Você conhece a nossa História? (2ª parte)

Você conhece a nossa História? (2ª parte)

Atendendo à expectativa, coloco abaixo as respostas para o questionário apresentado há alguns dias. É um excelente material para utilizar em Cultos JAs, seminários, sermões temáticos, palestras, concursos bíblicos, etc.

Bom proveito!

1. Que livro foi publicado por Charles Darwin, o qual deu origem ao Evolucionismo?

“Origem das Espécies”, escrito em 1859.

2. Quem foi Joachim Floris?

Foi o primeiro a aplicar o princípio dia-ano à profecia dos 1260 dias, em 1180 d.C.

3. O que é o pós-milenialismo?

Corrente teológica que cria que Jesus voltaria após o milênio de Apoc. 20.

4. Quantas pessoas estavam ensinando que os 2300 anos de Dan. 8:14 terminariam entre 1844 e 1847 d.C.?

Cerca de 84 pessoas, em 13 países.

5. A que conclusões doutrinárias Miller chegou após seus estudos?

  • Pré-Milenialismo (Jesus retornaria antes do milênio).
  • O retorno dos judeus a sua terra é sem fundamento nas Escrituras.
  • A volta de Jesus será pessoal, acompanhada dos anjos.
  • O reino de Deus será estabelecido na volta de Cristo.
  • A terra perecerá num dilúvio de fogo.
  • A Nova Terra surgirá das cinzas.
  • Os justos mortos só serão ressuscitados na 2ª vinda.
  • Os ímpios só ressuscitarão depois do milênio.
  • A ponta pequena de Daniel – o papado – será destruída na 2ª vinda.
  • Vivemos no tempo dos últimos símbolos proféticos, como no caso de Dan.2.
  • A relevância bíblica do princípio dia/ano.
  • Os 2.300 dias de Dan.8:14 entendem-se de 457 a.C. e se cumpriria em torno de 1843 d.C., e Jesus deveria regressar nesse ano ou um pouco antes.

6. Quais as desculpas que Miller usava para não pregar suas descobertas?

1) não estar suficientemente seguro de suas interpretações;

2) não sentir-se em condições de falar em público (mas Ezeq. 33:4, 6, 8 o atormentava de contínuo);

3) tentou através de cartas, falando sobre as profecias, dividir a sua responsabilidade de pregar.

7. Qual foi o pacto que Miller fez com Deus para iniciar a pregação profética?

“Se eu receber um convite para falar em público em qualquer lugar, irei, e compartilharei o que eu tenho encontrado na Bíblia acerca da vinda do Senhor”.

8. Quem foi Josias Litch?

Um Pastor que leu a coletânea de sermões de Miller, certo que com facilidade provaria os erros de Miller em tentar datar o retorno de Cristo. Mas, quanto mais lia, mais fascinado ficava. Quando terminou, estava convicto que Miller estava certo, e que ele mesmo deveria ensinar esta verdade, e por isto publicou um livro intituladoProbabilidade da 2ª vinda de Cristo cerca de 1844. Foi Litch, que aplicando o princípio dia-ano, no estudo de Apoc. 9, predisse a queda do poder Otomano.

9. Quem foi Josué Himes?

Era um vibrante jovem, organizador de grandes programas sociais e educacionais. Vivamente impressionado, convidou a Miller para vir fazer uma série de palestras na sua capela em Boston. Miller aceitou o convite, e transformou o milerismo de uma “curiosidade local” para receber atenção nacional.

10. Qual foi o primeiro jornal do adventismo?

Publicado sob a influência de Himes, foi o jornal “The Signs of the Times”.

11. Quais as sete coisas ou fatos que Miller acreditava representarem o “santuário”, a princípio?

(a) Jesus; (b) Céu; (c) Judá; (d) O templo de Jerusalém; (e) O santo dos santos; (f) A Terra e (g) Os santos.

12. Quem era Tiago White?

Tiago White (ou James White, em inglês) foi um típico pregador desconhecido do Movimento. Aos 21 anos, em Exeter, Maine, ao ouvir, na campal de 1842, um pregador do movimento adventista, deixou a escola e ele mesmo tornou-se um conferencista adventista. Com um cavalo emprestado e uma cela remendada, ele saiu para pregar. Nesta situação ele encontrou 60 pessoas arrependidas pedindo batismo. Ele pôde relatar 1000 conversões depois de 6 períodos semanais de conferências.

13. Quais os acontecimentos da natureza que os crentes do Advento utilizavam para apoiar suas teorias?

Henry Jones disse que o surgimento visível da Aurora Boreal, que, segundo ele, não era vista desde 1716, era um sinal das maravilhas do céu, preditas em Joel 2:30, que apareceria antes do “Grande e Terrível Dia do Senhor”.

Neste mesmo sentido outros citaram o Dia Escuro de 19/5/1780, e a chuva de meteoros em 13/11/1833. Além de estranhos acontecimentos que ocorreram em 1843, entre eles o surgimento inesperado de um cometa em fevereiro de 1843. A isto acrescenta-se o terremoto catastrófico do Haiti e uma violenta tempestade na Ilha da madeira, que foram vistos como cumprimento de Lucas 21:25.

14. Quais acusações as igrejas organizadas faziam contra Miller?

Ele foi acusado de cismático e perturbador das igrejas, assim como seus associados foram, igualmente, rechaçados. Outras acusações lhe foram dirigidas: Que ele se considerava profeta;

Que era fanático; Que queria formar uma nova igreja, às custas de igrejas sérias, assim como fazia Joseph Smith (Mórmons); Que ele queria se enriquecer ás expensas da natural credulidade do povo assustado com a idéia de fim do mundo.

15. O que era a teoria da “porta fechada”?

A partir de 22/10/1844, quem estava salvo, estava salvo para sempre, e quem estava perdido, o estava para sempre. O trabalho pelos pecadores foi feito até aquela data. Depois desta data, em diante, o que lhes restava fazer era animarem-se mutuamente, a uma vida cristã. A porta da graça havia se “fechado” para a humanidade.

16. Faça um resumo sobre os 3 outros grupos que se formaram após a decepção de 1844.

1) O primeiro, reclamava ter mantido a fé adventista original, sua liderança estava centralizada em 3 homens: Himes, Bliss e Hale.

Eles eram favoráveis ao desenvolvimento de uma forte igreja congregacional; não conseguiram muito neste particular.

Até que organizaram em 1859, a Conferência Adventista Evangélica Americana.

Através do Advent Herald, como seu porta-voz, os adventistas evangélicos desenvolveram uma crescente aproximação íntima com as grandes igrejas protestantes.

Como os adventistas evangélicos mantinham a crença na imortalidade da alma, eles viam menos razão para permanecerem separados. E gradualmente foram absorvidos, porque também estas igrejas tendiam ao Pré-Millenialismo (Jesus retornaria antes do milênio).

2) O segundo grupo cresceu junto de Joseph Turner e seu Second Advent Watchman.

Para estes o milênio estava no passado.

Defendiam o estado de inconsciência na morte e total aniquilação dos maus.

Mas divergiam entre si sobre organização e disciplina da igreja. Em 1862, Himes, tendo aceitado a doutrina do estado de inconsciência da morte, se uniu a este grupo e formou o que é hoje o maior grupo adventista remanescente anti-sabático – a Igreja Adventista Cristã.

3) O terceiro grupo ficou sob a liderança de Joseph Marsh, que se opunha violentamente a qualquer forma de organização.

Criam que o milênio estava no futuro. Durante o milênio esperavam um 2º período de provação quando os judeus retornariam à palestina (Pós-Millenialismo).

Sua oposição a qualquer organização tornou-os fracos e desunidos.

17. Como a doutrina do sábado penetrou no Movimento Adventista?

No fim do verão de 1844, o mais proeminente ministro adventista, de origem batista,T. M. Preble, de East Ware, N. Hampshire, que viajara junto com Miller, também aceitou o Sábado, como o sétimo dia. Ele deve ter aprendido o Sábado de Wheeler ou de Raquel Oakes, não se sabe ao certo.

Wheeler e Preble, diante do próximo advento, e da excitação em torno desta idéia, não tiveram dificuldades para convencer a outros da necessidade de mudar o dia de adoração. Os Batistas do 7º Dia agitaram o ambiente religioso com a questão do Sábado, durante estes anos de espera da volta de Cristo.

18. Quem foi Joseph Bates?

Ele era um homem na faixa dos 50 anos de idade quando decidiu guardar e promover o Sábado. Com a idade de 15 anos deixou o lar em New Bedford, em Massachussets, para seguir uma carreira no mar. Os primeiros anos foram cheios de aventura, incluindo um naufrágio e um recrutamento forçado à Marinha Britânica. Depois do início da guerra de 1812, ainda na Inglaterra, insistiu em ser feito prisioneiro de guerra. Ele passou dois anos e meio na prisão de Dartmoor.

Por volta de 1820 tinha experiência suficiente para capitanear um navio mercante. No espaço de 8 anos acumulou uma relativa fortuna e se aposentou. Durante estes últimos anos no mar ele proibiu o uso de bebida alcoólica e fumo. Nesta época ele encontrou alegria em ler a literatura espiritual e a Bíblia, que sua esposa colocava junto com suas bagagens.

19. Qual a importância de Hiran Edson e Crosier para a compreensão da doutrina do santuário?

Hiran Edson era um fazendeiro metodista de Port Gibson, NY, que tinha se tornado um adventista ao redor de 1843. A primeira reação de Edson na noite do desapontamento de 22/10/1844 foi questionar Deus e a Bíblia. Depois de uma pequena reflexão, ele reconheceu que seus dias de espera tinham sido “a mais rica e a mais brilhante experiência de toda a sua vida”. Com vários amigos dedicou-se a um período de oração em seu celeiro. Saiu deste período convencido que a luz viria para explicar seu desapontamento. Edson e um companheiro, provavelmente O. R. L. Crosier, saíram na manhã de 23 de outubro para encorajar amigos adventistas. Enquanto os dois andavam através da plantação de milho (milharal), Edson afirma que: “o céu pareceu se abrir diante de mim, e eu vi distintamente, e claramente, que em lugar de nosso Sumo Sacerdote sair do Santíssimo do santuário celestial para vir à Terra (no fim dos 2.300 dias), Ele, pela primeira vez, entrou naquele dia no 2º compartimento do santuário, e que Ele tinha um trabalho a fazer no Santíssimo antes de vir à Terra”. Sua mente, logo, foi dirigida pelo Espírito Santo a Apocalipse 10, com seu livro que era doce como melna boca, e amargo no ventre. O capítulo termina com a instrução do anjo para profetizar de novo, outra vez.

20. Faça um resumo sobre o início do dom profético de Ellen Harmon.

Como o grupo de adventistas se esforçava para reter sua fé e para entender seu desapontamento, Deus lhes concedeu uma ajuda para que entendessem que Ele estava no movimento. Isto veio através de visões e sonhos proféticos recebidos pela jovem, Ellen Harmon, que morava em Portland, Maine. Nasceu em Gorham, Maine, dia 26/11/1827. Não foi o maior editor ou o maior conferencista o favorecido, mas esta mocinha de 17 anos, que juntamente com sua família tinha sido eliminada da Igreja Metodista, por causa da sua crença no movimento adventista. Um ferimento na infância negou-lhe tudo, inclusive os rudimentos de uma educação formal. Embora tendo uma saúde frágil, ela se alegrava com uma forte experiência cristã.

Um dia de dezembro de 1844, enquanto orava com quatro irmãs, Ellen relata o que sentiu: “O poder de Deus veio sobre mim como eu nunca o tinha sentido antes”. Desligou-se do seu meio ambiente, ela parecia subir acima da Terra. Lá em cima ela procura seus companheiros adventistas. Ela, finalmente os descobriu num estreito e reto caminho que terminava na Jerusalém Celestial. Atrás do povo do advento, no começo do caminho, estava uma brilhante luz. Um anjo disse à Ellen que esta luz era o “clamor da meia-noite”, cuja luz brilhava ao longo de todo o caminho. Como ela esperava, alguns adventistas se desencorajaram com as dificuldades do caminho, e negaram a luz atrás deles. Caíram numa densa escuridão e tropeçavam e caíam no caminho. Com a continuidade da visão, ela viu o 2º advento e a entrada triunfal dos santos na Jerusalém Celestial. Quando a visão terminou, o mundo parecia escuro para ela, mas logo ela e aqueles a quem ela relatara sua experiência, estavam certos de que Deus tinha escolhido esta maneira para confortar e fortalecer Seu povo.

21. Quem foi Willian Foy?

Um batista de Boston, estudando para ser ministro episcopal, recebeu duas visões: uma sobre o breve retorno de Jesus, e outra sobre o prêmio da justiça. Ele relutou em contar sua visão publicamente, em parte porque, como mulato, ele era rejeitado devido aos preconceitos para com os homens de cor. Apesar de sua inicial relutância, ele aceitou relatar as visões para uma grande audiência através de New England. Mais tarde, devido a um aperto financeiro e à 3ª visão, que ele não pôde entender, fez com que Foy parasse de contar sua experiência.

22. Quem foi Hazen Foss?

Era natural de Poland, Maine, recebeu uma visão muito semelhante à 1ª visão dada à Ellen Harmon posteriormente. Sabendo que encontraria oposição se relatasse as visões e advertências como fora instruído, Foss recusou aceitar a comissão. Logo ele sentiu que tinha agravado o Espírito Santo, e procurou reunir um grupo para ouvir a visão, só que não conseguiu se lembrar dela. Semanas mais tarde Foss teve a oportunidade de ouvir Ellen Harmon, cuja irmã mais velha havia se casado com seu irmão, relatar o que ela tinha visto. Foss advertiu a Ellen a não recusar o chamado de Deus. Mais tarde ele demonstrou não ter nenhum interesse em matéria de religião.

23. Como foi o encontro entre Ellen Harmon e Tiago White?

Um dos que foi imediatamente convencido do dom profético de Ellen Harmon foi o Pr. Tiago White, que observou Ellen durante uma visita que ela fez a Orrington, Maine, no início de 1845. Logo os convites começaram a chegar. Ellen viajava para longe de seu lar, para visitar os adventistas em New Hampshire e Massachussets, sempre acompanhada por sua irmã Sara ou Luíza Foss. Sentindo as necessidades delas, James (“Tiago” em português) White começou a se encontrar com elas, com o objetivo de ajudá-las em sua viagem. Isto os levou a se familiarizarem, embora nem Ellen, nem James tivessem abrigado pensamentos românticos neste tempo. Ambos esperavam o breve retorno de Cristo, e seria falta de fé estarem envolvidos com pensamentos sobre casamento, naquele tempo. Seu amor cresceu na mesma proporção de um para com o outro, que Tiago ficou convicto que nada podia ser permitido que trouxesse reprovação sobre Ellen e sua obra. Assim, no verão de 1846 ele lhe propôs casamento. Ellen aceitou, e em 30 de agosto, como jovens, sem serem membros de nenhuma igreja, eles se casaram em Portland através de um juiz de paz.

24. Quais os 5 obstáculos que mais atrapalharam a expansão do Movimento?

primeiro deles foi o escárnio que acompanhou o grande desapontamento, e submeteu o adventismo a uma vergonha nacional. Isto propiciou o surgimento dosegundo obstáculo em que o grande público evitava se fazer presente às reuniões. Além disso, eles não tinham recursos financeiros para alugar salões e fazer propaganda para atrair as multidões – o terceiro obstáculo. A isto acrescenta-se o quarto obstáculo, em que os White eram de origem pobre, enquanto Bates e Edson tinham gasto sua modesta fortuna para propagar o jornal The Midnight Cry. Os jornais milleritas existentes após o desapontamento eram o meio que os milleritas tinham para alcançar outros adventistas. Ao lado desta situação a conferência de Albany tomara uma posição conservadora, evitando usar os seus jornais para propagar a “Nova luz”. Este foi o quintoobstáculo.

25. Quem foi David Hewitt?

Por ocasião de sua 2ª vinda a Jackson, o capitão Bates ouviu a respeito de algumas famílias adventistas em Indiana e resolveu visitá-las. Enquanto a caminho, sentiu que devia descer do trem na pequena vila de Battle Creek. No Correio, ele perguntou pelo mais honesto homem da cidade. Poucos minutos mais tarde ele foi conduzido ao lar deDavid Hewitt, um presbiteriano. Era bem cedo de manhã quando Bates bateu na porta e disse que tinha importante verdade a apresentar. Cortesmente convidado a tomar o café da manhã, e então conduzir o culto familiar, a Bates foi dada mais tarde a oportunidade de apresentar suas crenças. Todas as manhãs, os Hewitts ouviam a apresentação da esperança do advento, tudo ilustrado com mapa. Os assuntos eram novos para eles, e na semana seguinte começaram a guardar o Sábado. O primeiro núcleo de adventista se reunia na casa de David Hewitt, até que a primeira capela foi construída em Battle Creek. A aceitação de Hewitt da mensagem, sendo ele um presbiteriano que não tivera contato com o adventismo, acabou, de uma vez por todas, com a doutrina da porta fechada. Posteriormente, Hewitt seria o autor da sugestão para o nome da nova Igreja que estava surgindo.

26. Quem foi Joseph H. Waggoner?

Em dezembro de 1851, dois pregadores fizeram uma rápida parada em Baraboo, Wisconsin, e durante uma hora fizeram uma apresentação geral da mensagem de Apocalipse 14, os grandes períodos proféticos, o Sábado, a besta de 2 chifres de Apoc. 13. Sentado na audiência, estava o batista Joseph H. Waggoner, editor e publicador de um jornal político. Waggoner ficou tão intrigado que, a cada tempo que lhe restava, ele estudava as mensagens apresentadas que lhe chamaram a atenção. Com poucos meses ele estava bem firmado na mensagem adventista; seus novos colegas se admiravam que ele pudesse entrar no adventismo, por causa da doutrina da Porta Fechada. Waggoner deixou seu posto de editor para viajar como evangelista nos Estados de Wisconsin, Iowa, Illinois, Indiana e Michigan. Preparou as mais hábeis respostas sobre inquirições a respeito do Sábado para gerações futuras que viveriam nesta região.

27. Quem foi o primeiro presidente da Conferência Geral dos ASD?

John Byington

28. Quem era Uriah Smith?

No fim de 1852, um rapaz que, depois de Tiago White, teve a maior parte no desenvolvimento da Review and Herald, deparou-se com a doutrina do Sábado. Seu nome era Uriah Smith. Por ocasião da decepção do milerismo, em 1844, Smith era um jovem de 12 anos, acompanhando tudo através de sua mãe, fiel adventista. Após alguns anos ele decidiu seguir a carreira literária. Em 1852 assistiu às conferências dos adventistas sabatistas, em New Hampshire, Washington. Pelas coisas que ouviu, iniciou-se um processo de convicção de que o 4º mandamento requeria a observância do Sábado. Após 12 semanas de estudos, ele decidiu tornar-se um guardador do Sábado no adventismo. Nesta época ele já contava com 21 anos. Em seguida foi trabalhar na Review em Rochester, junto a sua irmã Annie. Sua capacidade de escrever o transformou num escritor de boa qualidade, e foi assumindo responsabilidades administrativas, liberando o Pr. White para realizar mais viagens e pregações.

29. Quem era Stephen Haskell?

Em 1853 a Review começou a publicar um pequeno estudo: “Elihu on The Sabbath”. Este trabalho foi responsável em fazer Stephen N. Haskell um guardador do Sábado. Ele tinha 19 anos quando ouviu um desconhecido evangelista falar sobre o 2º advento. Tão eletrizado ficou com o assunto que falava dele com cada pessoa que encontrava. Desafiado por seus amigos a pregar, disse que o faria se eles providenciassem um local e ouvintes. Para sua surpresa eles cumpriram a promessa.

Foi Haskell quem introduziu o método de estudos bíblicos na Igreja Adventista.

30. O quer era o princípio da “Benevolência Sistemática”?

Na primavera de 1858, a congregação de Battle Creek formou um grupo de estudo sob a liderança de John Andrews, para pesquisar na Bíblia qual era o plano de Deus para sustento do ministério. No começo de 1859 este grupo propôs um plano sistemático de doação que foi aprovado pela igreja de Battle Creek. Logo ele estava sendo promovido através das colunas da RH. Um ano mais tarde, os crentes adventistas, reunidos em conferência geral, recomendaram o sistema para todos os adventistas.

Os irmãos de Battle Creek sugeriram que, seguindo as instruções de Paulo em 1Cor. 16:2, cada crente poria de lado uma certa quantia a cada 1º dia. Os irmãos foram animados a separar de 5 a 20 centavos por semana, as irmãs de 2 a 10 centavos. E um valor adicional deveria ser acrescido: 5 centavos para cada US$100 do valor da propriedade particular. O plano foi chamado de “Sistematic Benevolence” ou “Irmã Betsy”, como logo foi apelidado.

31. Como foi escolhido o nome “Igreja Adventista do Sétimo Dia”, e quem foi o responsável pela sua escolha?

Em 01/10/1860 os delegados estavam prontos para resolver o problema da escolha de um nome. Uma vez que as leis do estado de Michigan exigiam que uma associação legalmente organizada tivesse um nome, eles já eram tratados por diversos nomes, tais como: “Povo do 7º Dia”, “As Portas Fechadas do 7º Dia”, “Adventistas Guardadores do Sábado”. Eles mesmos se referiam a si mesmos como “O Remanescente”, “O Rebanho Disperso” ou “Igreja de Deus”.

Quando tudo indicava que o nome seria “A Igreja de Deus”, muitos entretanto, achavam-no muito pretensioso. Então preferiram um nome que imediatamente indicasse suas maiores doutrinas. Por isso foi escolhido o nome “Igreja Adventista do 7º Dia”. E o responsável pela escolha deste nome foi David Hewit.

32. Quem foi John Harvey Kellogg?

John Harvey Kellogg era por longo tempo um favorito de James White. Sob orientação deste, o jovem Kellogg aprendeu tipografia nos escritórios da Review, quando era ainda um rapaz de 12 anos. Enquanto ele ajudava a arrumar os tipos da revista How to Live, ele se tornou um dedicado converso aos princípios de saúde. Mais tarde ele passou vários meses na fazenda dos White em Greenville. Em 1872, Kellogg decidiu tornar-se um professor e se inscreveu num curso, no colégio estadual de professores em Ypsilanti. Contudo, orientado por Merrit e os White, John Kellogg concordou acompanhar um grupo que ia para o Dr. Trall. Ele não tinha intenção de praticar medicina, mas intentava tornar-se um educador na área de saúde.

Kellogg tornou-se um expoente na área de saúde da época, com fama mundial. Infelizmente veio a se desligar da IASD, por questões de ordem administrativa e teológica.

33. Como começou a Escola Sabatina?

O que James White intentou com a escola sabatina era que ela fosse um lugar de doutrinação dos filhos dos crentes. Das primeiras quatro lições publicadas, duas foram sobre o Sábado; a 3ª foi sobre a lei, e a 4ª sobre a arca do testemunho. Mais tarde as lições trataram das profecias de Daniel e da doutrina do Santuário.

Através da década de 1850, os grupos de adventistas dispersos desenvolveram escolas sabatinas, que se tornaram modelo para o começo da escola de Battle Creek. Nesta escola, administrada consecutivamente por G. W. Amadon e G. H. Bell, quase uma hora era usada no estudo da Bíblia. Os estudantes eram divididos em classes de 6 a 8 alunos. Esta era a maneira para plantar as sementes da verdade na mente dos jovens com o mínimo de custo. Bastava haver suas crianças para se poder organizar uma escola sabatina para elas.

34. Qual foi o primeiro missionário além-mar (enviado dos Estados Unidos para outro continente)?

John Andrews.

35. Faça um resumo sobre as circunstâncias que conduziram à crise de Minneápolis em 1888.

Qualquer pessoa que lesse a declaração das crenças básicas adventistas, publicadas em 1872, podia com muita razão ter a impressão que se tratava de um grupo religioso legalista e ariano (que amparavam sua salvação nas obras próprias). A ênfase estava posta naquilo que o homem deve fazer em lugar de encarecer aquilo que Cristo tinha feito e faria através de Seus seguidores. No centro das declarações estava o ensinamento de que nenhuma pessoa podia por si mesma render obediência à lei de Deus, mas que todos dependiam da graça para render aceitável obediência à Sua santa vontade. Desta forma era bem enfatizada a obrigação de todo homem guardar os 10 mandamentos. Eles foram insuficientes em declarar que somente a justiça de Cristo oferecida e apropriada pela fé fazia o crente aceitável a Deus.

Os fundadores da IASD não tinham esta intenção. Era o seu amor por Jesus, seu apreço por tudo quanto Cristo fizera por eles, que os fizera tão ansiosos pelo seu retorno em 1844. Com o desapontamento eles agora tinham uma clara consciência da obra que tinham a fazer antes do retorno de Cristo: Reparar a lei de Deus, na restauração do Sábado.

Nas décadas de 1870 e 1880 uma nova geração de ASD surgiu. Estes foram ridicularizados como legalistas e judaizantes pelos outros cristãos; outras vezes perseguidos em diferentes regiões, e por isso pesquisaram a Bíblia para sustentar suas crenças no Sábado. Eles encontraram um arsenal de textos que podiam provar com a mais estrita lógica a perpetuidade do Sábado do 7º dia. Porém, a tendência deles era se tornar legalistas, olhando para suas próprias obras de salvação do que para Jesus Cristo.

Tivessem os ASD ouvido e praticado tudo o que Ellen White disse durante estes anos, a história poderia ter sido outra. Em 1856, ela chamou os crentes para entenderem sua condição Laodiceana; se a atenção tivesse sido dada, contrição e arrependimento teriam se seguido. Além disso, outras coisas assumiram lugar de importância, que desviara a atenção dos ASD deste foco:

A Guerra Civil Americana.

Reforma de Saúde.

Organização da Igreja.

O avanço missionário.

Com tudo isso, foi fácil tirar a atenção de uma religião pessoal de dependência total de Cristo, para se centralizar naquilo que cada um devia fazer.

36. Quem foi Ellet J. Waggonner?

Um jovem médico de 27 anos. Como por um dilúvio, ele foi coberto com a grandeza do amor de Deus, manifesto no Cristo pendurado no madeiro. Como nunca, ele recebeu o impacto deste ato de amor pelos seus próprios pecados. E movido de íntima gratidão, este jovem médico resolveu que em toda a sua vida futura ele estudaria as Escrituras para adquirir uma clara compreensão desta verdade gloriosa, e a faria inteligível aos outros.

E. J. Waggonner era um adventista de 2ª geração. Seu pai J. H. Waggonner tinha sido um dos primeiros a se unir ao adventismo sabatista. Logo, ele se tornou bem conhecido no meio adventista, e era respeitado por seus convincentes sermões e por seus artigos na Review. A convite de Tiago White, J. H. Waggonner (pai) se transferiu de Michigan para a Califórnia para ajudar no editorial da Pacific Press. Em 1881 ele substitui o Pr. White como Editor da Signs Of The Times.

37. Quem foi Alonzo T. Jones?

Também tornou-se um editor assistente de Signs Of The Times. Jones tinha passado 3 anos no Exército Americano, e aceitou as doutrinas da IASD enquanto servia no Forte Walla Walla. Ele estudava dia e noite para alcançar um bom conhecimento bíblico e histórico. Tinha uma maneira brusca de ser e uma postura e gesticulações grosseiras, bem como uma maneira singular para falar. Era alto, de feições retilíneas. Jones tornou-se um poderoso pregador que trouxe muitas pessoas para a causa do Advento.

38. Por que não se pode dizer que houve “rejeição”, por parte da Igreja Adventista do 7º Dia, da mensagem de Justificação pela Fé?

Embora a oposição recusasse a admitir a derrota, nisto residia o aspecto mais triste da reunião: orgulho e inveja degeneraram em crítica e zombaria. Ellen White declarou que “os servos a quem Deus enviou (Jones e Waggonner) foram caricaturados, ridicularizados e colocados numa situação vexaminosa”. As críticas se estenderam até à própria Ellen White, dizendo que ela estava senil e que tinha sido monitorada por Jones e Waggonner. A um correspondente ela escreveu: “Meu testemunho foi ignorado, e nunca em minha vida eu fui tratada como nesta Conferência”. Disse mais ainda: “Foi uma terrível experiência… um dos capítulos mais tristes da história dos crentes na verdade presente”.

Não foi tomado nenhum voto aprovando ou rejeitando os pontos controvertidos, pois Ellen White mesma disse que os delegados não estavam em condição de fazê-lo, por causa do espírito com que vieram às reuniões, e porque não sabiam ao certo em que criam.

39. Quem foi A. G. Daniels?

Através do subseqüente Biênio, cresceu a convicção no meio dos ASD de que a estrutura organizacional e administrativa da igreja deveria ser estudada pelos delegados, e que EGW deveria estar presente, e foi para alegria geral que ela retornou aos EUA no fim de 1900, vinda da Austrália. Também vindo da Austrália, voltara aos EUA o Pr. A. G. Daniells. Ele era reconhecido com um homem capaz. O próprio Pr. O. A. Olsen disse dele o que segue: “Há poucos membros na CG que tenham as qualificações do Pr. A. G. Daniels. Ele é um bom orador, e mantém seu trabalho em perfeita ordem”.

40. Faça um resumo sobre a crise do “panteísmo”, com o Dr. Kellogg.

O Dr. Kellogg se sentia atraído pelas idéias panteístas (Deus está presente em toda a natureza, por exemplo: em uma pedra, em um rio, em uma árvore, etc.) e pelas idéias esotéricas ou secretas (ocultismo). Ele discutira com EGW sobre o assunto, e foi seriamente advertido durante alguns anos. Com a ida de EGW à Austrália, as idéias de iminência de Deus em todas as criaturas se desenvolveu. Homens como Jones e Waggoner promoveram idéias semelhantes. O assunto, entretanto, não se tornou importante até 1902, quando a mesa diretiva da Conferência Geral aprovou a publicação do livro The Living Temple, do Dr. Kellogg. A venda da obra, impressa em 500.000 cópias, era para custear a reconstrução do Sanatório e pagar débitos de outras instituições de saúde.

Quando o livro estava no prelo A. G. Daniells alertou o autor a não colocar nada de criticismo. Daniells ainda lembrou a Kellogg de que alguns o acusavam de Panteísmo e que a IASD não desejava nenhum comprometimento com tal filosofia. O livro foi dado a Prescott para ler, e ele ficou preocupado com a semelhança forte com o panteísmo, por isso aconselhava uma revisão de diversas declarações. Antes disso, Kellogg se desentendeu com o Pr. Daniells por causa de assuntos administrativos. Isto fez com que a CG recusasse prosseguir no plano de impressão das 500.000 cópias do The Living Temple. Então Kellogg autorizou inicialmente, 5.000 cópias, mas o incêndio de 30/12/1902, queimou tudo, e a ordem de Kellogg não foi seguida.

41. O que foi o “The Living Temple”?

Livro de Kellogg com idéias panteístas.

42. O que era a teoria da “Carne Santa”?

O movimento de purificação ou “carne santa” cresceu entre 1899 e 1900, e quase anuviou a liderança adventista em Battle Creek. Durante a década de 1890 muitos adventistas estavam convencidos que a Igreja estava à beira da experiência do grande derramamento do Espírito Santo prometido na chuva serôdia. Esta convicção estava ligada intimamente à renovada ênfase sobre a justiça pela fé que se seguiu a Conferência de Mineápolis em 1888.

43. Quem foi Ballenger? O que ele ensinava?

Ablon Fox Ballenger, cujos sermões proveram, parcialmente, inspiração para o movimento da “carne santa”, ocupou inúmeras posições de responsabilidade dentro da IASD. Filho de um ministro da Igreja, era desde seu nascimento um ASD. Antes dos 30 anos Ballenger tornou-se Secretário da Associação Nacional de Liberdade Religiosa. Mais tarde ele serviu como Editor Assistente do “Sentinela-Americano”, órgão oficial da Associação. No fim da década de 1890 renunciou estas habilidades para se devotar completamente à pregação. Em 1900 ele foi enviado às ilhas britânicas, onde trabalhou em várias cidades grandes, depois no país de Gales, e finalmente como presidente da “Missão Escocesa”.

Problema Doutrinário – Enquanto estava na Irlanda, Ballenger começou a apresentar uma diferente explicação do santuário celestial, daquela ensinada pelos ASD. Logo, ele estava afirmando que os dois compartimentos do santuário representavam as duas fases da obra de Cristo antes e depois da crucifixão, enquanto o ensinamento dos ASD era que Cristo entrou no segundo compartimento do santuário celestial somente em 1844. Ballenger acreditava que Cristo tinha realizado isso imediatamente após Sua ascensão.

De acordo com Ballenger, o dia antitípico do Dia da Expiação não começou em 1844, como os ASD ensinavam. Para ele, o ano de 1844 e os 2300 dias proféticos não tinham nenhum significado. Chamado diante da mesa administrativa da União Inglesa para explicar seus pontos de vista, Ballenger fez sua defesa mas não conseguiu convencer à Mesa da União de que ele tinha descoberto uma relevante nova luz. Foi, então, afastado da presidência da Missão Irlandesa. Dessa maneira, foi lhe dada a chance de ser analisado por uma comissão de sábios líderes. Em 1905, Ballenger foi enviado pela União Britânica como um dos seus delegados para a Conferência Geral. Enquanto atendia esta reunião em Takoma Park, foi-lhe permitido apresentar sua posição diante dos 25 maiores líderes da Igreja na época. Depois de 3 dias de discussão, Ballenger não convenceu esta Comissão de que seus pontos de vista eram corretos.

Por sua vez, também a comissão indicada para responder a Ballenger não o persuadiu de que estava em erro, embora a posição dos ASD estivesse fundamentada em profunda exegese bíblica e em claras declarações do Espírito de Profecia. Tudo isto levou Ballenger a reexaminar sua posição em relação aos ensinos de Ellen White. Logo, ele começou a acusá-la de plagiária e de promover o erro. Em seguida ele rejeitou ensinar convicções divergentes, o que fez com que os líderes não tivessem outra escolha senão afastá-lo do ministério, e eventualmente da igreja.

Ballenger publicou vários panfletos que esboçavam seus pontos de vista. Viajou, intensivamente em todos os EUA, procurando falar a grupos de Adventistas. Durante estas viagens ele conseguia apoio financeiro de diversas pessoas que já tinham tido descontentamento com a liderança. Seus mais importantes conversos eram seu idoso pai e seu irmão, E. S. Ballenger, também ministro ASD. Ambos foram, subseqüentemente, privados de suas credenciais ministeriais. Em 1914, Ballenger assumiu um pequeno periódico, o The Gatherine Call (Chamado ao Ajuntamento), iniciado por um dos seus financiadores. Neste período, ele se uniu aos Batistas do 7º Dia e se tornou o pastor da congregação de Riverside, Califórnia. Até sua morte, em 1921, ele continuou tentando convencer os Adventistas de seu ponto de vista.

Após a morte de A. F. Ballenger, seu irmão Edward continuou a publicar o The Gathering Call, mas sua ênfase mudou da discussão doutrinária para o estridente ataque pessoal aos líderes da IASD do passado e da sua época: Ellen White, Uriah Smith, A. G. Daniells, W. C. White, F. M. Wilcor, entre outros. Um exemplo da natureza vil do material foi a publicação de um falso rumor que W. A. Spicer havia bebido cerveja quando estava na Alemanha. As atividades dos Ballenger foram um incômodo para os líderes da Igreja por um período de 50 anos.

44. Quem foi Robert Brinsmead? O que ele ensinava?

Nenhum movimento dissente foi mais problemático para os líderes adventistas do que o iniciado por um estudante do Colégio da Austrália, no fim da década de 1950: Robert Brinsmead.

Seus pais tinham-se identificado com o movimento de reforma dos ASD da Alemanha, embora eles se sentissem satisfeitos em ser membros da IASD quando Robert ainda era um menino de 10 anos. Assim o espírito de desconfiança e suspeita dos líderes da igreja continuou no lar.

Para Robert, parecia que a Igreja tinha sido muito lenta diante da justiça pela fé e isto logo tornou-se um novo ponto de ataque. Foi no início deste ano que Brinsmead começou sua longa carreira de escritor, e o fez produzindo uma pequena publicação intitulada “O Selo do Espírito Santo”. Neste periódico ele argumentou que a remoção dos nossos pecados do Santuário Celestial deveria anteceder a experiência da Chuva Serôdia.

Depois de um ano cuidando de seus interesses pessoais, os irmãos Brinsmead voltaram a Avondale. Por algum tempo ele acreditou que na encarnação Cristo tinha assumido a natureza humana pecaminosa igual a todos os outros seres humanos. Contudo, o recente livro adventista publicado (Question on Doctrine), tomou uma diferente posição. Para Brinsmead isto era uma clara indicação do crescimento da apostasia. Em um novo comentário sobre Daniel 10 e 11, “a visão de Hidequel”, Brinsmead avançou na tese que o “Rei papal do Norte” estava entrando no “Glorioso Monte Santo” (IASD) pela insidiosa forma de introduzir o erro e o espírito autoritativo. Como presidente da liga ministerial do Colégio, Binsmead fez circular alguns dos seus pontos de vista através de toda a Austrália. Ele conseguiu um substancial número de seguidores entre os estudantes e nas igrejas. Atraiu também alguns poucos jovens ministros adventistas.

45. Quais as 3 grandes crises enfrentadas pela doutrina do santuário?

A primeira, em 1905, causada por Albion Fox Ballenger; a segunda teve como figura central W. W. Fletcher, entre 1929 e 1930; e o protagonista da terceira foi o Dr. Desmond Ford (de 1979 a 1980).

Fonte: Apontamentos de sala de aula do Dr. Luiz Nunes (SALT-IAENE) e do Dr. Timm (SALT-UNASP).

Por: Gilson Medeiros

FONTE: http://prgilsonmedeiros.blogspot.com/

 

About these ads
Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.