a vida em meio à formação espiritual para também ganhar a vida eterna, e preparação de outros professores. É mais que evidente, se Geazi fosse um bom servo, se seguisse os mesmos princípios de humildade e simplicidade de seu mestre, no mínimo, seria um desses professores. E talvez até um profeta. Ou seria uma pessoa de influência espiritual muito forte em seu tempo. Mas não foi assim a história de Geazi. Nós o encontramos falando coisas positivas em relação a Eliseu, que ainda estava vivo e atuante, mas não se sabe mais nada de alguma relação com Geazi. Nos fatos futuros, Eliseu sempre aparece sem Geazi. Eliseu faleceu bem mais tarde, no tempo do rei Jeoás (2 Reis 13:20).

DEUS usa qualquer pessoa para Seus propósitos. Geazi falava do fato da ressurreição do filho da sunamita. E o rei gostava de ouvir. Foi uma ressurreição, e não é todo dia que isso acontece. Essa história era daquelas fantásticas. Mal termina e, eis que entra a sunamita, coitada, toda apavorada, pois tinha voltado de viver por sete anos entre os filisteus. Agora queria a sua terra, e havia posseiros sobre ela. E Geazi exclamou, dizendo que essa era a mulher e esse era o menino da história que havia contado. Tudo confirmado pela mulher. Então o rei atendeu a solicitação dela, e mandou um oficial ir retirar os posseiros e devolver a terra a ela.

Tudo o que acontece aos filhos de DEUS tem algum propósito. Perguntar-se-ia, porque aquele menino morreu? Não saberíamos dizer naqueles dias. Certo que DEUS não matou o menino, mas também é certo que DEUS permitiu, pois crianças não morrem por idade. Aquela morte deu uma oportunidade para Geazi se revelar como pessoa de fé, para dar um testemunho do poder de DEUS, e mais tarde, para que a mulher não ficasse desamparada, sem ter onde morar. Se o menino não tivesse morrido, obviamente não teria ressuscitado, e Geazi não estaria ali contando essa história, e talvez o rei não se inclinasse a atender a mulher e seu filho. Muitas coisas ruins que nos acontecem, não sabemos que outras coisas piores elas evitam, ou que coisas boas advirão mais tarde. Sempre é bom confiar em DEUS.

Outra lição é: não adianta viver junto com um profeta, como Geazi com Eliseu, como Judas com JESUS, e não aprender dele os princípios de vida do Céu. É bem fácil se perder dentro da igreja, se estivermos nela, mas não aprendermos o que DEUS, por meio dela, quer nos ensinar.

Aplicação do estudo Sexta-feira, dia da preparação para o santo sábado:

Quais foram algumas das possíveis repercussões do modo de vida de Geazi? A primeira, incidiu sobre ele mesmo. Não desenvolveu uma experiência positiva com DEUS. Ele só viu esse poder atuar por meio de Eliseu, mas nunca por meio dele mesmo. Ou seja, viu, mas não sentiu, não se envolveu, não se sensibilizou para se entregar a DEUS. Tornou-se resistente e focava os interesses nele mesmo. Em Geazi nada mudou. Ficou leproso, e assim seguiu até o fim de sua vida. E não se sabe como foi seu fim. Mas o que se pode notar, é que mesmo tempos depois de leproso, continuava o mesmo, falando com orgulho de sua experiência com o grande profeta. Ele era vaidoso e orgulhoso, e não permitiu que esses traços de caráter que excluem do Céu fossem transformados.

Ele deve ter prejudicado também a Naamã. Pois o profeta não aceitou nada dele, e bem pouco depois, teria enviado Geazi atrás de Naamã pedindo alguma coisa. O que Naamã deve ter pensado a respeito do profeta? Ele também poderia ter desconfiado de alguma trama de Geazi, pois a conduta do profeta, se ele prestou atenção, era firme e definitiva. Mas é possível que ele tenha formado uma má impressão do profeta. Por uma ou por outra, há um indicativo de que Naamã não teve uma boa impressão, pois do enorme presente de em torno de R$3,4 milhões de reais, deu apenas uma fração, aquilo que foi pedido, nada mais.

E que efeitos Geazi estava proporcionando sobre o rei com quem se gabava? Esse rei gostava de gabolas e se satisfazia com isso, e Geazi só reforçou esse mau traço no rei.

Enfim, o que temos de positivo na história de Geazi? Só um ponto, de ter sido escolhido para ser servo do profeta, e mais nada. E esse ponto positivo não valeu nada na vida desse rapaz, que utilizou tão mal a enorme oportunidade de ser servo de um profeta, a ponto de morrer com lepra. Muito cuidado em nós mesmos, pois, podemos estar vivendo dentro da igreja, junto com homens e/ou mulheres santas, mas ao mesmo tempo viver sob as influências do mundo, e não permitir nenhum proveito do ambiente santo em que nos encontramos.

escrito entre:  03/11 a 09/11/2010 – revisado em  10/11/2010

corrigido por Jair Bezerra

Declaração do professor Sikberto R. Marks

O Prof. Sikberto Renaldo Marks orienta-se pelos princípios denominacionais da Igreja Adventista do Sétimo Dia e suas instituições oficiais, crê na condução por parte de CRISTO como o comandante superior da igreja e de Seus servos aqui na Terra. Discorda de todas as publicações, pela internet ou por outros meios, que denigrem a imagem da igreja da Bíblia e em nada contribuem para que pessoas sejam estimuladas ao caminho da salvação. O professor ratifica a sua fé na integralidade da Bíblia como a Palavra de DEUS, e no Espírito de Profecia como um conjunto de orientações seguras à compreensão da vontade de DEUS apresentada por elas. E aceita também a superioridade da Bíblia como a verdade de DEUS e texto acima de todos os demais escritos sobre assuntos religiosos. Entende que há servos sinceros e fiéis de DEUS em todas as igrejas que no final dos tempos se reunirão em um só povo e serão salvos por JESUS em Sua segunda vinda a este mundo.

FONTE: http://www.cristovoltara.com.br/

Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Estudo nº 12 – Geazi: errando o alvo – Comentário auxiliar elaborado por Sikberto Renaldo Marks

  1. valdinéia disse:

    estive estudando a Palavra a respeito de Geazi o qual foi um testemunho do que não se deve fazer o verdadeiro cristão. Infelizmente dentro das Igrejas ainda hoje existem pessoas como ele, E esse estudo foi um complemento espíritual abençoado em minha vida. parabens!!! só a declaração professor Sikberto R. Marks que saiu totalmente fora do foco desse estudo é como se ele não tivesse lido um pouco mais acima. Que Deus abençoe a todos.

  2. valdinéia disse:

    estive estudando a Palavra a respeito de Geazi o qual foi um testemunho do que não se deve fazer o verdadeiro cristão. Infelizmente dentro das Igrejas ainda hoje existem pessoas como ele, E esse estudo foi um complemento espíritual abençoado em minha vida. parabens!!! só a declaração professor Sikberto R. Marks que saiu um pouco fora do foco desse estudo é como se ele não tivesse escrito tudo isso. Que Deus abençoe novamente PARABÉNS!!!!!!!! .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s